1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

As Profecias da Terra-Média

Tópico em 'Comunicados, Tutoriais e Demais Valinorices' iniciado por Artigos Valinor, 25 Jun 2005.

  1. Artigos Valinor

    Artigos Valinor Usuário

    As profecias têm um papel importante nas histórias da Terra-Média. De fato, alguns argumentam que Tolkien tencionava a Terra-Média como tendo um destino pré-determinado ou linha do tempo, uma vez que aparentemente todas as profecias mencionadas tornam-se verdade de alguma forma. Bem, há falsas profecias nas histórias, mas elas são raras. Ou, se não são falsas, no mínimo não realizadas.

    A questão sobre se há poder nas profecias ou poder detrás delas é virtualmente impossível de se resolver satisfatoriamente a todos. Muitos acreditam que a história desdobra-se de acordo com a Música dos Ainur (o que não é verdade, uma vez que foi Ilúvatar quem deu à Música esse sentido através da sua Visão). Desconsiderando-se o que vem em seguida à Música ou à Visão, o Tempo certamente desvela muito enquanto os Ainur e Ilúvatar criam seus temas. Mas O Silmarillion nos conta que cada Era revela novas maravilhas aos Valar sobre as quais eles não conheciam nada, e que não haviam sido previstas na Música ou na Visão.

    De fato, muito da história que é prevista não vem a ocorrer na Música ou na Visão. Depois que Ilúvatar pára a música, ele fala aos Ainur. "E muitas outras palavras disse Ilúvatar aos Ainur naquele momento", Tolkien escreve no "Ainunlindalë". "E, em virtude da lembrança de suas palavras e do conhecimento que cada um tinha da música que ele próprio criara, os Ainur sabem muito do que foi, do que é e do que será, e deixam de ver poucas coisas. Mas algumas coisas há que eles não conseguem ver, nem sozinhos nem reunidos em conselho: pois a ninguém a não ser a si mesmo Ilúvatar revelou tudo o que tem guardado; e em cada Era surgem novidades que não haviam sido previstas, pois não derivam do passado."

    Ilúvatar então mostrou muito na Visão que os Ainur não haviam cantado, e mesmo quando os Ainur entraram em Eä, Ilúvatar revelou novidades. Sua liberdade de alterar Eä ao que o Tempo desdobra-se deixa Ilúvatar como o último árbitro da presciência. Assim, ele pode (se ele assim escolher) invalidar a presciência que um Ainu individualmente possa ter produzido de partes da Música ou da Visão. Mas Ilúvatar nega algo que havia sido previsto? Essa é uma questão interessante, ainda que ainda não possa ser respondida.

    Nós sabemos de muitas ocasiões em que Ilúvatar intervém. Por exemplo, quando Aulë cria os Anões, Ilúvatar fala a ele e no final das contas aceita os Anões como seus Filhos adotivos. Ilúvatar dá a eles verdadeira vida e pensamento independente. Não há, é claro, texto algum que diga que a impaciência de Aulë e a criação dos Anões havia sido predita ou prevista na Música ou na Visão. Mas Aulë construiu os Anões em segredo. Ele poderia trabalhar com afinco e em segredo se os resto dos Ainur soubessem através do pré-conhecimento advindo do Ainunlindalë. Portanto, a criação dos Anões por Aulë, e a intervenção de Ilúvatar, são fortemente possíveis de serem acontecimentos novos, desconhecidos dos Valar.

    Quando Ar-Pharazôn invadiu Aman para se apropriar da imortalidade, conta-se que os Valar dispensaram sua guarda. Ilúvatar então interveio e alterou o mundo, removendo Aman de Arda e transformando o que restou em um mundo redondo. Os Valar poderiam saber que os Numenoreanos iriam se rebelar contra sua autoridade? Eu não acredito nisso. Estando armados de tal pré-conhecimento, eles teriam condenado efetivamente uma multidão de numenoreanos a se tornarem maus.

    Tolkien escreveu que Manwë não podia, não iria compelir Melkor ao arrependimento, ou usar contra Melkor os artifícios que ele próprio usara. No Ósanwë-kenta, Tolkien explica que "Se Manwë tivesse quebrado esta [sua] promessa [de libertar Melkor do aprisionamento no tempo determinado] para seus próprios propósitos, ainda que "bons", ele teria dado um passo em direção aos caminhos de Melkor. Este é um passo perigoso. Naquela hora e ato, ele poderia ter deixado de ser o vice-regente do Uno, tornando-se somente um rei que toma vantagem sobre um rival que ele conquistou pela força."

    Manwë igualmente controlou a compulsão com a qual Sauron estava preocupado. Sauron recebeu a ordem de se apresentar a Manwë para o julgamento, mas quando Sauron falhou em mostrar-se, os Valar não o capturaram. A primeira guerra para aprisionar Melkor foi iniciada em virtude dos Filhos. A segunda guerra, ao final da Primeira Era, foi lançada por um propósito similar. Não era a intenção de Manwë compelir Melkor ou forçar o Tempo para um certo caminho.

    Então, ao pronunciar o destino, como quando os Valar expulsaram os Noldor de Aman e impuseram-lhes uma condenação, na verdade uma maldição, não foi um ato em que os Valar compeliram a escolhas específicas ou alteraram as atitudes dos Filhos. Quando os Valar amaldiçoaram os Noldor, eles não poderiam compeli-los a praticar o mal adiante (e de fato praticaram), mas de preferência deveriam libertar os Filhos de quaisquer graça que sua convivência com os Valar os tivesse concedido. Os Valar removeram suas influências sobre os corações dos Noldor, que trilhavam um caminho (assim deduziram) que os levaria apenas à autodestruição.

    Pengolodh escreveu no Ósankë-kenta, "Eu digo que isto não é assim. Tais coisas podem parecer-se, mas se em gênero elas são totalmente diferentes, elas devem ser distintas. Previdência, que é a previsão, e prognóstico, que é a opinião tomada pelo raciocínio sobre a presente evidência, podem ser idênticas em sua predição, mas são completamente diferentes em modo, e deveriam ser distinguidas por mestres de tradição, mesmo se a língua habitual, tanto de Elfos como de Homens, lhes dê o mesmo nome como áreas da sabedoria".

    O Ósanwë-kenta diz que "Os Valar entraram em Eä e no Tempo de livre vontade, e eles agora estão no Tempo, enquanto este durar. Eles não podem perceber nada fora do Tempo, salvo pela memória de sua existência antes dele começar: eles podem recordar a Canção e a Visão”.

    A primeira nota acrescida ao comentário sobre o "Athrabeth Finrod ah Andreth" diz respeito à liberdade de Ilúvatar em oposição às limitações dos Valar:

    "Os Eldar acreditavam que Eru era e é livre em todos os estágios. Esta liberdade foi mostrada na Música por Sua introdução, após o surgimento das dissonâncias de Melkor, de dois novos temas, representando a chegada de elfos e homens, que não estavam no Seu primeiro comunicado. Portanto Ele pode, no estágio cinco, introduzir diretamente coisas que não estavam na Música e que assim não são realizadas através dos Valar. Não obstante, isto continua em geral verdadeiro no que diz respeito a Eä como concluído através da intervenção deles."

    A intervenção dos Valar na criação (ou sub-criação) de Eä, bem como sua memória da Música e da Visão, os provêm com o conhecimento intrincado de Eä e do Tempo em que eles projetaram o que se daria. Eles também podiam prever acontecimentos ainda não revelados, mas apenas caso Ilúvatar transmitisse tal conhecimentos a eles. A sua própria intervenção deu a eles pré-conhecimento, mas não previsão. Ilúvatar falou aos Ainur quando lhes mostrou a Visão, e disse-lhes muito que não estava incluído nela.

    Desse modo, o livre-arbítrio não colide com as ações e intenções dos Valar, exceto Melkor, que desejava compelir todas as criaturas viventes à sua obediência. Ele desejava que fosse adorado pelos Filhos assim Ilúvatar deveria ter sido. Ele queria ser obedecido pelos Ainur como Ilúvatar deveria ter sido. Melkor tentou engajar-se no tipo de corrupção que iria eliminar ou reduzir o livre-arbítrio. Tolkien tentou explicar esse resumo do dom de Ilúvatar a todas as criaturas encarnadas pensantes nos ensaios a respeito da origem dos Orcs.

    No seu último ensaio sobre os Orcs, Tolkien escreveu: "É verdade, claro, que Morgoth mantinha os orcs em horrenda escravidão; pois em sua corrupção, eles haviam perdido quase toda a possibilidade de resistir à dominação de sua vontade. De fato, tão grande era a sua pressão sobre eles que, antes de Angband cair, se direcionasse seu pensamento na direção deles, eles ficariam conscientes de seu "olho" onde quer que estivessem; e quando Morgoth finalmente foi removido de Arda, os orcs que sobreviveram no oeste se dispersaram, sem liderança e quase sem sagacidade, e estiveram por um longo tempo sem controle ou propósito."

    A compulsão de Melkor por outras vontades deve ser reduzida a mera influência, como na influência que ele parece ter manifestado nas escolhas feitas pelos filhos de Húrin. Quando Melkor aprisionou Húrin sobre as Thangorodrin, ele disse, "No entanto posso chegar a você e a toda sua casa amaldiçoada, e serão quebrados pela minha vontade, mesmo que sejam todos feitos de aço... Olhe! A sombra de meu pensamento pesará sobre eles aonde quer que vão, e meu ódio há de persegui-los até os confins do mundo”.
    [page]
    Desde que Túrin foi criado em Doriath sob a proteção de Melian, é improvável que Melkor pudesse ter tido muita influência sobre a vida de Túrin. Mas Saeros, em seu orgulho, abriu a si mesmo ao mal. Melkor deve apenas ter necessitado de deduzir que onde quer que Túrin fosse, ele iria encontrar alguém que tivesse alguma mácula sobre si. Nesse encontro, a escolha de Túrin seria pré-influenciada para suspeitar do que é certo. Tão pequena semente deve falhar em florescer uma centena de vezes, mas conseguir usufruto ao menos uma. O conto dos filhos de Húrin poderia estar repleto de casos em que eles eram tentados a escolher errado, mas não o fazem.

    No final, apenas as escolhas que levaram ao destino que Melkor desejou para eles compreendem os elementos-chave do Conto dos filhos de Húrin. Isso é o mais próximo que Tolkien chega de impor qualquer coisa como predestinação sobre seus personagens. E ainda que Húrin tenha revelado a localização geral de Gondolin aos espiões de Melkor, este apesar de tudo deveria contar com o engano e aproveitar-se das circunstâncias para alcançar seu objetivo. Ele não poderia simplesmente decretar que Húrin trairia Turgon. Tal traição teria acontecido antes e com menos complicações.

    A maldição de Melkor, assim como a maldição dos valar sobre os noldor rebelados, não era, então, profecia, e certamente não impôs limitação ao livre-arbítrio. Essas eram as ações de grandes poderes, possuidores de grande conhecimento e compreensão, e capazes de considerável discernimento acerca das motivações e prováveis escolhas das criaturas com as quais lidavam.

    Profecias verdadeiras acontecem algumas vezes, mas isso é ofuscado pela previsão. Se pudermos distinguí-los, devemos concluir que previsão apenas confirma intuitivamente que algo deve ou irá ocorrer. Por exemplo, quando a Comitiva do Anel está decidindo qual rumo tomar em Eregion, Aragorn alerta Gandalf sobre a escolha do caminho através de Moria. Aragorn não tem uma idéia clara do motivo para ele se sentir compelido a alertar Gandalf sobre aquele caminho. E Gandalf certamente não pressente tal perdição. Mas a premonição de Aragorn prova-se certa: eles encontram o Balrog e Gandalf é afastado de seus companheiros.

    Por outro lado, Elrond prediz alguns acontecimentos concernentes a jornada de Frodo: "Consigo prever muito pouco do seu caminho, e como sua tarefa deve ser desempenhada eu não sei. A Sombra agora já chegou aos pés das Montanhas, e avança até a região próxima ao rio Cinzento; sob a Sombra tudo fica escuro aos meus olhos. Você vai se deparar com muitos inimigos, alguns declarados, alguns disfarçados; e poderá encontrar amigos em seu caminho, quando menor esperar."

    Quem pode duvidar de que Boromir deve ser um inimigo não-declarado, e Faramir um amigo inesperado? Mas a predição de Elrond é enganada pela Sombra, quase como se ele estivesse literalmente vendo a jornada de Frodo enquanto ela se desenrola. Por que deveria a Sombra (presumivelmente a influência ou vontades de Sauron e Saruman) impedir a visão de Elrond? A nota seis no Ósanwë-kenta nos oferece uma sugestão:

    "Pengolodh aqui elabora (embora não seja necessário ao seu argumento) esta questão de previsão. Nenhuma mente, ele afirma, conhece o que nela não está. Tudo o que fora experimentado está nela, apesar de que no caso dos Encarnados, dependendo dos instrumentos do hröa, algumas coisas podem ser esquecidas, não estando imediatamente disponíveis para recordação. Mas nenhuma parte do futuro lá está, pois a mente não pode vê-lo nem tê-lo visto: isto é, uma mente situada no tempo. Tal mente pode aprender sobre o futuro apenas a partir de outra mente que o tenha visto. Mas isto significa apenas diretamente de Eru, ou por intermédio de alguma mente que tenha visto em Eru alguma parte de Seu propósito (assim como os Ainur, que agora são os Valar em Eä). Só assim um Encarnado pode conhecer algo do futuro: por instrução derivada dos Valar, ou por uma revelação vinda diretamente de Eru. Mas qualquer mente, seja dos Valar ou dos Encarnados, pode deduzir pela razão o que pode ou irá ocorrer. Isto não é previsão, mesmo que possa parecer claro em termos e, de fato, mesmo mais preciso do que vislumbres de previsão. Nem mesmo se isto é formado por visões vistas em sonho, um meio segundo o qual a previsão é freqüentemente revelada à mente."

    A previsão do Elrond não pode ser uma dedução baseada em seu conhecimento. Ele não sabia quem poderia ou iria trair Frodo, bem como quem poderia ou iria aparecer em seu caminho. Elrond não sabia nem mesmo por qual caminho Frodo seguiria até Mordor. Ainda que pudesse ser argumentado que Elrond e Gandalf haviam despedido um bom tempo discutindo sobre o caminho que a Comitiva do Anel poderia seguir, e quem vivia naquela estrada. A remoção de Gandalf em Moria dá um limite à sua influência sobre o pensamento de Elrond.

    Então, deve ter sido enviado um sutil conselho a Elrond pelos Valar, ou talvez pelo próprio Ilúvatar. Da mesma forma, os sonhos que Faramir e Boromir tiveram alertaram-nos para procurar Valfenda, isso não pode ser produto de seus pensamentos. Eles simplesmente não tinham conhecimento suficiente para deduzirem sobre tais possíveis acontecimentos. Eles devem ter ouvido algo sobre Imladris quando crianças e esquecido-se disso; eles sem dúvida sabiam que a espada de Elendil havia sido quebrada. Mas eles não poderiam saber que um Pequeno tinha um símbolo de grande poder, ou que um conselho seria desvelado em Imladris quando seria decidido sobre uma grande perdição.

    Outros exemplos de previsão entre Elfos e Homens incluem as profecias de Malbeth, o Vidente (acerca do nome de Arvedui e a jornada de Aragorn pelas Sendas dos Mortos), a predição de Glorfindel de que o Senhor dos Nazgûl não cairia pelas mãos de um homem, e a predição de Isildur de que a guerra contra Sauron não terminaria rapidamente.

    As deduções intuitivas dos Lossoth (de que o barco élfico enviado para resgatar Arvedui não era seguro) e os Druedain (que Númenor não sentia mais segurança sob seus pés, e que uma mudança viria previamente à batalha dos Campos de Pelennor) parecem estar mais proximamente alinhadas com a idéia de previsão, embora esses (primitivos) povos tenham estado mais intimamente direcionados a conselhos sutis dados por Ilúvatar (ou os Valar).

    E sobre as palavras de Elrond acerca do Condado, e seu desejo de enviar Merry e Pippin de volta como mensageiros? Tolkien não revela quanto Elrond sabe (ou descobre) das atividades de Saruman em Eriador. Mas Gandalf e Aragorn estavam cientes do crescente interesse no Condado. Gandalf pediu a Aragorn que aumentasse a guarda no Condado. Então, se Gandalf e Aragorn sabiam que alguém estava atento para algo, Elrond deve ter sabido, também, o que estava acontecendo. E a revelação de Gandalf acerca da traição de Saruman teria ajudado Elrond a concluir que o Condado não era mais um lugar seguro de influências externas. Sua preocupação é muito vaga, embora prove-se bem fundamentada.

    A advertência de Celeborn a Aragorn é outro exemplo da previsão élfica, e também é um pouco mais avançada que a previsão de Elrond. Celeborn explica a situação e sobre as terras para a Comitiva do Anel, dado o curso que eles haviam escolhido. E ele lhes dá mais tempo para pensar melhor sobre as escolhas que irão fazer ao dá-los barcos, então eles podem prosseguir para o sul pelo Anduin. Mas no final, ele aponta, eles devem escolher se irão para o leste ou ao oeste. E ele relembra Boromir que os velhos contos de avós podem guardar mais do que os Sábios acerca de determinados assuntos. Talvez a advertência de Celeborn para não passarem por Fangorn tenha sido um vislumbre de verdadeira previsão, onde os Valar ou Ilúvatar podiam estar sugerindo de forma vaga que os problemas estavam crescendo.

    A inabilidade de Elrond para ver com clareza o que irá acontecer nas terras onde a Sombra cresce implica em uma limitada capacidade de previsão. Isto é, se Ilúvatar o estivesse enviando visões, então por que seriam curtas? Malbeth parecia estar muito bem informado nos problemas de Estado e catástrofe. Sua previsão é quase como pré-conhecimento, e isso significa que ele estava recebendo suas visões de Ilúvatar, ou talvez de Manwë.

    Mas Tolkien diz que Ilúvatar intervém apenas após a morte de Gandalf. É nesse ponto que o plano dos Valar para derrotar Sauron falha. Por dois mil anos, então, os Valar estiveram conduzindo o espetáculo. O quanto eles sabem do que está por vir, e o quanto eles estão deduzindo? E eles devem estar deduzindo algumas coisas. De outra forma, por que iria Gandalf ser pego desprevenido pela traição de Saruman e a aparição do Balrog? A incerteza do plano dos Valar implica fortemente que eles não poderiam prever o final do conflito. A intervenção de Ilúvatar implica fortemente que ele queria que o conflito terminasse de uma determinada forma.
    [page]
    Ao falar sobre a recusa dos Valar em intervir diretamente em Beleriand antes do término da Primeira Era, Tolkien sugere que "a última intervenção com força física pelos Valar, que resultou na queda das Thangorodrim, pode então ser vista como não de fato relutante ou indevidamente postergada, mas precisamente ao seu tempo. A intervenção veio antes da aniquilação dos Eldar e dos Edain. Morgoth, apesar de logicamente triunfante, havia negligenciado a maior parte da Terra-Média durante a Guerra; e de fato ele havia sido enfraquecido: em poder e prestígio (ele havia perdido e falhado em recuperar uma das Silmarils), e acima de tudo, em mente ... A guerra foi bem-sucedida, e a ruína limitou-se à pequena (porém bela) região de Beleriand."

    Os Valar não foram, assim, sempre atuantes baseados no pré-conhecimento, ou previsão, mas ao menos em algumas ocasiões - especialmente depois que muito Tempo já havia passado - baseados em suas próprias deliberações. Eles estavam a calcular quando e o quanto deveriam intervir diretamente na História. Seu conhecimento do que estava por vir era incompleto, e tornando-se ainda mais incompleto com o passar de cada era. No fim, eles equivocaram-se (na verdade, eles calcularam mal mais de uma vez, mas Ilúvatar precisou intervir diretamente ao menos em duas ocasiões para preservar a ordem natural).

    O que parece ser profecia em muitas ocasiões, assim, resulta da imposição, quando é o produto de uma vontade maléfica como as de Melkor ou Sauron; ou da previsão, o cálculo do que deve ou pode vir a suceder-se baseado no conhecimento sobre os acontecimentos e pessoas; ou do pré-conhecimento, que é derivado da Música, da Visão, ou Ilúvatar; ou de Ilúvatar propriamente dito. Apenas deste é a verdadeira predição profética, mas profecia não é simplesmente predição. Profecia em seu sentido mais completo é revelação. Caso os Valar revelem algo a Elfos ou Homens, eles estão transmitindo conhecimento profético ou previsão.

    As limitações da previsão podem explicar por que Tom Bombadil não pôde oferecer aos Hobbits, muitos conselhos acerca de seu caminho. Ele não acreditava que os Nazgûl fossem incomodá-los durante um longo tempo (ele estava, na verdade, errado). Os Nazgûl estavam vigiando Bri quando Frodo e seus companheiros chegaram. Tom estava aparentemente contando com seu conhecimento sobre a região e as criaturas que conhecia. Sua experiência com os Nazgûl era limitada, e então, ele não era muito bom para predizer o que eles poderiam vir a fazer. E ele disse tanto quanto podia aos Hobbits.

    A incerteza das predições de Tom é compável com a incerteza das revelações do Espelho de Galadriel. Sua pequena bacia cheia dágua claramente revela acontecimentos, então as visões de Frodo e Sam percebem nele são profecias verdadeiras. Mas Galadriel os alerta que não é fácil descernir em que ocasiões as revelações são sobre o passado, o presente, ou o futuro. E ela também aponta que nem tudo "predito" pelo espelho vêm a acontecer. Então, qual a fonte das visões do espelho? Estará a magia de Galadriel captando pensamentos aleatórios de Ainur que dormem? Ou estaria Ilúvatar distribuindo visões como biscoitos-da-sorte?

    Internamente ao Conto do Tempo, profecias desempenham um papel variado que informa e ilumina, mas isso não domina. Em mãos erradas isso é tanto uma ferramenta de imposição, quanto evidência de imposição. Mas em boas mãos são um sinal do contínuo interesse e intervenção de Ilúvatar, que sozinho sabe como tudo irá arrumar-se. Mas, apesar de tudo, ele permite a todos os Filhos de seu pensamento, tanto Ainur quando Encarnados, que tomem suas próprias decisões.
     

Compartilhar