1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

As Pastagens do Céu (John Steinbeck)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Lucas_Deschain, 29 Jul 2011.

  1. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [size=medium][align=center]As Pastagens do Céu (The Pastures of Heaven, 1932)[/align][/size]

    [align=center]
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    [/align]

    Sinopse:

    [align=justify]Ao longo de doze histórias interligadas, tendo por cenário um vale fértil da Califórnia, John Steinbeck retrata, de forma deslumbrante, os fracassos e as fragilidades, os sonhos e as ilusões, que por vezes destroem insidiosamente as promessas das «pastagens do céu». Através da descrição de acontecimentos aparentemente irrelevantes que tantas vezes transformam de forma decisiva as vidas das pessoas, Steinbeck lança muitos dos temas que virão a marcar as grandes obras da sua maturidade. Cada uma destas histórias está ligada às restantes pela presença, em todas elas, dos Munroe, uma família cujo comportamento disfuncional e cuja falta de sensibilidade provocam, não raras vez, desastres e até mesmo tragédias. Pastagens do Céu é a crónica dramática de uma decadência, na qual, por culpa de alguns, vão pouco a pouco perecendo a harmonia e as esperanças que durante muito tempo estruturaram a vida de toda uma comunidade. «Ritmada, realista e cáustica, a escrita de Steinbeck é notável pela originalidade do seu estilo e das imagens de que faz uso, e também por um apuradíssimo sentido poético.» The New York Times Book Review [/align]

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    ---------

    [align=justify]Um livro muito gostoso e divertido. Apesar de ser um dos títulos menos conhecidos de Steinbeck (a edição é portuguesa) e ainda não ter aquela crueza de denúncia, indignação e sede de justiça que caracterizaria suas obras mais conhecidas, um livro que lida com várias questões interessantes, como a lógica dos sujeitos perante a lógica "oficial", as discrepâncias entre narrativas similares de prismas diferentes, histórias sensíveis sobre pessoas reais, simples mas sinceras. Leitura muito agradável.[/align]
     
  2. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    Vai ter resenha, Lucas?
    E o título é um dos mais lindos que já vi. :sim:
     
  3. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Podes crer que vai Clara. É um livro simples mas muito legal.

    Se tu quiser tem um na
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .
     
  4. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    Os primeiros livros de John Steinbeck possuem uma visão bastante diferente da visão crítica e engajada que ele assumiria de modo bem mais contundente em suas obras posteriores, principalmente a partir de 1936, com a publicação de Luta Incerta.

    Livros como Ao Deus Desconhecido e O Menino e o Alazão (ambos de 1933) revelam um lado mais sentimental de Steinbeck, um lado que revela uma certa nostalgia e reverência em relação à terra e à vida no campo. Os personagens desses livros mantêm profundo contato com a terra, se relacionam com ela diretamente, plantam, colhem, se preocupam com as chuvas e com as secas, tratam animais, capinam, aram, semeiam, enfim, encontram no cenário rural o palco onde suas trajetórias se desenrolam.

    Vale lembrar que o autor passou tanto a infância quanto a juventude vivendo na propriedade rural da família na Califórnia, no vale de Salinas, onde grande parte de suas histórias se ambienta (e se não ali, pelo menos nos arredores, como Monterey, por exemplo) sendo que, portanto, a visão nostálgica a qual me refiro é justamente essa que a própria vivência do autor lhe proporcionou.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar