• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Cinco Livros Favoritos com Bruce Torres

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
5 - Mrs Dalloway, de Virginia Woolf

51AygEXkPVL.jpg


Faz pouco tempo que li este romance da Virginia, mas já se tornou uma das minhas obras favoritas. Provavelmente o efeito desenvolvido no texto, do fluxo de consciência que passa pela transição sem pausa de focos narrativos, já era anterior a ela, mas sua escrita tem uma graça absoluta que até me deixa extático. É que é difícil tornar o “banal”, o comezinho em algo digno de atenção — um dos motivos por que admiro cronistas —, mas o fio ariadniano dela faz justamente isso. Se fosse só estilo, já teríamos um caleidoscópio narrativo do caramba, só que então temos a exploração da vida interior de cada uma das personagens e o texto se torna algo mais.

4 - O dia do Chacal, de Frederick Forsyth

38438a2b929af9ebdab87d8484e5b7ecffdab9a5.jpg


Teoricamente, deve ter sido o primeiro romance que li na vida — não sei se dá pra considerar a adaptação infanto-juvenil de Os irmãos corsos, de Dumas, um romance per se. Mas divago. A questão é que não foi só um livro que me chamou pra leitura como também me chamou pra escrita. Fiquei viciado em thrillers e até tentei escrever um quando estava no colégio — as páginas se perderam, mas ainda tenho a ideia na cabeça. Agora, o que há de tão especial num thriller? Embora o foco seja a trama, creio que o mais impressionante em Forsyth seja o trabalho que ele põe na página pra gerar verossimilhança. Ele desenrola um fato — a tentativa real de assassinato de Charles De Gaulle por um grupo extremista — até chegar nos nós e fiapos. Uma pena que muitos thrillers de então ou confundiram isso com criar blocos informativos, como se precisassem ser enciclopédias, ou vieram a diluir isso se passando por aulas de história — sim, é de você mesmo que estou falando, Dan Brown.


3 - O lobo da estepe, de Hermann Hesse

9788577991075-na-na-o-lobo-da-estepe-3092392259.jpg


Tenho me afastado do jungianismo e questionado bastante as teses de Campbell sobre o monomito, mas creio que dos autores que exploraram a ideia do autodesenvolvimento e da iluminação por introspecção, Hesse foi o mais bem-sucedido, mesmo que sua obra seja composta de idas e vindas por essa jornada. A leitura começa num ponto em que o próprio leitor pode estar — a contemplação com o niilismo e o desespero advindo ou da falta de bliss ou de sentido — mas logo se torna algo labirintinesco, gradual, tal como a imagem da mandala como representação do eu. Conforme se lê, parece que você salta esses círculos concêntricos de forma palpável. Deve ser uma das melhores representações em literatura — e uma das mais acessíveis — sobre como funciona a mente humana.


2 - A máquina do tempo, de HG Wells

51+5BhMPV+L.jpg


É raro eu ler um livro mais de uma vez, salvo quando gosto muito do estilo ou quando dou uma segunda chance. A primeira vez que li A máquina do tempo tinha uns 13 ou 14 anos e me encantei na hora com as alegorias sociohistóricas de Wells em forma de ficção científica. Faz uns anos, sem ter como sair de um shopping por conta de uma chuva daquelas, resolvi passar o tempo lendo e achei uma edição desse romance. Foi aí que outro encanto tomou conta de mim: o da capacidade imaginativa do fantástico. A essa altura do campeonato, todo mundo já escreveu o que tinha de ser escrito sobre essa obra, mas sempre me surpreende como Wells consegue tornar crível para o leitor o sentido de awe que o Viajante experimenta. É uma pegada quase impressionista, embora não seja passível de ser qualificada nessa escola literária. Volta e meia vivo atrás de uma fantasia que me proporcione essa mesma sensação.


1 - O diabo no corpo, de Raymond Radiguet

31JBT05H50L._SX323_BO1,204,203,200_.jpg


Eu sempre digo sobre esse livro: queria tê-lo escrito. Radiguet morreu cedo, creio que só deixou dois romances e um punhado de poemas, mas que obra que ele deixou! A escrita é uma mistura de modernismo com traços românticos-realistas, é quase como se Flaubert estivesse escrevendo sob a tutela de André Gide, em que a potência da subversão às claras encontra o subentendido, gerando uma obra de alto teor erótico acompanhado de reflexão moral. Trata-se de um adolescente que aos poucos vai seduzindo uma moça noiva de um soldado que está em combate. O protagonista cativa pela dissimulação e você se sente, tal como ela, refém da situação. Para mim a melhor obra sobre a exploração da capacidade do mal e da amoralidade — cada um pese seus princípios — em forma de arte.
 

Béla van Tesma

Vai ter elfo negro, sim.
Eu quase ia dizer o mesmo que o Meneldur, mas o último livro me salvou de passar em branco. Esse do Radiguet é muito bom, mesmo. Mas, como a minha leitura tem uns anos já, não posso ir além disso. Oh well. Continuo esperando o dia em que o nosso dragão-rei dará as caras numa dessas listas. Não foi hoje. :flag:
 

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
HG Wells é tudo de bom! :obiggraz:

O dia do Chacal eu li exatamente essa edição da capa "Grandes Sucessos Abril" que meu pai colecionava. A trama me prendeu do início ao fim. Esse é daquele que peguei pra ler e só parar quando o livro acabar.

Os demais não li.
 

Béla van Tesma

Vai ter elfo negro, sim.
Do H. G. Wells eu li "A guerra dos mundos" e achei muito foda, mas depois fui ler "O homem invisível" e fuém... baita merda. Ainda pretendo ler esse da máquina do tempo e o do dr. Moureau, pra ver se ele se redime. :lol:
 

Finarfin

Usuário
"Guerra dos mundos" eu achei o melhor dele. Gosto bastante também do conto "A porta no muro".
"A máquina do tempo" não chegou a me marcar nem positiva nem negativamente. Era uma boa leitura pra passar o tempo no bonde enquanto ia pro trabalho.

Hermann Hesse eu acho muito bom. Gostei bastante da sua descrição, expressa muito bem o livro.

Da Virginia Woolf eu não li Mrs Dalloway, mas li outros três e acho insuportável esse fluxo de consciência. Ô coisinha chata, pelamor. Não pretendo ler mais nada dela, embora tenha o Mrs Dalloway empacado na estante. Vou doá-lo na biblioteca.

Os outros nunca ouvi falar. (@Glória_Pires)
 
Última edição:

Bartleby

how are you? from 10 to 1?
Ah, Mrs Dalloway...! Só de vê-lo na lista dá vontade de reler - Virginia é uma dessas autoras que simplesmente não consegue escrever uma frase ruim sequer, nem tentando 🥰

Do Hesse só li Sidarta, que adorei... tenho que ler mais...

Vou botar esse Forsyth aí na lista pra quando estiver a fim de um thriller.

Só li O Homem Invísivel, e ao contrário do Bela, eu adorei, rsrs devorei o livro :3 é o único que li dele ainda... me lembrou que o Bruce mesmo me deu em um dos amigos ocultos justamente o A Guerra dos Mundos... e ainda não li :timido: #shame

e valeu por lembrar de Com o Diabo... sempre bom uns livrinhos bons e curtos pra quando não se está com disposição de encarar algo longo.
 
Última edição:

Eriadan

Usuário
Usuário Premium
Altos clássicos...

Virginia Woolf é realmente talentosa, mas histórias mais longas que contos ou crônicas curtas em fluxo de consciência me chateiam. Fico ansioso para algo substancial acontecer. Dito isso, tirando aquele momento de mais ação lá no meio do livro, fiquei meio entediado com Mrs. Dalloway.

A Máquina do Tempo li no Clube da Leitura aqui da Valinor. Não achei nada de muito especial, mas gostei.

O Lobo da Estepe tá na minha lista para este ano.

Da Virginia Woolf eu não li Mrs Dalloway, mas li outros três e acho insuportável esse fluxo de consciência. Ô coisinha chata, pelamor. Não pretendo ler mais nada dela, embora tenha o Mrs Dalloway empacado na estante. Vou doá-lo na biblioteca.
Hahaha depois vi o seu post. É bem isso, pode doar. :lol:
 

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Do Wells A máquina do tempo é um romance que pra quem nunca leu, é preciso antes de tudo relevar bastante o fato que foi escrito no século XIX. Então a visão de uma máquina pra viajar no tempo é muito mais romantizada do que estamos acostumados a ver nos filmes de ficção científica mais atuais. Quem se levar muito pela influência desses filmes mais recentes tende a achar a obra chata.
 

Jhulha

Voltando a caverna
Apenas conheço a maquina do tempo, e não me lembro de nada do que havia no livro, :lol: ou se eu gostei ou detestei, acho que não estou em condições de opinar.
 

Valinor 2021

Total arrecadado
R$950,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo