1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Caso Esmeralda

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por eowathiel, 26 Set 2007.

  1. eowathiel

    eowathiel dançando lambada com um

    Esmeralda é uma menina portuguesa de cinco anos que foi adoptada quando tinha três meses de idade.
    Até há pouco tempo vivia uma vida normal como qualquer criança até aparecer o seu pai biológico reclamando que queria a menina.
    Este pai que quando a mãe estava grávida não quis assumir a criança. O caso entrou em tribunal, o pai afectivo foi preso por ter escondido a menina e agora o juiz esta a pensar em dar a costódia da menina ao pai biológico...

    Acham isto bem?

    Entregar a menina ao pai biológico? Que ao ver dos vizinhos não tem condições para ficar com a menina?

    Que acham disto?

     
  2. Primula

    Primula Moda, mediana, média...

    Acho que podia ter escolhido uma letra maior... ficando velha, sabe?

    Achar todo mundo acha. E o que é de direito nem sempre é o certo.

    Agora, já que isto indignou-te um tanto, talvez seja hora de usar sua idade legal, e mexer-se um pouco... nem que seja para que o tal juiz saiba sua indignação (porque falar por falar, ainda mais por aqui não ajuda nem um pouco, e eu menos ainda, porque a maioria tá aqui no Brasil :mrgreen:)

    O que é claro é o seguinte: o pai adotivo/afetivo foi um pouco tonto. Pra que esconder a criança? Tipo, ele tinha tudo a seu favor, se bobear até mesmo o testemunho da mãe da criança.

    (é só procurá-la, oras. Se ele sabe até este ponto, então sabe o nome dela, e daí é outro passo para intimá-la a testemunhar a favor dele. E como dizem os escritores "Beware to infuriate a woman", porque a ira delas não arrefece, e quando ataca, é um desastre para o coitado.)

    Mas errar é humano (até erros burros como esse), e ele não devia ser punido por um errinho, quando o outro cometeu uma cagada beeem maior. Então mexa-se e junte uma turma de uns vinte neguinhos, cada um manda uma carta do tipo "oh, juiz, você tá biruta?" e veja se o juiz não fica irritado com o correio dele ficando cheio toda hora.

    CORREIO normal, claro. E-mail qualquer um deleta e não faz volume na lata de lixo, não precisa jogar olixo na rua, etc..
     
  3. Menegroth

    Menegroth Bocó-de-Mola

    Eu acho que, deveriam perguntar a menina (e a todas as crianças que passam por isso), com quem ela quer ficar.
    No caso de ainda não saber falar, deveriam esperar até que aprenda.

    Simples assim. Nunca a vontade do mais interessado na história é levado em conta.

    Por exemplo. Na separação do meu pai com a minha mãe. Ninguém perguntou aonde eu queria ficar. E eu já tinha 7 anos. Sabia exatamente o que estava acontecendo.
     
  4. Primula

    Primula Moda, mediana, média...

    Isso também é importante, claro. Mas nem sempre a criança consegue decidir, mesmo com dez anos.

    Porque temos o que se chama de chantagem emocional. Algo terrível que muitos pais fazem com seus filhos (pai falando mal da mãe e vice-versa). As coisas ficam muito confusas até para um adulto saber quem está certo ou errado nessa brincadeira. Capaz até da gente escolher o lado errado, só porque é mais convincente!

    Então por mais que eu concorde que a opinião da criança é importante, não é a forma mais inteligente de lidar com o problema. É a forma mais certa de conseguir o recurso e anular a decisão anterior. (ou seja, a decisão da criança)

    Que é desconsiderar todo o histórico do pai biológico (não querer assumir a criança, deixá-la jogada por não sei quantos anos - e se o pai adotivo não tivesse cuidado e amado-a, ela já teria virado adubo) por conta de um erro recente do pai adotivo (esconder a criança)
     
  5. eowathiel

    eowathiel dançando lambada com um


    pois... eles nao pensaram nos interesses da menina...
     

Compartilhar