1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Cavaleiros nunca chegam atrasados para resgatar princesas

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Társio, 27 Out 2010.

  1. Társio

    Társio Usuário

    Depois de ter parado em três cavernas e pedido instruções, o cavaleiro finalmente encontrou aquela que procurava, moradia de um terrível dragão seqüestrador de princesas. A escuridão não o abalou, nem o bafo quente com cheiro de fritura do McDonald’s, prenúncio de coisas piores do que colesterol alto. Sua postura ereta, sua armadura reluzente, não deixava dúvidas, era o herói do Reino. Adentrou a caverna e após uma curva ali, outra aqui encontrou o dragão. O monstro se virou para o cavaleiro, com o um olhar de culpa censurável e com pernas monásticas saindo pela boca fechada. O dragão tentou sorrir amarelo, mas não tinha os músculos necessários.
    -Você já comeu a princesa?! – disse o cavaleiro, incrédulo.
    -Eu fafa om fome. – falou o dragão com a dificuldade de quem tem um membro da realeza fora de forma entre os dentes.
    -Maravilhoso! Maravilhoso! – gritou – E que eu vou dizer agora para o reino “Po, pessoal, desculpa, demorei para chegar um pouco e a princesa foi comida. Tenho certeza que a rainha de 60 anos pode dar um novo filho. ”
    O dragão abaixou a cabeça e depois cuspiu com delicadeza a parte que restara da princesa.
    -Olha, ainda sobrou bastante coisa – disse o dragão, tentando equilibrar o corpo da princesa, sem sucesso.
    -Eu não posso salvar meia princesa!
    -Bem, veja como uma melhora, ela emagreceu e agora fala menos. Isso, diga para o Rei que ela fez uma dieta radical.
    O cavaleiro o encarou por um tempo e depois deu as costas. Tentou pensar num jeito de contornar as coisas, algo como uma nova identidade, um novo corte de cabelo e outra profissão. Seus pensamentos foram interrompidos pelo nhacnhac de algo sendo mastigado.
    -O que você está fazendo?
    -Você disse que não queria mais!
    -Você é um idiota? Já ouviu falar em PROFISSIONALISMO?!
    -Hey... eu me ofendo, tá legal.
    -Ó, coitadinho do dragãozinho, que não consegue agüentar ficar SEM COMER!
    -Eu sofro de ansiedade...
    -Ansiedade? Olha para você. Aposto que não consegue nem voar de tão pesado e, a julgar pela aparência, não é de duvidar que sua espécie esteja em extinção.
    -Eu pego um monte de garotas. – disse o dragão cruzando os braços, procurando recuperar sua dignidade.
    -Claro. À força! E depois come elas. Sabe, dane-se, boa sorte para você, balofo!
    -Ah é? Boa sorte para você também, seu.... hum.... aargh!
    Antes de poder encontrar um vocabulário adequado, o cavaleiro já havia se mandado, ficando apenas o eco da batida de seus pés no chão.
    Depois que o fantasma dos passos se foram, o dragão correu até a balança e depois até o espelho, fazendo escalas no banheiro.
    E assim começou a história do primeiro dragão bulímico, problema que afeta cada vez mais dragões no mundo moderno.
     

Compartilhar