1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Carpinteiros, levantai bem alto a cumeeira e Seymour, uma apresentação -J.D. Salinger

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Meia Palavra, 18 Mar 2011.

  1. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    Salinger é um dos meus autores prediletos, acho o estilo dele um dos mais agradáveis de se ler, dotados de uma espirituosidade sem igual, e afeito a detalhes aparentemente tolos, mas que são justamente o que torna a sua obra única.

    O perfeccionismo que ele deposita em cada frase e em cada ínfimo detalhe que explora, principalmente de banalidades absurdas, como a forma como as aparas de cabelo caíam quando um de seus personagens vai a barbearia ou o destino dos patos que nadam no laguinho do Central Park; fazem com que sua prosa, aparentemente puxando para o non sense fragmentário, seja, na verdade, uma reunião deliciosa de observação ranzinza e peculiar da realidade.


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Jarsgirl

    Jarsgirl Usuário

    Segue um pedaço da resenha que fiz ano passado sobre o livro. Adoro o Salinger e esse livro me emocionou.

    Carpinteiros, levantem bem alto a cumeeira

    A princípio esse título estranha. E não, não tem nenhum carpinteiro na história. O conto relata um pequeno evento ocorrido na família Glass, quando houve o casamento do filho mais velho, Seymour.

    Parece estranho o conto fala de um evento onde a personagem principal sequer aparece, mas é isso mesmo: Seymour não aparece um minuto sequer. Mas acredito que esta seja a beleza do conto. Toda a conversa é sobre Seymour, todos falam dele, mas não há interferência dele. Acaba sendo um ponto mágico, onde conhecemos e nos encantamos com alguém que jamais conheceremos. Todo o amor e carinho que os irmãos de Seymour tem por ele é relatado aqui. Momentos divertidos, cativantes da infância e da fase adulta.

    Ao relatar esse momento, Buddy, segundo filho da família Glass, e narrador da história, faz um relato onde as discussões e todo o evento que se desenrola cria uma atmosfera única e propícia para se falar de Seymour de uma maneira diferente. É claro, sua morte rodeia a mente do leitor, mas não nos deixa com aquela vontade conhecê-lo.

    Seymour – Uma apresentação

    Aqui é mais um artigo do que um conto. Pelo menos a principio. A intenção de Buddy é falar do irmão, contar quem é Seymour. Mas no decorrer do texto, acabamos conhecendo mais a Buddy também.

    Buddy já passou dos 40 anos quando escreveu esse texto. E ao escrever, vai mostrando também sua personalidade. Percebe-se que já está cansado, talvez não esteja mais com a disposição para escrever e a saúde mais precária que podemos imaginar pelo texto. Neste conto, muito mais que se falar de Seymour, o leitor percebe o esforço que Buddy faz para conseguir falar sobre o irmão.

    Por isso este é um conto mais sofrido para ser ler, porque percebemos a dor e a confusão que Buddy se submete ao escrever. Mas não deixa de ser belo. A cada linha temos mais vontade de ler e conhecer mais Seymour.

    http://www.becodaspalavras.com/?p=468
     

Compartilhar