1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Arthur e os Minimoys (Arthur et les Minimoys, 2006)

Tópico em 'Cinema' iniciado por Primula, 2 Abr 2007.

  1. Primula

    Primula Moda, mediana, média...

    Bem, não fui assistir Esparta, porque não tinha 1) companhia para comentar o filme depois e 2) não queria morrer naquela fila horrível.

    Então fui assistir Arthur e os Minimoys :dente:

    O meu maior problema na vida é querer assistir filmes que ninguém quer assistir comigo. Os amigos homens aguentam eu querer assistir Sin City e Kill Bill, mas as amigas mulheres normalmente não encaram filmes infantis comigo *snif*

    Mas então lá fui eu!

    Pra começar, eu levei um susto. Tipo, sem ver sinopse nem nada o filme começa com a Mia Farrow gritando na minha cara. "WTH, eu pensei que fosse algo tipo Muppets, ou Dark Cristal". Mas deixei quieto e fiquei assistindo.

    Tudo muito cliche, o menino fazendo 10 anos de niver e papai-mamãe idiotas longe, um vilão que quer tomar a casa, etc. :roll:

    Mas então as coisas viram de ponta cabeça. E eu pensei "oh, não, um Querida encolhi as crianças!"

    Mas também não foi isso!

    Tudo no tamanho pequeno tem um nome diferente do que tinha quando tinha tamanho grande. E aí começam as pequenas surpresas.

    Primeiro a postura da princesa durona. Tudo bem, é lugar comum, mas a postura era me familiar e não era da princesa Leia.

    O que foi a pista fatal foi o Max, como rapper naquela danceteria. Aí sim eu percebi! Os personagens eram caracterizações de pessoas do mundo real!

    E quando Arthur voltou ao normal, percebi onde o menino me era familiar! Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate.

    E nos créditos tudo fez sentido. Tudo bem que vi a versão dublada, mas o trejeitos físicos de Madonna, de Snoopy Dogg e de David Bowie percebi que ficaram realmente perfeitos na animação. Outros também fizeram sua participação, mas então eram atores e não mantiveram suas personas - antes fizeram personagens - e por isso não os reconheci.

    Final Feliz, humor barato, mas no final foi divertido.

    PS: Apesar do non-sense daqueles negões sarados gostosos (lembram-me o Kabral) terem uma tribo em Connecticut, achei muito divertido a suspensão de realidade para conseguir ter uma fábula moderna... bem não tão moderna, porque ambientada em algum lugar em torno de 1950.
     
  2. Ivan_RF

    Ivan_RF Usuário

    Hummm.... vou esperar sair em dvd para alugar.
     

Compartilhar