1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

As bestas aladas da ponte

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por imported_Makinary, 3 Set 2011.

  1. imported_Makinary

    imported_Makinary Cachorro novo

    Garet e Bran caminhavam por uma trilha numa floresta, trajavam roupas de pele um pouco primitivas, apesar dos colares e pulseiras ricamente adornados. Bran deveria ter quinze anos enquanto seu companheiro algo em torno de trinta anos. O garoto não se sentia muito a vontade, ele ouvia ruídos, cuja origem era desconhecida, e tinha a sensação de que era observado. Ele olhou para Garet, seu companheiro parecia está tranquilo.

    Apesar de ser dia um dia ensolarado não havia muita iluminação, as árvores bloqueavam um pouco da luz do sol. O local não era plano, eles estavam subindo, o que os cansava um pouco. No topo a luz viva do sol brilhava.

    Chegando lá eles se depararam com uma ponte, era notável que era velha mas ainda assim parecia segura.

    Os dois se entreolharam, Garet segurou uma das cordas e a puxou com força, nada aconteceu e ele balançou a cabeça com aprovação. Então disse:

    - Vamos.
    - Tem certeza?

    Não obteve resposta, seu companheiro avançou com cautela, ele segurava firmemente nas cordas e sempre analisava onde iria pisar. Então disse ao garoto:

    - Tenha cuidado para não pisar numa tábua podre, pode ser a última coisa que você irá fazer.

    A ponte balançava um pouco, o que era bastante natural, mas ainda assim assustava Bran. O garoto olhou para baixo e viu um rio, a distancia da ponte até o chão deveria ser de cem metros ou mais.

    - Ei! Não olhe para baixo. Você vai ficar tonto ou talvez fique paralisado. - Preveniu Garet.
    - Sim.
    - Vamos logo, não estou gostando desse lugar.

    Quando estavam no meio da ponte ouviram gritos inumanos vindo do céu. Os homens olharam para cima, mas a luz forte do sol feria seus olhos.

    - Bran, vamos, ande logo!

    Antes de chegarem ao outro lado uma criatura alada pousou em sua frente, deveria ter dois metros de altura, era magro, tinha pelos curtos e de cor marrom e tinhas asas de morcego.

    - Garet, o que é isso?
    - Pegue o arco! - Disse pegando seu machado de tamanho médio.
    - S-sim. - Falou pegando o arco de forma desajeitada.

    O animal deu um passo em direção aos aventureiros, ele abriu a boca mostrando seus grandes e finos dentes, o ângulo feito pela sua boca aberta era maior que qualquer animal que Bran já tivesse visto.

    - Bran, vamos nos afastar devagar. Nada de movimentos desnecessários.

    A cada passo que davam para trás a criatura avançava na mesma velocidade.

    - Não é ruim o peso adicional dessa coisa? - Perguntou Bran.
    - Temo que...

    Sentiram a ponte balançar, algo pousou atrás deles.

    Bran tremeu ao ver outro animal parecido logo atrás dele. A criatura era completamente branca, no lugar de um olho havia uma cicatriz e o outro olho era vermelho, característica marcante dos animais albinos.

    - Merda! - Gritou Garet. - Bran, agora não tem mais problema em fazer "movimentos desnecessários". Vê se da algum jeito no brancão enquanto eu vejo esse daqui.

    Quando o garoto posicionou a flecha no arco o animal albino se posicionou para correr e fez algum som, no mesmo momento a outra criatura repetiu a atitude.

    A ponte balançando e a besta em movimento não era algo favorável a um arqueiro, mas Bran, apesar da pouca idade, era habilidoso; ele atirou uma flecha no único olho do animal, a criatura deu um grito que feriu a alma do garoto.

    Ao virar-se para seu companheiro ele o viu no chão com a fera sobre ele, Garet se protegia com seu machado enquanto a fera só conseguia morder sua arma. Bran pegou outra flecha para atirar no animal, mas antes que fizesse isso sentiu quatro facas penetrando o seu ombro direito, sendo que três perfuraram a parte da frente e uma atrás. Era a criatura albina que o agarrou.

    Ouviu-se sons de cordas se partindo.

    Garet segurava o machado com as duas mãos, felizmente sua arma era feita apenas de ferro, se o cabo fosse de madeira já teria se partido. A criatura largou o machado e foi dar outra investida, mas antes que conseguisse morder o rosto do homem recebeu uma machadada no meio da cara. A fera cambaleou e caiu da ponte.

    Bran lutava para se livrar das garras do animal, a dor era insuportável, a criatura o tinha levantado e levado a mão que segurava o rapaz para o lado de fora da ponte. O monstro não o atacava, estava tentando se livrar da seta que estava presa no lugar onde havia um olho. O garoto não estava mais com o seu arco, ele tinha caído cem metros abaixo.

    - Bran! Tenha calma, irei lhe ajudar.

    Garet sacou uma faca e correu, a ponte balançava bastante, seria difícil se aproximar. Antes que pudesse fazer algo a criatura o atacou com sua mão deixando no peito do homem a marca de três garras. No local onde Garet caiu as madeiras quebraram, uma tábua teve uma queda de cem metros.

    Mais sons de cordas se partindo.

    Bran voltou a si, lembrou-se que carregava uma faca e a pegou com a mão esquerda. Sem hesitar apunhalou o braço branco do monstro, a criatura o soltou. Em condições normais o braço estaria quase inutilizado por causa da dor do ombro, mas o desejo de viver agendou o descanso do o ombro para outra hora, o garoto segurou o braço da criatura com a mão direita e segurou o punho da faca, que estava fincado na criatura, com a outra mão.

    Garet viu a criatura gritando de dor, a tábua que a sustentava quebrou e o mostro caiu. Bran estava para ser puxado junto, mas soube se soltar no momento certo, apesar de ainda assim ter ficado pendurado, se segurando numa tábua enquanto os seus pés eram recebidos pelo vento da morte.

    A ponte começava a se acalmar, Garet correu em direção a seu amigo e agarrou sua mão.

    - Ande logo, Bran. A tábua que sustenta a mim e a você não vai durar muito.
    - Não precisa avisar isso.
    Garet puxou o garoto. Mais sons de cordas se partindo, a ponte pareceu ceder um pouco.
    - Corra! - Gritou Garet.

    A ponte se partiu no meio, os dois aventureiros conseguiram se segurar. Bran se segurava com dificuldade. Garet subiu primeiro e depois ajudou o garoto.

    - Sobrevivemos, teremos uma boa história. - Disse Garet.
    - Sim. Ai, está doendo.
    - Agora que você disse, sinto meu corpo quente, como se ele ardesse em chamas.
    - Também penso assim, será algum veneno?
    - Ora, poupe-me, Bran. Vamos, devemos tratar nossos ferimentos o quanto antes. Vamos ver se achamos alguma vila.

    E os dois aventureiros prosseguiram em sua viagem. Tempos depois, os viajantes que passavam por aquela região traziam histórias de duas criaturas aladas que atacavam por ali, uma com cicatrizes no ombro e o outro com a marca de três garras no peito.
     

Compartilhar