1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Bancas sem Quadrinhos da Editora Globo

Tópico em 'Quadrinhos' iniciado por Anica, 19 Fev 2008.

  1. Anica

    Anica Usuário

    Escrito por: Túlipe Helena
    Editado por: David Denis Lobão

    Desde de junho de 1937, há cerca de 70 anos, as empresas do falecido empresário e jornalista, Roberto Marinho, publicam quadrinhos nas bancas. A estréia foi com o encartado "O Globo Juvenil", lançado nas páginas do jornal "O Globo". As publicações continuaram na Rio Gráfica Editora e na atual Editora Globo.

    Ao longo destes anos, a Editora Globo lançou sucessos como: "Mandrake", "Recruta Zero", "Spirit", "Ferdinando", "Batman", "Flash Gordon", "Turma da Mônica", "Fantasma, Sandman", "Gasparzinho", "Brasinha", "Tex", "Riquinho", "Homem-Aranha", "Os Quatro Fantásticos", dentre outros.

    Neste mês de fevereiro não haverá HQs da Editora Globo nas bancas. A decisão da editora foi de não utilizar mais este canal de venda para focar a venda dos produtos nas livrarias.

    O fim dos quadrinhos

    Em entrevista ao site Universo HQ, a diretora da Unidade de Negócios Infantis da Editora Globo, Lucia Machado, afirmou que a decisão é econômica, financeira e de mercado. Segundo ela, a saída temporária das bancas é por que a empresa está descontente com a distribuição, além dos trabalhos de visibilidade e marketing não serem feitos. Há também a intenção de diminuir o preço dos livros infantis da Globo.

    A mudança interrompe a publicação das revistas "Menino Maluquinho", "Junin", "Julieta - A Menina Maluquinha", "Cocoricó", "Sítio do Picapau Amarelo", "Cuca", "Emília" e "Você Sabia - Sítio do Picapau Amarelo".

    A Editora Globo continuará publicando quadrinhos, mas a aposta da empresa são os produtos em formato de livro vendidos para o consumidor comum em bibliotecas, escolas, empresas e para o Governo.

    Atualmente, os títulos dos escritores Ziraldo e Monteiro Lobato já são publicados em livrarias. Os produtos da linha "Cocoricó" e "Castelo Rá-Tim-Bum" são os próximos lançamentos que serão vendidos desta forma.

    Como há a possibilidade do afastamento ser temporário, a Globo pode voltar a lançar quadrinhos nas bancas que não tenham periodicidade fixa.

    A grande perda

    A grande perda é para a cultura brasileira e para os leitores brasileiros, já que todas as publicações canceladas eram feitas por roteiristas e desenhistas brasileiros.

    A possível crise dos comics está estagnando o gênero no Brasil, de acordo com muitos críticos. O entretenimento eletrônico é um dos causadores da crise.

    No Japão, não há crise no setor de quadrinhos, já que o público mantém hábitos e costumes, mas a tradição não é o ponto forte dos ocidentais.

    A avalanche de produções japonesas, os mangás, chegou ao país desde a popularização dos animês, o que fez com que as produções nacionais perdessem espaço. A venda dos mangás hoje também supera a venda das HQs americanas no mundo todo.

    Para os fãs, a alternativa é ir às livrarias especializadas em quadrinhos.


    Saiba mais sobre as publicações e as suas últimas edições nas bancas

    "Menino Maluquinho 30", "Julieta 30" e "Junin 7" (Ziraldo)

    Em dezembro de 2004, o escritor mineiro Ziraldo anunciou na sede da Editora Globo o lançamento da sua linha de quadrinhos. As publicações começaram com "O Menino Maluquinho" e "Julieta", ambas com 32 páginas e com tiragem inicial de 80 mil exemplares. Na ocasião, também foi lançada a revista de atividades "Férias Maluquinhas".

    O público alvo das publicações são os pré-adolescentes e os temas abordados são os assuntos do cotidiano desta faixa etária.

    A decisão da Editora Globo encerrou a venda nas bancas com as seguintes edições: "Menino Maluquinho 30", " Julieta 30" e "Junin 7".

    "Sitio do Pica-Pau Amarelo 18", "Cuca 15" e "Emilia 12" (Monteiro Lobato)

    Em meados do mês de setembro do ano passado, a Editora Globo lançou durante a XIII Bienal Internacional do Livro, no Rio de Janeiro, o primeiro volume da coleção "Monteiro Lobato em Quadrinhos". A coleção é a adaptação de alguns clássicos do escritor Monteiro Lobato para HQ. Os personagens são da turma do "Sítio do Picapau Amarelo".

    A edição de estréia foi a obra de "Dom Quixote das Crianças", uma adaptação de "Dom Quixote de La Mancha", de Miguel de Cervantes, escrita em 1936.

    Os roteiros das 64 páginas das HQs são de André Simas e os desenhos eram da equipe do estúdio Cor e Imagem.

    As publicações "Sitio do Pica-Pau Amarelo 18", "Cuca 15" e "Emilia 12" foram as últimas a serem vendidas nas bancas.

    "Cocoricó 8" (TV Cultura)

    A Editora Globo lançou em junho de 2007 a revista "Cocoricó" que trouxe para o mundo HQ as aventuras do programa de mesmo nome de grande sucesso na TV Cultura.

    A produção das histórias é toda feita por artistas brasileiros e a principal publicação da série foi a edição "Uma Noite Fora" quando o protagonista da série, o menino Júlio, acampa com o seu papagaio Caco.

    Na ocasião, a editora também lançou "Cocoricó para Pintar". Ambos os títulos com periodicidade mensal.

    Com o cancelamento a última edição nas bancas foi a número oito, em janeiro.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    Na verdade enterram de vez... os quadrinhos da globo já estavam meio mortos...
     
  3. Bem, é uma pena. Os quadrinhos no meu ponto de vista é o maior incentivador da leitura. Toda criança começa por ai né?

    Mas, é fato que os quadrinhos brasileiros já vem perdendo mercado a muito tempo. Mas é por pura falta de investimento porque potencial de desenhistas e roteiristas nós temos.
    Por ter muitos amigos nessa área sei que eles são aclamados nos E.U.A por exemplo. Tenho dois amigos que tem até agente por lá.
     
  4. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    isso é verdade! infelizmente sacrifica-se um gosto para as crianças, mas o mercado está aberto para novos garimpeiros... ou não...
     
  5. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    É tão ruim ver algo q vez parte da nossa infância, da infância
    de outras pessoas, algo q vem de anos atras, algo q jah brilhou, do nada se apagar para nunca mais voltar! A despedida eh triste, e pensando...como seria o mundo sem o maior incentivador a leitura?
    o.0
     
  6. Tilion

    Tilion Administrador

    A Globo parou de publicar quadrinhos, não as outras editoras.

    A Turma da Mônica sai pela Panini desde janeiro de 2007, assim como boa parte das revistas de super-heróis.

    Não é o fim do mundo.
     
  7. aces4r

    aces4r Usuário

    As bancas de revista hoje não são mais um espaço cult que era até bem pouco tempo. Apesar de ter muitas besteiras também. Mas era sempre meu foco quando saia para andar à toa. Hoje a Internet, acho eu, está matando as banca de revista. Outro dia entrei em uma e só tinha revistas pornôs. Fazer o quê?
     
  8. k-billy

    k-billy Usuário

    Não é mesmo o fim para o mercado quadrinístico brasileiro, os selos mudaram, hoje encontramos a Panini comix lançando grandes títulos da marvel e da DC, bem como alguns títulos nacionais, assim como a Devir e a Quadrinhos na cia, as Hqs estão por aí e não acredito que seja complicado de encontrar algum título nas bancas.
     

Compartilhar