1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Cave of Forgotten Dreams (2010)

Tópico em 'Cinema' iniciado por Vëon, 28 Mar 2011.

?

Sua nota para o filme

  1. 10

    0 voto(s)
    0,0%
  2. 9

    1 voto(s)
    100,0%
  3. 8

    0 voto(s)
    0,0%
  4. 7

    0 voto(s)
    0,0%
  5. 6

    0 voto(s)
    0,0%
  6. 5

    0 voto(s)
    0,0%
  7. 4

    0 voto(s)
    0,0%
  8. 3

    0 voto(s)
    0,0%
  9. 2

    0 voto(s)
    0,0%
  10. 1

    0 voto(s)
    0,0%
  11. 0

    0 voto(s)
    0,0%
  1. Vëon

    Vëon Do you know what time it is?

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Só mesmo o Herzog pra me fazer ir no cinema assistir um documentário sobre pinturas rupestres em 3D, e adorar.

    Ele teve acesso a Caverna de Chauvet no sul da França onde foram descobertas as mais antigas pinturas rupestres feita pelo homem, mais de 30 mil anos atrás. Por ser uma caverna o espaço é super limitado, escuro, não pode sair do caminho delimitado nem tocar em nada e é tão preservada que um número super limitado de pessoas são autorizadas a entrar lá dentro, por poucas horas. Contando com apenas três membros da equipe pra realizar o filme, ele resolveu fazer em 3D. LOL

    O resultado ficou maravilhoso, as paredes da caverna são todas onduladas e nesse caso o 3D só acrescentou pra criar a sensação de profundidade. Até a iluminação precária dá um certo charme, revelando as imagens aos poucos passeando pelo relevo das paredes.

    Pra quem já assistiu outros documentários do Herzog sabe que grande parte do charme tá na narração que ele faz e aqui não é diferente, até as viajadas filosóficas estão presente, além dos personagens que sempre se revelam esquisitões expondo suas bizarrices diante da câmera.

    Nem tudo é perfeito, o filme foi feito com equipamento não-profissional então algumas cenas ficam um pouco escuras no 3D, algumas perdem o foco, mas nada que chegue perto de comprometer o resultado final.
     

    Arquivos Anexados:

    Última edição por um moderador: 6 Out 2013

Compartilhar