1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Notícias Bernardo Carvalho: Zelo por evitar spoiler em narrativas passa reflexão ao segundo plano,

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Bruce Torres, 25 Mai 2018.

  1. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Zelo por evitar spoiler em narrativas passa reflexão ao segundo plano
    Não existiria psicanálise se a história de Édipo precisasse preservar desenlace; na verdade, não haveria nem tragédia

    Antes de “Ítaca”, que estreou em Paris em março, de Christiane Jatahy eu só tinha assistido a dois espetáculos: “A Floresta que Anda”, inspirado em “Macbeth”, e “A Regra do Jogo”, adaptação do filme homônimo de Jean Renoir. Os dois espetáculos faziam alusões a aspectos candentes da atualidade mundial (guerras, refugiados, ameaça do fascismo, opressão contra a mulher etc.), sem contribuir ou se comprometer com nenhum ponto de vista original, nada que pudesse ferir o senso comum e as boas intenções. Diferentemente da construção realista que desenvolve uma situação como problema para dar o que pensar ao espectador, arrolar uma série de fatos ou aspectos da atualidade corrobora o conforto de um suposto consenso. É o que parece acontecer no início de “Ítaca”, inspirado na “Odisseia”, quando as três atrizes brasileiras e os três atores franceses discorrem, entre amor, briga e desencontro, sobre guerras, travessias do Mediterrâneo, migrações, refugiados e a violência contra as mulheres. O disco gira riscado. E nós, espectadores, supomos que estamos todos de acordo. Parece haver uma inércia, um cansaço do texto e do pensamento. É um fator do nosso tempo e, em especial, do teatro contemporâneo. Rebaixado a “dramaturgia”, o texto é secundário, diz lugares-comuns ou absolutamente nada. À diferença dos dois espetáculos anteriores, “Ítaca” resolve essa falta de maneira tão mais singular quanto mais radical e evidente ela se torna. Ao abrir mão do texto como veículo, o sentido ambiciona uma totalidade orgânica com a cena. De repente tudo passa a fazer sentido, como numa epifania, sem que tenhamos que compreender exatamente o que está sendo revelado, quando os diferentes elementos (atores e cenário, sons e imagens) convergem para um ponto no tempo e no espaço, no qual é menos uma solução do problema que está em jogo do que uma nova experiência possível e inesperada, na comunhão ritual do espetáculo. O problema de revelar como isso é alcançado tem menos a ver com algum tipo de spoiler —a história é conhecida de todos e o texto do espetáculo é pífio— do que com a dificuldade de reproduzir em palavras uma experiência cênica extraordinária. O que “Ítaca” consegue nessa convergência de texto, atores e cenário para um ponto comum onde eles se tornam indistintos, como numa coreografia, um corpo formado por vários corpos, é a possibilidade de uma manifestação renovada de sentido coletivo por meio de uma experiência cênica. Pode parecer abstrato, mas é lindo. E é tudo o que almeja o melhor teatro contemporâneo. É também o oposto do que costuma acontecer no audiovisual (sobretudo nas séries de TV), onde o texto ganhou hegemonia sobre o sentido (ou sobre a falta dele). Hoje, fala-se da inteligência dos diálogos ou da engenhosidade da construção dramática, quando antes se elogiava o vazio metafísico e o silêncio de Antonioni ou as conexões incongruentes de Godard. O horror ao spoiler tem a ver com uma transferência de paradigma, do “como” para o “por quê”. Configura um mundo de regras comerciais ou acadêmicas, no qual a obsessão por não revelar finais e desenlaces se justifica como guardiã do entretenimento. Mas onde há tamanho zelo por evitar as revelações fora de hora e de lugar, a reflexão passa para segundo plano, quando não é simplesmente eliminada. Não existiria psicanálise se a história de Édipo precisasse preservar seu desenlace. Na verdade, não haveria nem tragédia. Já na Grécia antiga, a ideia de spoiler era uma contradição. Os espectadores assistiam repetidas vezes a tragédias que eles conheciam de cor. Para a técnica dramatúrgica, contam as regras e as conexões internas, oportunas —assim como para o academicismo contam as convenções: elas se aprendem e se ensinam. A reflexão, entretanto, depende de conexões externas, não convencionais, muitas vezes improváveis, inoportunas e até esdrúxulas. O pensamento funciona pela abertura para o real, para o que o contradiz e para o que lhe escapa. É o oposto da lógica que se compraz com o sucesso da própria representação. O pensamento está do lado da experimentação, da ruptura, do risco e do fracasso. A grande literatura também. O que o spoiler realmente estraga é uma relação passiva, consumista e não reflexiva com a arte. É de bom senso a moderação no uso do spoiler, mas o horror com que passamos a encarar tudo que estraga nossa diversão (como o real e a morte) também revela muito sobre os consumidores infantilizados que nos tornamos.

    Bernardo Carvalho Romancista, autor de "Nove Noites" e "Reprodução", já foi jornalista da Folha.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    PS: Texto corrido porque foi copiado de cópia. :P
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Por que um ‘spoiler’ não estraga o filme: assim funciona a ciência da reviravolta na trama
    Parte do prazer causado pelas reviravoltas na trama não deriva do impacto da surpresa, mas de apreciar as partes anteriores da história à luz da reviravolta

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Fiz recentemente algo que muitos considerariam impensável, ou pelo menos perverso. Antes de assistir a
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , li deliberadamente uma resenha que
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , do começo ao fim.

    Não se preocupe; não vou contar nenhum desses spoilers aqui. Mas penso que a aversão a eles –
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    lamentou recentemente como “um tabu fóbico e hipersensível contra a discussão pública sobre tudo aquilo que acontece na tela” – é um tanto exagerada.

    Em meu trabalho como
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    cognitiva estudo a relação entre a cognição e as narrativas e sei que os
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    – como todos os relatos – aproveitam nossa tendência natural a antecipar o que vai acontecer a seguir.

    Essas tendências cognitivas ajudam a explicar por que as reviravoltas na trama podem causar tanta satisfação. Mas de maneira um pouco ilógica, também explicam por que o fato de saber antecipadamente uma reviravolta na história – o temido spoiler – não estraga a experiência de forma alguma.

    A maldição do saber
    Quando pegamos um
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    pela primeira vez, geralmente queremos ter uma ideia do que devemos esperar; os romances de mistério leves, por exemplo, não devem conter violência ou sexo. Mas provavelmente também esperamos que o que vamos ler não seja completamente previsível.

    Até certo ponto, o medo dos spoilers é bem fundamentado. Só temos a oportunidade de descobrir algo pela primeira vez. Uma vez descoberto, o descobrimento afeta o que percebemos, o que antecipamos e até os limites da nossa imaginação.

    O que sabemos nos faz cometer equívocos em muitos aspectos, uma tendência geral conhecida como “maldição do saber”.

    Por exemplo, quando sabemos a resposta de um enigma, esse conhecimento faz com que seja mais difícil calcular quanto custará para outra pessoa resolvê-lo: consideramos mais fácil do que realmente é.

    Quando conhecemos o resultado de um evento – seja um jogo de basquete ou uma eleição –, tendemos a superestimar em que medida esse resultado era provável.

    A informação que encontramos antes influencia o nosso cálculo do que é possível depois. Não importa se estamos lendo uma história ou
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    : qualquer ponto de partida inicial para o nosso raciocínio – por arbitrário ou aparentemente irrelevante que seja – “ancora” a nossa análise. Em um estudo com especialistas jurídicos que foram apresentados a um caso criminal hipotético, os participantes deram penas mais longas quando eram apresentados a números mais altos obtidos com dados lançados ao acaso.

    As reviravoltas na trama juntam tudo
    Seja de modo consciente ou intuitivo, os bons escritores sabem de tudo isso.

    Uma história eficaz opera sua magia aproveitando-se em parte desses e de outros hábitos de pensamento previsíveis. Pistas falsas, por exemplo, são um tipo de âncora que estabelece falsas expectativas e podem fazer com que as reviravoltas pareçam mais surpreendentes.

    Uma parte do prazer causado pelas reviravoltas na história não deriva do impacto da surpresa, mas de apreciar as partes anteriores da história à luz da reviravolta. As surpresas mais satisfatórias adquirem força oferecendo-nos uma percepção nova e melhor do material anterior. Esta é outra oportunidade para as histórias aproveitarem a maldição do conhecimento.

    Lembre-se de que, uma vez que sabemos a resposta de um enigma, suas chaves podem parecer mais transparentes para nós do que realmente eram. Quando retomamos partes anteriores do relato à luz desse conhecimento, as pistas bem construídas adquirem uma importância nova e satisfatória.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    . Uma vez revelada a grande reviravolta na história –que o personagem de Bruce Willis era o tempo todo um dos “mortos” que só o garoto protagonista via– o filme oferece uma repetição rápida de cenas que depois da surpresa adquirem outro sentido. Agora entendemos, por exemplo, que sua esposa (sua viúva, na verdade) não se apressou em pegar a conta em um restaurante antes dele por ressentimento, mas porque, até onde ela sabia, estava jantando sozinha.

    Mesmo anos depois da estreia do filme, os espectadores sentem prazer com essa reviravolta, saboreando em que medida deveria ter sido “óbvio, caso se prestasse atenção” às partes anteriores do filme.

    Prós e contras dos ‘spoilers’
    Ao mesmo tempo, há estudos que mostram que, mesmo quando os espectadores têm certeza de um desfecho, eles inevitavelmente experimentam suspense, surpresa e emoção. As sequências de ação continuam a acelerar o coração, as piadas continuam sendo engraçadas e os momentos comoventes continuam a nos fazer chorar.

    Como demostraram não muito tempo atrás Jonathan Levitt e Nicholas Christenfeld, pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Diego, os spoilers não estragam prazer. Em muitos casos, o aumentam ativamente.

    De fato, quando uma reviravolta importante na história é realmente inesperada, pode ter um efeito catastrófico no prazer, como muitos indignados espectadores de Guerra Infinita podem atestar.

    Se você conhece a reviravolta de antemão, a maldição do conhecimento tem mais tempo para operar sua magia. Os elementos anteriores da história parecerão pressagiar o fim mais claramente quando já se sabe qual é o tal final. Isso pode fazer com que a obra como um todo pareça mais coerente, unificada e satisfatória.

    Certamente, a antecipação é em si um prazer delicioso. Saber com antecedência as reviravoltas na trama pode reduzir esse entusiasmo, embora o conhecimento prévio não estrague o prazer da história em si.

    Os especialistas em marketing sabem que o que os spoilers estragam é a urgência do desejo dos consumidores em ver ou ler uma história. O interesse e a expectativa podem cair a tal ponto que as pessoas ficam em casa, perdendo o prazer que teriam se nunca tivessem sabido o desfecho.

    Vera Tobin é professora associada de Ciências Cognitivas da Case Western Reserve University.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar