1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Cartas entre Câmara Cascudo e Mário de Andrade registram cumplicidade literária

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 5 Out 2010.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Mário e Cascudo trocaram cartas e textos durante mais de 20 anos​

    Mário de Andrade (1893-1945) sentia um "alegrão" ao receber as cartas do amigo "Cascudinho", o folclorista Luís da Câmara Cascudo (1898-1986). Este, por sua vez, chamava o parceiro de "Mano Mário" nas correspondências enviadas. Essas curiosidades estão registradas na obra "Câmara Cascudo e Mário de Andrade: Cartas, 1924-1944" (Global, 2010).

    No volume, os dois grandes pesquisadores do folclore brasileiro esmiúçam a cultura e a política do país nos anos 1920, 1930 e 1940. Trocam, também, confidências a respeito dos textos que estão produzindo.

    Um exemplo é a carta de 1º de março de 1927, na qual Mário fala para Cascudo que terminou de escrever um livro sobre "um herói taulipangue bastante cômico". Claro que ele se referia à "Macunaíma", publicado um ano após o episódio.

    Diversas vezes "Cascudinho" convidou "Mano Mário" para visitá-lo no Estado do Rio Grande do Norte. Tanto que Mário acabou se tornando o padrinho do filho de Cascudo, Fernando Luís. O menino chamava o escritor de "padrinho Macunaíma".

    Percebe-se uma franqueza diluída entre as impressões de ambos sobre a obra alheia. Por meio da escrita sutil da dupla, o leitor adentra as lendas, tradições e crenças brasileiras.

    Durante mais de 20 anos, os escritores mantiveram a intensa troca de correspondências. Os escritos foram organizados e anotados nesse exemplar pelo professor de literatura brasileira e pesquisador do IEB (Instituto de Estudos Brasileiros) da USP, Marcos Antonio de Moraes.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     

Compartilhar