1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Astrônomos encontram planeta azul fora do sistema solar

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por Lobelia SB, 12 Jul 2013.

  1. Lobelia SB

    Lobelia SB His name was Robert Paulson

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Astrônomos conseguem pela primeira vez determinar a cor de um planeta fora do Sistema Solar. E, adivinhe só, é azul.

    Visto de longe, esse mundo, batizado HD 189733b, não seria muito diferente da Terra -um "pálido ponto azul", como dizia o astrônomo americano Carl Sagan.

    As similaridades, contudo, acabam por aí. Orbitando uma estrela a 63 anos-luz de distância, HD 189733b completa uma volta em torno dela a cada 2,2 dias terrestres e é um gigante gasoso.
    Com esses parâmetros, ele entra na categoria dos Hot Jupiters, mundos sem equivalente no Sistema Solar. Seria mais ou menos como pegar o nosso Júpiter e arrastá-lo para perto do Sol.
    O resultado é um mundo tão quente que jamais poderia abrigar vida -ao menos como a conhecemos.

    Admirável Velho Mundo

    O planeta já é bem conhecido dos astrônomos. Descoberto em 2005, ele foi inicialmente detectado pela técnica que mede o bamboleio gravitacional causado por ele em sua estrela, conforme executa suas voltas em torno do astro.
    Entretanto, uma coincidência adicional permitiu o novo avanço: ele está numa órbita tal que passa exatamente à frente de sua estrela-mãe, do ponto de vista da Terra. Esses minieclipses, chamados de trânsitos, são a chave para determinar a cor do objeto.
    Tão próximo de sua estrela, e tão menos brilhante que ela, o HD 189733b é efetivamente invisível aos telescópios terrestres. O que os astrônomos podem fazer é medir a luz vinda da estrela quando o planeta está ao lado dela e comparar com a mesma luz vinda quando ele está atrás -indetectável para nós.
    Foi o que fizeram Frédéric Pont, da Universidade de Exeter (Reino Unido), e seus colegas. Usando o Telescópio Espacial Hubble, eles compararam o padrão de luz observado nesses dois momentos e notaram que, quando o planeta está bloqueado, somem parte das frequências azuis do espectro.
    A luz faltante é justamente aquela que o planeta exibe quando a parte iluminada dele aparece para os observadores na Terra -um surpreendente azul anil.
    "Contrariamente às minhas expectativas, esse é um planeta azul", comenta Cassio Leandro Barbosa, astrônomo da Univap (Universidade do Vale do Paraíba) que não participou da pesquisa. "Por ser um Júpiter Quente, eu esperava cores semelhantes, mas a química da atmosfera desse mundo exótico deve ser bem diferente", conclui.
    De acordo com Pont e seus colegas, o azul pode ser resultado da presença de partículas de silicatos pequenas bolinhas de vidro, eles imaginam em meio à turbulenta atmosfera do planeta. Mas eles não põem a mão no fogo pela conclusão.
    "É difícil saber exatamente o que causa a cor da atmosfera de um planeta, mesmo para os mundos do Sistema Solar", diz Pont. "Mas essas novas observações adicionam outra peça ao quebra-cabeça que é a natureza e a atmosfera do HD 189733b. Estamos vagarosamente pintando um quadro mais completo desse exótico planeta."

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    Última edição: 12 Jul 2013
    • Gostei! Gostei! x 5
    • Ótimo Ótimo x 1
  2. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Dessa vez, felizmente, nós terráqueos estamos mais humildes e modestos.

    Antigamente tinha notícia que até falava da composição da atmosfera baseado na cor quando a combinação de substâncias e mistura entre camadas de gás e de transparências da atmosfera interfere enormemente com a cor do planeta. Se num simulador simples (Photoshop) isso já acontece imagina no mundo real que complexifica muito mais (até a mistura da luz da cor da estrela dificulta a determinação). São filtros demais e apenas uma visita in loco pra descobrir.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Pois é, em outros tempos só pelo fato de ser azul assim alguns já cravariam que encontraram um planeta igual ao nosso, mas as aparências enganam.

    De qualquer maneira a imagem é muito bonita.
     
  4. Seiko-chan

    Seiko-chan Retardada

    Apenas acho engraçada a certeza absoluta dos cientistas em afirmar que determinados tipos de planetas não abrigam vida.

    Eles afirmam isso baseado em formas de vida compostas de carbono e água em estado líquido - até aí tudo bem. Mas nunca saberemos se todas as formas de vida, diante de tantas condições adversas existentes no Universo, se encaixam nesses parâmetros acima. A possibilidade de a própria evolução ter criado outras formas de compor organismos vivos em ambientes que para nós são hostis é enorme, assim como podem haver uma gama muito mais elevada de elementos em suas respectivas tabelas periódicas. A exemplo do filme 'Sinais', onde a forma de vida em questão era totalmente antagônica à composição da água, nessa configuração química que a temos aqui.
     
    • Gostei! Gostei! x 3
  5. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    É bem por aí. É uma mania muitas vezes até teimosa dos cientistas sempre utilizarem um padrão de referência "terráquea" de vida, atmosfera, etc e acharmos que no restante do universo ele é 100% válido e aplicável. Em algum momento poderemos ser surpreendidos e acho importante de vez em quando analisarmos a possibilidade de vida no universo de uma forma não tão racional saindo desses padrões.
     

Compartilhar