1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Ardil 22 (Catch 22)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Mavericco, 16 Nov 2010.

  1. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    [align=center]
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    [/align]

    Ardil 22 é um livro escrito por Joseph Heller, que possui como foco uma sátira à mentalidade militar bem como à mentalidade social vigente durante épocas de guerra. O livro é também caracterizado por sua linguagem paradoxal e repetitiva, transformando a linguagem numa iconografia para a sátira em questão, visto que Heller pretende mostrar o qual ilógica, paradoxal e repetitiva é a guerra.

    No livro acompanhamos a saga de Yossarian, um bombardeador de B-25 da Força Aérea Americana, durante sua estada na Ilha de Pianosa, Itália. Mas não acompanhamos apenas a saga de Yossarian. Vários personagens aparecem, e cada um desses personagens reflete um protótipo de militar diferente, carregando consigo uma carga ácida de sátira. O simples nome "Major Major Major" já é, por si só, autoexplicativo. Um major que se chama Major Major; ou um major sedento pelo poder? A questão no livro é que estamos numa guerra. A linguagem satírica dá lugar, de hora em hora, a um retrato fidedigno do cenário de guerra, e ver os personagens pouco a pouco morrerem ou desaparecerem é bastante impactante, à medida que percebemos que estamos dentro duma chuva de balas e cadáveres, e todas as gargalhadas que demos páginas atrás estão manchadas de sangue, agora e para sempre...

    Mas o objetivo de Heller não é o de criar um cenário impactante e realista, transformando de seu campo de batalha uma descritiva desgraça humana, como se Heller fosse um Tolstói ou um Eça de Queirós e seus sertões. O objetivo de Heller não é também o de mascarar a realidade, sendo imparcial ou simplesmente satírico. Heller nos mostra a realidade da guerra a partir de caricaturas fortes, a partir de personagens e situações humorísticas, mas sem nunca perder sua essência de denúncia, de conscientização. O que Orwell mostrava com seu 1984 era um mundo próximo, terrível, avassalador, sufocante: não é á toa que Orwell pede mais ar alguns livros atrás. Mas Heller não quer sufocar nem aterrorizar seu leitor. A forma de pedir clemência de Heller é menos desesperada que a de Orwell. Fazer com que o leitor gargalhe e depois reflita, numa leitura ou numa releitura do livro, é a razão principal do Ardil 22. Acompanhar a crescente raiva de Yossarian ao ver o Coronel Cathcart aumentar o número de missões cada vez mais, é na verdade acompanhar duas faces distintas da guerra: se por um lado temos coronéis que querem apenas status e medalhas, reconhecimento e "honra"; do outro, temos soldados que morrem e dão sua vida no campo de batalha, que se protegem não atrás de maços maciços de aço, mas sim atrás de filhos, esposas, pais e mães. Mesmo que Heller trate esta situação de forma satírica, nós vamos aos poucos parando de rir da mesma piada, da mesma piada repetida e paradoxal, e vamos percebendo que a guerra não tem graça, e o humor do livro de Heller vai acabando á medida que o relemos. É isso o que Heller quer. Heller não quer que você ria da guerra para sempre. Ele quer que você chegue a um nível de conscientização anti-militar necessário para que você proteste, lute contra todo este jogo de carnificina; não que você se paralise de terror e simplesmente espere sua hora chegar, seu destino imutável.

    Certo, certo. Entendi. Mas porque Ardil 22? Ardil 22, no livro, é um conjunto de regras que cria a falsa ilusão de dar escolhas a um interlocutor, quando na verdade não existem opções. Por exemplo: se eu lhe oferecer um chocolate amargo e outro azedo, você tem, obviamente, duas opções, duas escolhas. Mas e se eu te disser que o chocolate amargo lhe causará câncer no cérebro e o azedo contém veneno de rato? Você, também obviamente, não vai pegar nenhum. Então... De quê adiantou eu lhe oferecer os chocolates e ter lhe dado a falsa ilusão de que possui duas escolhas? É mais ou menos assim que o Ardil 22 funciona. Heller aplica, implicitamente, o Ardil 22 ao próprio leitor. Ele dá opções, afinal. Você pode, ao ler o livro, se mostrar indiferente á guerra ou lutar contra a mesma. São duas opções. Mas se você acha humor no livro de Heller, o que é inevitável, você está caindo no Ardil 22. Rindo do livro, você está se conscientizando contra a guerra, pois as anedotas de Heller são contra a guerra. Assim, mesmo que você seja um veterano de guerra ao melhor estilo Rambo, estará caindo numa espécie de cilada ao ler e encontrar a veia sátira e humorística do livro, pois encontrar a mesma é cair no Ardil 22, ou seja, no pensamento anti-guerra, ou seja, no livro, ou seja, nos dias atuais, ou seja, na história.

    Afinal, ora pois, Ardil 22 possui tanto valor histórico quanto Guerra e Paz ou 1984 -- a diferença é que Ardil 22 cria este valor histórico a partir de uma cilada; uma cilada intransponível.
     
  2. .Penny Lane.

    .Penny Lane. Usuário

    Já ouvi falar nesse livro... mas só sabia que ele possuia um tom satírico. E também já tinha lido a definição das escolhas ilusórias... mas muito pouco.
    Estava pensando em comprá-lo, e seu tópico me deixou mais curiosa ainda. Acho que vou incluir na lista de futuras compras. =D
     
  3. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Pode comprar tranquila. A leitura é bastante agradável, e os livros do Heller são baratos em sites como o Estante Virtual. São baratos mesmo. Gold Vale Ouro, por exemplo, eu acho tranquilo por menos de 10 reais contando com o frete... :sim:
     

Compartilhar