1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Assassin's Creed, 2016

Tópico em 'Cinema' iniciado por G., 12 Mai 2016.

?

Qual sua nota para o filme?

  1. 10

    0 voto(s)
    0,0%
  2. 9

    0 voto(s)
    0,0%
  3. 8

    100,0%
  4. 7

    0 voto(s)
    0,0%
  5. 6

    0 voto(s)
    0,0%
  6. 5

    0 voto(s)
    0,0%
  7. 4

    0 voto(s)
    0,0%
  8. 3

    0 voto(s)
    0,0%
  9. 2

    0 voto(s)
    0,0%
  10. 1

    0 voto(s)
    0,0%
  1. G.

    G. Ai, que preguiça!

    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Bom, o diretor é o mesmo de Macbeth, que eu ainda não vi. :lol:
    Sei lá, não sei bem o que esperava.
     
  3. Beren

    Beren Wannabe Rider

    Eu não sei o que esperar.

    Fassbender = YAY
    Alemão na Inquisição Espanhola = NAY

    Não achei lá grandes coisas o trailer, mas como é AC já dá uma baita animada (já que sou fã do jogo).
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. Calib

    Calib Visitante

    Tem tudo pra ser uma bomba.
    Verei.

    :hxhx:
     
    • LOL LOL x 1
  5. Kainof

    Kainof Sr. Raposo

    Esse filme vai feder muito!
    Vou ver na estreia!

    Vi muito do "Desmond", que é justamente a parte que os jogadores menos curtem do game, tanto que conforme a franquia avançou, a participação do receptor das memórias diminuiu bastante.

    Inquisição espanhola parece um bom cenário. A música destoou muito, não senti conecção com o tema. Os movimentos de parkour estão ruins, tá parecendo mais filme chinês de kung fu...
     
  6. Beren

    Beren Wannabe Rider

    Prevejo Mosquemon lá em casa.. É esse o nome dos encontros da Valinor pra ver filme, não?

    Acabei o AC Brotherhood essa semana, tem bem mais participação do Desmond nesse do que no AC 2, me parece. Mas de repente nos seguintes diminui a participação, o que eu tb vejo como positivo hehe.

    Cenário é bom mesmo, mas acho que realmente os parkour ficaram muito wuxia (filme de kung-fu chinês). Bom, é a internacionalização completa..

    Música: Rap Americano
    Protagonista: Alemão
    Cenário: Espanhol
    Gênero: Chinês
     
    • LOL LOL x 5
  7. J. Hercules

    J. Hercules Usuário

    Apesar de ser fã da franquia de jogos não estou ansioso para assistir o filme. Filmes adaptados de jogos costumam ser "ruins".
    Tomara que assassin's Creed não mantenha essa escrita, mas também não coloco minha mão no fogo por ele.
     
  8. fcm

    fcm Visitante

    Angry Birds ficou ducaaaaaaaaaaaaaaa
     
  9. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Isso me lembra duas adaptações de Os Três Mosqueteiros: A Vingança do Mosqueteiro, que misturava Dumas com wuxia, e Os Três Mosqueteiros (2011), que misturava Dumas com steampunk. :P
     
    • LOL LOL x 1
  10. J. Hercules

    J. Hercules Usuário

    Ainda não assisti então...

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Mas a maioria costuma ser ruim. Teve Far Cry, Doom, Final Fantasy, Street Fighter, Resident Evil, Mortal Kombat e Super Mario Bros. Todos horríveis.
     
  11. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Mas você também tinha que pegar a nata do que há de ruim no próprio cinema, né? :lol:
     
    • LOL LOL x 2
  12. Indily

    Indily Balrog de Pantufas Fofas

    Teve do Mario??????????????

    Caraca que medo.
     
  13. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Dennis Hopper fez o papel do vilão.
    Disse ele depois que seu filho, ainda criança, perguntou porque ele havia escolhido o papel. Resposta:
    - Pra comprar sapatos pra você.
    - Mas pai, eu não preciso tanto assim de sapatos! :lol:

    Para os interessados:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • LOL LOL x 5
  14. J. Hercules

    J. Hercules Usuário

    Sim citei os piores. :roll:
    Mas não foram a maioria destes os mais esperados filmes baseados em jogos? As maiores decepções no caso. Duvido que Assassins Creed vá ficar entre estes, afinal a franquia tem uma história fascinante. Mas sei lá, acho melhor esperar o lançamento antes de criticar, vai que eu quebro a cara.
    --- Mensagem Dupla Unificada, 13 Mai 2016, Data da Mensagem Original: 13 Mai 2016 ---
    Achei muito engraçado o Bowser do filme. :mrgreen:
    Caramba, que fime zoado!

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    15% de aprovação no Rotten Tomatoes, até que está bom.
     
    Última edição: 13 Mai 2016
    • LOL LOL x 1
  15. Indily

    Indily Balrog de Pantufas Fofas

    MEU DEUS QUE TREILER MERDA!

    Credo gente.
     
  16. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    O pior é que, se você for pensar bem, não há muitos casos positivos mesmo de boas adaptações.
    Resident Evil foi muito criticado pelas liberdades, mas depois a franquia ganhou vida própria e alguns dos filmes são bons.
    O Príncipe da Pérsia é muito bom, na minha opinião.
    E dizem que Phoenix Wright: Ace Attorney funcionou - ainda não vi, apesar de ser fã do diretor.
    É, dá pra contar nos dedos de uma mão quantas adaptações boas de videogame existem. :P
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  17. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Last week we got
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    of Michael Fassbender running around shanking people in the face for the Assassin’s Creed movie—and it was actually quite promising! But fresh news about the film will give anyone familiar with the gaming franchise cause for concern.

    The Assassin’s Creed universe divides its story into two branches: it mainly focuses on adventures in the past (the games have covered everything from Crusades-era Holy Land to the dawn of the American revolution), but is lightly framed by a contemporary scifi conspiracy thriller about modern Assassins training a new generation of soldiers to fight the shadowy Knights Templar.

    However, according to executive producer Pat Crowley, the new movie will get that balance flipped: 65% of the film will be spent in the present, where Fassbender’s character, Callum Lynch, is kidnapped and forced to live out the memories of his 15th century assassin ancestor—while a mere 35% of the film will take place in the past, showing him reliving those memories. Fans of the franchise are probably already groaning; after all, the modern side of Assassin’s Creed was never that great. It was merely an excuse to “explain” what the video game was actually about, which was going back in time, meeting interesting people, and then assassinating the bejeezus out of them.

    Hopefully the Assassin’s Creed movie can make all the present day stuff as exciting as the past-based segments. Considering how gorgeous all that historical stuff looked in the trailer, though, that might be an uphill battle.
     

    Arquivos Anexados:

    • Gostei! Gostei! x 2
  18. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Assassin’s Creed isn’t the movie that’s going to break the string of terrible cinematic experiences based on video games. Way too much of the movie feels like a big-budget advertisement and its attempts to play its dramatic tension straight-faced made me snicker loudly at the screening I went to. It could’ve been a slyly, self-aware modern day B-movie but it devotes its energy to the wrong stuff.


    The film is centered on Callum Lynch, played by Michael Fassbender, a killer criminal who we meet just as he’s about to be executed by the state. The chemicals pumped into his body don’t kill him and he wakes up in a super-science research facility run by Abstergo, a shady company secretly run by the Knights Templar.

    The Templars need Callum Lynch because he’s the last descendant of Aguilar, a 15th-century member of the Assassins cult. As part of their war with the Templars, Aguilar and his hood-wearing friends fight to acquire a powerful artifact called the Apple of Eden, which possesses the power to eliminate free will. Head bad guy Rikkin (Jeremy Irons) wants to use it to eradicate violence amongst humanity. He has his scientist daughter Sofia (Marion Cotillard) hook Callum up to the Animus, an invention that uses subjects’ DNA to experience their ancestors’ lives. In the games, the Animus can be either a bed or a lounge chair hooked up to fancy computers. Here, it’s a high-tech combo of black-colored dry ice mist, 360 degree projectors, and a robotic arm that flings Callum around in sync with the movements of his ancestor.

    Those moments make up the high points of Assassin’s Creed. The wall-run/roof jump/neck-stab sequences thread Fassbender and company through chaotically tangled streets and labyrinthine interiors but it’s hard to appreciate the fight choreography through the manic quick-cut editing. Despite a parade of fun antique weapons, the fight scenes set in the present don’t have the same fun escapism as the ones in 15th-century Spain.

    The things that are most enjoyable about the film are the same things that have made the video game franchise a success. The Assassin’s Creed series became the most important asset for French game publisher Ubisoft by offering up a mix of tense stealth, stylish combat, and acrobatic parkour movement through impressive period-piece recreations of famous places. Assassin’s Creed games offer a guttural sort of tourism, as with the crescendo of Assassin’s Creed II which had players infiltrate the Sistine Chapel and kill an evil Pope with the help of Leonardo Da Vinci. The painstaking virtualization of antiquarian locales and important people generates enough highfaluting ballast to make you forget that you’re cold-bloodedly killing your way through the past. You can almost fool yourself into thinking that you’re learning something.

    Unfortunately, the Assassin’s Creed movie flubs the proportions of its component parts in the exact same way that the games do. Too little of the movie happens in the past. After the focus swings back to the present, I kept hoping we’d take another trip back in time. There’s also too much of the worst kind of world-building on display here: vague conspiracy plots with sinister yet ill-defined reach, and info-dump exposition of characters and factional rivalry. Entirely too much of the movie happens in the present in deadening dialogue exchanges that make you wish one person would kill the other already.

    A mix of gross and mildly intriguing ideas bubble up from all the churn: The movie posits that Callum is living proof of the link between heredity and crime. Always nice to have some outdated essentialism to undergird the bad guys’ logic, right?

    Any attempts at establishing empathy or emotional resonance for the characters steers the movie into cringe-inducing point-and-laugh territory. In a plot beat designed to show fanatic devotion to their cause, the movie has Assassins kill each other and themselves to stop Templars from achieving their goals. But I never felt invested in any of the characters to care about these would-be gasp-inducing deaths.

    At its worst, Assassin’s Creed feels like a fan-wank advertisement for the video games. The titular creed gets uttered mere minutes into the movie, followed by the first of many egregious appearances and the eagles who are the Assassin cult’s totems. I cackled—much
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    —every time one of those ponderous, self-serious slo-mo shots popped up, because it’s the filmmakers aping the corniest aspects of the games.

    The same goes for the long, slow, elaborately staged final confrontations where heroes and villains face off. At one point, after Callum achieves full synchronization with his genetic legacy, we see him surrounded by a circle of his Assassin forebears in yet another moment inspired by the melodramatic cutscenes of the nine-year-old series. The moments where the Assassin’s Creed movie embraces its own inherent ludicrousness shine the brightest but it doesn’t do that anywhere near enough.
     
  19. MatteoBenti

    MatteoBenti Usuário

  20. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    • LOL LOL x 3

Compartilhar