1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Bebida em excesso é preço cobrado de calouros para vaga em repúblicas de Ouro Preto

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por ricardo campos, 16 Dez 2012.

  1. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    "Após a morte de dois estudantes da Ufop, diferentes gerações de calouros de Ouro Preto relatam as gincanas de bebedeiras e as humilhações a que são submetidos para tentar vaga em algumas moradias estudantis. Abuso de álcool marca também outras cidades universitárias

    Por pouco, a história de Rafael (nome fictício) não virou manchete de jornal. Estudante de ciência da computação na Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), o rapaz passou mal depois de consumir muita bebida alcoólica em uma festa no ano passado. Precisou ser carregado até o quarto que ocupava em uma república na cidade histórica da Região Central, onde vomitou muito. Na manhã seguinte, acordou com tremores fortes e o coração acelerado. “Quando fiquei sabendo do ocorrido com o Daniel, pensei: ‘Meu Deus, podia ter sido comigo’”.

    Ele se refere ao estudante de artes cênicas Daniel Macário de Melo Júnior, de 27 anos, encontrado sem vida na república particular Nóis é Nóis, em 27 de outubro. Segundo laudo do Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte, Daniel tinha taxa de 70,1 decigramas de álcool por litro de sangue, quase 12 vezes mais do que o índice considerado embriaguez para questões de trânsito, que é de 6 decigramas/litro. Em 30 de novembro, outra morte acentuou o misto de alívio e preocupação sentido por Rafael desde a última bebedeira. Mais um estudante da Ufop morreu depois de uma noite regada a bebida farta: Pedro Silva Vieira, de 25, morava na república federal Saudade da Mamãe.

    As mortes dos dois jovens comprovaram que universitários de Ouro Preto se excedem no consumo de álcool e chamaram a atenção para o processo de seleção de moradores em repúblicas federais e particulares na cidade. Em algumas das casas, os trotes vexatórios e o estímulo à ingestão excessiva de bebidas alcoólicas fazem parte da rotina de calouros, também chamados de “bichos”, a exemplo de Daniel e Pedro. Como eles e como Rafael, o Estado de Minas localizou exemplos de diferentes gerações de estudantes que demonstram a perpetuação de uma rotina de humilhação, degradação e constrangimento protagonizada por moradores de repúblicas. Além da incitação à bebedeira, os rituais incluem castigos físicos e exposição pública dos novatos. Em São João del-Rei, a equipe de reportagem constatou que os excessos não são exclusividade de Ouro Preto: se repetem em outras cidades com forte presença universitária, como no município do Campo das Vertentes que abriga a UFSJ.

    Entre a pressão e o paredão

    “Eu não bebia, não gostava. Não sabia nem abrir uma garrafa de cerveja”, recorda Rafael, de 21 anos. Em fevereiro de 2011, o rapaz se tornou “bicho”, posição mais baixa na hierarquia das casas de estudantes da Ufop. Como tal, candidatou-se a uma vaga na república Aquarius, na Rua Paraná, Centro da antiga capital de Minas. Não demorou muito para o calouro descobrir que ingerir bebidas alcoólicas, e em grande quantidade, fazia parte da “batalha”, como é conhecido o processo de seleção de novos inquilinos das moradias.

    “Não tinha coação física, mas psicológica”, ressalta Rafael. Os veteranos o estimulavam: “Vem cá, bicho. Toma essa cachaça”. Alguns provocavam: “Ah, bicho, você não vai fazer amizade bebendo leitinho”. Uma vez, um morador ameaçou: “Se você não beber, vai ser difícil ser escolhido para morar com a gente”. Receoso de encarar trotes ou de ter de pagar aluguel caso não conquistasse uma vaga na república, cedida pela Ufop, o calouro aquiesceu. “Em uma festa, fui obrigado a tomar cachaça, cerveja, uísque e ‘batidão’”, conta. Geralmente servido em um galão de 20 litros, do tipo usado para armazenar água, o “batidão”, também chamado de “veneno”, é uma mistura de vodca e pó para refresco. Na mesma festa, improvisou-se uma competição chamada Olimpinga, na qual ganhava quem bebesse mais.


    De madrugada, Rafael sentiu os efeitos da batalha: passou mal e precisou ser carregado até seu quarto por um “semibicho”, seu superior imediato na hierarquia das repúblicas. Deitado, vomitou muito. Estava tão embriagado que nem sequer conseguia acertar o balde posto ao lado da cama para aparar o resultado da bebedeira. “De manhã, acordei tremendo. Fui tomar banho, mas não tive condições. Desci as escadas para a cozinha apoiando nas paredes. A empregada da casa queria me levar ao hospital”, relata o rapaz. Depois desse dia, Rafael decidiu que não mais se deixaria constranger. Em outra festa, diante da resistência do calouro a beber mais, um morador voltou a ameaçá-lo. “Você assiste ao big brother, bicho?”, perguntou a Rafael, que respondeu afirmativamente. O outro retrucou: “Semana que vem tem paredão dos bichos. Se prepare”.

    Em abril de 2011, Rafael não se surpreendeu ao ser “catado”, como se diz quando alguém não passa pelo crivo dos inquilinos. “Alegaram que eu não tinha o perfil da galera”, lembra, com um sorriso irônico. Segundo o relato do rapaz, e de outros estudantes da Ufop, os trotes e o estímulo à ingestão excessiva de bebidas alcoólicas continuam a fazer parte do processo de escolha de quem pode ocupar moradias estudantis, particulares ou públicas. Parte das 58 residências cedidas pela Ufop, entre elas a que rejeitou Rafael, desrespeitaria o Estatuto das Repúblicas Federais, aprovado em 2010, que veda “brincadeiras constrangedoras que atentem contra os princípios de dignidade da pessoa humana”.

    O presidente da Associação dos Moradores de Repúblicas Federais de Ouro Preto (Refop), Luiz Philippe Albuquerque, admite que “bichos” sentem-se estimulados a beber, mas não acredita que sejam coagidos. “Quando você bebe, fica mais extrovertido, consegue se socializar melhor. O bicho acaba bebendo para se enturmar. Não há pressão”, alega. Mas, em seguida, reconhece: “Acredito que não (haja pressão), mas não sei o que ocorre especificamente em cada república”. Procurado, representante da Aquarius disse que o presidente da Refop responderia pela república."


    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Que geração é essa onde ter alguma posição é considerado fraqueza? E não entendo essa fixação por álcool. Pode não haver coação física, mas a psicológica ainda é coação e talvez seja pior que essa.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Mercúcio

    Mercúcio Well-Known Member

    Conheço bem Ouro Preto... e há ali um clima de terrorismo que eu acho uma fedaputagem nojenta.
    A sujeição de calouros à situações humilhantes e vexatórias é corrente ali.
    Em Mariana, que possui um campus avançado da UFOP, a situação me parece pouco diferente.
    A Universidade devia bater pesado nisso...

    Eu me formei em São João del Rei (UFSJ), instituição citada no texto acima, onde sigo como aluno do mestrado. E realmente essas tosqueiras estão muito presentes, embora nem de longe se compare com o que rola em Ouro Preto.
     
  4. Asca

    Asca Usuário

    Daqui a pouco comecam a cobrar favores sexuais, como fazem em algumas fraternidades americanas, soh pra ter o status de ser de tal fraternidade. lol
     
  5. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Nota-se que nem sempre o trote recebe oficialmente o título de trote limitando-se a uma comemoração de uma data específica no começo do ano durante a recepção dos calouros.

    Os assédios também ocorrem de muitas formas, as vezes de maneira disfarçada podendo se repetir no decorrer do período por mais de uma vez até que a "sede de sangue" de todos os veteranos considere que a vingança esteja paga (mais de um ataque).

    Integrar e desintegrar são ações que podem ser invertidas e confundidas com uma facilidade enorme por quem é perverso. É igual paixão e ódio.

    No ambiente acadêmico o aluno deve antes pensar que tipo de integração os colegas estão falando. Se estiverem obrigando a fazer o que não se quer então vale o ditado "antes só do que mal acompanhado".
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  6. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    Eu tenho certa experiência com o ambiente de lá também, e há um outro objetivo com a coerção pró-bebedeira: selecionar quem vai participar, de sangue e copo, e em todas as suas acepções (como a Festa do 12, o aniversário da república e principalmente o muitas vezes lucrativo Carnaval).

    É uma questão complicada. Acho que a cultura espartana das repúblicas não pode ser alterada a tão curto prazo, apenas direcionada, até porque esta tem lá suas vantagens.

    Mas ô Estado de Minas que sofre de uma "falta de manchete" crônica hein? Essa foi a capa do jornaleco da província ontem, acreditem.

    Em termos de informação, ser mineiro é foda demais. Temos os arcaicos Diários Associados do Assis Chateaubriand, o Cidadão Kane nacional, como principal mídia regional, à qual o único contraponto é a regional da Globo (cujo ângulo de divergência em relação ao EM deve ser de no máximo 1 grau). O "O Tempo" já é o jornal melhorzinho há alguns anos, mas seu dono não é lá boa flor também.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  7. Raphael S

    Raphael S Desperto

    Muita gente acha que seu status social lhe dá direito de fazer o que quiser com o status abaixo. Mas isso é uma praga que se espalha como uma má educação e infelizmente é bem comum. Há excessões claro, mas é fácil reconhecer alguém assim apenas pelo modo de agir e falar.
    Neste caso em uma hierarquia criada nas repúblicas, mas não é diferente de playboys e outros grupos que se acham superiores e posso dizer que ocorre até mesmo no meio intelectual.

    Mas é uma idiotice, e se alastra justamente em covardes que querem se aproveitar das situações para se sentirem mais homens, o que é uma ilusão.

    By Raphael S
    Haters
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar