1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Baudolino (Umberto Eco)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Katrina, 1 Mar 2010.

  1. Katrina

    Katrina Usuário

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    [size=medium]Baudolino[/size]

    O quarto romance de Umberto Eco se passa na Idade Média, entre 1152 e 1604, e traz a história de Baudolino, um adolescente esperto e mentiroso que conquista o afeto do poderoso Frederico I, vulgo Barba Ruiva. Adotado pelo imperador, Baudolino parte em várias aventuras que serão relatadas ao historiador Niceta Coniate, enquanto Constantinopla é saqueada pelos cruzados. Eco constrói um romance histórico divertido e erudito, no melhor estilo das aventuras picarescas.
    Editora: Record
    Autor: UMBERTO ECO
    ISBN: 8501060267
    Origem: Nacional
    Ano: 2001
    Edição: 1
    Número de páginas: 462
    Acabamento: Brochura
    Formato: Médio

    Se não leu a obra pode até continuar a ler, mas, é por sua conta e risco... :sim:

    E finalmente, minha opinião:

    Desde que foi lançado em 2001, aquele a que muitos denominaram ser o tão esperado romance de Umberto Eco, fiquei com vontade de lê-lo. Por vários acasos do destino, destes para os quais certamente não buscamos explicações, não o li naquele ano nem nos subsequentes. Para ser mais precisa, acabei de lê-lo ontem, dia primeiro de março de 2009. Oito anos depois.
    De certa forma, só tenho que agradecer aos acasos que não me permitiram ler esta obra antes. Foi melhor assim. Como já disse (escrevi) em um fórum que participo: "A obra de Eco não teria tanto ‘eco’ se tivesse sido lida quando ainda estava no Ensino Médio". Faltava vivência, conhecimento, leitura. Sem os conhecimentos prévios acerca de determinados assuntos a história de Baudolino seria só palavras ordenadas ao acaso.
    Bem, se já ouvistes falar em: traducianismo biogeográfico baseado na ocorrência do Dilúvio, surgimento de novas espécies a partir da Arca de Noé, pangênese e herança de caracteres adquiridos, antípodas, ideias sobre o paraíso terrestre ser um lugar efetivamente material e ser protegido por acidentes geográficos, patrística grega e latina, o mito de babel, Renascimento, a prensa de Gutenberg e a disseminação do livro - o que acabou por suscitar a realização de novas expedições ao Oriente, as várias crenças sobre o formato da Terra - esférica, plana ou em forma de tabernáculo?, e o mito de Atlântida só para citar alguns dos temas que de forma direta ou na maioria das vezes indiretamente são retratados por Eco. Lerás as histórias de Baudolino a admirarás o arcabouço de temas que Eco reuniu para dar mais veracidade a sua obra.
    Baudolino é uma obra-prima, ao se ler a sinopse têm-se a impressão de que estamos para iniciar a leitura de aventuras constantes e inenarráveis, as quais na maioria das vezes são pautadas de muitas guerras e romances. Sinto informa-lhe, mas não é isso que te espera. Então poderás se perguntar: “Serás então a narrativa de aventuras ‘sem-graça’, guerras imaginárias e romances inexistentes?” Muito pelo contrário, as aventuras apesar de em sua maioria não serem épicas são constantes – o cotidiano de Baudolino nada tem de cotidiano e suas aventuras só não são inenarráveis porque como exímio mentiroso que ele é a tarefa de narrar o impossível é brincadeira de criança. E as guerras? São de verdade e como todas as guerras verdadeiras são palcos de muitas mortes, mas nosso herói, anti-herói ou o que queiram lhe denominar as abomina e de muitas faz de tudo para livrar os envolvidos através de ardis criativos. Romances inexistentes? Aqui acertastes, a obra é pautada de romances inexistentes, mas como o Baudolino adorava dizer: “A fé torna verdadeira as coisas...” Portanto, não se assustes se de repente deparar-se com situações inacreditáveis e seres impossíveis a fé de Baudolino fez milagres em suas histórias...


    Acho que a minha "visão" sobre Baudolino se encaixa bem no conceito da obra aberta citado pelo Gian, pude perceber alguns fatos e fazer essa leitura justamente pelos meus conhecimentos da área biológica. Gostaria de saber a "visão" sobre Baudolino dos outros participantes do fórum que já tiveram o prazer (ou não, vai saber) de ler a obra. Compartilhem suas opiniões. ;)

    -----------------------------------------------------------------------

    Backup dos comentários no tópico antigo (sem emoticons):

     
  2. imported_Rafaela

    imported_Rafaela Usuário

    Mais um que entrou para minha "listinha" de livros para ler! Antes via na biblioteca e apesar da capa me chamar atenção nunca me interessei pela história, mas depois do pessoal falar sobre ele aqui me interessei muito. Só preciso de tempo para ler. :(
     
  3. Eu nunca gostei do nome. Outro que peguei várias vezes na mão para comprar.
    Mas ainda não é o tempo dele. Por enquanto não está na listinha. Até eu ler O nome da Rosa mais uma vez e com clareza.
     
  4. Pips

    Pips Old School.

    Baudolino figura na minha prateleira há um bom tempo, nunca tive uma curiosidade mor para lê-lo, comprei pelo simples respeito que tenho por Umberto Eco e suas duas obras-primas: "O Pêndulo de Focault" e "O Nome da Rosa".
     
  5. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    Baudolino, personagem cujo nome também é o título desse romance do italiano Umberto Eco, é um jovem nascido em uma das inúmeras Alexandrias existentes na Idade Média. É, talvez, um grande herói ou ainda um enorme mentiroso- não podemos saber: ele narra sua história fantástica ao historiador bizantino Niketas Choniates.

    A história de Baudolino não é tão estranha para o tempo em que se insere, na realidade. Ele foi vendido ainda bastante jovem para o emperador Frederico I, que o adotou, devido ao seu brilhantismo, que a partir de então foi coroado com o aprendizado de latim e estudos em Paris.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar