1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Caligramas, de Guillaume Appolinaire

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por 30PorCento, 26 Jan 2009.

  1. 30PorCento

    30PorCento Usuário

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Guillaume Appolinaire

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Há algo de infantil no caligrama, e disso não escapam os Caligramas do poe­ta francês Guillaume Apollinaire, escritos durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) e publicados em 1918. De fato, o caligrama, por ser escrita-imagem (uma mistura de caligrafia e ideograma), lembra os primeiros passos voltados para a alfabetização, quando a criança desenha e, gradativamente, introduz nos seus desenhos letras, e depois palavras. Entretanto, longe de voltar para uma certa ingenuidade que remeteria ao desejo de uma inocência perdida, o caligrama possui o inigualável poder de erupção.
    Erupção dentro da unidade da palavra, erupção na linearidade narrativa do discurso, criando ilhas textuais circundadas pelos brancos que preenchem o papel de sintaxe; erupção, enfim, da visibilidade na legibilidade e do figurativo na ordem do signo lingüístico.
    Em relação a essas explorações poéticas que juntam o legível com o visível, o livro muito bem-vindo de Álvaro Faleiros oferece aos leitores uma tradução (e uma visão também) belíssima dos caligramas do poeta francês.
    Três objetivos norteiam a obra: propor uma tipologia dos caligramas de Guillaume Apollinaire, traduzi-los e, enfim, finalizar o percurso mediante comentários que possibilitam aos leitores a abordagem dos caligramas no seu contexto histórico, cultural e literário.
    O grande mérito desse estudo reside tanto na qualidade das traduções, como também no fato de levar o leitor aos bastidores da tradução, cruzando as respectivas indagações com as da poética e da semiótica do espaço gráfico. – Véronique Dahlet.

    fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
  2. Pô... o Álvaro é meu professor!
    Ele manda muito bem... estuda uns escritores do Quebec...
    pô... legal ver que a tradução é dele
     
  3. 30PorCento

    30PorCento Usuário

    Onde ele leciona?
     
  4. Ele acabou de se tornar docente da USP
    antes ele lecionava na UnB
     

Compartilhar