1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[CARTAS] #43 - Casamento e relacionamento entre os sexos

Tópico em 'J.R.R. Tolkien e suas Obras (Diga Amigo e Entre!)' iniciado por Deriel, 20 Mai 2003.

  1. Deriel

    Deriel Administrador

    Atendendo a um pedido muito especial, a tradução da Carta 43: uma conversa de pai para filho sobre casamento, homens, mulheres, amor, sexo, libido... Nada de “abelhas e passarinhos”. E você poderá constatar finalmente se Tolkien era machista ou não!

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. volteryus

    volteryus Usuário

    Bem, com a carta vc apenas vê a realidade baseada em fato-físico, não acho que ele era machista, na verdade ele provou apenas que o homem tem uma grande sensibilidade em querer fazer sexo (sem amor), se apaixona facilmente, não escolhe muito....
    e a mulher é sensivel mas tambem é pratica, ou seja vc pode ser o cara mais romântico do mundo, dá a ela tudo de mão beijada, colocar tapete vermelho, isso é praticamente inutil, ficticio, elas não querem isso no mundo contemporâneo, elas querem mesmo é statusociais, elas escolhem muito e não se apaixonam facilmente....

    Sexo é um desejo orgânico, biologico e necessário. Se não sabe controlar seus desejos, dificilmente sabe o que seria de fato honra, devoção e sacrifício.

    pode ser estranho mas o "mundo caído" como Tolkien ressalta, hj esta bem pior do que na época dele, a prostituição de mulheres existia, mas não em comerciais de televisão, "outdoors", revistas e internet (paparazzo)................

    acho que nao preciso dizer mais nada....
     
  3. Pearl

    Pearl Usuário

    Eu já tinha lido essa carta antes... ou melhor parte...
    Nunca consegui terminar... :disgusti:
    É machista sim...

    Trechos:

    Nunca consegui ler o resto... parei aí...

    :?
     
  4. Swanhild

    Swanhild Usuário

    Pearl, acho que você devia ler o final dessa carta. Eu acho aquele final uma das coisas mais intrigantes que o Tolkien escreveu.
     
  5. Pearl

    Pearl Usuário

    Teminei... :D

    Interessante esse final mesmo. Dá pra ver o quanto a religião influenciava Tolkien. Na verdade a carta toda tem um Q religioso.

    Realmente é intrigante como ele encarava a morte, como um paradoxo divino.
     
  6. Slicer

    Slicer Não estava vivo no Dilúvio, mas pisei na lama.

    Talvez se não fosse tão importante ler essa carta eu teria desistido completamente quando li o Letters. A 113 por exemplo foi um tiro na minha paciência infelizmente, e pulei-a, assim como pulei o capítulo "De Beleriand e seus reinos", e quando o li percebi a burrice que tinha feito. Talvez eu leia a 113 qualquer dia desses.
    As cartas pré-SdA são muito mais interessantes que as posteriores. Minha opinião é que a grande maioria da 212 para baixo merece uma tradução (212 inclusa por ser um rascunho da 211, talvez a mais famosa de todas).
     
  7. Swanhild

    Swanhild Usuário

    O que eu acho mais estranho não é que ele achasse que a morte é um paradoxo divino. O que parece mesmo, é que ele achava que a morte era uma forma de se libertar...
     
  8. Fox

    Fox Visitante

    Com esse tipo de pensamento extremamente regrado e rígido, até eu desenvolveria apreço especial pela morte. :P
     
  9. Primula

    Primula Moda, mediana, média...

    Talvez por isso os humanos fossem agraciados pela dádiva da morte no SDA.

    Galileu uma vez disse que algo a respeito de imutabilidade e perfeição extremas (quando viu a face da Lua e ela não era lisinha)... afinal de que vale um mundo perfeito de cristal, se não está vivo? Um mundo cheio de imperfeições, de poeira e sujeira tem mais chances de desenvolver vida do que um mundo perfeito e limpo.

    Quando penso em elfos (e mesmo em SDA) eu tenho uma sensação ruim, como se fossem pessoas que não pudessem aceitar a mutabilidade. Que não conseguem aceitar o fim das coisas belas... como se não fosse possível o ciclo criação-destruição-criação. Pois seria sempre uma coisa bela igual para sempre (monotonia), ao invés de mudar para outra paisagem bela.

    Me vem à mente a cena de Sandman, onde Lucifer conversa com um mortal sobre o pôr do Sol em uma praia. O velho todo dia vinha ali, mas sempre era um pôr do Sol diferente, como se Deus mudasse as tintas e pintasse tudo de novo. Se fosse um pôr do Sol sempre igual (como o de uma pintura) não ficaríamos tão maravilhados... mas por ser diferente e impressionantemente belo mesmo assim (pois não haveria dúvida de que seria mais feio, já que o lindo anterior foi destruído?).

    Em Silma, a criação do Dia e da Noite foi meio emergencial, e sempre tive a impressão de perda, de que o novo não era tão belo quanto a Luz anterior. Seria esse trauma que faz com que os elfos insistam em manter o belo? O mesmo Belo de sempre? Eu acredito que sim...
     
  10. Ivan

    Ivan Vai passar do joelho

    É, toda a obra está cheia desse sentimento de perda irrecuperável, extremamente incômoda em muitos pontos. Acho que Tolkien devia ter muito esse sentimento de que seu tempo não estava compatível com ele, ele se identificava com tempos antigos. Esse é um mundo caído. Mas é importante ver que ele não considerava isso bom, ele descreve a decadência dos elfos, como o seu talento foi direcionado somente para conservar, não criar. Isso é mostrado muito negativamente. E ele também louva a força renovadora dos homens, mesmo renegando esse mundo "sarumanizado". Ele devia ser bem parodoxal, e bem melancólico. Talvez por isso a literatura dele seja tão escapista.
     

Compartilhar