1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

clonagem vs Extinção (Ou seria a favor da Extinção?)

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por Primula, 21 Mai 2008.

  1. Primula

    Primula Moda, mediana, média...

    Cientistas reativam DNA de mamífero extinto

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    *************

    Interessante pois há poucos dias vi um documentário sobre isso. Polêmicas com argumentos sem-noção a parte (fazer papel de Deus, devia gastar em outras coisas), houve um argumento que acho válido discutir.

    Quem já assistiu Blade Runner, lembra de uma conversa sobre uma coruja. Deckard pergunta "Ela é real?" e a resposta negativa da mocinha. (mesmo assim é um artigo de luxo caro)

    A questão levantada por um dos cientistas era essa: será que nessa brincadeira, a humanidade - cuja maioria é leviana - não vai acabar levando o problema da extinção na brincadeira?

    Quero dizer "ah, mesmo que acabe, a gente pega o DNA e faz de novo".

    Essa é uma questão relevante, ainda mais que qualquer clone não será igual á maravilha original (o que levou milhares de séculos para a Natureza construir, o Homem não pode fazer melhor em alguns anos).

    Pois apenas alguns poucos terão a consciência de que esta é a medida final, quando tudo o mais falhou (como fazer uma mastectomia e arrancar a mama de uma mulher por causa de cancer, ou procurar cura da AIDS sem antes fazer prevenção).

    O mesmo aconteceu com a operação cesariana. Antigamente somente quando era para impedir a morte da mãe ou do bebê, e depois que viu que era seguro (antibióticos, lavar as mãos antes da operação), foi banalizada e mesmo mulheres que não precisavam passavam pela cirurgia (que pode ser cobrada em convênios, ou simplesmente porque a mulher ficava aterrorizada com as estórias de parto)

    Eu pessoalmente gostaria de "remediar" besteiras de meus antepassados, como o extermínio de tigres. E por remediar não é fazer como um pessoal que vi num documentario, que caçavam para ter o trofeu da pele, e depois arrependidos queimaram as peles (!!! então não contentes em tirar-lhes a vida, agora também apagaram todos os vestígios de que caminharam na terra?)

    Por isso entendo essa vontade de desfazer um enorme erro.

    Mas aqui no Brasil tivemos um problema interessante. No Sul do país, depois de devastar (na verdade substituir) a vegetação nativa por outra há décadas, as gerações atuais tentaram consertar a cagada de nossos avós, plantando árvores nativas de quando os nossos avós fixaram residência

    O problema é que depois de décadas de vegetação substituta, criou-se todo um ecossistema já acostumado à nova vegetação, e os netos ao ficarem loucos plantando ipês, acabaram por colocar em perigo a fauna (bichinhos) que ali morou por décadas!
     
  2. Reverendo

    Reverendo Usuário

    Primula, eu acompanho a "novela tilacino" desde de 1973, quando minha mãe me presenteou com o livro Os Animais da Block Editores. Foi ali que eu vi o lobo masrsupial (ou tigre da Tasmânia, como queiram) pela primeira vez. Lamentavelmente a foto mostrada era de um animal empalhado, o que me deixou muito triste. Naquela época eles acreditavam que alguns exemplares ainda existiam na natureza.
    Sou a favor da clonagem do tigre, apesar de todos os perigos envolvidos.
    Podemos fazer algumas cagadas trazendo-o de volta? Podemos. Mas eu creio que cagada maior seria cruzar os braços e deixar para lá.
    A culpa é nosso (nossa como espécie), não de um meteoro ou de uma era do gelo.
    Uma burrada foi feita e se há como consertar, devemos tentar.
     
  3. Eönwë

    Eönwë Usuário

    eu não vejo nenhuma tendência em 'levar na brincadeira' o problema da extinção, mesmo pq a clonagem de espécies extintas ainda não é realidade (e, se vier a ser, provavelmente vai sair mto mais caro do que proteger as espécies enquanto ainda estão vivas).

    clonar espécies que foram certamente extintas pelo homem, em tempos recentes (por exemplo o tilacino), não é problema, pois claramente não foram os processos naturais que levaram à extinção, e se não fosse nossa ação elas ainda estariam lá. o que seria problemático seria clonar espécies que foram naturalmente extintas (por exemplo: mamute, que parece que tbm estão tentando). isso seria passar por cima da evolução.

    Se for um clone mesmo, vai ser perfeitamente igual o que a natureza levou milhares de anos pra construir. Vai ser igual a maravilha original.
     
  4. manuu

    manuu yo hablo muy bien

    Antes de mais nada nada: Não adianta clonar espécie alguma se o habitat não está sendo recuperado e/ou preservado.
    O mínimo que se espera é que tanto investimento não resulte em tilacinos atacando ovelhas, mamutes morrendo de calor e dodôs sem-teto.

    E qual o objetivo de recuperar essas espécies? Seria um pedido de desculpas à natureza, onde tentaríamos repor todas as espécies que "arrancamos do catálogo"? E o que mais?

    Não acho que temos condições de reviver animais já extintos. Concordo em clonar espécies que estão em extinção e clonar vários animais diferentes para garantir a variabilidade genética, mas não "ressucitar" espécies.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  5. Marco

    Marco may the force be with... wait

    Eu não tenho nada contra clonagem, mas fica a dúvida se isso vai ser feito pra recuperar espécies "em larga escala" ou em ambiente controlado, pois fico pensando no impacto de um revival de uma espécie já extinta, para as demais espécies com que conviveria.
     
  6. yávië

    yávië Usuário

    Sobre o post da Primula, bem, gostei muito e concordo. Acho que sim, a idéia de clonar e recriar acaba dando um certo tom promíscuo a coisa toda... porém não acho que isso chegaria a se firmar não pq é óbvio que é absurdo.

    Bom, não sei se interpretei mal a notícia, mas não acho que era esse o objetivo deles ou se vc que trouxe a idéia da clonagem de animais a parte da notícia.


    Clonar um animal extinto para 'relocá-lo' é uma idéia absurda.. se o animal foi extinto não é à tôa. O homem pode ter tido culpa? Certamente e isso definiu muitíssimas extinções. Porém querer reimplantar um animal extinto não resolve nada. Aquela espécie já não tem mais condições de sub-existir. Para uma espécie sobreviver ela precisa ter um pool gênico suficiente parar gerar variabilidade e assims e adaptar as mudanças locais... se aquela espécie se extinguiu é pq ela não conseguiu se adaptar -logicamente- e não adianta mais colocá-la novamente ali. Ela é looser para a guerra dos mais fortes, por mais duro que isso possa parecer.

    Além do que clonar significa o que? Copiar exatamente o mesmo.. então o que se poderia fazer é colocar vários animais iguais com a mesma variabilidade genética (que seria virtualmente nenhuma! Se tds possuem as mesmas sequencias de DNA NÃO há variabilidade).. é aquela história de primo e prima, irmã e irmão e doenças que podem surgir... ou os famosos problemas em famílias reais e seus casamentos consanguíneos... como está tudo entre família a variabilidade do DNA é pequena e a probabilidade de surgirem doenças recessivas e de não se obter novas características que poderiam causar adaptão é grande.

    Mas enfim... mesmo com tudo isso, obviamente não podemos tirara a responsa do homem. Por mais que as espécies extintas já tenham ido pro beleléu e não tenha como fazer o retorno dos mortos vivos, não podemos nos isentar da culpa e eveitar que isso continue a acontecer! (Apesar de que ao pisar na grama eu sempre digo, bah, ela tem que se adaptar! :lol: Mas grama tb neh >P) E isso sim acho importante destacar...


    Vc está com conceitos um pouquinho deturpados no meu ponto de vista. O homem não faz parte da natureza?
     
  7. Eönwë

    Eönwë Usuário

    Outro ponto importante é esse que a yávië tocou: uma coisa é clonar um (ou alguns) individuos, com uma variabilidade genética pequena, outra coisa é reestabelecer uma população inteira a partir deles.

    Ah, sim... sob um ponto de vista evolutivo claro que faz... Mas culturalmente, somos a única espécie que tem consciência das próprias ações (tem consciência, por exemplo, do que significa extinguir outra espécie) e acho que isso, junto com a nossa capacidade tecnológica mto maior que de qualquer outro animal, nos coloca um pouco a parte do restante da natureza, e com uma responsabilidade maior.
     
  8. yávië

    yávië Usuário

    Sim, eu não disse que não.. ;)


    mas aí o que vc falou antes:
    Isso entra em conflito. Que por mais que o homem tenha sim que se responsabilizar e esteja sim acelerando o processo de extinção, AINDA ASSIM é um processo 'natural', pois há espécies que conseguem subexistir mesmo com as interferências humanas, entende meu ponto? Portanto se a espécie está extinta, seja por causa humana ou não, já era. Sim, isso não nos redime, muito pelo contrário, só nos condena, mas não há o que possa ser feito quanto aquela espécie. Babau. O que podemos fazer é mudar nossas ações para que isso pare de acontecer.
     
  9. Thorin Escudo de Carvalho

    Thorin Escudo de Carvalho Part-time Ninja

    Poderiamos clonar humanos para fazer um imenso exército e dominar o mundo!Um exercito de clones,dessa forma criaríamos as guerras Clônicas(como Em Star Wars)

    Não me chamen de doido,mas não sou a favor da extinção.
     
  10. Lyvio

    Lyvio Usuário

    Bem polo que vi e entendi, eles não clonaram o tigre da tasmânia, apenas copiaram parte do DNA do bixo e implantraram no embrião de rato, e por isso não vai nascer um tigrezinho da tasmânia perfeito, apenas o mais superficial, foi isso mesmo?
     
  11. yávië

    yávië Usuário


    Por aí! Ninguém fala de clonagem na notícia... o tópico que trouxe essa perspectiva, q tb é válida, mas que não está ligada ao objetivo dos cientistas... Eles só queriam saber se conseguiam manipular um DNA recuperado de um ser que não está mais vivo e se ele ainda era funcional.. Só não entendi o que vc quis dizer com 'o mais superficial'...

    ;)
     
  12. Omykron

    Omykron far above

    acaba-se com a extinção, mas cria-se um novo problema.

    esses novos animais vão ter de se virar para aprenderem a caçar, a sobreviver em qualquer tipo de eco-sistema que forem colocados, a não ser que virem animais de zoológico.
     
  13. yávië

    yávië Usuário

    Mas ninguém quer clonar ninguém! É só para construir uma biblioteca de DNA! Para ter acesso a diversidade genética... Não se teria o que fazer com um bicho desse criado.. e não é tão simples assim, a gente ainda não consegue clonar nada só a partir do DNA...mesmo a Dolly não foi tão direto assim E não deu certo! Tipo.. a longo prazo...


     
  14. Omykron

    Omykron far above

    RLY?
    E para construir uma biblioteca de DNA tem que clonar? Você inseriu essa idéia agora, não foi algo proposto durante a discussão.
    e essa biblioteca vai conter o que? um exemplar de cada espécie? vários exemplares de cada região que a espécie ocupa/ocupou?

    A, e a Dolly deu certo, e foi possível estudar o envelhecimento precoce e outros problemas que surgiram pós-clonagem. Por que Não deu certo a longo prazo?
     
  15. yávië

    yávië Usuário

    Vc tá me sacaneando? :osigh:

    Enfim, como eu sou boazinha, vou responder... >P

    Para construir uma biblioteca de DNA vc pode clonar o DNA em si... veja, clonar significa 'copia' e hj em dia temos a idéia de que clonar é só se for o organismo inteiro, mas não. Eu mesma já fiz muitas clonagens.. de DNA, o que é simples e super batido... Vc simplesmente vai fazer milhares de cópias daquilo. Então sim, vc vai guardar aquele DNA num tubinho que terão milhares de cópias iguais.

    Eles colocaram na célula de outro animal, não com o objetivo de clonar, mas com o objetivo de ver se este ainda era funcional, pois já que não há mais células do animal de origem (que foi extinto-dã) eles tiveram que pegar alguma outra para fazer isso! Certo? Então colocaram em outra e viram que sim, ele ainda era funcional...

    Essas conclusões são minhas, foi o que eu interpretei, mas posso estar tb super enganada... aí é questão de senso crítico seu para confiar ou não em mim/meus argumentos :mrgreen:

    Sobre o objetivo deles, bem não sei né? Depende da pesquisa, mas o que eu pude ver tb é que eles pretendem guardar os DNAs dos espécimes para poder ter a mão essa diversidade gênica, para fazer estudos de evolução, filogenética, taxonomia, etc... Nós não poderemos fazer mais nada por esses animais, mas teremos o DNA deles para estudar. Seria só isso mesmo... triste, eu sei, mas já que já, pelo menos que se conheça o que puder! E isso vale para qualquer organismo que possa um dia se extinguir...



    A Dolly não deu certo a longo prazo no sentido de 'clonar um animal', não disse que foi infrutífera a pesquisa. Mas eles não conseguiram reproduzir um animal com um tempo de vida normal, e isso rendeu a morte prematura da Dolly. Se vc quiser posso tentar te explicar biologicamente 'mais ou menos' pq isso se deu. Mas como eu não sei nem se vc tava querendo me sacanear, vou preservar meus dedos por enquanto :mrgreen:
     
  16. manuu

    manuu yo hablo muy bien

    E esse não é o problema de todos os animais? Sejam os que poderao existir se vierem a ser clonados e os que vieram ao mundo do jeito de sempre?
     
  17. Reverendo

    Reverendo Usuário

    No caso do tilacino, o problema de aprendizado seria pequeno. Ele não era um caçador especializado que utilizava técnicas sofisticadas como emboscadas ou trabalho de equipe. O "cachorrão" era o que nós chamamos de matador vagabundo. Simplesmente perambulava pela mata matando o que aparecesse na frente. Carniça não era desprezada.
    Caçador tão pouco exigente só precisa de espaço para se dar bem, e até onde eu saiba, o ambiente em que o tilacino vivia está em boas condições, até mesmo com a presença das presas que ele caçava.
     

Compartilhar