1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Cidades da Paraíba cancelam festas de São João por conta da estiagem

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Fúria da cidade, 11 Mai 2012.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Prefeitos de duas cidades do interior da Paraíba anunciaram nesta terça-feira (8) o cancelamento das festas juninas deste ano em decorrência da estiagem que afeta o Estado e a região Nordeste. Na Paraíba, 170 municípios estão em situação de emergência.

    O prefeito de Maturéia (270 km de João Pessoa), Daniel Dantas Wanderley (PMDB), foi hoje à Câmara Municipal para fazer o cancelamento oficial da festa de junho. O prefeito anunciou também um corte de 30% no seu salário para ajudar na “distribuição de alimentos”. As medidas, segundo Wanderley, vão resultar em uma economia de aproximadamente R$ 300 mil.

    No município de Ouro Velho (330 km da capital), os festejos de São João também foram cancelados. O anúncio foi feito pelo prefeito Inácio Amaro Filho (PDT). Na cidade, a situação é preocupante: agricultores já venderam mais de 60% do rebanho de bovinos, caprinos e ovinos devido à seca.

    Durante o anúncio oficial, Inácio Júnior disse que "apesar de ser uma festa importante, seria uma incoerência promover um evento de comemoração diante da seca que assombra a população”.

    Pernambuco

    A seca também aflige a população de Pernambuco, onde todos os municípios do sertão estão em situação de emergência. Nesse Estado, entretanto, que também é famoso pelas festas juninas, nenhum evento foi cancelado até o momento.

    O decreto de emergência foi assinado na sexta-feira (4) pelo governador Eduardo Campos (PSB). Na região, cerca de meio milhão de pessoas são afetadas diretamente pela estiagem.

    Na semana passada, o governo de Pernambuco liberou cerca de R$ 5 milhões para obras de combate à seca nos municípios do interior. O governador assinou uma ordem de serviço para a perfuração de 250 poços artesianos em várias regiões do Estado. As obras devem ficar prontas em seis meses.

    -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

    Diferente do caso de
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , aqui a situação é outra.

    Se bem que idenpendente de se ter festa junina, carnaval ou o que for, normalmente o desperdicio de dinheiro público nessas cidades é sempre muito grande e na hora do aperto nunca há grana em caixa porque muitos prefeitos e vereadores durante o ano inteiro metem a mão.

    Pena que só em situações de calamidade pública os politicos locais maneram na marra.
     
  2. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Mas já é alguma coisa terem feito esses cortes. Tem muito lugar por aí onde câmara e gabinete se lascam pra população e mantém seus benefícios mesmo em épocas de calamidade pública.
     
  3. Tar-Mairon

    Tar-Mairon DARK LORD AND LOVING DAD

    .

    A tragédia do sertão nordestino é política, não natural. A capacidade de sobrevivência do "coronelato" é de fazer inveja a ratos e baratas.

    .
     
    • Gostei! Gostei! x 5
  4. Jeff Donizetti

    Jeff Donizetti Quid est veritas?

    Comentário perfeito. Estou beeeeeeeeeeeem longe de gostar do Estado de Israel, mas o que eles fazem na questão da irrigação das suas regiões desérticas é admirável e mostra que essa situação no Nordeste tem solução, mesmo levando-se em conta a diferença de área. Mas é claro que isso não interessa nem um pouco à elite política local por motivos mais do que sabidos:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Produzir mais, em menos espaço e com pouca água. Este é o grande desafio da agricultura. Principalmente em regiões nas quais água e terra arável são escassas. Foi justamente a necessidade de produzir alimentos com poucos recursos naturais que fez da tecnologia agrícola israelense uma das mais desenvolvidas do mundo, especialmente em irrigação.

    Para se ter ideia, o índice médio de chuva em Israel é de 600 milímetros por ano - no semiárido brasileiro, o índice é de 800 milímetros anuais. Na região sul, onde está o deserto de Negev, esse índice não chega a 30 milímetros/ano.

    Um simples passeio entre algumas cidades pode revelar um pouco do perfil agrícola israelense: planta-se em qualquer pedaço de terra agricultável, até em terrenos nas alças de acesso de rodovias, e todas as lavouras têm irrigação ou estão em estufas. "Temos um sistema intensivo de produção", diz o diretor do Departamento de Agrotecnologia, Água e Ambiente de Israel, Yitzhak Kiriati.

    Não à toa, há empresas israelenses especializadas em tecnologias e soluções para toda a cadeia agrícola, desde o desenvolvimento de filmes plásticos para estufas, sementes até sistemas de dessalinização da água do mar e soluções para tratamento de água de esgoto para uso em irrigação. O país também é importante exportador de agrotecnologia, principalmente de estufas e de gerenciamento de água em irrigação.

    Um bom exemplo da eficiência da adoção de tecnologia é a reforma na atividade leiteira do país. Em dez anos, o número de fazendas de leite em Israel caiu 30%, mas a produção aumentou 9%. Desde a década de 50, a média da produção cresceu de 3.900 para 11 mil litros de leite/vaca/ano. "A ordenha dos animais é toda mecanizada", diz o gerente do Departamento de Controle Leiteiro do grupo Afimilk, Alon Arazi. Mas o que chama a atenção de quem é acostumado a ver criações extensivas é o manejo. Na maioria das propriedades leiteiras israelenses não há pasto. As vacas são confinadas em galpões, com teto que abre e fecha e com ventilação controlada.

    Uma oportunidade de conhecer a agrotecnologia israelense é a Agritech, tradicional mostra agrícola promovida a cada três anos em Tel-Aviv. Este ano o evento, em sua 17ª edição, ocorrerá entre 5 e 7 de maio.

    A expectativa dos organizadores é reunir 250 expositores - 25 deles internacionais - e mais de 6.500 visitantes estrangeiros. A Missão Econômica de Israel no Brasil, com sede em São Paulo (SP), trabalha em parceria com a Câmara Brasil-Israel de Comércio e com outras entidades e associações para incentivar o público brasileiro a participar. "Podemos providenciar programações de visitas e reuniões de acordo com os interesses do visitante", diz o chefe da Missão no Brasil, Roy Nir.

    De olho na romã

    Uma nova aposta da Organização de Pesquisa Agrícola Volcani Center, de Israel, é a romã. O centro desenvolveu uma máquina para tirar as sementes da fruta. "Este era o grande obstáculo para o processamento da romã", diz a diretora do Centro Sara Spiegel. De olho neste potencial, o grupo israelense Pomeg-Tech está à procura de agricultores brasileiros interessados em produzir romã. Segundo o diretor da empresa, Dan Rymon, a ideia é plantar 10 mil hectares. "O investimento inicial é de US$ 11 mil por hectare, recuperáveis em 5 anos. A partir do 6.º ano a lavoura rende até US$ 20 mil por hectare/ano."
     
    • Gostei! Gostei! x 4
    • Ótimo Ótimo x 1
  5. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    E da Bahia também. Guanambi, por exemplo, não vai ter SJ, e algumas cidades em que a festa é mais típica ainda, como Senhor do Bonfim, já avaliam a hipótese.
     
  6. adrieldantas

    adrieldantas Relax and have some winey

    Tendo explosivos para eu comprar, podem acabar o SJ no país inteiro que eu não to nem aí.
     
    • Fail Fail x 1
  7. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Quanto a fazer isso no Brasil não tenho a menor dúvida, pois já vi várias matérias em revistas e no Globo Rural de lugares no Nordeste onde há irrigação bem feita é possivel cultivar frutas da melhor qualidade e muitas delas nós brasileiros jamais vemos chegar nas feiras, pois a maioria são pra exportação.

    Solução existe mesmo, falta só vontade politica.
     
  8. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    E olha que Guanambi nem deve ser tão seco assim.
     

Compartilhar