1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Comissão aprova definição de família como união entre homem e mulher

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Ana Lovejoy, 24 Set 2015.

  1. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Em reunião tumultuada, a comissão especial que discute o Estatuto da Família na
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (24) o texto principal do projeto, que define família como a união entre homem e mulher. A comissão aprovou o relatório por 17 votos favoráveis e 5 contrários, mas quatro destaques ao texto ainda precisam ser aprovados.

    Os deputados chegaram a iniciar a discussão dos destaques, mas as votações no plenário, presididas por
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    (PMDB-RJ), foram iniciadas.

    De acordo com o regimento interno da Casa, nenhuma comissão pode votar projetos e destaques simultaneamente ao plenário. Assim, os destaques devem ser apreciados em uma próxima reunião.

    Trâmite
    Após a conclusão da votação, a regra é que o projeto siga para o Senado sem necessidade de ser votado pelo plenário da Câmara. Deputados podem, entretanto, apresentar recurso para pedir que o texto seja votado pelo plenário antes de ir para o Senado. A deputada Érika Kokay (PT-DF), contrária ao projeto, já adiantou que fará isso.

    Após o fim da reunião que aprovou o Estatuto da Família, deputados favoráveis à definição de família como união heterossexual se reuniram para uma fotografia e comemoraram a aprovação do projeto

    O texto dispõe sobre os direitos da família e as diretrizes das políticas públicas voltadas para atender a entidade familiar em áreas como saúde, segurança e educação. De autoria do deputado Anderson Ferreira (PR-PE), a proposta tramita na casa desde 2013.

    Discussão
    Logo no início da sessão, antes mesmo de os parlamentares começarem a discutir o texto do projeto, a deputada Érika Kokay (PT-DF) afirmou que o projeto "institucionaliza o preconceito e a discriminação".

    O deputado Takayama (PSC-PR) interrompeu a deputada e gritou que "homem com homem não gera" e "mulher com mulher não gera". Em seguida, manifestantes contrários ao projeto rebateram: "não gera, mas cria".

    Mais tarde, a deputada Maria do Rosário (PT-RS) criticou o texto do relator. Ela disse que "dá nojo" ler o texto e afirmou que o deputado usou apenas preceitos religiosos em seu relatório. "O seu parecer é péssimo. E acho que a Câmara dos Deputados é melhor do que isso", afirmou.

    [O projeto] está excluindo, punindo e discriminando a família formada por um casal homoafetivo. Está fomentando a intolerância. É isso o resultado desse projeto de lei"
    deputado federal Bacelar (PTN-BA)
    O deputado Bacelar (PTN-BA) defendeu que os homossexuais têm direito de receber igual proteção às famílias compostas por casais heterossexuais.

    "Que país é este? Que sociedade é esta que estamos construindo? Seria mais fácil, talvez, substituir a Constituição pela Bíblia", ironizou.

    O texto, segundo Bacelar, representa um retrocesso para a sociedade brasileira. "[O projeto] está excluindo, punindo e discriminando a família formada por um casal homoafetivo. Está fomentando a intolerância. É isso o resultado desse projeto de lei", disse.

    Por outro lado, o deputado Evandro Gussi (PV-SP) defendeu o projeto do Estatuto da Família. "Queremos que todas as pessoas homossexuais tenham seus direitos garantidos, mas a Constituição disse que a família merece uma especial proteção, porque é base da sociedade", disse.

    O deputado Elizeu Dionizio (SD-MS) também defendeu o texto de Diego Garcia e disse que, mesmo com as tentativas de adiar a votação, os defensores do projeto sairiam vitoriosos na reunião desta quinta.

    Queremos que todas as pessoas homossexuais tenham seus direitos garantidos, mas a Constituição disse que a família merece uma especial proteção, porque é base da sociedade"
    deputado federal Evandro Gussi (PV-SP)
    Adiamento
    Deputados contrários ao texto do Estatuto da Família apresentaram requerimentos para adiar a apreciação do texto, mas eles não foram aprovados.

    Um desses parlamentares foi o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ), que apresentou requerimento de adiamento da votação por cinco sessões.

    Braga acusou o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de atrasar o início da sessão no plenário para que a votação sobre o Estatuto da Família acontecesse ainda nesta quinta na comissão. A partir do momento em que a ordem do dia tem início no plenário da Casa, as comissões não podem mais realizar votações.

    O primeiro vice-presidente da comissão que debate o Estatuto da Família é o deputado Marco Feliciano (PSC-SP), conhecido por seu conservadorismo e por defender a “cura gay”. Ele chegou a
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    . O presidente da comissão é o deputado Sóstenes Cavalcante (PSD/RJ).

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
  2. Dany-L

    Dany-L Só...

    Retrocesso, intolerância e incentivo ao preconceito de presente da nossa querida bancada evanjegue.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Duvido que alguém aqui do fórum defenda isso.

    Só para sair um pouco do óbvio, o estado não tinha nem que estar se metendo nesse assunto.
     
    • Gostei! Gostei! x 5
  4. Ranza

    Ranza Macaco

    Concordo contigo.
    Isso é a definição de populismo.
     
  5. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Família é uma instituição tão frágil que precisa de proteção? "Família".
     
  6. *Ceinwyn*

    *Ceinwyn* Ogra rosa

    Tem sim, pra proteger as famílias homoafetivas. Mas com o Congresso mais conservador desde 1964 o contrário fica mais fácil de acontecer...
     
    • Ótimo Ótimo x 2
    • Gostei! Gostei! x 2
  7. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Não tem que se meter a definir o que é uma família não.
    --- Mensagem Dupla Unificada, 24 Set 2015, Data da Mensagem Original: 24 Set 2015 ---
    Proteger fazendo o q?
     
  8. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Com a atual composição do congresso que temos ficava difícil esperar algo diferente mesmo.
     
  9. *Ceinwyn*

    *Ceinwyn* Ogra rosa

    Se a definição for favorável a famílias homoafetivas, elas vão ter facilidades legais para enfrentar direções de escolas homofóbicas, por exemplo. Somos uma sociedade preconceituosa o suficiente para que esses aparos legais se mostrem necessários.

    Sem falar na questão de adoção, o que ainda temos de homofobia no Judiciário...
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  10. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Enfrentar fazendo o q? Na boa, eu vou ler o estatuto da família para ver o que as famílias homoafetivas estão perdendo.

    Enfim, o meu ponto é muito ais simples: O estado não tem que se meter na definição de família ou na definição de casamento. Se o sujeito se considerar casado com uma árvore, o problema é dele. Um casamento é um contrato entre dois (ou mais, whatever) indivíduos e a função básica do estado é garantir que esse contrato seja implementável.
     
  11. Eriadan

    Eriadan Bears. Beets. Battlestar Galactica. Usuário Premium

    @Grimnir, eu concordo em partes. Concordo que o Estado não deveria estar se metendo para definir quem pode e não pode casar com quem. Mas acho importante o próprio Estado positivar esse entendimento, porque os efeitos jurídicos de um casamento são importantes demais para alguém pôr em dúvida sua validade.
     
    • Gostei! Gostei! x 3
    • Ótimo Ótimo x 2
  12. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Quais são os efeitos jurídicos?
     
  13. Omykron

    Omykron far above

    mas já não tem decisão do cnj/stf sobre constituição de família? ou seja, este não seria mais um projeto inconstitucional aprovado pela CCJ da câmara?
     
  14. Dany-L

    Dany-L Só...

    Entendo @Eriadan quando fala da necessidade de "positivar o entendimento"
    A instituição casamento tem sim que ter suas regras básicas validadas, mas o estado não deveria tentar definir o que é ou não família, principalmente se o conceito de família do estado pode gerar danos a os modelos de família que já são praticados. Nesse caso não falo somente das uniões homoafetivas. Então concordo muito com @Grimnir quando diz que o estado não deve se meter a decidir o que é ou não família.
     
  15. Ainurian

    Ainurian Visitante

    Acho que o estado não devia decidir o que é ou não família por um motivo: isso já devia ser claro pra todo mundo!!!!!!!!!!!
    FAMÍLIA É QUEM SE DISPÕE A CRIAR OU AMAR ALGUÉM

    mas já que vivemos numa sociedade tão fechada, preconceituosa e hipócrita, o dever do Estado seria mostrar que todos são sim, família. mas não... essa câmara gosta de foder com tudo que tem chance de dar certo e melhorar o país.

    Sabe o que eu tenho mais raiva? Desse bando de 'crente' nojento da câmara que esqueceu TODO O CERNE DO DISCURSO DE JESUS. Amor? que amor? andar com puta, bandido, gente excluída da sociedade? que nada!!
    Gente, qual é a Bíblia deles? Bando de hipócrita nojento.... Minha esperança é que se isso for real, esse povo vai todo pro inferno sem dúvida. Sério, eu tô puta da cara
     
    • Gostei! Gostei! x 2
    • Mandar Coração Mandar Coração x 2
  16. Dany-L

    Dany-L Só...

    Te entendo. Os crente fodendo a parada desde sempre. <3
     
  17. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    Quero ver como vai ficar isso. Deve ser a pior legislatura da história do país. Os caras querem tumultuar.

     
    • Gostei! Gostei! x 1
  18. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Por mais retardado que seja, acho que não existe contradição. O Supremo reconheceu a união homoafetiva e a Câmara reconhece como família (para fins de política pública) só o casal homem e mulher.
     
  19. Eriadan

    Eriadan Bears. Beets. Battlestar Galactica. Usuário Premium

    Vários. Além da partilha de bens, tem coisas que dependem da autorização do cônjuge (tipo alienação de bem imóvel), coisas que a condição de um cônjuge impede que o outro pratique algum ato (tipo as hipóteses de impedimento do CPC e da Lei de Inelegibilidades), os deveres matrimoniais que implicam em responsabilidade civil (um cônjuge que deixa o outro à míngua pode ser processado), etc etc etc...

    É uma lei que tem tudo para ser julgada inconstitucional, mas é formalmente constitucional, a princípio. Acontece que no Brasil prevalece o princípio da presunção de constitucionalidade de lei nova, porque a função de legislar é, por excelência, do Poder Legislativo, não do Judiciário. E também prevalece a proibição ao controle de constitucionalidade preventivo. Aí, precisaria uma nova Ação Direta de Inconstitucionalidade ser proposta no STF para ser declarada a inconstitucionalidade da nova lei. Digo que tem tudo para ser julgada inconstitucional porque todos os fundamentos usados para as primeiras declarações de inconstitucionalidade (para quem se interessar, ADI 4277 e ADPF 132) valeriam agora novamente.

    De qualquer forma, Dilma tem a faca e o queijo na mão para vetar, usando a avaliação de inconstitucionalidade como fundamento.
     
    • Gostei! Gostei! x 4
    • Ótimo Ótimo x 2
  20. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    E isso ai não é uma decisão final, ainda vai ter muita agua pra rolar até o assunto ser "definido" .
     

Compartilhar