1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Notícias As marcas que já fizeram sucesso e desapareceram dos estádios brasileiros

Tópico em 'Esportes' iniciado por Fúria da cidade, 5 Abr 2017.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Na sexta-feira, publicamos a história das camisas listradas do Palmeiras fabricadas pela Rhumell, uma empresa polêmica que vestiu o time do Parque Antártica por uma década antes de deixar o futebol e mergulhar em uma crise econômica. A história fez surgir uma outra questão: que outras marcas brilharam nos estádios brasileiros e hoje não são mais lembradas?

    CCS: a marca das camisas piratas


    A CCS era uma confecção do Belenzinho que ganhou importância fazendo pirataria. Nos anos 90, ter acesso a uniformes de futebol era complicado e a empresa entrou no mercado fazendo camisas de grandes clubes a preços acessíveis.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    A era do marketing ainda engatinhava e não existia muito bem a noção do que era pirataria. Dentro dos clubes, não existia muito bem a noção de quais eram as suas propriedades e como aproveitá-las. Então, as camisas começaram a vender.

    Venderam tanto que a empresa ganhou porte e passou a vestir, de forma oficial, alguns clubes. Principalmente do Nordeste. O ponto alto da história da marca foi com o Vitória, em 1993: Dida, Alex Alves e Paulo Isidoro chegaram à final do Brasileirão com as três letras no peito. Hoje, a CCS não existe mais.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    (Antonio Gauderio/Folha Imagem)

    Dell’Erba e o título do Bragantino

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Uma das camisas mais marcantes do futebol paulista nos anos 90 é do Bragantino. O time campeão paulista em 1990 usava um uniforme cinza, preto e branco cheio de losangos que fez sucesso. A camisa carijó era um template da Dell’Erba, marca paulistana nascida na Lapa que hoje não existe mais.


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    (João Wainer/Folha Imagem)

    A Portuguesa também usou por anos uniformes da marca. Incluindo na campanha do Brasileirão de 1996, aquele em que chegou à final do Campeonato Brasileiro e foi derrotado pelo Grêmio. Como lembrou o Mantos do Futebol, a Dell’Erba também fazia camisas piratas de grandes internacionais, como essas do Ajax e do La Coruña.

    Amddma e mais um vice-campeonato


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    (Arquivo/Folha Imagem)

    O Santos, nos anos 90, vestiu três camisas da lista. De 1993 até 1995, foi Dell’Erba. Em 1996 e 1997, usou Rhumell. Entre essas duas, usou uma marca que deixou pouca saudade: a Amddma. O acordo durou apenas uma temporada, mas foi marcante: o time santista chegou até a final do Brasileirão e acabou derrotado pelo Botafogo em uma decisão polêmica.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Como conta o Mantos do Futebol, além de Santos, a marca ainda vestiu Ponte Preta, Bahia, Remo e Fortaleza.

    Champs e as meias emprestadas


    Mais recente, a Champs patrocinou o Vasco e o Vitória em 2008. O acordo com o clube carioca seria milionário, com a empresa pagando cerca de R$ 23 milhões. Mas após uma série de polêmicas e calotes, o acordo foi desfeito em um ano.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    O caso mais emblemático foi uma partida do Vitória em que o goleiro do clube atuou com meiões do Vasco – os únicos que a empresa entregou para os baianos. Além do dinheiro, o acordo com os clubes previa camisas mais baratas para a torcida e fornecimento de fardamento para as divisões de base. A fabricação e a distribuição das roupas, porém, nunca funcionou direito.

    Mais do que isso, a dona da empresa acabou presa alguns anos depois, acusada de ser a chefe de uma quadrilha de clonagem de cartões de crédito.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    ---------------------------------------------------------------------------------------------
     
  2. Eriadan

    Eriadan Bears. Beets. Battlestar Galactica. Usuário Premium

    Memorável esse "padrão eletrocardiograma" da CCS em 1993. A Champs não deixa nenhuma saudade: uniforme mais barato sim, mas também feioso, e empresa mais bagunçada que eu já vi, além de bandida.

    E histórica aí do Bragantino é um ícone do Cenas Lamentáveis. :lol:
     
  3. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Se era pirata ou não comprei camisa da CCS de boa sem pensar nisso. Pra mim foi a marca mais nostálgica dos anos 90.

    Engraçado é que o refri mais popular do mundo (Coca-Cola) já estampou várias camisas no Brasil, mas numa época que patrocínio de camisa não pagava cifras tão grandes como agora.
     
  4. fcm

    fcm Visitante

    Gostei das fotos antigas, ali do Galo era o Rodrigo Fabri x Doriva?
     
  5. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Eles mesmo. Se enfrentaram na semi do brasileiro de 96
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar