1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Cientistas explicam como uma pessoa morreria no espaço

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 2 Nov 2011.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Os filmes de ficção científica muitas vezes retratam pessoas perdendo a vida no espaço. No mundo real, a morte provavelmente ocorreria em poucos minutos, mas o indivíduo ficaria inconsciente após cerca de 15 segundos, já que o oxigênio não seria capaz de chegar ao cérebro.

    As conclusões se baseiam em pesquisas com animais feitas por cientistas da Nasa (agência espacial americana) nas décadas de 1950 e 1960. De acordo com elas, a morte por vácuo não é instantânea.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Estudos feitos por cientistas da Nasa nas décadas de 1950 e 1960 mostram que morte no espaço não seria instantânea

    Em 1965, um acidente no local que hoje é o Centro Espacial Johnson Space Center mostrou que um ser humano pode sobreviver no espaço se ficar sem ar durante poucos segundos e ser reanimado logo depois.

    Na ocasião, um homem viu seu traje espacial vazando no interior de uma câmara de vácuo e a pressurização do uniforme, após 15 segundos, fez com que ele recuperasse a consciência.

    Antes, esse processo havia sido testado em primatas com o mesmo êxito. O estudo, publicado em 1968 no "The Journal of Applied Physiology", mostrou que, se os animais recebessem oxigênio em uma pressão bastante alta entre quatro horas a um dia, depois de serem expostos a um ambiente de quase vácuo por até 210 segundos, eles se recuperariam e sobreviveriam anos a fio sem aparentes sequelas.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     

Compartilhar