1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

As 5 Melhores (94ª Semana) - Elis Regina

Tópico em 'Música' iniciado por Fúria da cidade, 3 Jun 2015.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Elis Regina
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Elis Regina Carvalho Costa (Porto Alegre, 17 de março de 1945 — São Paulo, 19 de janeiro de 1982) foi uma cantora brasileira. Conhecida por sua presença de palco, sua voz e sua personalidade. Com os sucessos de Falso Brilhante e Transversal do Tempo, ela inovou os espetáculos musicais no país e era capaz de demonstrar emoções tão contrárias, como a melancolia e a felicidade, numa mesma apresentação ou numa mesma música.

    Como muitos outros artistas do Brasil, Elis surgiu dos festivais de música na década de 1960 e mostrava interesse em desenvolver seu talento através de apresentações dramáticas. Seu estilo era altamente influenciado pelos cantores do rádio, especialmente Ângela Maria, e a fez ser a grande revelação do festival da TV Excelsior em 1965, quando cantou "Arrastão" de Vinicius de Moraes e Edu Lobo. Tal feito lhe conferiu o título de primeira estrela da canção popular brasileira na era da TV.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Enquanto outras cantoras contemporâneas como Maria Bethânia haviam se especializado e surgido em teatros, ela deu preferência aos rádios e televisões. Seus primeiros discos, iniciando com Viva a Brotolândia (1961), refletem o momento em que transferiu-se do Rio Grande do Sul ao Rio de Janeiro, e que teve exigências de mercado e mídia. Transferindo-se para São Paulo em 1964, onde ficaria até sua morte, logrou sucesso com os espetáculos do Fino da Bossa e encontrou uma cidade efervescente onde conseguiria realizar seus planos artísticos. Em 1967, casou-se com Ronaldo Bôscoli, diretor do Fino da Bossa, e ambos tiveram João Marcelo Bôscoli.

    Elis Regina aventurou-se por muitos gêneros; da MPB, passando pela bossa nova, o samba, o rock ao jazz. Interpretando canções como "Madalena", "Como Nossos Pais", "O Bêbado e a Equilibrista", "Querelas do Brasil", que ainda continuam famosas e memoráveis, registrou momentos de felicidade, amor, tristeza, patriotismo e ditadura militar no país. Ao longo de toda sua carreira, cantou canções de músicos até então pouco conhecidos, como Milton Nascimento, Ivan Lins, Renato Teixeira, Aldir Blanc, João Bosco, ajudando a lançá-los e a divulgar suas obras, impulsionando-os no cenário musical brasileiro. Entre outras parcerias, são célebres os duetos que teve com Jair Rodrigues, Tom Jobim, Wilson Simonal, Rita Lee, Chico Buarque e, por fim, seu segundo marido, o pianista César Camargo Mariano, com quem teve os filhos Pedro Mariano e Maria Rita. Mariano também ajudou-a a arranjar muitas músicas antigas e dar novas roupagens a elas, como com "É Com Esse Que Eu Vou".

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Sua presença artística mais memorável talvez esteja registrada nos álbuns Em Pleno Verão (1970), Elis & Tom (1974), Falso Brilhante (1976), Transversal do Tempo (1978), Saudade do Brasil (1980) e Elis (1980). Ela foi a primeira pessoa a inscrever a própria voz como se fosse um instrumento, na Ordem dos Músicos do Brasil. Elis Regina morreu precocemente em 1982, com apenas 36 anos, deixando uma vasta obra na música popular brasileira. Embora haja controvérsias e contestações, os exames comprovaram que havia morrido por conta de altas doses de cocaína e bebidas alcoólicas, e o fato chocou profundamente o país na época.

    Em 2013, foi eleita a segunda melhor voz da música brasileira pela revista Rolling Stone, superada apenas por Tim Maia. Elis foi citada também na lista dos maiores artistas da música brasileira, ficando na 14ª posição, sendo a mulher mais bem colocada. Em novembro do mesmo ano estreou um musical em sua homenagem Elis, a musical.

    Discografia:

    Álbuns de Estúdio

    1961 - Viva a Brotolândia
    1962 - Poema de Amor
    1963 - Elis Regina
    1963 - O Bem do Amor
    1965 - Samba - Eu Canto Assim
    1966 - Elis
    1969 - Elis - Como e Porque
    1970 - Em Pleno Verão
    1971 - Ela
    1972 - Elis
    1973 - Elis
    1974 - Elis & Tom (com Antônio Carlos Jobim)
    1974 - Elis
    1976 - Falso Brilhante
    1977 - Elis
    1979 - Essa Mulher
    1980 - Saudade do Brasil
    1980 - Elis

    Ao Vivo

    Em Vida

    1965 - Dois na Bossa (com Jair Rodrigues)
    1965 - O Fino do Fino (com Zimbo Trio)
    1966 - Dois na Bossa nº 2 (com Jair Rodrigues)
    1967 - Dois na Bossa nº 3 (com Jair Rodrigues)
    1970 - Elis no Teatro da Praia
    1978 - Transversal do Tempo

    Póstumos

    1982 - Montreux Jazz Festival
    1982 - Trem Azul
    1984 - Luz das Estrelas
    1995 - Elis ao Vivo
    1998 - Elis Vive

    Compactos

    Simples

    1961 - Dá Sorte / Sonhando
    1961 - Dor de Cotovelo / Samba Feito pra Mim
    1962 - Poporó Popó / Nos teus Lábios
    1962 - A Virgem de Macarena / 1, 2, 3 Balançou
    1965 - Menino das Laranjas / Sou sem Paz
    1965 - Arrastão / Aleluia
    1965 - Zambi / Esse Mundo É Meu / Resolução
    1966 - Canto de Ossanha / Rosa Morena
    1966 - Ensaio Geral / Jogo de Roda
    1966 - Upa, Neguinho / Tristeza que se Foi
    1966 - Saveiros / Canto Triste
    1967 - Travessia / Manifesto
    1968 - Yê-melê / Upa, Neguinho
    1968 - Samba da Benção / Canção do Sal
    1968 - Lapinha / Cruz de Cinza, Cruz de Sal
    1969 - Casa Forte / Memórias de Marta Saré
    1969 - Tabelinha Elis x Pelé (Perdão Não Tem / Vexamão) Elis cantando duas músicas de Pelé
    1972 - Águas de Março / Entrudo
    1972 - Águas de Março / Cais
    1979 - O Bêbado e a Equilibrista / As Aparências Enganam
    1980 - Moda de Sangue / O Primeiro Jornal
    1980 - Alô, Alô Marciano / No Céu da Vibração
    1980 - Se Eu Quiser Falar com Deus / O Trem Azul

    Duplos

    1966 - Menino das Laranjas / Último Canto / Preciso Aprender a Ser Só / João Valentão
    1966 - Pout-Porri de Samba / Sem Deus, com a Família / Ué
    1966 - Saveiros / Jogo de Roda / Ensaio Geral / Canto Triste
    1968 - Deixa / A Noite do meu Bem / Noite dos Mascarados / Tristeza
    1969 - Andança / Samba da Pergunta / O Sonho / Giro
    1970 - Madalena / Fechado pra Balanço / Falei e Disse / Vou Deitar e Rolar
    1971 - Nada Será como Antes / A Fia de Chico Brito / Osanah / Casa no Campo
    1972 - Águas de Março / Atrás da Porta / Bala com Bala / Vida de Bailarina
    1975 - Dois pra lá, Dois pra Cá / O Mestre-sala dos Mares / Amor até o Fim / Na Batucada da Vida
    1976 - Como Nossos Pais / Um Por Todos / Fascinação / Velha Roupa Colorida

    Outros lançamentos, contendo registros inéditos em LP's

    1968 - Elis Especial
    1969 - Elis Regina & Toots Thielemans — gravado na Suécia e lançado originariamente na Europa. Lançado no Brasil apenas em 1978. Também lançado com o título Aquarela do Brasil.
    1969 - Elis Regina in London — gravado e lançado originariamente na Europa. Lançado no Brasil apenas em 1982.
    1975 - Música Popular do Sul 1 - pela gravadora Discos Marcus Pereira com compositores e intérpretes gaúchos. Elis canta 4 canções: Boi Barroso, Alto da Bronze, Porto dos Casais e Os Homens de Preto.
    1975 - O Grito - Som Livre. Trilha sonora da telenovela O Grito, que inclui Um Por Todos com letra e instrumental diferentes das apresentadas no álbum Falso Brilhante.
    1979 - Elis Especial — disco lançado à revelia de Elis, reunindo faixas que não entraram em seus LPs anteriores.
    1981 - Brilhante - Som Livre. Trilha sonora da telenovela Brilhante contendo a última gravação em estúdio de Elis, a música Me Deixas Louca.
    2002 - 20 Anos de Saudade - Universal. Coletânea de gravações de diversos compactos e participações em outros discos coletivos das décadas de 60 e 70.
    2006 - Pérolas Raras - Universal. Coletânea de gravações de diversos compactos e participações em outros discos coletivos das décadas de 60 a 80.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Comentários: Quando a Elis partiu, na época eu tinha apenas 8 anos, mas me lembro da comoção nacional nesse dia, ainda mais que meus pais eram grandes fãs dela e até hoje fazem questão de ouvir as canções preferidas dela de vez em quando no bom e velho vinil.

    Ainda que eu tenha curtido pouca coisa enquanto ela era viva, pra mim sempre ficou aquele sentimento, de querer ter visto ela muito mais vezes, principalmente nos grandes festivais onde já fez duetos épicos com os maiores nomes da MPB, Tom Jobim, Vinicíus, Jair Rodrigues entre outros.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Foram tantos nomes e ela brilhando sempre! Ficou pra eternidade obras preciosíssimas que o tempo jamais apaga. Uma voz única e um talento genial que marcou época.

    Segue abaixo as minhas 5 preferidas:

    1º Casa no Campo

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    2° Atrás da Porta


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    3° Romaria

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    4° Alô Alô Marciano

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    5° Como nossos pais

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Ótimo Ótimo x 3
  2. Indu

    Indu MANDALORIAN

    Como eramos Elises.

    Eu adoro Elis, sua voz e suas musicas são extremamente bonitas. O bom que seu legado não morreu com ela, seu filho mais velho, João Marcelo Boscoli, constantemente nos traz a tona algum trabalho não publicado dela, ou cria algum disco com algum tema.
     

Compartilhar