• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Cancelamentos/Remoção de homenagens

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Usuário Premium
Remover monumentos e homenagens racistas sem destruir a memória

Movimento anticolonial e antirracista precisa desconstruir a trama histórica equivocada através de um projeto cultural e educacional consistente

"... São Paulo, a Vila de Anchieta e Nóbrega, (...) cresceu, expandiu-se a mercê dos aventurosos bandeirantes à busca do ouro, índios e diamantes, e dilatou as fronteiras da pátria. Quatro séculos passados reúnem-se nesta data e neste palácio, que é a Casa do Povo, as sombras gloriosas do passado e a esplêndida realidade do presente."

Esculpida no mármore da parede externa da Câmara Municipal de São Paulo, essa frase iguala os povos indígenas ao ouro e diamante, objetos de caçada colonial dos “aventurosos bandeirantes”. Inaugurada junto com a nova sede do legislativo, em 7 de setembro de 1969, durante a ditadura militar, a frase ainda está lá, expressando não “as sombras gloriosas do passado”, mas a vergonhosa herança colonial; não “a esplêndida realidade do presente”, mas a triste realidade da permanência do racismo.

Estátua de Borba Gato, em Santo Amaro

Estátua de Borba Gato, em Santo Amaro - Zanone Fraissat/Folhapress

Em 2001, quando exercia mandato de vereador, apresentei Projeto de Resolução para suprimir essa referência ufanista aos bandeirantes e ultrajante aos índios. Não tive sucesso, meu projeto foi considerado ilegal pois, segundo a Comissão de Justiça do legislativo paulistano, uma homenagem do passado não podia ser revista a posteriori.

O caso voltou à minha cabeça nesse momento em que se debate a derrubada de estatuas de figuras que promoveram o racismo, a escravidão e a dominação colonial. Ele é exemplar da dificuldade de romper com a história oficial de São Paulo, construída sobre uma farsa, solidamente fincada no ideário dominante paulista.

Problematizar e rever essa trama histórica através de um amplo debate democrático é indispensável para que a necessária remoção de monumentos racistas não seja um elemento a mais na crescente polarização e escalada de ódio e fanatização que se prolifera pelo país.

A exaltação dos bandeirantes é profunda e está presente em um variado espectro de elementos materiais e imateriais que fazem parte do cotidiano de São Paulo. Sua presença vai muito além da simbólica estátua fantasiosa de um Borba Gato, majestoso, de botas e uniformizado como um soldado prussiano, que nunca existiu.

As homenagens aos bandeirantes estão em todos os lugares, reiteradamente. Bandeirantes, Anhanguera, Raposo Tavares, Fernão Dias, Paes Leme, Borba Gato, Jorge Velho, Mateus Grou, Simão Alvares, Cunha Gago, Brás Leme, entre tantos outros, são ao mesmo tempo rodovias, ruas, avenidas, bairros e monumentos, casas históricas. Muitos são anônimos, ninguém sabe quem são, o que fizeram e por que estão sendo homenageados.

Mais do que derrubar estátuas, temos que desconstruir mitos e uma visão distorcida da história que está na origem da homenagem a esses genocidas. Já foi amplamente demostrado que a figura heroica do bandeirante nunca existiu tal como expresso em monumentos e relatos ufanistas.

Sua principal atividade foi matar e caçar índios, aprisioná-los e vendê-los como escravos. Participaram ativamente da destruição das missões jesuíticas e do consequente genocídio de dezenas de milhares de guaranis. Pelo menos 300 mil indígenas foram escravizados, segundo Darcy Ribeiro, embora formalmente Portugal tenha proibido a prática. Grande parte dos 4,5 milhões de habitantes originários das terras ocupadas pelos colonizadores foram dizimados.

A farsa bandeirante foi construída no final do século 19, quando a elite tradicional paulista, enriquecida pelo café, mas sem poder político, buscou criar uma identidade própria que pudesse simbolizar seu projeto de poder.

Historiadores comprometidos com esse projeto, como Afonso d’Escragnolle Taunay, Alfredo Elias Jr. e Alcântara Machado realçaram o mito dos bandeirantes, ocultando as atrocidades cometidas contra os indígenas. Elias Jr. os considerava um “povo superior (raça planaltina)” ou uma “raça de gigantes” (tudo a ver com o tamanho das estatuas de Fernão Dias e de Borba Gato). Na obra de Taunay, a escravidão indígena é justificada pois “a ideia de êxito na conquista territorial redimiria os bandeirantes de toda a qualquer culpa em relação à violência praticada”.

A construção dessa trama histórica se tornou conveniente em 1932, quando o projeto de poder da elite paulista levou o país a uma guerra civil. Reforçar a identidade paulista através de um figura mítica heroica era necessário para justificar o esforço de guerra. Derrotados, o mito ganhou evidencia em 1954, no 4º Centenário, quando o ufanismo paulista (“a locomotiva que puxa 22 vagões”) chegou ás alturas, com arrogância e soberba.

O movimento anticolonial e antirracista precisa desconstruir essa trama histórica equivocada através de um projeto cultural e educacional consistente. Retirar monumentos e cancelar homenagens, assim como dar visibilidade aos que foram oprimidos, deve ser resultado de um resgate da memória e não de uma tentativa de destruição da memória.

Quem apaga a memória, queima livros e impõe uma única visão da história são os regimes fascistas. Nas democracias, a reflexão e o debate devem prevalecer, estudando-se como tratar cada situação específica.

Por que não transformar as inúmeras casas bandeiristas, que fazem parte do Museu da Cidade da Secretaria de Cultura, em locais onde se resgata a história dos colonizadores paulistas, problematizando tanto as atrocidades que cometeram como sua eventual contribuição? Estatuas como o Borba Gato poderiam ser deslocadas para essas casas, contextualizadas adequadamente.

Por que não ressignificar pontos de referência urbanos relevantes, como a entrada de Santo Amaro, substituindo o Borba Gato por um monumento de igual tamanho em homenagem ao povo guarani, que foi massacrado pelos bandeirantes nas missões, explicando por que isso foi feito?

Por que monumentos que não devem ser removidos, como o Monumento das Bandeiras, de indiscutível valor artístico, não se tornam locais de debate e reflexão sobre o objeto da obra de arte, na perspectiva de uma cidade educadora, onde o espaço público se torna um instrumento para a formação cidadã?

Por que não se abrir um debate sobre a mudança dos nomes das rodovias e avenidas que homenageiam pessoas que reconhecidamente cometeram crimes contra a humanidade? No lugar de avenida dos Bandeirantes, que tal avenida Tim Maia, Adoniran Barbosa ou Marielle Franco?

 

Elring

Depending on what you said, I might kick your ass!
Mais um tópico de tretas... BORA!!!! Aproveitem e mudem a bandeira do Brasil, já que suas cores remetem a burguesia de Orleans e Bragança, aquele império português supremacista branco-misógino-fóbico-capitalista-escravagista! Cancelem o sete de setembro! Punam todas as escolas de samba que ganharam dinheiro sujo em fantasias que lembram a elite burguesa europeia! Vamos abolir a língua dos senhores de escravo! Queremos sobrenomes africanos e não retirados das fazendas dos senhorios!

Vamos aproveitar e abrir um outro tópico e apostar em quanto tempo essa galera vai voltar seu choro para o Legendarium. Sim! Essa obra escrita por um supremacista branco sul africano privilegiado, cristão conservador que faz apologia aos heróis brancos elfos racistas. Só vamos dar um desconto para os companheiros d'O Hobbit que são campesinos e batalhadores que foram para a guerra e venceram, enquanto seu patrões debatiam em um alpendre confortável!
 

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Usuário Premium
Racismo sempre será algo lamentável, assim como superestimar e idolatrar pseudo-herois idem.

Mas entrar numa cruzada moralista a todo e qualquer custo, sem nenhum bom senso, razão e equilíbrio para apagar da noite pro dia a parte da história que não interessa, fingir que não aconteceu e jogar debaixo do tapete é pedir pra cair na mesma vala comum. Se partirem pra isso, terão que também apagar quase tudo que existe em nossa história.
 
Última edição:

Neoghoster Akira

Brandebuque
Nesse evento em particular (disparado por um atrito racial) a ideologia do tumulto/distúrbio vem do fomento da guerra de classes e da guerra cultural.

Nos EUA, antes de 2019, segundo as estatísticas 8% dos adolescentes tentavam cometer suicídio a cada ano numa notícia do City Journal (2020 por causa da pandemia o número deverá ser maior). Entre millenials é gente pra caramba em estado mental voltado para o "nada a perder" que inclui destruir tudo (resetar a sociedade) pela falta de perspectiva. São um contingente que já era uma panela de pressão muito antes do Trump, em processo acelerado nos últimos 10 anos ou mais crescendo de maneira invisível.
 

Omykron

far above
Mais um tópico de tretas... BORA!!!! Aproveitem e mudem a bandeira do Brasil, já que suas cores remetem a burguesia de Orleans e Bragança, aquele império português supremacista branco-misógino-fóbico-capitalista-escravagista! Cancelem o sete de setembro! Punam todas as escolas de samba que ganharam dinheiro sujo em fantasias que lembram a elite burguesa europeia! Vamos abolir a língua dos senhores de escravo! Queremos sobrenomes africanos e não retirados das fazendas dos senhorios!

Vamos aproveitar e abrir um outro tópico e apostar em quanto tempo essa galera vai voltar seu choro para o Legendarium. Sim! Essa obra escrita por um supremacista branco sul africano privilegiado, cristão conservador que faz apologia aos heróis brancos elfos racistas. Só vamos dar um desconto para os companheiros d'O Hobbit que são campesinos e batalhadores que foram para a guerra e venceram, enquanto seu patrões debatiam em um alpendre confortável!
 

Elring

Depending on what you said, I might kick your ass!

Bem lembrado, Tovarisch Omikrov! Infelizmente, não conseguimos cancelar o filme e esse ator safado em janeiro... mas quem sabe agora vai?

E lembrando a todos os membros da Valinor:

Illustration (2).jpg
 

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Usuário Premium
Ainda falta alguns meses pra começar pra valer a próxima década, mas pelo visto será a década dos cancelamentos.
 

Haran Alkarin

Usuário
1595047099949.png
The new ideology of race: and what's wrong with it
America's problem with racism can be divided into two parts. One contains all the myriad injustices that still blight African-American lives a century and a half after the end of slavery. The other is the way that factions on the right exploit racial division as a political tool. An example of the first occurred on May 25th on a shabby street corner in Minneapolis, when George Floyd was killed by a white policeman.​
An example of the second occurred on July 3rd, at Mount Rushmore, against the monumental backdrop of the country’s greatest presidents, when Donald Trump sought to inflame a culture war centred on race to boost his chances of a second term. To be successful, a campaign for racial justice needs to deal with both.​
Leaders like Frederick Douglass and Martin Luther King used vigorous protest and relentless argument to push society towards their vision of equality of opportunity and equality before the law.​
Most Americans still hew to that classical liberal ideal as do many of those who marched with justified anger over the killing of Mr Floyd. But a dangerous rival approach has emerged from American universities (see article). It rejects the liberal notion of progress. It defines everyone by their race, and every action as racist or anti-racist. It is not yet dominant, but it is dynamic and it is spreading out of the academy into everyday life. If it supplants liberal values, then intimidation will chill open debate and sow division to the disadvantage of all, black and white.​
The premise underpinning this ideology is correct: that racial inequality is shockingly persistent. Even though attitudes to race have improved, the quality of African-American lives has not kept pace. A third of black boys born in 2001 will probably spend time locked up, compared with one in 17 white boys. In 1968 black households earned around 60% as much as white households, and owned assets that were less than 10% of those of a typical white family. They still do.​
This ideology also has some valid insights. Racism is sustained by unjust institutions and practices. Sometimes, as in policing, this is overt. More often, in countless small put-downs and biases, it is subtle but widespread and harmful.​
But then the ideology takes a wrong turn, by seeking to impose itself through intimidation and power. Not the power that comes from persuasion and elections, but from silencing your critics, insisting that those who are not with you are against you, and shutting out those who are deemed privileged or disloyal to their race. It is a worldview where everything and everyone is seen through the prism of ideology-who is published, who gets jobs, who can say what to whom; one in which in-groups obsess over orthodoxy in education, culture and heritage; one that enforces absolute equality of outcome, policy by policy, paragraph by paragraph, if society is to count as just.​
It is tempting to see such ideas as nothing more than overheated campus radicalism. And, true enough, they have not yet taken over a political party. When people speak of ending white privilege, most of them have good things in mind like inclusion and justice. But ideas are important, and the spread of campus terminology into newsrooms and boardrooms invites in ideologues. Their approach is already taking a toll. In universities research agendas are being warped. Outside them, public shaming and intimidation have been curbing debate.​
The pity is that these ideas will not solve America’s problems with race. They will not eliminate inequality because they are a poor way to bring about beneficial change. Unless you can freely analyse causes and question orthodoxies you will not be able to solve problems. And unless you can criticise people and practices without fear of being called out, you will not be able to design effective policies and then go on to refine them.​
The new race theory blocks progress in another way, too. The barriers to racism can be dismantled only when they are exposed—and so they must be, however painful. But the false idea that ingrained racism will forever block African-Americans at every turn is a barrier in its own right.​
And, by focusing on power and division, this ideology only creates more space for some on the right to exploit race as a tool. A fundamental belief in power above persuasion frustrates coalition-building. Essential allies are not carried along, but forced along. When every transaction at work, at home, or at the school gate is seen through a prism of racial power, no encounter between different races can be innocent.​
The new ideology of race is not just wrong and dangerous, it is also unnecessary. Liberalism can offer a fairer, more promising route to reform. It asserts the dignity of the individual and the legal, civil and moral equality of all people, whatever the colour of their skin. It believes in progress through argument and debate, in which reason and empathy lift truthful ideas and marginalise bigotry and falsehood.​
Liberalism thrives on a marketplace of ideas, so diversity has a vital role. New voices and experiences enrich the debate. Liberalism does not fight power with power, which risks replacing one abusive regime with another. Instead it uses facts and evidence, tested in debate, to help the weak take on the strong.​
Liberalism is all about progress, including about putting right its mistakes—and there have been many, especially over race, including finding reasons to accommodate imperialism and slavery. That is one reason why, in the 250 years in which it has been influential, humanity has seen unprecedented material, scientific and political gains, as well as a vast extension of social and political rights. Progress on racial inequities has been part of this—as in South Africa, where liberals joined forces with the trade unions and communists to sink apartheid.​
Liberals can help in America, too. Much of the material gulf between African-Americans and whites can be bridged with economic policies that improve opportunity. You do not need to build a state based on identity. Nor do you need tools like reparations, which come with practical difficulties and have unintended consequences. Economic policies that are race-neutral, which people qualify for because of poverty, not the colour of their skin, can make a big difference. They have a chance of uniting Americans, not dividing them. If the mood now really is for change, they would be politically sellable and socially cohesive.​
Our Briefing lays out what some of these policies might look like. Top of the list is tackling the housing segregation that is central to America’s racial economic inequality. The reform of zoning laws and the grant of rent-assistance vouchers are the chief ingredients. That would bring many benefits, improving public services and lessening violence. More integrated housing would integrate schools too and, given America’s locally financed education, mean that more would be spent on black children. Affordable measures, including advice and modest cash grants, have been shown to boost graduation from college. A third tool is the tax system. The earned-income tax credit tops up wages of working adults. A child allowance would cut poverty. A baby bond would help shrink the wealth gap.​
In the past liberals have helped bring about change when society faced a challenge to the status quo, as when reforms limited child labour and won women the vote. If America has reached such a moment today, it must not resort to identity politics—and suffer intolerance, intimidation and division. Instead, for reform on race that works, it must look to liberalism.​

Grifos meus. Capa da The Economist da semana passsada, com matéria que aponta que, diferentemente do antiracismo tradicional oriundo de valores liberais clássicos, esse movimento antiracista é oriundo de uma nova ideologia antiliberal e sectária. Eu a chamaria meramente de ideologia identitária. E é essa ideologia que vemos a rodo também aqui no Brasil. Impossível não evitar o link entre "every action as racist or anti-racist" e a esquerda brasileira que divide o mundo entre fascismo e antifascismo.
 
Última edição:

Haran Alkarin

Usuário
Vamos aproveitar e abrir um outro tópico e apostar em quanto tempo essa galera vai voltar seu choro para o Legendarium. Sim! Essa obra escrita por um supremacista branco sul africano privilegiado, cristão conservador que faz apologia aos heróis brancos elfos racistas.
Rolou ontem gente cancelando Tolkien, entrou até nas trends do twitter. :gira: Infelizmente cancelaram apenas no que diz respeito ao assunto manjado do momento - o racismo - assunto no qual Tolkien não era tão retrógrado assim... Agora se forem pegar aspectos religiosos e políticos, o assunto é outro, Tolkien seria de direita até o talo, e isso reverbera nas obras.

Com a série da Amazon esses cancelamentos devem aumentar, por enquanto ele só ganhou atenção porque um anônimo disse uma bobagem envolvendo Tolkien se inspirar na JK, daí pronto né, a vontade de corrigir outros é irresistível, e o assunto bombou. Só posteriormente o cancelamento começou a ocorrer.
 
Última edição:

Elring

Depending on what you said, I might kick your ass!
A pedra já estava cantada há tempos. E o Twitter nunca me decepciona quando se trata de produção de matéria orgânica. É assim que começa, alguém solta uma hashtag e uma reclamação aleatória sem muita importância para testar a reação das pessoas. Se não dá nada, elevam o tom e começam a pipocar os influencers e "especialistas" em Tolkien, sempre com um pé no socialismo, para problematizar as obras e retirar trechos que revelem a natureza racista dos elfos para com o proletariado naugrim.
É enredo tão previsível que nem me espanto. Maaas como eu sou full retard, não leve a sério minhas queixas. Só observo o silêncio da Valinor.
 

Giuseppe

Eternamente Humano
Não tenho Twitter, então não vi o que aconteceu; alguém por favor explique aí. O que exatamente estão dizendo sobre o Tolkien?
 

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Usuário Premium
Do jeito que estão caminhando as coisas, o desafio é fazer um bolão de quem será o último a ser cancelado, pois pelo visto não sobrará ninguém.

Obrigado por me darem mais um motivo entre os mais de 1.489.323 que já tinha pra não querer voltar a me cadastrar nessa rede social, que no próximo um mês completarei com imensa felicidade exatos 10 anos que me descadastrei dela.
 

Ana Lovejoy

Administrador
Não tenho Twitter, então não vi o que aconteceu; alguém por favor explique aí. O que exatamente estão dizendo sobre o Tolkien?

É o que o Haran falou: Uma menina postou uma bait, galera caiu em cima corrigindo e viralizou (na postagem uma pessoa aparecia dizendo que Tolkien se inspirou na Rowling). Aí no meio disso começaram a aparecer posts falando sobre cancelamento de Tolkien por ele ser racista.

Mas o curioso é que se você joga Tolkien na pesquisa do twitter e começa a ler as mensagens, a maior parte que menciona o cancelamento está criticando. Chega até no ponto de ficar uma coisa completamente telefone sem fio, como dá para ver nesse tweet:

1600894409472.png

Pesquisando parece que o que estava todo mundo chamando de cancelamento era esse post aqui (foi um dos poucos que encontrei que dizem que Tolkien era racista) :

1600894487631.png

É quase como todo cancelamento no twitter, você pensa que está rolando um linchamento, vai ver e na real é muito mais a reação ao comentário inicial de um gato pingado (ou um grupo de gatos pingados).
 

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Usuário Premium

Por mim se além cancelarem o nome, varrerem de vez essa data importada extremamente consumista que entrou no calendário brasileiro numa forçação de barra muito fdp, essa é uma que pra mim não fará a menor falta e não sentirei a menor saudade. Só compro no bom e brasileiríssimo saldão de ponta de estoque pós Natal e Réveillon.
 

Omykron

far above
É quase como todo cancelamento no twitter, você pensa que está rolando um linchamento, vai ver e na real é muito mais a reação ao comentário inicial de um gato pingado (ou um grupo de gatos pingados).
quase um mes depois...

eu poderia jurar que ouvi/li o Kabral apontar isso em algum lugar ou em algum encontro.
 

Ana Lovejoy

Administrador
quase um mes depois...

eu poderia jurar que ouvi/li o Kabral apontar isso em algum lugar ou em algum encontro.

não duvido, até porque é um jeito de esvaziar questões legítimas de minorias. na linha: se tudo é "cancelamento", então nada é importante. é um jeito de pintar minorias como meninos que gritam lobo.
 

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.920,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo