1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Camadas

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Breno C., 16 Nov 2008.

  1. Breno C.

    Breno C. Usuário

    [align=center]
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    [/align]

    Minha mente anda muito criativa ultimamente, e o que é mais engraçado é que eu tenho criado coisa das quais tenho gostado.
    Dessa vez vou colocar aqui um "romance" que estou escrevendo, sei que é uma coisa nova, ainda mais porque eu sempre me limito a contos, mas espero que vocês gostem.

    [align=center]Capitulo I – Vendo o invisível.
    [/align]
    [align=justify]“Imagine uma cebola com suas várias camadas, uma após a outra, constituindo um corpo inteiro, fazendo da pluralidade algo singular e com identidade própria. Colocando de forma menos poética, podemos dizer que é como se ‘um’ fosse feito de ‘mil’. Agora imagine se alguém lhe disse que a realidade, aquela que você julga viver, se comporta da mesma forma que essa cebola, que na verdade o real e concreto, nada mais é do que uma camada de um todo ainda não compreendido nem mesmo pelos mais inteligentes, mas que é sentido o tempo todo por aqueles que compartilham o mundo junto com você, ou seja, todos os seres viventes. Seria muito difícil de acreditar não nessa nova verdade? A realidade uma grande cebola e que assim como ela pode ser fatiada e desfeita, é um pensamento que causaria medo a muitas pessoas e talvez por isso seja tão difícil acreditar, afinal essa é nossa realidade querer justificar os fatos provando sua solidez!” – Autor desconhecido durante uma palestra via web.[/align]
    [align=center]****[/align]
    [align=justify]Mais uma vez Milena acordou suando em sua cama depois de mais um pesadelo aterrador. Com essa noite, já eram cinco os dias em que ela não conseguia dormir direito porque algo assustador em sua mente resolveu acordar e sair para brincar em seu sonhar. Caminhou até a cozinha para seu ritual que consistia em beber um soporífero com o máximo de água que pudesse o fazer descer pela garganta ainda seca do terror que havia passado a poucos minutos, então voltava para a cama e tentava dormir sem sonhar, mesmo que a tentativa não desse em nada.

    A manhã beijava a janela, acordando mais uma vez seu corpo cansado pelas três vezes que teve que acordar durante a noite assustada pelo que via quando fechava os olhos e atingia o sono Rem. Estava decidida a ir ao médico perguntar se aquelas pílulas realmente ajudavam alguém a dormir, porque para com ela as desgraçadas estavam fazendo o efeito contrário. Mas para Milena tanto fazia agora, já estava acordada e agora o sol já havia tomado conta do céu, o que significava ir trabalhar mesmo sentindo que seu corpo pedia que ficasse e tentasse dormir só mais uma vez. Em comparação a dormir, se vestir era uma das coisas mais fáceis que ela podia executar de forma automática naquele momento, a pergunta era se poderia atender os clientes com a mesma facilidade de automação nos movimentos, o patrão já avisara uma vez essa semana, se ela deixasse cair mais alguma jarra de café, teria que procurar emprego em outra cafeteria.

    Caminhou sem dificuldades até o Jet Coffee. Trabalhar no mesmo quarteirão em que se mora tem dessas vantagens, é só esticar um pouco as pernas e já se está de frente ao balcão, o que não é muito legal era o fato de que aquele também era o bairro mais barra pesada da cidade, sorte de Milena não ter que andar muito, mais dez passos entre ela e o emprego e as vezes que foi assaltada passariam de três por ano para vinte por semana.

    O Jet Coffee é aquele tipo de lugar em que ninguém quer trabalhar, “mas na vida, certas coisas agente não escolhe”, pensava Milena tentando apagar da consciência sua péssima escolha de não ir para a faculdade. O lugar já havia sido interditado duas vezes pela vigilância sanitária, era até difícil de imaginar como as pessoas voltavam lá todas as manhãs para comer, alguns diziam que a comida tinha um gosto especial, mas os funcionários, ou seja, ela e Betty, sabiam que o tal gosto especial era só um produto pata matar baratas que a “gerencia” comprava desde que o negocio abriu. Milena entrou sem muita cerimônia pela porta dos fundos. Não havia ninguém na frente e o Joe ainda não abrira o estabelecimento, o que era muito estranho, já que ele nunca se atrasava para abrir a pocilga.

    Assim como o resto de sua vida, trabalhar no Jet se tornou um imenso ritual repetitivo, era só perguntar se o cliente, provavelmente algum marginal voltando de uma festa regada a drogas, queria mais café e anotar os pedidos, mesmo que alguns sejam os mais esdrúxulos possíveis. Porém Milena podia sentir que aquela manhã reservava algo diferente, não que ela fosse algum tipo de sensitiva, mas era uma daquelas manhãs que qualquer um podia sentir que havia algo no ar diferente do cheiro de gordura do dia a dia. Quando estava andando pelo corredor que levava até a cozinha pode ouvir a voz de duas pessoas conversando, mais precisamente discutindo, uma das vozes era de Joe e isso tornou o fato mais estranho porque foi a primeira vez em três anos que ele ouvi a voz de Joe representando medo e era um sentimento sincero, quem quer que estivesse junto com ele, deveria lhe colocar muito medo. Milena precisava passar enfrente a porta para poder chegar até onde ficava seu avental e os produtos de limpeza que ela usava logo de manhã na tentativa de melhorar o ambiente. Não estava muito preocupada em atrapalhar a conversa dos dois, pensou que até seria melhor porque, apesar de não parecer um assalto, Joe poderia estar precisando de ajuda e ela é uma alma boa de mais para negar um pouco de ajuda até mesmo para o sacana do seu patrão.

    Continuou andando até chegar a porta do escritório que estava meio encostada. Chegou a levantar a mão para empurra a porta e dizer um simples: “ Ei J! Bom dia! Cheguei e vou limpar a cozinha, pode deixar comigo!”, mas algo em seu interior, aquela mesma sensação ruim que sentira no início da manhã, não permitiu que fizesse esse ato simples. Parou e olhou pela fresta que porta deixava que era o suficiente para o foco dos dois olhos. Demorou alguns segundos para entender o que estava vendo. A cena era surreal demais para sua mente acostumada a coisas menos estranhas. Ela podia ver nitidamente um ser com a metade do tamanho de uma pessoa normal encima da mesa de Joe, mas o estranho não era a estatura da figura e sim o fato de que ele tinha a metade inferior do corpo como um bode, as costas cabeludas, uma careca reluzente e dois chifres na cabeça. Aquela coisa estranha estava obviamente ameaçando Joe, mas ela não podia entender o que eles falavam, porque era algo em alguma língua esquisita que não se parecia com nenhuma que ela já escutara. Ficar atrás da porta acompanhando toda aquela cena bizarra era o máximo que as pernas dela permitiam e conversa parecia já estar no final, foi quando Joe se abaixou para pegar algo dentro da ultima gaveta da mesa. Ela não conseguiu ver muito bem o que era, porque o pequeno ser estranho estava em sua frente, mas pode perceber que era algo embrulhado em um papel. A conversa não durou muito depois disso. O sátiro, porque esse o nome do ser que Milena havia visto, desceu da mesa resmungando e batendo os cascos e logo depois desenhou um circulo no chão com um tipo de giz e resmungando mais algumas palavras desapareceu.

    Milena já estava muito assustada, agora se lembrava aonde já havia visto aquele ser, fora em um de seus sonhos nesses cinco dias. Ela tinha certeza de que aquela coisa era mesmo um de seus sonhos, mas não sabia se ainda estava sonhando, mas qualquer vestígio de dúvida foi retirado quando ela escutou a voz de Joe dizendo “Pode entrar garota! Eu sei que você viu toda essa cena lamentável!”. O coração de Milena estava literalmente na boca.
    [/align]
     
  2. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Antes de tudo, adorei essa imagem no início. Tá ficando chique isso aqui hein? :rofl:. Cara eu fiquei pensando logo no começo, quantas pessoas que não trabalham num Jet Coffee da vida? Levantam lá com a perspectiva derrotada, arrumam a aparência do jeito que dá, aguentam um patrãozinho daqueles meio ordinário, e ganham lá seus trocadinhos (esmolas). Apesar de você ter dado um ar mais "americanizado" ao romance, gostei demais do retrato que você passou da pobre Milena, parece ser uma moça bem digna, que apenas sobrevive como dá. Agora...o que me deixou já curioso, é a criatura que ela viu conversando com o Joe, pra mim as pílulas pra dormir que ela tomou estão vencidas viu XD. No aguardo do próximo capítulo.
     
  3. Breno C.

    Breno C. Usuário

    Valeu Giacon!
    Obrigado pelos elogios.
    Bem eu curto esse negócio de ilustrar o que eu penso, pena que eu praticamente roubei a imagem de um blog, só dei uma editada nas cores e no fundo para que ficasse menos forçado.
    Mas então... Comecei a ter a idéia para escrever esse romance logo depois que vi um filme que fala justamente sobre a importância das pessoas que não notamos a nossa volta, como frentistas, atendentes e taxistas. Vou atribuir grandes poderes a Milena só para provar como essas pessoas podem ser importantes de uma forma que não imaginamos. Tudo bem eu vou dar aquela viajada de sempre, mas com certeza esse vai ser meu trabalho menos dark até agora.
    Fica ligado porque a continuação sai antes do final de semana, estou fazendo capítulos bem pequenos para o pessoal poder acompanhar e espero que todos que passem por aqui deixem sua opinião, porque é de suma importância para o andamento da história.[hr]
    [align=center]Capitulo II – Grande descoberta[/align]
    [align=justify]Muito assustada Milena andou até a mesa em que a poucos minutos atrás um ser meio bode meio homem estava de pé. Ela pensava nas desculpas que Joe inventaria para se explicar e sabia que nada poderia convencê-la de que aquilo não era real, nem se ele dissesse que a coisa era só um anão fantasiado. Ela se sentou na cadeira enfrente a Joe e o encarou, como quem falasse em um tom de vocês estridente “Vamos! Me explique o que era aquilo!”, mas ao contrario de suas expectativa ele não tentou se explicar com desculpas esfarrapadas ou tentando convencê-la de que estava ficando louca. Ele continuou olhando-a nos olhos sem nada dizer.

    - E então J? Você não vai me explicar o que era aquela coisa que estava com você agora a pouco?
    – ela disse ainda o encarando, mas agora com uma expressão de ferocidade no rosto.

    Mas ele ficou mais uns instantes calado, só olhando para os olhos da menina de vinte e poucos anos, que já trabalhava a três para ele. O ar estava tenso entre os dois. Milena não entendia o porque do silencio de Joe e começou a duvidar de si mesmo, afinal poderia estar sonhando ainda. Porém não ia mais pensar que estava louca, não depois do que já havia passado, então quando estava abrindo a boca para indagar mais um a vez, Joe levantou o braço como que para calá-la e ela se calou, mas ainda estava procurando uma explicação. Vendo que não podia mais segurar o silencio, ele começou a falar.

    - A coisa que você viu encima da minha mesa é um sátiro, na verdade um sátiro anão, mas mesmo assim não deixa de ser o que é. Ele veio aqui me cobrar um favor.
    - Então você vai querer me convencer que deve favores a sátiros? O que ele fez para você? Te salvou de ogros? – na voz de Milena era audível um tom de desespero, porque no fundo ela, não só, esperava que ele tentasse se explicar com desculpas como precisava dessas mesmas desculpas, já que acreditar em sátiros não é uma boa coisa, as pessoas te prendem em manicômios por muito menos.

    Joe ficou novamente calado. Seu rosto passava nitidamente o descontentamento por ter de ouvir aquelas gracinhas de uma menina que não sabia nem da missa a metade sobre qual era a verdadeira situação em que estava se metendo. Porém não resistiu em deixá-la mais uma vez perplexa com uma resposta inesperada.

    - Quando eu tinha mais ou menos a sua idade, fui acampar com uns amigos numa floresta velha que existia perto da minha cidade. Éramos jovens e descuidados, não escutamos os mais velhos que contavam as lendas do lugar. Ficamos perdidos na floresta antiga e encontramos uma caverna, cometemos o erro de dormir na caverna e na manhã seguinte quando acordei estava sozinho e havia rastro de sangue pelo chão. Segui os rastros até o final da caverna, que era mais extensa do que imaginava, mas ao chegar no fim o que vi não era muito agradável. Os corpos de dois dos meus amigos estavam jogados envolta de uma fogueira e do outro lado um wendigo estava comendo o que sobrara de um dos amigos que havia sido levado. Corri em direção a saída sem olhar para trás, mas acabei tropeçando em Herculinus, o sátiro que você viu aqui comigo. Ele era um caçador de criaturas “más” e estava a procura desse mesmo wendigo, muito contra a minha vontade eu o levei até o final da caverna e juntos lutamos contra a besta. Concluindo: devo a minha vida e a dos meus dois amigos a Herculinus, porque o wendigo havia deixado com que eu o visse e por isso teria que me caçar até que eu estivesse calado.

    Milena não pode conter as risadas que saiam de sua boca e isso só piorava a expressão de descontentamento de Joe. Ele havia contato a história de forma que se lembrava, provavelmente esqueceu algum detalhe por menor, mas isso havia sido tudo, não gostava que rissem dele, ainda mais quando o assunto era sério. Mas Milena não conseguia, ou não queria acreditar em história tão absurda.

    - J! Grande J! A quanto tempo nos conhecemos? Quatro anos? Desde que eu me mudei para essa pocilga de bairro. E você quer mesmo que eu acredite que o duende caçador de monstro salvou a sua vida e que agora está te cobrando um favor? E o que ele quer que você faça? Que você ajude a exterminar os invasores de Marte?

    - Ele não é um duende. Duende são seres mais sacanas. E sim, eu devo um favor para ele, só que é bem mais simples que matar marcianos. Ele quer que eu mate você.

    Milena já não ria mais, para ela a brincadeira havia ido longe de mais e agora estava cheirando a loucura. Ela havia visto mesmo aquele anão fantasiado sumir do nada para o nada, mas também sabe que existem n truques de mágica que fazem o mesmo efeito, só entendia porque Joe estava inventando aquela história de matá-la. Com certeza a história não tinha mais graça e ela sabia que Joe tinha sempre uma arma na gaveta do meio, a que tinha tranca. Começou a temer por sua vida, então achou que seria melhor levantar e ir embora, antes que Joe tivesse a chance de atirar nela e cumprir a missão que o anão bode havia lhe dado. Ela começou a se levantar dizendo para ele que não acreditava na história, mas que isso não era problema, porque ela tinha que trabalhar. Foi quando ela já estava na porta que Joe disse uma coisa que a fez parar e voltar.

    - Você está tendo pesadelos a um tempo não é verdade? – a frase a fez voltar e ficar de frente para Joe em pé.

    - Isso é fácil de saber. Você acha que eu vou cair num truque tão fácil, todos aqui tem pesadelos, é só olhar para essa droga de bairro e...

    - Você sonha com criaturas que jamais viu, - ele a interrompeu – e uma dessas criaturas é o sátiro que estava aqui comigo.

    Aquela adivinhação era melhor que a primeira e começou a conversar Milena de que tudo poderia ser verdade. Ela sentou meio que sem ar na mesma cadeira de onde havia se levantado com medo de tomar um tiro a poucos segundos atrás. Sua mente girava rápido demais dessa vez. Ela ficava olhando para Joe, só que dessa vez não havia traços de descontentamento e sim um leve sorriso de canto de boa, que dizia o quanto o momento era prazeroso para ele. Mas a ficha estava caindo para Milena. Saber que ela estava tendo pesadelos era muito fácil, bastava ficar a observando durante toda a noite que poderiam vê-la levantando mil vezes e indo a cozinha pegar água para o remédio. Já contar que nos seus sonhos haviam sátiros poderia não passar de um mero palpite, então ela voltou a temer pela vida, mesmo que Joe não passasse a impressão de que estava pronto para matá-la, suas mãos estavam cruzadas na frente do rosto enquanto os cotovelos se apoiavam nos braços da cadeira.

    - J, como você sabe que eu tenho tido pesadelos com criaturas e que uma delas é o seu amigo anão fantasiado? Você está me espionando a noite?

    - O que? Você está ficando maluca? Eu mal tenho tempo de dormir. Você acha mesmo que eu vou perder tempo te olhando, fora que eu nem sei em qual andar você mora.

    - Então como você sabia de tudo isso?

    - Simples! O Herculinus me contou algumas coisas e foi fácil deduzir o que estava acontecendo.

    - Se é tão fácil e simples assim, me conta, porque a burra aqui ainda não sabe de nada.

    Mais uma vez ele a encarou sério, mas dessa vez havia um brilho fosco no seu olhos, parecido com aquele que as crianças más tem antes de começar um briga na escola ou empurrar um amiguinho da escada. Foi então que ele abriu a boca.

    - Você os vê nos sonhos, porque além de fazer parte do grupo dos escolhidos, é um dos cinco portais de transição. Entenda garota: você é especial.[/align]
     
  4. imported_Cleo

    imported_Cleo Usuário

    Serei bem direta. Você tem aquela coisa que eu detesto em qualquer escritor: sempre termina os capítulos com ganchos para os próximos! Pôxa, deixar o leitor esperando ansioso pelo próximo capítulo é um truque cruel, rs.

    Bem suburbano, sabe aquele clima dos animes da Madhouse? Não é meu gênero, mas por enquanto você está manipulando muito bem a idéia do real/fantasia. E você tem umas sacadas ótimas nos diálogos. Bem bacana o que você falou que te deu a idéia da história. Será que surgem mais personagens que no nosso cotiano são deixados à margem e esquecidos?

    Muita vontade de ver o que vai sair daí, embora com receio de acontecer igual a Artemis Fowl e eu quebrar a cara.


    Força aí na história o/
     
  5. Breno C.

    Breno C. Usuário

    Eu também detesto isso quando estou lendo, mas é a única forma de fazer o leitor continuar lendo.

    Nunca vi nenhuma anime da Madhouse, mas agora que você falou, vou procurar. Os diálogos fluí naturalmente, porque é assim que falo, quando tento criar um tipo de linguagem que não é a minha acabo me dando mal. E meus personagens são na maioria assim.

    Acho que agora eu tenho a obrigação de não te fazer quebrar a cara né?
    Valeu pela força. Se quiser dar uma lida no que eu escrevo, só clicar no segundo link da minha assinatura.
     
  6. Breno C.

    Breno C. Usuário

    [align=center]Capitulo III – Explicando a realidade[/align]

    [align=justify]Quando alguém lhe diz que você é especial a primeira coisa que a mente correlaciona é a imagem de uma pessoa com problemas mentais. O caso de Milena não foi diferente, quando Joe falou com uma voz misteriosa a palavra especial, ela começou a pensar nas dificuldades que tinha durante a escola, no fato de que coisas estranhas aconteciam mais vezes com ela e nas vezes em que sua mãe a levara a vários neurologistas. Mas no fundo ela sabia que a especialidade mencionada não era em momento nenhum como uma deficiência, muito pelo contrario, talvez fosse como ter poderes, porém acreditava bem menos nessa hipótese.

    Ela continuou sentada, quase de boca aberta, esperando mais informações virem de Joe, porque apenas dizer que ela era especial ou que era alguma forma de portal mágico, não era o suficiente. Ela queria explicações e de preferência coerentes. Esperou mais um minuto por algum comentário extra, vindo de Joe e como ele só a encarava olhando diretamente em seus olhos, resolveu que ela mesma faria as perguntas, só que ao abrir a boca ele deixou bem claro o que sabia e o que não sabia.

    - Olha garota! Não adianta não ficar me perguntando muita coisa. Eu sei só mais um pouquinho que você sobre essa palhaçada toda, então vamos fazer assim: eu te digo o que sei depois do trabalho e você não fala mais nada durante o dia. Estamos combinados? – mas ela sabia que não adiantava se negar a concordar com a oferta de continuar as escuras durante o resto do dia. O que a deixava animada era saber que ele não a mataria naquele instante, talvez durante a noite, mas não se importava de correr esse risco, estaria na mesma sala quando o expediente acabasse.

    Não podemos dizer que aquele foi mais um dia normal de trabalho para Milena. Haviam os mesmo clientes chatos, o mesmo uniforme desconfortável, as mesmas cantadas vindo do Barry e o meus cheiro de derrota que o bairro exalava quando o sol batia sobre os telhados, porém lá no fundo, no fundo do pensamento de Milena, havia uma coisa nova, ela ainda não sabia o que era direito, mas sabia que era algo novo e qualquer novidade a deixava empolgada, porque elas sempre significavam mudanças, mesmo que para ruim. Como é de praxe nesses momentos importantes, as horas pareciam escorrer com lentidão, nada havia a fazer para acelerar o tempo, então ela se resignou a apenas trabalhar, tentando evitar pensamentos sobre o acontecido na sala.

    Quando o ponteiro do relógio de pulso marcou dez horas, ela percebeu que havia trabalhado o dia todo, durante os dois turnos, cobriu a colega Betty como havia prometido na semana passada, mas não o fizera com um gosto amargo na boca, dessa vez ela praticamente gostou de trabalhar, pelo fato de haver um bom motivo para continuar no local de trabalho. Joe estava lá fora passando do trinco na porta de frente e logo estaria ali dentro para a tal conversa. Ela esperou na sala dele, como quem espera em um consultório de dentista, segurando a revista que fica na mesinha, mas sem ler nada que há escrito, a tensão geralmente faz isso com as pessoas.

    - Meus Deus! Você já está ai? – ela pode ouvir a voz de Joe vinda da porta. Você deve mesmo achar que e não estou cansado depois de um dia como esse. Aqueles garotos fizeram um estrago no banheiro, tenho que ficar esperto, acho que eles querem colocar um ponto de drogas bem aqui enfrente e isso seria péssimo para os negócios. – ele a olhou e pode ver que um futuro ponto de drogas não era o assunto que Milena queria discutir naquele momento. Bem, bem... Então vamos ao nosso grande assunto, não é verdade?! Acho que você deve ter passado o dia todo tentando entender o que eu te contei mais sedo, mas vou te dar um conselho: não tente entender nada, isso só piora as coisas!

    - Mas J, você disse que...

    - Eu sei garota, não precisa dizer o que falei para você. Sei que te ameacei de morte hoje mais sedo e também sei o quanto é sério aquela conversa de portal e especial, mas quero que você entenda que tudo isso é tão louco para você quanto para mim. Eu sei de coisas sobre esse mundo que te deixariam com os cabelos da nuca todos arrepiados, mas esse seu caso está além do meu conhecimento, eles me contam muito pouco, a maior parte do que sei, vem de investigações próprias e... – Milena levantou o dedo como as crianças que querem falar durante a aula.

    - Para tudo! Vamos começar do início. Primeiro: quem são “eles”? – ela já não tinha mais o tom de deboche que havia na voz na manhã mais sedo, agora o tom era cético.

    - Bom... Existem vários “eles”. Aquele sátiro que você viu não é o primeiro e nem o ultimo. Foi ele quem me ensinou sobre o que vou te contar agora.
    “Milena, vou ser direto com você, a realidade que conhecemos não é nada além do que uma camada. Uma camada de um grande todo composto por outras camadas. Existem mais realidade, não como a nossa é claro, mas mesmo assim existem outras realidades, se é que eu posso explicar dessa forma!

    Já lhe contei sobre o acontecido que me fez conhecer o Herculinus, o que eu não contou foi o que aconteceu depois. Logo após nossa briga com o wendigo, alias: você sabe o que é um wendigo? Não? Já imaginava. Nossa briga foi realmente feia, me deixando muito ferido e com um certo tipo de veneno no sangue que não tinha cura em nossa realidade. Herculinus ficou comovido ao me ver daquela forma, ele acreditou que eu era bom de coração, por não o ter questionado momento algum e ter arriscado a minha vida para salvar amigos que já estavam mortos, então ele me levou para a sua realidade, aonde o antídoto existia e lá me curou. Mas também fez muito além disso, acabou por me contar toda a verdade sobre a realidade e tudo o que existe no mundo. Me contou o que existe entre os mundos e sobre o acordo a muito feito entre o Tempo e a Morte, que delimita e cria regras para a passagem entre as realidades, pois houve um tempo onde a nossa realidade era constantemente invadida por seres de outras realidade. Sátiros, ninfas, elfos, dragões, aliens, magos e até mesmo você, são seres que vem de outras realidades e fizeram ou fazem parte da nossa em algum momento da história.

    A verdade é que eu não sei explicar muito bem como a coisa toda funciona, Herculinus nunca me deixou saber de tudo, mas o básico é que: durante muito tempo o destino da humanidade estava na mão de seres vindos de outras realidades, que tinham o conhecimento de como se transitar entre elas, por serem mais evoluídos. Mas um belo dia o mestre do Tempo e a senhora da Morte se sentaram para criar regras e limites entre essas passagens de realidade, por acreditarem que já era hora da humanidade caminhar com os próprios pés, então apagaram os vestígios físicos que existiam daqueles que já haviam mudado de alguma forma a nossa história, mas deixaram a mente dos humanos intacta e foi assim que as lendas que conhecemos hoje em dia nasceram. E isso é tudo o que eu sei sobre a realidade e a verdade por de trás dela.”

    Milena não sabia se estava ficando louca por ouvir tanta informação ou se apenas estava em uma realidade paralela, mesmo que a ultima alternativa fizesse mais graça do que sentido. Ela só havia ficado com mais dúvidas e não entendia nada do que Joe estava falando. Porém só uma pergunta enchia só cabeça nesse momento:

    - E o que eu tenho a ver com tudo isso?

    - Essa pergunta – uma voz rouca atrás dela respondia – o gorducho não pode responder! – Ela cometeu o erro de olhar para trás e viu que o mesmo sátiro que havia visto pela manhã, estava de volta e agora ao seu lado estava um elfo com uma espada na mão esquerda.
    [/align]
     
  7. Alisson P.

    Alisson P. Usuário

    Muito bom! Confesso que quando li essa história das 'camadas', na abertura do tópico, me lembrei logo de Matrix, rs...XD Putz, mas é algo bem diferente disso. Legal esse negócio de inserir um enredo de fantasia em um ambiente tão real, esse clima 'suburbano', como a Cléo falou. É bom que não fica só naquela linha abri-uma-porta-e-descobri-um-mundo-fantástico. Estou gostando bastante do desenrolar da história, e estou curioso pra saber o que vai acontecer com a Milena. Suspense brabo!!!:wall:
     
  8. Breno C.

    Breno C. Usuário

    Na verdade: nada ainda está muito decidido, tudo pode não passar de um sonho...
    Eu ainda não sei nada sobre essa história, só estou escrevendo, mas não tenho muita certeza do que estou escrevendo.
    E para saber o que vai acontecer com a Milena, basta rezar para que minha inspiração venha sempre na hora do almoço :timido:
     
  9. imported_Cleo

    imported_Cleo Usuário

    Eu, quando li o trechinho sobre as camadas, lembrei logo do Shrek.
    "Burro, ogros são como as cebolas!" "Porque as cebolas têm camadas, os ogros também tem camadas!" :rofl:

    Sobre esse capítulo, gostei muito como você passou os pensamentos da Milena. De que qualquer mudança, mesmo que ruim, é algo que se espera com ansiedade. Acho que isso serve para todo mundo.

    E quero ver como vão explicar isso tudo. Ah se quero.
    Que você continue criativo na hora do almoço.
     
  10. Alisson P.

    Alisson P. Usuário

    Frase clássica!
    :g:
     
  11. Breno C.

    Breno C. Usuário

    Juro que achei que ninguém ia perceber isso, porque na verdade eu mesmo só percebi quando já tinha escrito. Mas essa colocação do Shrek passa bem longe do conceito que eu quis propor. Um dia ainda evoluo essa forma de pensamento e tento explicar no texto mesmo, só espero que não fique forçado.

    Esse terceiro capítulo me deixou na berlinda, porque o que eu escrever agora vai dar rumo para a história, terminar com um sátiro e um elfo não foi muito legal, deu um toque muito fantasioso para a coisa toda. Até tentei um esboço de um quarto capitulo hoje pela tarde, mas acabei escrevendo sobre outra coisa. Mas é isso ai... Espero ser o mais rápido possível na hora de postar o quarto capitulo.
     
  12. Breno C.

    Breno C. Usuário

    [align=center]Capitulo IV – Caçando no esgoto.[/align]
    [align=justify] Quando somos pequenas crianças, histórias nos são contatas pelos mais velhos na vã tentativa de que acreditemos em seres mágicos ou em mundo fantásticos. No fundo esses mais velhos, sejam eles seus pais ou não, só querem que você acredite que as coisas podem melhorar, mas o que eles não sabem é que só estão falando de um mundo que já fez parte de nossa realidade e por isso estão contando meia verdade.

    Nem uma das descrições feitas de sobre a aparência dos elfos, faz jus a sua verdadeira forma. Tolkien ou Sheakspeare, tanto um com o outro errou a descrevê-los, não existe aura mágica ou seres do tamanho de polegares. O que Milene pode perceber do elfo que ela estava vendo era que sabia muito bem que coisa ele não é. Ficou fácil deduzir que era um elfo pois de certa forma tinha as orelhas pontudas, os cabelos longos e lisos como água negra e um rosto tão pálido quando um marinheiro com escorbuto. O problema na verdade estava nos olhos, em nenhum livro dizia que eles tinham olhos que pareciam penetrar a alma a procura de alguma coisa tão negra quanto suas orbitas desprovidas de luz. Não era o ser mais assustador que Milena já havia visto, esse cargo ficava a um dos monstro que ele viu ontem anoite durante o pesadelo, mas com toda a certeza que temos nesses momentos, aquela era a forma vivente mais sinistra que ela conhecia.

    - Seu idiota! Seu gordo idiota! – o sátiro gritou pulando encima da mesa ficando bem entre ela e Joe. Eu disse para matá-la e não para ficar dando explicações! Se você não podia me fazer esse favor, então eu deveria ter te deixado morrer a quarenta anos atrás. – ele tinha espuma no canto da boca e quem o visse agora pensaria se tratar de um demônio e não de um sátiro ou fauno.

    - Me desculpe, por favor! – a voz de Joe tremia como se ele estivesse na frente de um demônio e não de um sátiro.

    - Eu não quero suas desculpas. Vocês humanos tem essa mania chata de pedir desculpas, achando que isso vai consertar as merdas que vocês fazem. Agora só me diz o que eu vou fazer com ela. Quando você explicou como as coisas funcionavam para essa pirralha, abriu ainda mais o portal que existe dentro da mente dela. Ela agora tem consciência do que é, e as regras são muito claras: “quando um portador do dom tiver plena consciência de seus poderes, será dado a ele a opção de escolher onde ficar”. Agora ela vai poder abrir o portal quando estiver com medo. – ele terminou a história com um soco bem na boca de Joe, abrindo um pequeno rio de sangue no seu lábio superior.

    - Eu não contei nada, me desculpe! – Joe estava chorando como uma criança agora. Eu não contei nada, por favor!

    O sátiro olhou para trás, bem para os olhos de Milena, fazendo o mesmo que o elfo, procurando algo em sua alma, mas diferente do ser sinistro, ele parece ter encontrado algo que o agradasse.

    Dizer que Milena não estava entendo nada, seria muito pouco. Ela se sentia totalmente por fora do assunto, mesmo depois de receber toda explicação indireta enquanto o sátiro batia em Joe. Uma coisa bem errada iria acontecer, ela podia sentir enquanto o pequeno encima da mesa ainda tinha às mãos em Joe, mas não foi só ela que teve o tal pressentimento, o elfo também estava inquieto.
    Milena não sabia dizer se a tal sensação vinha das suas costas onde o elfo estava parado entre ela a porta, ou se vinha de fora da sala, mas precisamente enfrente ao Jet. Seu coração bateu mais forte quando escutou um nome saindo da boca do ser sinistro, ele o dissera com certa lentidão acrescentando sílabas, meio que sentindo a carga que havia no ar, ele disse pela segunda vez: orcais, mas disse com quem cospe algo de ruim entalado na garganta. Agora Milena podia sentir mais forte a presença no ar e sabia que estava em perigo.

    - Merda! Está vendo o que você fez seu gordo? Você contou para ela e isso os atraiu para cá. Temos que nos livrar deles. – então se dirigiu para o elfo. Pode me dizer quantos são.

    - Estão em seis. – Milena respondeu com uma voz sem sentimentos, voz que nem mesmo ela sabia que poderia ter.

    - Droga! Temos que sair daqui. Não podemos lutar contra seis. Vamos, venham comigo. Neudor, fiquei e os atrase o quanto puder, depois abra um caminho seguro e volte para Almor. - as palavras do sátiro foram seguidas de um aceno de cabeço do elfo, que desembainhou uma grande adaga que estava em sua cintura.

    Os quatro saíram pelo corredor, três deles, Milena, ainda atordoada por tudo o que estava acontecendo, Joe e o sátiro, correram para saída dos fundos enquanto o elfo ficou parado no meio do corredor de frente a entrada que vinha da loja. Foi quando eles estavam abrindo a porta dos fundo, que a luz dentro do escritório de Joe se apagou e ela não pode mais ver o contorno do elfo e suas armas, mas mesmo assim podia ouvir o barulho de briga e parecia ser briga das feias.

    - Temos sorte desses animais ainda não terem aprendido como fazer uma emboscada correta, eles sempre superestimam a minha inteligência, mesmo me conhecendo a dois séculos. Agora vamos para um lugar seguro, aonde ninguém poderá nos ver. Vamos entrem ai. – ele apontava para o bueiro aberto bem no meio do beco que ficava atrás do Jet.

    Entrar dentro de um bueiro não era nada comparado aquela loucura toda. Milena não se importou muito com mais esse problema, esperava que amanhã pelo menos pudesse estar em sua casa para tomar um banho e tirar aquela inhaca do corpo, mas o situação indicava o contrário. Estava caminhando a mais de uma hora por entre o sistema de esgoto da cidade, era o pior parque de diversões que poderia existir e dentro da cabeça de Milena ficavam re-soando a voz dos mais velhos que contavam histórias sobre crocodilos criados dentro dos esgotos, e como ela chegara até ali com um sátiro e vira um elfo, não estava em condições de duvidar das histórias e lendas urbanas, então ela se dirigiu pela primeira vez ao sátiro.

    - Espera um pouco! Estou cansada. Nós temos que sair daqui, esse cheiro vai me matar antes dos orcs. Espera! Eu não agüento mais andar. Por favor, para! – ela já estava implorando, mas o sátiro continuava andando e Joe parecia segui-lo sem pestanejar. Quando ela ia voltar a se lamentar, o sátiro parou.

    - Fique quieta! Esse barulho! Tem alguém nos seguindo. – e foi depois de dizer isso que uma sombra grande, com quase dois metros ficou bem a frente deles.[/align]
     
  13. Breno C.

    Breno C. Usuário

    Nesse capítulo que eu estou postando agora a história deixa de girar entorno de Milena e passa a falar de outro personagem.
    Espero que o pessoal que está lendo continue e quem ainda não leu que passe a faze-lo

    [align=center]***[/align]
    [align=center]Capítulo V – Olhando pela janela.[/align]
    [align=justify]Já era a terceira vez que Sam acordava no meio da noite porque um pesadelo se interpôs entre ele e a paz de um sono quente e sem problemas. Ele se levantou coçando a cabeça de cabelos negros como o manto de noite que se estendia janela a fora. Não havia nada que podia fazer, voltar a dormir quando se acorda de um sonho ruim como esses não é o melhor remédio, você pode se deparar com o mesmo pesadelo e acabar ficando preso nele para o resto da vida. Então o melhor a fazer era levantar e tomar alguma coisa forte para acalmar os ânimos. Sam se virou agora sentado na cama e pode perceber o quanto já havia suando só olhando para o estado de lençol que o estava cobrindo.

    De certa forma Sam estava acostumando-se com os pesadelos, era a quinta noite seguida que ele tinha que ver coisas que não queria, coisas que faziam sua espinha tremer como um peixe recém abatido. Tinha que levantar e tomar alguma coisa urgente, se não era capaz de ver aquelas coisas só fechando os olhos. Checou o armário e para sua infelicidade ficou ciente que não havia mais nenhuma garrafa de vodka que seu primo havia trazido. Era quase um insulto um latino preferir vodka a tequila, mas Sam não se importava, sempre tivera gostos estranho, quando era garoto gostava de ficar em cima de seu prédio olhando para a cidade com seus binóculos, algumas pessoas achavam ele doente, mas ainda podia se lembrar das palavras de seu pai sobre seus gostos: “Apenas não toque! Se você estiver só olhando, eles não podem te acusar de nada!”. Talvez olhar voltasse a acalmar seu coração, ele pensou procurando seu binóculo, agora um profissional e com lentes noturnas.

    Sam bateu a porta do apartamento com o coração ainda sofrido por não poder ter acesso à santa vodka curadora de males como os pesadelos, mas já podia se sentir melhor por poder observar a cidade em uma noite tão clara como aquela. Seria relativamente fácil: só achar um prédio nem alto nem baixo e que tivesse escadas para o telhado. Demorou um pouco procurando o prédio e quando parava e fechava os olhos podia ver a última cena que os olhos de sua mente virão. Uma mata fechada, tão fechada quanto se pode ser, ele corria em direção de sabe lá Deus o que, quando no meio do caminho ele percebe que está sendo seguido, mas não pode ver que está atrás dele, pois se olhasse para trás ia perder tempo e eles iriam pega-lo. O sonho terminava com ele dando de cara com uma “coisa” metade monstro, metade máquina que tinha em seus braços o corpo de uma jovem de cabelos curtos e olhos extremamente azuis.

    Ele encontrou o prédio perfeito e subiu nele feito um alpinista escalando uma montanha ainda não explorada. Cada parada nos lances da escada significa que poderia ser visto, por isso ele trata de não parar até estar no telhado. Então quando se encontra localizado no telhado, no telhado perfeito, escondido nas sombras, trata de escolher sua primeira vítima: um prédio residencial que fica a esquerda do prédio em que ele está assentado.

    Ser um voyeur é um trabalho que exige muita paciência, mas pode ser bem recompensador dependendo do ponto de vista com que a situação é vista. Ele sabe que tem que esperar muito antes de qualquer ação, por isso não se detém muito nas janelas onde ainda há luz ou brilho de aparelhos de televisão. Procura as janelas com as cortinas fechadas, porque sabe que existem motivos muito bons para que elas estejam fechadas. A primeira analise não dura mais que dez minutos: são vinte andares, quatro janelas por andar, das oitenta janelas setenta e três está completamente com as luzes desligadas e as cortinas abertas, como já era de se esperar: pessoas comuns. Mas são as outras dezessete janelas que o interessam. Em duas ele pode ver casais transando, nada demais ou que mereça sua atenção, em três um cara gordo está vendo televisão enquanto se empanturra de salgadinhos ou bolinhos, sobram quinze janelas e muitas delas só deixam a vista cômodos sem graça em que não existe presença humana digna de ser observada.

    Sam começa pensar que era melhor ter ido até uma loja vinte e quatro horas e ter comprado uma ou duas garrafas de vodka, talvez ele fosse assaltado no meio do caminho e isso sim seria emoção o suficiente para fazer esquecer a figura sinistra que ele havia visto no sonho. Mas é quando ele se prepara para a retirada à procura de outro prédio ou de uma loja, que uma luz repentinamente se acende chamando sua atenção. Um das janelas de luz desligada com uma pessoa dormindo resolveu mostra ação. Ele se senta na escuridão novamente e se preparada para observar. A visão é das mais comuns: uma mulher, provavelmente na casa dos vinte e poucos anos, se levantou para ir ao banheiro, que fica enfrente a janela, apenas precedido de um pequeno corredor, pegar algum remédio. Ela caminha até o que provavelmente é a cozinha e volta com um copo de água, senta na cama em quanto toma seu remédio junto com um copo grande de água. Aquela é uma das cenas mais normais que um ser voyeur pode presenciar, mas mesmo assim ela foi como um soco na boca do estomago de Sam. Ele ficou tentando aumentar o zoom do binóculo, mas ele já havia visto bem nitidamente para ter certeza: aquela mulher bebendo água era a mesmo que ele havia visto em seu pesadelo a algumas horas atrás.

    Quando coisas estranhas acontecem, demora um pouco para que a mente volte a raciocinar. A de Sam levou exatas duas horas de observação para voltar ao normal e quando foi dar por si, já estava quase amanhecendo e ele tinha voltar para seu apartamento e se arrumar para ir trabalhar. Anotou o nome da rua e o número do prédio, assim como o número que ele acreditava ser o do apartamento da tal mulher. Foi correndo para casa na esperança de não se atrasar para o trabalho pela sétima vez esse mês.

    Durante o caminho de volta, Sam via em cada reflexo de vidro a imagem da mulher misteriosa presa nas garras do monstro máquina que o estava seguindo em seu sonho, então ele percebeu que aquela cena seria muito difícil de ser esquecida. Correu pela escada do seu prédio rezando para poder ter tempo de só pegar uma camisa limpa e ir voando para o trabalho. Mas quando abriu a porta do apartamento percebeu que as coisas não iam acontecer da forma como ele queria. Parado a sua frente estavam dois homens com roupas que lembravam os personagens do filme, Senhor dos Aneis.

    - Vossa senhoria seria o jovem Samuel Morris? – perguntou o barbudo com um cajado nas mãos.[/align]
     
  14. imported_Cleo

    imported_Cleo Usuário

    Tá, esse final foi bizarro e inesperado.
    Mas o capítulo foi muito bom. Dá margem para muita coisa vir daí.
     
  15. Breno C.

    Breno C. Usuário

    Realmente depois que li pela segunda vez o final, fiquei me perguntando: Porque você escreveu isso? Mas como você disse abre mil oportunidades para o texto, inclusive nunca acabar, podendo ter sempre novos personagens, porém eu ache que isso não seria legal com quem está lendo.
    Capítulo VI está em processo de criação nesse momento...
    :tchauzim:
     
  16. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Acabei de ler o segundo capítulo. A-ha! Então a Milena, aquela garçonete de um bairro fálido é especial?! Suspeitei desde o princípio!
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    UhahhHHHhH. Mas sério, eu adoro quando alguém faz alguma revelação como essas do Joe, isso faz aumentar ainda mais os mistérios em torno da história. Bom vou continuar lendo, e acompanhando cara, estou gostando demais!
     
  17. Breno C.

    Breno C. Usuário

    Valeu!
    Obrigado pelos elogios!
    E se você ficou assim no segundo capítulo imagina quando chegar o quarto.
     

Compartilhar