1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Autobiografia de Elias Canetti

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Meia Palavra, 18 Jan 2011.

  1. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    Elias Canetti (1905-1994) foi certamente um dos escritores mais peculiares que o prêmio Nobel já laureou (recebeu-o em 1981): nascido na Bulgária, vindo de uma família de judeus serfadin, obteve a cidadania inglesa durante a Segunda Guerra Mundial, mas continuou a escrever em alemão até o fim de sua vida (língua que seus pais utilizavam para se corresponder durante a juventude). Mais: o prêmio foi dado quando Canetti tinha apenas um romance publicado, “Auto-de-fé” [Die Blendung, no original – algo como “O Cegamento”ou “A Ofuscação”]! E de fato esse seria o único volume de uma planejada coleção que teria o nome de “A Comédia Humana dos loucos”, projeto que foi abandonado porque o empreendimento de escrever um tal livro como “Auto-de-fé” teria consumido todas as forças do autor nesse sentido (tal como o próprio livro descreve a ensandecimento de um especialista em literatura chinesa, aficionado pelos seus próprios livros e que termina por queimar a sua biblioteca). E talvez esse seja um caso quase único na história da literatura, no qual um autor que escreveu um único romance tenha feito dele um marco na tradição de seu país. Apenas para dar um exemplo, “O tambor” de Günter Grass (outro Nobel, o de 1999) é, em diversos momentos, uma homenagem ao livro de Canetti (o caso mais evidente é o do pequeno Hans, o protagonista do livro de Grass, que decidiu nunca crescer – obviamente, ele é inspirado em Fischerle, o anão trapaceiro de “Auto-de-fé”).

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     

Compartilhar