1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

China e Japão: o fantasma da guerra retorna

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Amon_Gwareth, 20 Set 2012.

  1. Amon_Gwareth

    Amon_Gwareth Paragon

    Desde o século XIX, as relações entre China e Japão, quando não foram simplesmente difíceis e tensas, chegaram à guerra total, a primeira (1894-95) e a segunda (1937-45) guerras sino-japonesas. Esta última foi uma das mais terríveis da história em termos de número de mortes civis e militares e extensão das atrocidades, principalmente japonesas. Mas desde o início das reformas pós-maoístas em Pequim e a assinatura do tratado de “paz e amizade” de 1978, não se via tal deterioração. Desde 15 de setembro, populares protestam em 82 cidades da China e também entre as comunidades de origem chinesa de algumas cidades dos EUA.

    Em muitas cidades chinesas houve saques de lojas e restaurantes japoneses e uma concessionária da Toyota foi completamente destruída em Qingdao. Em Xian, manifestantes tentaram invadir um hotel com hóspedes japoneses e em Xangai, expulsaram os japoneses de um restaurante. Até chineses usando roupas ou dirigindo carros de marcas japonesas foram atacados. Nos dias 17 e 18, as indústrias Panasonic, Canon, Mazda e Honda, além da rede de lojas de vestuário Uniqlo, dos supermercados Ito e das lojas 7-Eleven paralisaram temporariamente as atividades na China e recomendaram seu pessoal a ficar em casa.

    Ao mesmo tempo, Pequim ameaçou Tóquio com sanções, inclusive o bloqueio das exportações de minerais estratégicos e enviou uma flotilha de 11 barcos-patrulha à frente de cerca de mil barcos de pesca às águas das ilhas que são o objeto da discórdia, chamadas Diaoyu pela China e Senkaku pelo Japão, que prometeu defendê-las com sua marinha e guarda costeira.

    São três rochedos e cinco ilhotas. A maior delas é menor que a Ilha do Fundão, no Rio de Janeiro, ou que a quarta parte de Fernando de Noronha. Anexadas pelo Japão em 1895, foram ocupadas em 1900 por uma fábrica de processamento de pescado. Quando esta fechou, em 1940, ficaram completamente desabitadas. Consideradas uma dependência de Okinawa (sede do antigo reino de Ryukyu, tributário da China até ser anexado pelo Japão em 1879), foram incluídas na ocupação dessa ilha pelos EUA do fim da II Guerra Mundial a 1972, embora continuassem a pertencer, como propriedade privada, à família dos antigos donos da fábrica.

    Quando os EUA devolveram Okinawa ao Japão, tanto o governo da República da China, em Taiwan, quanto o governo da República Popular da China, em Pequim, reivindicaram a soberania sobre as Diaoyu ou Senkaku. Entretanto, em 2002 o governo japonês arrendou as ilhas aos sucessores dos proprietários originais. Em julho de 2012, anunciou a intenção de comprá-las – sinal de intenção de ocupá-las de fato e explorar seus recursos – e isso provocou os primeiros protestos formais da China. Em 15 de agosto, ativistas chineses vindos de Hong Kong tentaram desembarcar nas ilhas e foram presos e deportados pelo Japão, o que uma primeira onda de protestos oficiais e manifestações populares na China (principalmente Shenzhen) e também protestos, mais discretos, do governo de Taiwan. Em 11 de setembro de 2012 Tóquio consumou a compra por 2 bilhões de ienes (26 milhões de dólares) e com isso desencadeou a segunda onda de protestos, muito maior e mais séria.

    A reivindicação da China e Taiwan sobre essas ilhas é historicamente menos consistente que a reivindicação argentina das Malvinas ou a espanhola de Gibraltar. Foram conhecidas e mapeadas pelos chineses desde o século XV, pelo menos, mas nunca tinham sido formalmente anexadas ou ocupadas antes que o Japão o fizesse. O argumento chinês é que, apesar de as ilhas estarem só um pouco mais próximas de Taiwan do que de Okinawa, estão do seu lado da “Calha de Okinawa”, depressão que separa a plataforma continental chinesa da japonesa, segundo Pequim, ou apenas corre no meio da plataforma continental asiática, segundo Tóquio. Questão que não é apenas semântica.

    De acordo com a Convenção da ONU sobre o Direito do Mar, todo país tem direito a uma Zona de Exploração Econômica Exclusiva do mar em um raio de 200 milhas de qualquer ilha sua, por pequena que seja, que tenha ocupação humana permanente, assim como sobre todos os recursos na superfície ou subsolo de sua plataforma continental. Quando as zonas ou plataformas de dois países se sobrepõem, devem ser divididas, em princípio de forma a que cada porção de mar ou plataforma pertença ao que possua territórios mais próximos.

    Isso significa que, de acordo com o argumento chinês, as Diaoyu e todo o leito do Mar da China Setentrional a oeste da calha lhe pertencem, enquanto para os japoneses, as Senkaku são suas e lhe darão direito a 200 milhas de mar territorial e um naco de plataforma continental maior que Taiwan quando forem permanentemente ocupadas. As ilhas em si têm pouco valor, mas os recursos pesqueiros dessas águas e os minerais da plataforma – principalmente gás natural – são muito significativos. Seu povoamento pelo Japão fecharia as portas à negociação ou partilha desses recursos.

    Tanto a China quanto o Japão são potências industriais famintas por matérias-primas e ainda mais por energia, mas isso, por si só, justificaria arriscar não só um intercâmbio comercial de 343 bilhões de dólares anuais (em 2011) como um confronto militar? A receita do maior campo de gás do mundo (Pars do Sul, no Irã) não chega a 50 bilhões anuais.

    Ainda que Pequim esteja reprimindo os excessos, pode ter interesse em criar um desafio externo para forçar a união de suas elites políticas e desviar energias populares de protestos contra o descontentamento social e político interno, como fizeram os militares argentinos ao invadir as ilhas Malvinas. As manifestações parecem ser basicamente espontâneas e movidas pelo ressentimento histórico pelos abusos japoneses durante a II Guerra Mundial, mas certamente são afetados pela maneira como o governo de Pequim apresenta a disputa na mídia estatal. Pode ser sintomático que em Shenzhen, uma manifestação por ação militar contra o Japão foi inicialmente dirigida contra a sede local do Partido Comunista e só depois de reprimida pela polícia se desviou para uma loja de departamentos japonesa.

    Este é um ano tenso para Pequim, tanto pelas dificuldades da transição de uma economia de exportação e mão-de-obra intensiva para uma de capital mais intensivo e voltada para o mercado interno, que implica desemprego, redistribuição de renda e recursos e redução da taxa de crescimento, quanto pela iminente transição política do governo de Hu Jintao para o de Xi Jinping, que implicou a neutralização da importante e popular facção “neomaoísta” de Bo Xilai e dividiu o Partido Comunista e as Forças Armadas. No dia 19, a primeira aparição de Xi Jinping após semanas de sumiço que despertaram boatos sobre sua saúde, foi para receber o secretário da Defesa dos EUA, Leon Panetta e afirmar que a compra das ilhas pelo Japão é “uma farsa”. Panetta, por sua vez, declarou os EUA neutros nesse conflito.

    E também o Japão pode ter interesse nesse tipo de mobilização patriótica. Além de herdar o mal-estar de três décadas de endividamento público, estagnação e frustrações econômicas, o governo do primeiro-ministro Yoshihiko Noda lida também com as consequências do tsunami de 2011 e do desastre de Fukushima, que abalaram a economia e expuseram ao público a cumplicidade do governo com o encobrimento das deficiências das empresas privadas de energia e suas centrais nucleares. Sua popularidade caiu abaixo de 20% depois de aumentar impostos de consumo e reativar usinas nucleares e agitar o fantasma de uma ameaça externa também lhe vem a calhar.

    Além da disputa com a China, o Japão tem também outras com a Coreia do Sul pelas ilhas Takeshima (Dokodo para os coreanos) e com a Rússia pelas ilhas Kurilas (Chishima para os japoneses). A China, por sua vez, disputa também, no Mar da China Meridional, 250 ilhotas e recifes que são ainda menores que as do litígio com o Japão, mas representam direitos sobre uma extensão marítima tão grande quanto toda a Indochina e são disputadas não só por China e Taiwan, como também pelas Filipinas, Vietnã, Malásia e Brunei.

    Dada a demanda de recursos naturais e a rivalidade cada vez maior entre a China e os EUA, envolvendo seus aliados e simpatizantes, é praticamente inevitável que o Pacífico e suas ilhas se tornem foco de um dos principais confrontos geopolíticos do século XXI. A conjuntura política e econômica da China e Japão tende a antecipá-lo para um momento em que a economia mundial está particularmente fragilizada, com o risco de criar o caos econômico na Ásia Oriental, hoje uma das regiões economicamente mais importantes do mundo e a única que ainda apresenta um dinamismo apreciável. Um sério rompimento com sanções mútuas pode resultar em mais uma década ou duas de estagnação para o Japão e problemas maiores para a transição chinesa, sem falar no risco de que os blefes e manifestações saiam do controle e levem a uma guerra real, com o possível envolvimento dos EUA e Rússia.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    - - - Updated - - -

    É interessante como a rivalidade histórica China x Japão simplesmente não morre. Desde tempos extremamente antigos, manifestada até mesmo, por exemplo, na época das navegações orientais portuguesas, os países vivem com os mais diversos tipos de conflitos entre si.

    dessa vez talvez seja um pouco diferente. a maior potência emergente do planeta, e o japão, pós catástrofes naturais + resultados horríveis da II guerra. quem será que tá na vantagem? :lol:

    e aí, acham que isso vai resultar em guerra mesmo? ou apenas conflitos geopolíticos agudos? os dois países tem um histórico de não abrir mão daquilo que falam, então eu particularmente acho provável um eventual conflito armado.
     
    • Gostei! Gostei! x 3
  2. Jeff Donizetti

    Jeff Donizetti Quid est veritas?

    Não acredito que eles cheguem ao extremo de um conflito armado. Uma guerra envolvendo a China e o Japão certamente não se limitaria e esses dois países, com o crescente envolvimento de nações vizinhas e dos aliados militares de ambos os lados. Bastaria um movimento em falso ali no teatro de operações (o pequeno Mar do Japão) para que a Coreia do Norte, por exemplo, tomasse alguma atitude, o que seria seguido por uma reação da Coreia do Sul, e por aí vai... sem falar da Rússia, que também está por ali. Sinceramente, tenho até medo de pensar nisso acontecendo de verdade.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Junte-se essa zona de instabilidade à do outro tópico (Israel, Irã e resto do Oriente Médio), mais Índia x Paquistão, aí bastaria um conflito, um acontecimento como estopim, para desencadear a III Guerra Mundial.
     
  4. Vou ser sincero com vocês, meus amigos. Estou me cagando de medo desse estopim. Vamos torcer e muito para que o bom senso e a compaixão grite no coração e na alma de cada um desses líderes envolvidos.
     
  5. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Por sinal são países que desenvolveram identidades fortes ao mesmo tempo em que dividem semelhanças.

    Enquanto no Japão um feudo competia com outro feudo na China houve época em que havia muitos pequenos reinos lutando entre si que só foram unificados mais tarde. Esse processo também ocorreu num país conhecido, a Grécia.

    Nesse tipo de interação predominam lutas por cada palmo de terra e recursos.
     
  6. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Os dois países já travam uma guerra fria que já vêem de vários de anos e o engraçado é que muita gente não percebe a amplitude real disso, pensando que é apenas uma leve rivalidade oriental.

    É só recordar que na Copa do Mundo de 2002 disputada na Coréia do Sul e Japão no sorteio dos grupos foi feito todo um direcionamento político pra que a China só caisse somente em grupos com sede na Coréia.

    E hoje os dois são duas das maiores princiapais potências econômicas do mundo e nisso é bom os EUA terem muito cuidado ao dedicir quem prefere apoiar.
     
    Última edição: 24 Set 2012
  7. Amon_Gwareth

    Amon_Gwareth Paragon

    é bem por aí fúria. o conflito no oriente médio nem me preocupa, na pior das hipóteses o irã será massacrado sem que ninguémintervenha a seu favor. já esse aí, é preocupante, de verdade.

    é sabido que tanto os líderes quanto a população geral chinesa não engoliram ainda o abuso que o japão executou lá no século passado. esse conflito seria o perfeito pretexto para generalizar uma situação tensa e problemática que envolveria, no mínimo, os países menores do pacífico (e também a tão temida coréia). quando a própria população se manifesta culturalmente em movimentos pró-guerra, é bem preocupante. e visivelmente os chineses tão fazendo isso através de protestos, produções artísticas, etc. isso fica claro ao constatar que o movimento que originou o conflito nessas ilhas foi de caráter civil. se o governo puxar o gatilho, eles vão ter o apoio da população.

    e, imo, quem vai tomar pau nessa história é o japão... e vai ser pau feio, viu. eles não tem a menor condição de competir belicamente com a china, não neste momento. e quem poderia ajudá-los? EUA, apesar de ter renovado o armamento militar na última década, tá com o bolso furado. europa tá sambando pra arrumar o euro. quem sobra?
     
    Última edição: 24 Set 2012
    • Gostei! Gostei! x 1
  8. Lembrando que o Brasil seria, teoricamente, aliado da China, levando em consideração o grupo do qual fazem parte, o BRIC. O Japão já tem disputas territoriais com a Rússia, mais um dos BRIC. Brasil aliado da China e EUA aliados do Japão não seria NEM UM POUCO BOM :disgusti:
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  9. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    Acho mais provável, dado o histórico do Brasil em guerras, pelo menos num início de Guerra, o Brasil ficar neutro.

    Mas sinceramente não acredito em uma III Guerra Sino-Japonesa. Muito menos numa III Guerra Mundial. Que a rivalidade é histórica, e quase eterna, todos sabemos, mas protestos, por mais sérios que tenham sido, não indicam um confronto armado entre as nações.

    Só me pergunto quando a ONU fará algo.
     
  10. "(...)Em meio a tensões globais, Dilma deve oferecer ‘visão moderada’ em fala na ONU

    Em meio a um cenário mundial conflituoso, sobretudo no Oriente Médio, a presidente Dilma Rousseff deve fazer um apelo à "moderação", quando discursar na abertura da Assembleia Geral da ONU, na terça-feira.(...)"

    "(...)Obama

    Em sua participação na ONU logo após o discurso da presidente Dilma Rousseff, espera-se que o presidente americano, Barack Obama, reforce essa opinião.(...)"

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  11. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Como sempre: nunca! A ONU nunca serviu para o que foi feita, intermediar conflitos, no máximo sai da frente para não atrapalhar.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  12. Lembrando que ONU, infelizmente, ainda lê-se: EUA
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar