1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Bone Tomahawk (2015)

Tópico em 'Cinema' iniciado por Calib, 2 Jan 2016.

  1. Calib

    Calib Visitante

    Bone Tomahawk | Crítica
    Kurt Russell e Patrick Wilson estrelam misto de faroeste de abdução e horror de sobrevivência
    25/10/2015 - 11:45 MARCELO HESSEL

    Embora se coloque a serviço de uma visão de mundo reacionária, que já havia deixado de ser o discurso dominante no faroeste americano há pelo menos meio século, Bone Tomahawk (2015) faz uma fusão interessante entre o western de abdução e o horror de sobrevivência.

    Na trama escrita por S. Craig Zahler (que estreia como diretor de longas), Kurt Russell interpreta o xerife Franklin Hunt, que junta um grupo de homens para tentar resgatar uma jovem sequestrada, esposa do rancheiro Arthur (Patrick Wilson), que, depois de quebrar a perna logo após ter sido promovido no trabalho, está se sentindo o fracasso em pessoa. Para o xerife não há um arco dramático aparente em Bone Tomahawk, mas para Arthur, sim. Porém, seu azar: os raptores de sua mulher não são índios normais.

    Embora a associação imediata seja com Rastros de Ódio (1956), o clássico maior entre os faroestes de abdução, a aproximação que Zahler faz com o horror contemporâneo (especialmente no prazer sádico com que ele gasta o seu orçamento visivelmente magro com próteses, maquiagem e sangue falso em cenas dignas do melhor torture porn) deixa Bone Tomahawk mais parecido com um western como Meridiano de Sangue, no sentido em que o horror e a violência não respeitam a cadência morosa do Velho Oeste, e acontecem com uma velocidade e uma fúria capazes de gerar os maiores traumas.

    Zahler entende esse caráter explosivo da violência, e a sua principal qualidade como diretor aqui é estabelecer lentamente uma sintonia e uma confiança razoável entre seus quatro protagonistas -além de Wilson e Russell com boas atuações, Richard Jenkins sempre ótimo compensa o overacting de Matthew Fox - para depois desmanchar o grupo, em cenas breves de ação com planos curtos e câmera rápida, montagem de impacto.

    Bone Tomahawk não é, porém, um novo Rastros de Ódio, e falta aos heróis de Zahler o peso da história que os heróis e anti-heróis de John Ford carregam nas costas. Só sabemos que a Guerra da Secessão já aconteceu na trama de Bone Tomahawk, por exemplo, porque o velho vivido por Jenkins a menciona, mas nenhum dos quatro protagonistas aqui parece ter essa noção do tempo e do mundo que se transformam ao redor. Essa noção acima de tudo moral, da trauma da guerra e da violência, que abala velhas certezas, é uma marca do faroeste revisionista, subgênero do western que se firmou a partir dos anos 1950 para dar conta não só de uma justiça histórica mas de um cinema que passava a exigir coisas mais complexas do que o velho caubói-contra-selvagens.

    O que o filme de Zahler tem de reacionário é negligenciar essa noção (seus personagens parecem interessados só no presente, e talvez por isso valorizem tanto seu elixir de ópio) e se fiar num velho maniqueísmo que opõe o civilizado e o selvagem, o cristão e o pagão. Aliás, é muito sintomático que o arco de Arthur se defina entre o momento em que ele é incapaz de dizer a reza no jantar e o final (com seu crucifixo à mostra pra fora da camisa) em que ele acerta suas contas com Deus. No fim, mesmo com seu apelo gore, Bone Tomahawk talvez tenha mais a ver com cinema gospel, com seus dogmas, do que propriamente com horrores ou faroestes.

    Leia mais criticas da
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Nota do crítico 3/5 (BOM)

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Trilha sonora no Spotify:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar