1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

"As Melhores Coisas do Mundo" vence oito prêmios no Festival do Recife

Tópico em 'Cinema' iniciado por Roderick, 3 Mai 2010.

  1. Roderick

    Roderick Banned

    "As Melhores Coisas do Mundo" vence oito prêmios no Festival do Recife






    "As melhores coisas do mundo", filme de Laís Bodanzky sobre o universo adolescente já em cartaz no Brasil, foi o grande vencedor da premiação do Cine PE, o Festival do Recife, que se encerrou na noite deste domingo. O filme levou oito prêmios: melhor filme, direção, ator (Francisco Miguez, de 15 anos), roteiro, fotografia, direção de arte, edição de som e o prêmio da crítica.

    Com o arrastão de prêmios, o filme paulista deixou os outros na sombra. O irregular “O Homem Mau Dorme Bem”, de Geraldo Moraes (DF), ainda sem estreia definida, conseguiu três prêmios importantes: prêmio do público, ator coadjuvante (Bruno Torres) e atriz coadjuvante (Mariana Nunes). Paloma Duarte era a favorita disparada e levou o prêmio de atriz por seu papel no musical "Leo e BIa"
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    de Oswaldo Montenegro (RJ). O documentário “Sequestro” levou roteiro (dividido com “As Melhores Coisas”) e montagem.

    O grande injustiçado foi “Não se Pode Viver Sem Amor” (RJ), de Jorge Durán, um drama familiar com toques sobrenaturais que deu muito o que falar no festival. Não à toa, o filme venceu o prêmio da associação dos cineclubistas do Recife, que justificaram o prêmio como um filme “que permite uma rica reflexão”. Do júri oficial, só levou um estranho Prêmio Especial do Júri para o veterano Rogério Fróes. Ao subir ao palco, Rogério brincou: “Sabia que receberia um prêmio, mas pensei que dividiria com Paulo José o prêmio de melhor defunto do festival”. (Paulo faz o protagonista de “Quincas Berro d’Água”, exibido fora de competição). “Cinema de Guerrilha” (SP), documentário de Evaldo Mocarzel muito criticado no evento, foi o único longa da competição que não levou nenhum prêmio.

    De uma rica competição de curtas-metragens, que mostrou a vitalidade do formato no país e sinaliza uma grande safra de futuros diretores de longas, o júri premiou “Bailão” (SP), de Marcelo Caetano, curta em 35 mm que faz um sensível retrato dos gays de meia-idade que frequentam uma tradicional festa underground do centro de São Paulo. No mesmo formato, a crítica ficou com “Geral” (RJ), de Anna Azevedo, documentário fascinante sobre a Geral do Maracanã, desativada em 2005, cheio de rostos de torcedores aflitos e capazes de tudo por seus times. “Faço de Mim o que Quero”, um ousado e surpreendente retrato da cena brega no Recife, levou o Prêmio Aquisição do Canal Brasil.

    Entre os digitais, foram premiados os dois curtas mais interessantes da seleção: “Áurea” (RJ), de Zeca Ferreira, ficção com trechos de documentário sobre uma cantora de gafieira no Rio; e “Ensaio de Cinema” (RJ), de Allan Ribeiro, retrato da rotina de um casal gay que, sem sair de seu apartamento em Santa Tereza, mistura momentos banais do cotidiano com a filmagem imaginária de um curta-metragem cheio de som e fúria.

    Lista de premiados:

    LONGAS-METRAGENS
    Melhor Filme: As Melhores Coisas do Mundo, de Laís Bodanzky
    Direção: Laís Bodanzky, por As Melhores Coisas do Mundo
    Ator: Francisco Miguez, por As Melhores Coisas do Mundo
    Atriz: Paloma Duarte, por Léo e Bia
    Atriz Coadjuvante: Mariana Nunes, por O Homem Mau Dorme Bem
    Ator Coadjuvante: Bruno Torres, por O Homem Mau Dorme Bem
    Roteiro (prêmio dividido): Luiz Bolognesi, por As Melhores Coisas do Mundoe Wolney Atalla e Caio Cavechini por Sequestro
    Fotografia: Mauro Pinheiro Jr., por As Melhores Coisas do Mundo
    Montagem: Marcelo Moraes e Marcelo Bala, por Sequestro
    Trilha Sonora: Oswaldo Montenegro, por Léo e Bia
    Direção de Arte: Cássio Amarante, por As Melhores Coisas do Mundo.
    Edição de Som: Alessandro Laroca, por As Melhores Coisas do Mundo.
    Prêmio Especial do Júri: Rogério Fróes, por Não Se Pode Viver Sem Amor
    Melhor Filme/Júri Popular: O Homem Mau Dorme Bem
    Prêmio da Crítica: As Melhores Coisas do Mundo

    CURTAS EM 35mm
    Melhor Curta-Metragem: Bailão, de Marcelo Caetano.
    Diretor: Kleber Mendonça Filho, por Recife Frio.
    Atriz: Zezita Matos, por Azul
    Ator: Ricardo Lilja, por Amigos Bizarros do Ricardinho
    Roteiro: Kleber Mendonça Filho, por Recife Frio.
    Fotografia (prêmio dividido): Ivo Lopes Araújo, por A Montanha Mágica; e André Lavenère, por A Noite por Testemunha
    Direção de Arte: Juliano Dornelles, por Recife Frio
    Melhor Montagem: Lucas Gonzaga, por Amigos Bizarros do Ricardinho
    Trilha Sonora: Revertere AD Locum Tuum
    Edição de Som: Vinícius Leal e Jessé Marmo, por Geral
    Melhor Curta-Metragem/Júri Popular: A Noite Por Testemunha, de Bruno Torres
    Prêmio Especial do Júri: Circuito Interno, de Júlio Martí.
    Menção Honrosa do Júri: ZÉ(S), de Piu Gomes.
    Prêmio da Crítica: Geral, de Anna Azevedo.
    Prêmio Aquisição Canal Brasil: Faço de Mim o Que Quero, de Sergio Oliveira e Petrônio Lorena.

    CURTAS-METRAGENS EM DIGITAL
    Melhor Curta-Metragem Digital: Áurea (de Zeca Ferreira).
    Diretor: Allan Ribeiro, por Ensaio de Cinema.
    Roteiro: Maria Camargo, por Se Meu Pai Fosse de Pedra.
    Montagem: Luelane Corrêa, por Áurea (de Zeca Ferreira).
    Melhor Curta-Metragem/Júri Popular: Tanto, de Nataly Callai
    Prêmio Especial do Júri: À Fotografia de Áurea (de Zeca Ferreira).
    Prêmio da Crítica: Áurea, de Zeca Ferreira
    Menção Honrosa: Sweet Karolynne, de Ana Bárbara Ramos (PB).

    MOSTRA PERNAMBUCO

    Melhor Longa-Metragem: Porta a Porta, de Marcelo Brennand
    Melhor Curta-Metragem (1º colocado): Tereza – Cor Na Primeira Pessoa (Amaro Filho e Marcilio Brandão
    Curta-Metragem (2º colocado): Tchau e Bênção, de Daniel Bandeira



    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar