1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

TV Can Marxist theory predict the end of Game of Thrones?

Tópico em 'Westeros' iniciado por Grimnir, 6 Abr 2015.

  1. Grimnir

    Grimnir Usuário

    The elite are in trouble, their sources of wealth exhausted, their civilisation assailed by crazed fanatics from without – while, within, the masses are in open revolt. No, it’s not the eurozone – it is Westeros, the mythical venue for
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .

    It was JRR Tolkien, the father of fantasy fiction, who summed up the attraction of a genre that has become, in the past 60 years, a staple of modern culture: “a Secondary World into which both the designer and spectator can enter, to the satisfaction of their senses while they are inside”.

    But why do so many of these secondary worlds resemble feudalism in crisis? From Tolkien and CS Lewis, through to interstellar worldbuilders like Frank Herbert in Dune, and now Game of Thrones itself, the most successful fantasy worlds invoke not just the trappings of feudalism – kings, torture and trial by combat – but the actual crisis of feudalism.

    In modern fantasy fiction there is always a crisis of the system: both of the economic order and of the auras of power – the magic– that emanate from it. There is, in literary theory, even a technical term for this critical point:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    . In their
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , John Clute and John Grant define thinning as “the constant threat of decline”, accompanied by a pervasive mourning and sense of wrongness in the world.

    As Westeros girds its gym-toned and wax-depilated loins for season five, the thinning process is well under way. There is the encroachment of the spirit world from the icy north; there is a slave revolt happening across the sea.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    With dragon … Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) in Game Of Thrones. Photograph: c.HBO/Everett/Rex
    But there is also more clearly systemic doom hanging over the economy of Westeros. The ruling Lannister family obtained its wealth from owning most of the gold mines. The currency of Westeros is tri-metallic: there are gold, silver and copper coins deriving their value from the metal contained in them – not from a central bank and its “promise to pay” as in real life.

    Advertisement
    The problem is, in season four, the Lannisters’ big cheese, Tywin, dropped a bombshell: the gold mines have not produced for three years. On top of that, the Lannisters owe loads of money to something called the Iron Bank. “All of us live in its shadow,” says Tywin, “but none of us know it. You can’t run from them, you can’t cheat them and you can’t sway them with excuses. If you owe them money, and you don’t want to crumble, you pay it back.”

    If this sounds a lot like Greece and the European Central Bank, that’s only because their current standoff replicates the essential power shift that happened towards the end of feudalism: debts accumulated under a corrupt patronage system, whose sources of wealth dried up, destroyed the system in the end.

    If you apply historical materialism to Westeros, the plot of season five and six becomes possible to predict. What happened with feudalism, when kings found themselves in hock to bankers, is that – at first – they tried to sort it out with naked power. The real-life Edward III had his Italian bankers locked up in the Tower of London until they waived his debts.

    But eventually the power of commerce began to squash the power of kings. Feudalism gave way to a capitalism based on merchants, bankers, colonial plunder and the slave trade. Paper money emerged, as did a complex banking system for assuaging problems like your gold mine running dry.

    But for this to happen you need the rule of law. You need the power of kings to become subject to constitutional right, and a moral code imposed on business, trade and family life. But that won’t happen in Westeros, where the elite lifestyle is synonymous with rape, pillage, arbitrary killing, torture and recreational sex.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Stubbly hunk Jon Snow with Mance Rayder in Game of Thrones.
    So what Westeros needs is not an invasion of werewolves from the frozen north, but the arrival of a new kind of human being: they should be dressed in black, with white lace collars, stern faces and an aversion to sex and drink. In a word, Westeros needs capitalists – such as those who frown puritanically at us from Dutch portraits in the 17th century. And they should, as in the Dutch Republic and the English civil war, launch a revolution.

    But that can’t happen in the secondary world of fantasy fiction. The thinning process can never be allowed to end; it must be perpetual for the conceit of the drama to work.

    There is a reason so much fantasy fiction adopts the conceit of a feudalism that is always in crisis but never overthrown. It forms the ideal landscape in which to dramatise the secret desires of people who live under modern capitalism.

    Tolkien’s generation – scarred by industrial-scale warfare – craved the values of heroism and mercy associated with the face-to-face combat of yesteryear. For William Morris, whose utopian socialist novel News From Nowhere is set in a quasi-medieval Hammersmith, the craving was for skill, craft, beautiful individual objects – an escape from the brutalism of industrial mass production.

    Future social historians, as they look back on the popularity of Game of Thrones, will not have much trouble deciphering the inner desires of the generation addicted to it. They are: “all of the above” plus multipartner sex.

    Trapped in a system based on economic rationality, we all want the power to be something bigger than our credit card limit, or our job function. Nobody sits at home watching the these dramas imagining they are a mere slave, peasant or serving girl: we are invited to fantasise that we are one of the characters with agency – Daenerys Targaryen, a beautiful woman with tame dragons, or the unkillable stubbly hunk that is Jon Snow.

    It is for social psychology to explain the enduring popularity of fantasy, and its evolution towards soft-porn gore. All political economy can do is point out the contraditions and where they lead.

    So sometime in season five or six, I predict the Lannisters are going to fall, as the feudalists did, unless they discover some previously unknown territory, full of gold and easily killable people, just as the Spanish monarchy did during the real-world crisis of feudalism.

    It has always been a mystery as to whether there is a land to the west, across the sea from Westeros. My suspicion is: there has to be, and someone will soon be despatched to find it.

    Paul Mason is economics editor of Channel 4 News. Follow him
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  2. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Possivelmente, sob condições mais amenas, o mundo de Game of Thrones teria mais oportunidades de se organizar por meio de áreas menos conflagradas contendo novamente um império principal como ocorreu com as disputas entre cidades-estado gregas que forneceram a cultura e maturidade para que uma colônia importante aparecesse em Roma.

    E eu penso que por causa do estado caótico e anárquico planejado pelo Martin há chances de piorar o agravamento da guerra regional de Westeros com envolvimento de outras regiões ou continentes. Particularmente a concentração de capital e poder do Banco de Ferro se parece com a tendência de opinião de uma ala alemã da política sobre os judeus na segunda grande guerra.

    Por outro lado se seguirmos a lógica de um mundo ancestral que precede o "mundo antigo atual", com estilo "dark fantasy", há a hipótese da guerra mundial ocasionada pelo envolvimento de todas as regiões que antigamente se influenciaram pela queda da superpotência destruída de Valíria. Que seriam efeitos retardados da dissolução daquele mundo ancestral ambicionado por ela.

    Quer dizer, quando o império romano se fragmentou houve muita guerras em várias regiões do império agonizante que futuramente se estabilizaram em domínios independentes menores e com novas fronteiras para quem sobrevivesse. Isso daria origem a idade média e aos feudos que conhecemos no Japão, Europa, etc...

    Entretanto há fatores de desestabilização como a presença de magia e a vida em um mundo construído sobre ruínas e que tende a preceder o nosso próprio mundo antigo apresentando crises e choques ainda mais violentos do que os que conhecemos com possível extermínio total da população em certas áreas.

    Devido a natureza do trauma desses conflitos até a própria história verdadeira pode ser apagada imediatamente como ocorre com Tolkien. Ou ainda, se vier toda a violência que o Martin poderia produzir, os que sobreviverem a um embate convulsivo canalizariam poucos recursos para memória de sistemas políticos antigos, talvez por meio de regressão a tribos indígenas mercenárias que em Westeros seriam parecidas com os Vikings.
     
    Última edição: 7 Abr 2015
  3. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Quem vai ficar no Trono de Ferro? Um banqueiro de Braavos. Não parece um resultado ruim.
     
  4. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Pior é que eles tem mesmo boas chances de se sairem bem ou de morder um naco de terra ou recompensa. O fim da história tem puxado muito justamente para o "umbigo" morto da Valíria uma vez que justamente uma cidade dos escravos Valirianos e Daenerys, representando o povo Valiariano são os elementos surpresa que estão resistindo bem a situação até agora. Se o Banco de Ferro não encontrar um Targaryen pela frente vejo poucas pessoas que pudessem fazer frente a alguma pretensão de governo deles.

    Se bobear é bem capaz de se Daenerys vencer a guerra assumindo comando eles reformularem o acordo e continuarem servindo ela como que em eco ao antigo passado de serviço entre escravos e nobres de Valíria.

    Todavia também é verdade que eles sempre gostaram de estar nos bastidores e talvez possam preferir colocar algum novo nobre no trono para não se arriscarem muito.

    PS:

    Interessante discussão sobre paralelos históricos em GoT:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Os judeus dividem semelhanças com Braavos. Biblicamente falando, à época da servidão judaica no Egito eles eram escravos de um domínio sobrenatural que servia a um tipo de potestade que só seria demovida do cargo com Jesus (o mesmo valendo para China e Índia). Posteriormente conseguem poder para serem mais livres.
     
    Última edição: 7 Abr 2015
  5. Felagund

    Felagund Well-Known Member

    E o cara lá do 4chan parece que vazou mesmo os scripts:

    Episódio 1:

    1) Cena de flashback! Maggy, a Rã e a profecia de Cersei.
    2) Consequências da morte de Tywin. Sobre seu corpo Cersei pergunta a Jaime se ele libertou Tyrion. Ele nega, mas ela sabe que ele está mentindo.
    3) Cersei se vê cercada por Tyrells depois de deixar Jaime. Cersei se recusa a olhar Loras nos olhos quando ele lhe presta as condolências. Margaery conforta Tommen.
    4) Cersei tromba em Pycelle mas o evita.
    5) Depois ela encontra Lancel, que está descalço e se juntou aos Pardais (não aos Filhos do Guerreiro?) e Kevan. Lancel parece terrível.
    6) Mais tarde ela vê Lancel novamente, e ele quer perdão pelo que aconteceu entre eles antes… e também discute o negócio sórdido do “acidente de caça” de Robert. Cersei finge não sabe do que ele está falando. Lancel é um louco religioso agora, quem sabe o que ele pode dizer a outros.
    7) Vemos Meereen onde um Imaculado procura uma prostituta para… um afago. Termina em desastre quando o homem é atacado quando está com a mulher.
    8) Os Filhos da Harpia se tornaram um problema em Meereen e Daenerys faz seus homens patrulharem as ruas.
    9) Daario e Hizdahr voltam de Yunkai e dizem a Daenerys para atacar a cidade primeiro com seus dragões, ela não deve demonstrar fraqueza. Os yunkaítas estão ansiosos para atacá-la.
    10) Daenerys vai até os dragões no fosso. Ela não quer ter mais “acidentes”, então não pode usá-los a não ser que possa controlá-los. Mas eles cresceram e tentam atacá-la. Ela percebe que não será capaz de usá-los ou controlá-los… nunca.
    11) A cena final tem lugar na Muralha, onde Stannis conversa com Jon sobre atacar Roose Bolton. Melisandre não está muito atrás. Stannsi quer que Jon convença Mance a ajoelhar, ele precisa do exército selvagem para atacar os Boltons. Jon tem até o escurecer para concluir essa tarefa.



    Leia mais:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Under Creative Commons License:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    LINK:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  6. Haran Alkarin

    Haran Alkarin Usuário

    Nos próximos capítulos: Can Marxist theory predict anything?
     

Compartilhar