1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Bloomsday 2011!

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Meia Palavra, 16 Jun 2011.

  1. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    O que você fez nas últimas dezoito horas? Você acha que é possível viver uma vida nesse tempo? Sentir todas as emoções do mundo em um dia? Será possível juntar toda uma vida, com morte, nascimento, solidão, alegria, rejeição, traição, prazer, em tão poucas horas? Tudo que um ser humano sente? É possível entrar na cabeça de alguém, adivinhar e seguir o que ele pensa? Depois de Ulisses, acho que sim.

    Hoje em dia tem o Jack Bauer tentando salvar o mundo em 24 horas, mas o pioneiro nessa história foi o escritor irlandês James Joyce. A obra Ulisses inspirou e marcou toda a literatura mundial. Além disso, o “tijolo” de 912 páginas pode ser usado como arma letal na cabeça de alguém, caso seja necessário.

    A influência do autor é tão descomunal que fica difícil comentar todas. Ele foi quem consolidou a técnica conhecida como “fluxo de consciência”, extremamente atual e moderna. A forma narrativa busca seguir de maneira espontânea a linha de pensamento das personagens. Então, sim, dá para entrar na cabeça do personagem.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Bloom e Molly são o único casal vivo da literatura. Nenhum outro casal é tão palpável, tão próximo do leitor. Ulysses é um livro extremamente próximo do leitor, apesar de tão "distante geograficamente"; e é justamente esta aproximação que causa sua estranheza. Comemorar o Bloomsday, pra mim, não é procurar lugares na minha cidde que se pareçam com o Ulysses ou fazer leituras coletivas entediantes. Comemorar o Bloomsday é comemorar a vitória do ser humano, é comemorar a vitória do dia, do momento. Se Bloom vence os pretendentes à Molly, tão diferente de Odisseu com sua Penélope, sem derramar uma gota de sangue; se Bloom ajuda um cego a atravessar uma rua; se Bloom ajuda Stephen a voltar pra casa sem nem conhecê-lo; se Bloom alimenta as aves; se Bloom alimenta seu gato; se Bloom vai ao enterro do amigo... Isso é o Ulysses, isso é o Bloomsday.

    P.S.: 16 de junho de 1904 porque Joyce conhecer sua esposa, Nora Barnacle, em 16 de junho de 1904. É uma homenagem belíssima, pois é neste dia que Stephen, alter-ego jovem (Retrato do artista quando jovem) de Joyce, passa a ser Bloom, alter-ego maduro de Joyce, o homem bondoso, o homem espirituoso, o homem carismático. Joyce dizia Nora: "você me ensinou a ser um homem".
     
  3. kika_FIL

    kika_FIL Usuário

    Olha.... meu níver cai no Bloomsday \o/
     

Compartilhar