1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Cartas a Favor da Escravidão (José de Alencar)

Tópico em 'Literatura Brasileira' iniciado por Anica, 15 Mai 2010.

  1. Anica

    Anica Usuário

    Confesso que a editora Hedra tem me surpreendido com o catálogo deles. Poderiam ficar naquele esquema de só publicar obras famosas que estão em domínio público, mas estão indo além e trazendo títulos interessantes como esse.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Diva

    Diva Usuário

    Eis um livro bem interessante. Uma vez falei que escravidão era tabu aqui no Brasil pelo modo como essa discussão é evitada. Nem mesmo na academia não se vê algo de muito concreto. Pessoal olha pra mim como se eu fosse doida e estivesse dizendo um absurdo.
     
  3. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    Que bacana!
    Como será que eles conseguiram os textos?
    Deve estar em alguma biblioteca tipo a Nacional ou a Brasiliana.
     
  4. -Arnie-

    -Arnie- Usuário

    Um autor clássico como José de Alencar ter escrito uma Cartas a Favor da Escravidão já é motivo para meio mundo de universidade de de boa gente não querer mais nenhum livro dele por lá. Na verdade, é bem facil alguém processar o morto por ele ter escrito isso.
     
  5. Diego-

    Diego- Usuário

    Não tenho nenhum título ainda da Hedra, mas já olhei o catálogo da editora e realmente surpreende, tem alguns títulos bem fora do circuito e com um preço excelente.

    Não imaginava esse posicionamento do José de Alencar. Acho que desses nomes consagrados, que a gente descobre via escola, sempre se espera opiniões "politicamente corretas". O título realmente atrai.
     
  6. Diva

    Diva Usuário

    Não acho, Arnie. Do saber acadêmico se espera um mínimo de objetividade. Ou melhor, saber diferenciar as coisas. Não é por causa de um posicionamento político que se vai anular toda a obra de um dos mais prolíficos romancistas do período romântico brasileiro. Deve-se estudá-lo sob estes diferentes aspectos.
     
  7. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    garanto q se um livro com o mesmo título fosse escrito hj por um presidente de banco central ou economista todo mundo acharia algo normal.
     
  8. Diva

    Diva Usuário

    Desenvolva. XD
     
  9. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    pense no significado de escravidão para o séc. xxi e ñ para o xix. uma boa referência é o documentário francês de la servitude moderne, de jean-françois brient (2009). alguém defender qq uma das "escravidões" apontadas no documentário soaria como normal hj, mas talvez daqui a 100 anos pareça barbárie.
     
  10. Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Concordo com o Diego, achava meio inconcebível ou, pelo menos, atípico que um escritor tão consagrado como Alencar mantivesse um posicionamento contrário a maioria dos intelectuais que lhe eram contemporâneos. Lembrei de ter lido algo a respeito num artigo da Veja, fui catar na net:

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  11. kika_FIL

    kika_FIL Usuário

    Bom, ele viveu uma realidade que a gente só conhece dos livros de história e, lendo mary del priore notei que os abolicionistas não estavam nem perto de serem pessoas altruístas pensando no bem dos escravos, e os escravagistas estavam longe de serem poucos... Acho que deve ser interessante de ler o ponto de vista contrário, nem que seja para compreender melhor a época. Resumindo: Quem sou eu pra julgar...
     
  12. Izze.

    Izze. What? o.O

    Bem o que a Kika falou: apoiar a escravatura, na época, poderia ser o "normal". Não querendo defender José de Alencar, mas é que julgar sem saber o contexto social da época é o mesmo que pescar em poça d'água. Lendo o que a Kika disse, meio que fiz uma comparação com os ambientalistas: eles estão aí fazendo de tudo para conter a poluição enquanto a maioria está nem aí. Isso porque a maioria prefere conforto à um pouco mais de trabalho, e por isso acaba ridicularizando quem se preocupa com o meio-ambiente (tipo eu, mas sem a parte de ridicularizar huhuhu).

    Dependendo do autor (e da obra), suas convicções políticas não vão influenciar na qualidade de sua arte. No que trata de Alencar, não sei se isso influi muito na sua obra, porque só li Senhora e nem foi uma leitura tão profunda assim. Mas é um assunto que deve ser discutido para entender a posição dele. Se as pessoas leem Mein Kampf para tentar entender as motivações de Hitler, porque não ler as cartas de Alencar?
     

Compartilhar