1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

As Ruínas (The Ruins, 2008)

Tópico em 'Cinema' iniciado por Deriel, 1 Set 2008.

?

Sua nota para o filme:

  1. 10

    0 voto(s)
    0,0%
  2. 9

    0 voto(s)
    0,0%
  3. 8

    0 voto(s)
    0,0%
  4. 7

    0 voto(s)
    0,0%
  5. 6

    0 voto(s)
    0,0%
  6. 5

    0 voto(s)
    0,0%
  7. 4

    0 voto(s)
    0,0%
  8. 3

    0 voto(s)
    0,0%
  9. 2

    0 voto(s)
    0,0%
  10. 1

    0 voto(s)
    0,0%
  11. 0

    0 voto(s)
    0,0%
  1. Deriel

    Deriel Administrador

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Tinha tudo pra ser um filme ruim: dois casais de namorados, todos eles americanos no começo dos 20 anos, resolvem viajar para o México de férias, tchutchucas e tchutchucos. Pra matar o tédio do esquema praia-piscina-margueritas-tequilas resolvem aceitar o convite de um alemão que conhecem de véspera, Mathias, para irem conhecer uma ruína Maia no interior do México, ainda desconhecida, na qual o irmão está trabalhando.

    E eles vão: horas de ônibus mais 15 km de "táxi" (uma caminhote) e mais 3 a pé até chegar no local da ruína. Para chegar na ruína, existe um caminho marcado em um mapa que o irmão do Mathias fez. Aí as coisas começam a ficar estranhas: estranhamente o caminho está camuflado, protegido por folhas.

    Logo chegam nas Ruínas e o ritmo começa a ficar vertiginoso, com algumas cenas bastante explícitas ao estilo Saw / Hostel mas com algo diferente. Não, eu não vou falar mais detalhes sobre o que tem nas ruínas e o que acontece de problemas, mas é angustiante. Ainda fico chocado quando penso no que acontece com um membro do grupo, ainda no começo da história de verdade.

    Para quem gosta de um terror mais físico (mas que não chega a ser gore), prato cheio.
     

    Arquivos Anexados:

  2. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Achei o começo meio enrolado - aquela história da noite anterior para apresentar as personagens foi meio desnecessária, até porque você só conhece de fato as personagens quando essas já estão nas ruínas. Mas depois a história te prende, com você querendo entender o que acontece nas tais das ruínas e mesmo naquela tensão para saber como será a conclusão.
     
  3. Hugo

    Hugo Hail to the Thief

    Bom, achei o começo com a noite anterior bastante válido, principalmente para conhecer um pouco das personalidades dos personagens, é claro que conhecer de fato foi só depois, nas ruínas, mas se não tivesse essa introdução e fosse direto nas ruínas ia ficar meio estranho. Além do que, foi bem curta a parte pré-ruínas ...

    Sobre o filme, achei bacana, acima da média dos filmes do gênero recentes e a história é até original. Sem falar nas mocinhas do longa, que são umas gracinhas...hehe
     
  4. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Acho que o problema sobre o começo é como ele foi feito. Meio enrolado demais, talvez. Dava para ter feito algo mais breve, inclusive na cena depois da festa. Se fosse mais enxuto, dava para apresentar as personagens e o que as conduziu para as ruínas sem que ficasse soando meio forçado.
     

Compartilhar