1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Cartola, Música para os Olhos

Tópico em 'Cinema' iniciado por DiegoFerrite, 24 Abr 2007.

  1. DiegoFerrite

    DiegoFerrite Usuário

    Estava eu no stand center na avenida paulista comprando meu MP4 quando me bateu aquela vontade repentina de assistir a um filme. Morrendo de vontade de ver o labirinto do fauno, me dirigi ao cine bombril, aonde ainda passa em horário único. De supetão, a chuva de sábado a tarde me apanhou e fiquei ilhado em um ponto de ônibus com minhas amigas indigentes. Perdi o filme, então tive que improvisar e ver qualquer um que estivesse passando.
    Fui ao espaço unibanco, na famigerada rua augusta, e me deliciei ao saber que o filme do Cartola iria iniciar em questão de minutos. Sem exitar comprei o ingresso, mas não o balde de pipocas, já que o MP4 consumiu o meu querido dinheiro.
    Talvez tenha esperado muita coisa, mas o estilo documentário foi abusivo, utilizando trechos de entrevistas antigas para retratar a história do poeta e cantor. Cenas picadas e sem ligação uma com a outra desconstruíram a narrativa. A falta de linha do tempo definida prejudicou seriamente a sessão e a concentração do público.
    Apesar de relatos interessantes e espontaneos, muitos dados faltaram, ficando apenas uma história decantada e subjetiva da vida de cartola.
    Faltou também uma recuperação melhor do áudio dos materiais antigos, o que podemos atribuir à falta de verba do "cinema brasileiro".
    Enquadramentos interessantes e inovadores se perdem na edição cortada, que passa frames acelerados ou estabiliza demais um cenário, passando a idéia de um filme realmente caseiro.
    Apesar dos "pesares", ainda simpatizo com a idéia. Valorizar artistas brasileiros, contando um pouco de sua vida de forma simples e direta, mas com grande conteúdo. Gosto de documentários, e não de apenas de super produções.
    Espero que no próximo acertem na dose.
     

Compartilhar