1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Bilionários planejam mineração em asteroides

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por Elessar Hyarmen, 30 Abr 2012.

  1. Elessar Hyarmen

    Elessar Hyarmen Senhor de Bri

    Atualizado em 24 de abril,
    2012 - 17:38 (Brasília) 20:38 GMT

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Um grupo de bilionários está planejando uma operação de mineração em asteroides.


    O projeto de milhões de dólares prevê o uso de espaçonaves robóticas para extrair componentes químicos usados em combustíveis, além de minerais como platina e ouro. Minerais raros também serão prospectados.
    Entre os envolvidos nos planos está o cineasta americano e explorador James Cameron, além de um dos fundadores do Google, Larry Page, e seu presidente executivo, Eric Schmidt.

    A companhia, batizada de Planetary Resources (Recursos Planetários, em tradução livre), também conta com o apoio do pioneiro do turismo espacial, Eric Anderson, o filho do ex-candidato à Presidência americana, Ross Perot Jr., e o astronauta veterano Tom Jones.

    O primeiro passo do empreendimento será dado nos próximos 18 ou 24 meses, com o lançamento do primeiro de uma série de telescópios que vão procurar asteroides ricos em recursos minerais. O objetivo será abrir a exploração do espaço para o setor privado da indústria.

    Dentro de um período entre cinco e dez anos, a companhia espera progredir da venda de plataformas de observação em órbita em volta da Terra para serviços de prospecção. O plano da Planetary Resources é de extrair os recursos dos milhares de asteroides que passam relativamente próximos da Terra.

    Os bilionários já planejam até criar um depósito de combustível no espaço até 2020.

    "Temos uma visão de longo prazo. Não esperamos que esta companhia deem lucro do dia para noite. Isto levará tempo", disse Eric Anderson, um dos fundadores da Space Adventures, à agência de notícias Reuters.

    Nem a sobrevalorização da platina e do ouro devem pagar o projeto. Uma próxima missão da Nasa (agência espacial americana) que pretende trazer de volta apenas 60 gramas de material de um asteroide vai custar cerca de US$ 1 bilhão.

    Combustível e Ceticismo

    Além da extração de minerais raros, os bilionários planejam também extrair dos asteroides componentes usados em combustíveis. A água dos asteroides pode ser transformada, no espaço, em oxigênio líquido e hidrogênio líquido para ser usado em combustível de foguete.
    O plano é que a água seja transportada do asteroide para um local no espaço, onde possa ser convertida em combustível. A partir deste ponto, poderá ser levada para a órbita da Terra para reabastecer satélites comerciais ou espaçonaves.


    Os projetos do grupo de bilionários foram recebidos com ceticismo por vários cientistas.

    Para o professor Jay Melosh, da Universidade Purdue, os custos de uma operação como esta seriam altos demais. Ele também disse que a exploração espacial é um "esporte que apenas as nações ricas, e aquelas que querem demonstrar grande avanço técnico, podem bancar".

    "Um depósito (de combustível) dentro de uma década parece pouco possível. Espero que já tenhamos alguém para usar isto", disse Andrew Cheng, cientista planetário do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, à agência de notícias Associated Press.

    Eric Anderson respondeu a estas afirmações dizendo que está acostumado com ceticismo.

    "Antes de começarmos a levar pessoas para o espaço, como cidadãos privados, as pessoas pensaram que era uma ideia absurda", afirmou o pioneiro do turismo espacial, acrescentando que o projeto deve, sim, "gerar dinheiro".

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Menegroth

    Menegroth Bocó-de-Mola

    Prevejo simples e puro marketing nisso.

    É possível? Sim.
    É viável? Não.

    O que Maria leva? A alcunha de serem os pioneiros nisso.

    Minha torcida é para que de certo.
     
  3. Lu Meyn

    Lu Meyn Usuário

    Um avanço é um avanço. Se bem que conhecendo a tendência orc da humanidade de cagar tudo em sua volta, dá medo ao ver a expansão do conceito "em sua volta".
     
  4. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Se fossem pobres seriam loucos, mas como são ricos então são excêntricos. Tanta gente morrendo de fome, de sede, de cãncer e vai se procurar minerais no espaço?
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  5. Jeff Donizetti

    Jeff Donizetti Quid est veritas?

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  6. Tar-Mairon

    Tar-Mairon DARK LORD AND LOVING DAD

    .

    Talvez daqui 100 anos seja economicamente viável e tecnologicamente possível.

    Nem loucura e nem excentricidade, mero pendurar de melancia em seus bilionários pescoços.

    .
     
  7. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Por mais que se fale em atmosfera e água, no espaço a ambição do ser humano no fundo sempre será essa, as riquezas minerais.

    Eu sou da opinião que que se tivessem encontrado na Lua ouro, prata ou outras grandes riquezas hoje ela já teria bases habitáveis, talvez vilas ou pequenas cidades. Como não encontraram deixaram ela completamente de lado visando outros lugares.
     

Compartilhar