1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[Coluna] Rir é melhor ainda

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 13 Jan 2014.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Eles entraram no humor pela porta dos fundos, mangando do sagrado e do burguês. Mas são palhaços revirando crenças, não inimigos atacando vítimas

    (adição minha: mangar v. t., v. i nordestinês rir de alguém, zoar, escarnecer)

    A trupe de humoristas Porta dos Fundos está no meio de um burburinho com grupos religiosos que se consideram ultrajados por alguns de seus vídeos. O Especial de Natal parece ter sido o capítulo final da saga, apesar do sucesso de audiência. O argumento do ultraje é uma leitura curiosa do artigo do Código Penal que diz ser proibido "escarnecer alguém por motivo de crença religiosa". Escarnecer é zombar ou, em termos regionais, mangar de alguém. O alguém, nesse caso, não é um sujeito em frente a um delegado reclamando ter sido ultrajado por outro, mas hordas de crentes que se sentem humilhados quando símbolos religiosos são transformados em espetáculo do riso. A solenidade da verdade suprema não poderia ser objeto de escárnio, dizem as tentativas de silenciar os palhaços que entraram no humor brasileiro pela porta dos fundos.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Religiosos não curtiram o satírico 'Natal' no YouTube.
    Há duas formas de discordar da tese dos mal-humorados. A primeira é duvidar da leitura estreita do Código Penal sobre a proibição do escárnio. Se zombar de crenças é proibido, não pode mais haver humor. Não me parece razoável supor que somente as crenças religiosas ganhariam o estatuto de intocáveis para a zombaria - qualquer crença digna de ter alguém postulando-se como seu representante poderia reclamar o sentimento de humilhação como suficiente para silenciá-la.

    O humor é a prática da zombaria - mangar do que nos escapa à compreensão ou apreensão é parte da sociabilidade. Rimos do que acreditamos, mas também zombamos do que estranhamos. E somos livres para não rir ou ignorar a zombaria de outros sobre o que acreditamos. Mais provocativo ainda é quando zombamos não só dos resquícios da senzala na casa-grande, mas da sala de estar dos senhores de engenho - o alvo da zombaria já foram os nomes das latinhas de refrigerante que o dicionário desconhece, mas agora os personagens da pilhéria são as elites cristãs.

    Mas o Código Penal fala de "alguém". O alguém não é o sujeito que peticiona contra a trupe, mas o personagem concreto a ser zombado pelo humor. Para que a zombaria ameace a integridade moral de alguém, é preciso que o humor tenha tido um sujeito específico como alvo e não simplesmente crenças. Ou que tenha sido mais do que um humor ocasional: uma paródia sistemática pode levantar a suspeita da antipatia ou da perseguição. Até onde sei, são sempre os palhaços em situações inusitadas que contracenam, seja no divã de um psicanalista embrutecido, seja no sofá da velhinha com seu sequestrador. Em meio à criatividade que faz pouco de valores burgueses ou familiares, há a zombaria das verdades sagradas. Mas isso é o humor - "a risada é uma maneira de lidar com o incompreensível", disse uma vez Slavoj Žižek ao analisar os filmes sobre os campos de concentração nazistas que introduziam o humor nas narrativas. Houve quem se indignasse com filmes como A Vida é Bela, de Roberto Benigni (1997): o respeito à dor pediria o silêncio e jamais o riso. O risco é transformar a história dos campos no indizível e deixar de se emocionar com o pai e o filho que resistiram pela fantasia à tortura dos kapos nazistas.

    O cômico é um falso espetáculo, por isso os que pedem que a porta dos fundos seja fechada me parecem sujeitos, além de mal-humorados, intolerantes à ironia. A verdade da crença não é abalada pelo humor ou, nas palavras de deus no Especial de Natal: "Querido, relaxa, o pessoal acredita em qualquer coisa. Vai por mim". Sim, seguir deus nessa tese é a segunda maneira de resistir à interpretação equivocada dos que sustentam haver ofensa no humor. Somos livres para acreditar em qualquer coisa, inclusive para acreditar ou não no poder do humor como libertação.

    O espaço em que os palhaços se exibem é de difícil acesso. É preciso ligar um computador, conectar-se à internet, selecionar o episódio, cujo título já anuncia o tom sarcástico, e postar-se diante da tela como audiência. O alguém que se sente ofendido pelo humor escolheu lançar-se como audiência, mas nem de longe a trupe tem o poder de suspender suas crenças.

    A verdade é que acredito que o humor não pode ser policiado - ridendo castigat mores, já dizia Cícero. A porta dos fundos não nos castiga, mas revira nossos costumes. É um divã pelo humor que nos testa sobre o que seremos capazes de estranhar como verdades pouco sagradas. Mas não é preciso substituir a crença pelo riso. É possível rir do que não cremos. O humor é uma forma de linguagem em que importa conhecer o estatuto de quem fala e a quem se dirige a mensagem. No caso do espetáculo do Porta dos Fundos, são palhaços revirando crenças e não inimigos agredindo vítimas. Entre o palhaço e a audiência, não há lugar para a polícia. Acreditem: rir ainda é o melhor.

    DEBORA DINIZ É PROFESSORA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UNB) E PESQUISADORA DA ANIS - INSTITUTO DE BIOÉTICA, DIREITOS HUMANOS E GÊNERO

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Essa galerinha incomodada deveria ver A Vida de Brian.

    No mais, só é errado zombar quando é com a minha religião, quando é a dos outros eu dou risada, né. No vídeo anterior ao especial de Natal, onde o PdF fez uma zoação com a burca, nenhum defensor da "moral e dos bons costumes" se pronunciou.
     
    • Gostei! Gostei! x 5
  3. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    nada d novo no front. num foi anos atrás q queriam queimar um jornal francês (e todos os q trabalhavam lá juntos) por terem publicado uma tirinha sobre maomé? se pegarmos uma linha do tempo tenho certeza q vão aparecer vários e vários exemplos, n só mundiais como tb regionais, do humor sendo humor e dos fundamentalistas sendo fundamentalistas.
     
  4. Nihal

    Nihal Ventinha xD

    Gente fresca.
     
  5. Grimnir

    Grimnir Usuário

    E onde fica a fronteira entre esse caso e Danilo Gentilli/Rafinha Bastos? Tô perguntando numa boa.

    E numa boa eu também digo: O argumento do @Morfindel Werwulf Rúnarmo de que Jesus é um "personagem" é completamente irrelevante.
     
  6. Tek

    Tek Girls tend not to like me

    Ô posturazinha infeliz essa que está virando moda, hein? Os "humoristas" fazem piada com o que lhes dá na telha e ai daquele que se sentir ofendido! "Frescura", "ai, foi só uma piada", "cadê o senso de humor?". Eu que pergunto onde está o senso de humor quando você tem que tirar sarro, às vezes chegando ao nível da humilhação (como nos casos Wanessa/Rafinha e doadora de leite/Danilo, lembrados pelo @Grimnir) pra conseguir ser ~engraçado~.

    E cadê o bom-senso, minha gente? Falar pra alguém que ela está errada em se sentir ofendida? Se ela é o alvo da piada, quem sabe como ela é afetada é ela!

    Porque não tem sentido nenhum comprar briga dos outros.
    Mas concordo quanto à parte de dar risada. Se você ri de piada contra religião alheia, vai ter que aceitar quando rirem de piada contra a sua, claro.

    Ok, isso foi estúpido! Hoje qualquer um tem computador e acesso à internet, nem que seja no celular. O YouTube tem um conteúdo imenso sobre tudo, exatamente tudo, fazendo com que qualquer pessoa com qualquer interesse o acesse. Eu não gosto do Porta dos Fundos, e costumo ficar com minha conta do YT deslogada. Mesmo assim, SEMPRE que eu abro o site, tem um vídeo deles em tamanho maior na página inicial, escrito "vídeo em destaque", não porque *eu* assisto, mas porque tem muitos views da geral. E não, o título "Especial de Natal" não anuncia tom sarcástico.

    Eu particularmente prefiro não assistir a algo que eu sei que tem chances de me irritar, mas nem todo mundo é assim.
     
  7. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Nem tinha me ligado nesse parágrafo. Eu acho, @Tek, que o ponto não é nem que a "dificuldade de acesso" ao canal noo YT seja falaciosa. A questão é que o mesmo argumento pode ser usado para qualquer coisa. Então se alguém escreve um livro com humor tido como ofensivo, mas o livro é vendido só pela internet, isso torna o humor menos ofensivo? Ou então isso tira a razão de quem reclama do humor?

    Afinal, o problema é a ofensa em si ou o alcance do humor produzido (se é de fácil ou difícil acesso)?
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  8. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    Pra mim o Fëanor disse tudo. Zuar quem usa burca, pode. Agora mexe com jesus e são imorais. Sem contar a Vida de Brian...

    PS: O Especial de Natal do Porta é fantástico. E aquele gay que libera a entrada do JC é um dos personagens mais engraçados que eu já vi.
     
    • LOL LOL x 1
  9. adrieldantas

    adrieldantas Relax and have some winey

    Não sou fã do "Porta dos fundos", mas achei engraçado esse especial.

    Quando ao fator comédia, não vi nada demais no vídeo, agora lógico que eu não sou devoto a tal religião. Contudo, fazer um vídeo desses é um "absurdo", agora zombar das macumbeiras é normal, dizer que os homossexuais são o câncer da humanidade é "liberdade de expressão"...

    Falar dos outros é bom, agora quando os outros falam de você é "uma falta de respeito".
    Ahhh, aqui em casa tem um cesto cheio de roupa para lavar, vem.
     
    • Gostei! Gostei! x 2

Compartilhar