• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Aragorn - Estudo de Caso - Juntando Apontes Arquetípicos com Temática Medieval, Psicológica, Biológi

Neoghoster Akira

Brandebuque
Das fontes de construção em Tolkien notam-se elementos comuns e arquetípicos de seu tempo:

"Archetypes are innate, universal psychic dispositions that form the substrate from which the basic themes of human life emerge. A group of memories and interpretations associated with an archetype is a complex, e.g. a mother complex associated with the mother archetype. Jung treated the archetypes as psychological organs, analogous to physical ones in that both are morphological constructs that arose through evolution. Being universal and innate, their influence can be detected in the form of myths, symbols, rituals and instincts of human beings. Archetypes are components of the collective unconscious and serve to organize, direct and inform human thought and behaviour. According to Jung, archetypes heavily influence the human life cycle, propelling a neurologically hard-wired sequence which he called the stages of life. Each stage is mediated through a new set of archetypal imperatives which seek fulfillment in action. These may include being parented, initiation, courtship, marriage and preparation for death. " (1)

Quando da construção de Aragorn há o Rei com mãos curativas, acompanhado das possibilidades que seu arquétipo representa, Healer (curandeiro), King/Queen (rei/rainha), Trustee (curador):
archetypes_icons_620.jpg

A possibilidade de personagem oposta em significado ao Aragorn se concretizava na pessoa de um Rei Numenoriano negro oposto em sentido, alguém que adoece um povo e não apenas deteriora/destrói o conhecimento mas também desfigura diretamente o corpo de Arda incluindo as pessoas.

Para que o rei de Gondor possa restaurar o que fora perdido Tolkien apresenta na origem do sangue élfico do personagem uma proposta de heráldica que ecoa vários elementos, os brasões medievais, designs da "rosa das estações" dos séculos 9 e 10 e noções arquetípicas da psicologia da época que influenciava não apenas Inklings como Owen Barfield, mas também todo tipo de gente de sociedades secretas como a Golden Dawn.


De fato, dentro de grupo influente nos conhecidos dele da época da Golden Dawn havia todo tipo de gente, tanto membros úteis e inofensivos quanto membros que auxiliavam os nazistas a buscarem a herança ariana num trabalho completo que parecia ser de interesse da classe erudita da época.

Tamanha concorrência para explorar um mesmo tema gerou frutos em diversas áreas como na genética e morfogenética e na verdade participava como um dos pontos do conflito da Segunda Gramde Guerra:

Nós temos então que um personagem se responsabiliza por apontar novamente para o caminho perdido, para a lembrança e restauração da forma esquecida. De fato há em Aragorn uma disposição equilibrada para recuperação de dons:

high-low-arousal.jpg


Jung's Stages of Development
Jung who foresaw the development of the human mind reaching a crescendo in the late middle age, when many chances in life have been taken or ignored and the person starts to wonder if their life is truly what it should have been. Here are the four Jungian Stages of Development:

Childhood
The 'archaic stage' of infancy has sporadic consciousness; then during the 'monarchic stage' of the small child there is the beginning of logical and abstract thinking, and the ego starts to develop.

Youth & Early Years
From puberty until 35 - 40 there is maturing sexuality, growing consciousness, and then a realization that the carefree days of childhood are gone forever. People strive to gain independence, find a mate, and raise a family.

Middle Life
The realization that you will not live forever creates tension. If you desperately try to cling to your youth, you will fail in the process of self-realization. At this stage, you experience what Jung calls a 'metanoia' (change of mind) and there is a tendency to more introverted and philosophical thinking. People often become religious during this period or acquire a personal philosophy of life.

Old Age
Consciousness is reduced in the last years, at the same time there is there acquisition of wisdom. Jung thought that death is the ultimate goal of life. By realizing this, people will not face death with fear but with the feeling of a "job well done" and perhaps the hope for rebirth.
...

Plotkin's Eight Stages of Eco-Soulcentric Human Development
Bill Plotkin in Nature and the Human Soul perceived a connection between Jung's archetypal conception of individual and collective evolutionary life aligned with the wild forces of nature. We continue to develop throughout our lives and each stage of our life has its own challenges and its unique rewards. His eight stages on the wheel of spiritual development are illuminated by the pairing of a human archetype with an ecological archetype:

The Innocent in the Nest (early childhood),
The Explorer in the Garden (middle childhood),
The Thespian at the Oasis (early adolescence),
The Wanderer in the Cocoon (late adolescence),
The Soul Apprentice at the Wellspring (early adulthood),
The Artisan in the Wild Orchard (late adulthood),
The Master in the Grove of Elders (early elderhood),
The Sage in the Mountain Cave (late elderhood).

A peregrinação de Aragorn, semelhante ao inferno de Milton é um diagrama em quatro partes que transita até o quinto elemento, o divino "quintessential":

O talento de Aragorn vai sofrer menos que o de pessoas comuns por ter que atravessar a incapacidade do mundo de lidar com cada fase da vida. Mas além da grande habilidade de Elessar há um elemento que não havia em Gandalf conforme o trecho do artigo abaixo:

The Hands of the King are The Hands of a Healer. Aragorn in The Houses of Healing.

...

It is the coming of the king that brings hope and meaning to the stricken. In their seminal work, King, Warrior, Magician, Lover Robert Moore and Douglas Gillette describe the energy of the King Archetype as being one that brings order and a sense that everything is in its right place without anything needing to be forced and as one that brings blessing and fruitfulness. It is not just Aragorn who brings this archetype to bear. We saw the impact that Théoden’s arising from his chair to lead his people once again had upon them. It was literally transformative. This transformation shows why Saruman and his agent, Wormtongue, put so much effort into unmanning the king. And now in the account of the events in the Houses of Healing Tolkien makes it clear that Gandalf is unable to heal those who have fallen under the Black Shadow. It is not that Aragorn has a magic that Gandalf does not have but that he can connect to the King Archetype in a way that Gandalf cannot. Aragorn is the king.

In English history the belief that the king or the queen was a healer persisted right into the 18th century and a liturgy for the royal touch was included in the Book of Common Prayer that was possessed by most literate people of the time. It was only with the growing influence of the Enlightenment that the monarch came just to make a gift of money instead of also laying hands upon the sick. The Queen still makes the gift in a service on Maundy Thursday each year. Shakespeare wonderfully describes the older practice in lines from Macbeth,

“Strangely visited people, all swol’n and ulcerous, pitiful to the eye, the mere despair of surgery, he cures, hanging a golden stamp about their necks, put on with holy prayers.”

It is this ancient belief that Tolkien draws upon here in the stories of Aragorn’s healings, and ancient belief that I would argue was seen at work in Viktor Frankl’s experience in the Nazi concentration camps. Frankl showed implicitly in a way that Moore and Gillette do explicitly that access to the King Archetype is available to all of us and will order, heal and bless.

...

https://stephencwinter.com/2017/03/...of-a-healer-aragorn-in-the-houses-of-healing/


Referências:

https://quadriformisratio.wordpress.com/2013/07/01/four-seasons/
https://quadriformisratio.wordpress.com/2013/07/01/the-curriculum-in-ancient-times/
https://quadriformisratio.wordpress.com/2013/07/01/886/
http://mind-development.eu/jung.html
https://www.etymonline.com/word/archetype
https://enthusiastical.wordpress.com/2013/05/23/its-all-in-the-stars/
http://www.davidboeno.org/rubriques/ignisaet.html
http://www.davidboeno.org/rubriques/espanaRes28f11p.png
https://www.abebooks.com/first-edit...agmaticon-Philosophiae-William/13752292858/bd
Lost Knowledge of the Imagination
https://books.google.com.br/books?id=WVoWXSd9owIC&pg=PA190&lpg=PA190&dq=archetypes+golden+dawn&source=bl&ots=fSXfHv3ksO&sig=U1-C7fetjeIuYhpM4W8azzIYstg&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjL07nm-ObYAhUFH5AKHdDmBQUQ6AEIKjAA#v=onepage&q=archetypes golden dawn&f=false
https://en.wikipedia.org/wiki/Astrology_and_the_classical_elements
https://iamheart.org/iam-u/courses/202_twelve_archetypes.php
https://media.springernature.com/full/nature-static/assets/v1/image-assets/pr2008102f1.jpg
The Essential Golden Dawn: An Introduction to High Magic
https://books.google.com.br/books?id=WVoWXSd9owIC&pg=PA190&lpg=PA190&dq=archetypes+golden+dawn&source=bl&ots=fSXfHv3ksO&sig=U1-C7fetjeIuYhpM4W8azzIYstg&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjL07nm-ObYAhUFH5AKHdDmBQUQ6AEIKjAA#v=onepage&q=archetypes golden dawn&f=false
https://stephencwinter.com/2017/03/...of-a-healer-aragorn-in-the-houses-of-healing/
 
Última edição:
  • Curtir
Reactions: Bel

Neoghoster Akira

Brandebuque
Tá, achei que dá um debate bastante interessante é que seria super massa analizar também outros personagens, mas fiquei com uma dúvida:


De onde surgiu isso do Aragorn ser Fleumático-Sanguineo??? Ele é um colérico-melancólico!

Sanando a sua dúvida Nienna, obrigado por comentar, foi para ilustração do trabalho de construção da psicologia do personagem a partir de um modelo equilibrado feito pelo autor usando recursos da época através desses eixos de personalidade. A imagem é mera citação para exemplo de um artigo e como não era de minha propriedade eu decidi que não editaria (mantive no original sem retoques para não perturbar a referência de outros casos). O Aragorn não é fleumático, não se preocupe. O arquétipo de homem ideal de Tolkien é que inspira alguém com o equilíbrio usando esses eixos. ;)
 

Neoghoster Akira

Brandebuque
A revista Mallorn abriu a todos os arquivos de ensaios sobre Tolkien gratuitamente de todos os anos e há um artigo do inverno de 2016 que traça a conexão Tolkien-Jung de forma muito parecida ao tratado aqui. Em especial fala de comentários de CS Lewis na influência:

Tolkien’s Jungian Views on Language
Nancy Bunting

Then where would Tolkien have learned about the Jun-gian view of the collective unconscious? The likeliest alter-native would be Jung’s article “Mind and the Earth” which was published in English in 1928. It was enthusiastically praised by C.S. Lewis in his paper “Psycho-analysis and Literary Criticism.”

While this paper was very critical of Freudian psychoanalysis, Lewis was “enchanted” by Jung’s concept of the collective unconscious, adding a caveat that “if it turns out to be bad science it is excellent poetry” (297). 2 Given C.S. Lewis's intense pleasure and approval of Jung's concept, it was likely he discussed its ideas in the Inklings writing group prior to his lecture and his publishing.3 This paper will only assume that Tolkien was familiar with “Mind and the Earth,” which gives a succinct summary of Jung’s views on the personal unconscious, the collective uncon-scious, myths and fairy tales, archetypes, and the effect of soil and climate on “a racial group” (135). In “Mind and Earth,” the collective unconscious is defined by contrasting it to “a superficial, relative, or personal, unconscious” as Freud had advocated (106). “The collec-tive unconscious, being an inheritance of the possibilities of ideas, is not individual but generally human, generally animal even, and represents the real foundations of the indi-vidual soul” (110). The collective unconscious as a “timeless and universal mind [...] seems to consist of something of the nature of mythological themes or images. For this rea-son the myths of peoples are the real exponents of the collec-tive unconscious” (111). Archetypes are “mythical motives in general,” and “the unconscious, as the totality of all arche-types, is the deposit of all human experience back to its most remote beginnings” (115, 116). Archetypes “are merely the forms that the instincts have assumed [...] the very source of the creative impulse” (117). They are the “fundamental elements” and “the roots of the mind [...] through which the mind is linked to nature” (118). Here would be the working definition of the collective unconscious that Tolkien would have used.

E:


...
Finally, Tolkien seemed to have his own idiosyncratic view of the connection or influence of land and mythology. Clyde Kilby cites from an unpublished letter of C.S.Lewis from June, 1930. Lewis reports that Tolkien:

"expounded on home and how the atmosphere of it must have been different in the days when a family had fed on the pro-duce of the same few miles of country for six generations, and that perhaps this was why they saw nymphs in the fountains and dryads in the wood - they were not mistaken for there was in a sense real (not metaphorical) connections between them and the countryside. What had been earth and air and later corn, and later still bread, really was in them. We of course who live on a standardized international diet [...] are artificial beings and have no connection (save in sentiment) with any place on earth. We are synthetic men, uprooted. The strength of the hills is not ours (Tolkien and The Silmarillion 70. Italics in the original). "

This view of how the produce of the land influences peo-ple clearly would apply to Tolkien’s mother’s family, the Suf-fields, who had lived for generations in Worcestershire. In these remarks Tolkien was clearly thinking of himself and his family. Tolkien’s view seems to be a variant of the Catho-lic doctrine of transubstantiation.
...
 

Paganus

Judeu macumbeiro
Não me surpreende, Tolkien era desses conservas lunáticos que idealizavam a vida no campo e abominavam tecnologia, seria fácil encontrar uma justificativa para isso nas ideias pseudocientíficas de Jung sobre inconsciente coletivo. E isso perpassa toda a obra, de uma forma mais ou menos sutil, é daí que vem o sentimento de aparente imobilidade tecnológica em milhares de anos. Exceção, talvez, de algumas civilizações élficas e de Númenor, mas sempre sob o signo do medo hubris, daquela maneira católica típica.

Inclusive essa ideia de 'Retorno do Rei', de medicinal e curativa até soteriológica, é uma ideia também messiânica, advém da interpretação cristã do Mashiach (Messias) como aquele que não apenas vai restaurar Israel (do Sul e do Norte, Gondor e Arnor, Judá e Israel) a partir da capital sagrada de Minas Tirith (Jerusalém), como inaugurar uma nova era de paz, prosperidade, fartura e fraternidade universal entre os povos e raças. É a própria Era Messiânica que, em termos teológicos cristãos, pode ser os mil anos de interregno entre a vinda do Anticristo e a Batalha final entre aquele e o Príncipe das Trevas. Para os judeus, é a própria Era Messiânica mesmo, e isso é confirmado pela centralidade mitológica que esse tema assume em um relato supostamente histórico como o da 'Guerra da Anel', é a realização das profecias messiânicas.
 

Neoghoster Akira

Brandebuque
Só fazendo um parênteses a respeito das palavras no final do ensaio dela. Se faz mister comentar antes que no texto (acessável pelo link) se apresenta o autor sob a identificação de credencial assinada por quem trabalha com psicologia oferecendo crítica em ciência a fontes produzidas por quem também trata da área de psicologia, quer dizer, um psicólogo atual versus Jung.

Nesse contexto eu relevo que antes de se abordar a questão central o leitor dos papers se lembre sempre das diferenças de percepção dentro da psicologia e fora dela em que se observa disputa entre profissionais e cientistas sobre a matéria psicologia poder ser vista como ciência (ou não) e inclusive aferirmos diariamente as intrigas da área, ponto que observado claramente na preocupação da psicóloga por se proteger ao se embasar em ciência. Um dos "flaks" contemporâneos das polêmicas viria de profissionais bem próximos, dos próprios psiquiatras. Tendo dito isso resta também comentar que certos assuntos internos da psicologia são ainda mais disputados do que a própria cadeira da psicologia.

Mas afora isso, da demonstração da percepção da autora, é prioritário considerar que a abordagem de CS Lewis no trecho nos apresenta uma direção bem mais útil no tratamento do conteúdo dos livros do que as polêmicas quando Lewis menciona que "mesmo sendo má ciência seria uma boa poesia".

É um aspecto, que bem notado pelo Lewis, não poderia ser deixado de lado por ter uma ótima poesia tanta beleza quanto uma equação física harmoniosa. A melhor ciência seria sempre muito poética mesmo quem metesse medo, ferisse ou fosse agradável (o universo a noite é pura poesia) e esse detalhe é dividido no sentido de compartilhamento entre os dois conjuntos. De que mesmo que não exista ciência, nas artes a fórmula pode ser funcional. Esta seria a limitação da abordagem científica proposta por Lewis.

Dentro da obra publicada sobre Tolkien se cita que ele era bem versado e lido em uma gama enorme de temas, tanto que o círculo dos Inklings é possível imaginá-los tendo um diálogo pessoal com Jung (ou qualquer homem erudito na época) com ampla troca de informações.

Estaríamos falando aqui de muitas facetas capazes de marcar um homem e não apenas a religião. Isso se entranha no próprio treinamento requerido pela função de oficial de inteligência britânica de Tolkien. Na época dele o exército dependia (e ainda hoje depende) do psicológico (psychological warfare) tanto quanto dos materiais bélicos pois que sem a moral a espinha estaria quebrada. A vida na guerra o marcou profundamente pois ele até enviava cartas em código para a esposa.

Quer dizer, Tolkien teria sido marcado pela guerra na luta da vida contra a morte na pele, poderíamos dizer que ele não apenas em teoria testou o aprendizado dele (na segurança de uma aula na igreja), mas que provavelmente experimentou o ideal do embate de um cristão que é testar a fé no campo de batalha real.

De minha parte acho difícil de imaginar alguém avoado e que mesmo assim correu em direção a ilusões nessas condições tão duras. Ele fez escolhas com mente clara e bem instruída.

Talvez depois de voltar do serviço ele tenha ficado mais soturno mas não incapacitado e muito menos louco (alguns ficam amargos ou enlouquecem e podem ser diagnosticados como perdendo o juízo).
 

Paganus

Judeu macumbeiro
Mas ninguém está negando a objetividade dele, não quis dizer que a religião o levou necessariamente nesse sentido, mas a ideologia o fez e a ideologia pode sim ser impulsionada por certas leituras teológicas e predisposições religiosas. Porque esse é o papel da ideologia, de encobrir, mascarar a realidade. A realidade de quem idealiza períodos históricos, bem de como quem os demoniza, e isso vai de períodos a elementos da técnica, da cultural, perpassa esse tipo de mascaramento. Mas nem foi uma crítica ao Tolkien, só alerto para manter esse sighting em vista, o das ideologias, que explica muito da posição do próprio Jung.

Quanto a essa conversa de ciência e poesia, geralmente vejo ela na boca de quem não faz ciência, mas gosta de determinar qual ciência é mais bonita ou mais feia, tendo como parâmetro os valores de cada um, geralmente de forma bem pouco científica. Eu costumo separar as coisas. A ciência pode ser bela ou feia, mas não é sua função. Bem como não é a de apontar a verdade (que é onde creio que os idealistas gostam de partir quando começam aquela estetização tediosa do conhecimento). A ciência tem sua função,a filosofia, outra, e a arte, ainda outra, e ainda que esses campos não sejam estanques, mas se imbriquem o tempo todo, ainda possuem funções muito claras, definidas e próprias. É a partir disso que digo que há pouca cientificidade em Jung, não é um percurso teórico empiricamente observável e falseável como o de Freud, é uma bela narrativa... mas não explica muita coisa.
 

Neoghoster Akira

Brandebuque
Eu entendi, mas achei importante pontuar porque a palavra "lunático" (ainda mais num ensaio debatendo psicologia) passa a impressão de que ele era só um desses coitados que viu um programa religioso na TV e resolveu doar até as cuecas para o dízimo. :D

A respeito de ideologias são uma parte dos valores. Os valores dele se apresentam indiretamente nos trabalhos deixados ao mesmo tempo em que se nota também nas obras uma oposição vigorosa a se sentir como uma marionete ou pessoa acomodada (na vida dele ele foi atrás da mulher mesmo ela já tendo partido pra outra). De fato, admite-se que haja vertentes de pacifismo que enxergam soldados apenas como fantoches conformados movidos por políticas que não entendem mas também é verdade que alguns grupos pacifistas atraem muita gente alienada que ignora a própria guerra dentro de si e da guerra na natureza optando pelo mais fácil (pessoas que se apegam a ideia do caminho mais fácil).

Sobre a conversa da poesia e ciência, aqui no caso se fala que o papel cabido a ciência e a poesia nas obras (que seja bem especificado) foi corretamente descrito na ocasião (de maneira entusiasmada) por Lewis e, ao que foi colocado nas palavras contidas da conclusão, a autora também reconheceu isto.

De fato a intersecção de poesia com ciência não precisa descrever apenas poesias que se refiram a beleza. Tolkien, nas referências góticas, se utiliza de poesia aterrorizante tanto quanto existe ciência que a uma pessoa não lhe pareça bonita, nem agradável, mas é eficiente e organizado. Na mente do leitor uma ótima poesia que não é ciência pode funcionar porque a mente dispõe de recursos ilimitados. Não há conflitos nesse ponto. Na verdade a poesia tem campo de liberdade que inclui a ciência sem depender dela pois trabalha com matéria abundante e flexível que é a livre imaginação. A mente concebe a poesia e a ciência sem problemas.

Sobre viés eu sou da opinião de que a percepção de que vem em grande quantidade apenas de leigos é falsa. Não é apenas da parte de quem não faz ciência. Há muitos cientistas produtores de ciência que são competentes e que simplesmente preferem os argumentos da reserva de mercado (mais do que se imagina).
 

Paganus

Judeu macumbeiro
Sim, não quis dizer beleza em sentido estrito, qualquer coisa que se refira à aesthesis, sem estar preso à ideia de cultivo do belo, proeminente na estética clássica. Mas mantenho o lunático, não usei em sentido pejorativo, é só porque é um pensamento sem cabimento nem muito embasamento na realidade, é mais um fetiche que qualquer outra coisa, independente do quanto você floreie isso com poesia e 'filosofia'. Eu falo isso porque duvido das capacidades de Lewis justamente por conta dessa incapacidade de separar a lógica e a justeza das afirmações de um senso estético muito particular, basta ver as representações da teologia cristã em Crônicas de Nárnia. É o mesmo tipo de sofisma que ele usa em Abolition of Man para justificar o inferno eterno, que é possivelmente a ideia mais horrenda e indefensável da teologia cristã.

Digo isso não como uma crítica ao cristianismo, ou mesmo ao Tolkien ou ao Lewis, mas que me preocupa essa floreio todo em cima de ideias patentemente anti-humanas. É como aqueles sujeitos que vêm falar que a Igreja 'humanizou' o Ocidente e dois minutos depois querem defender racionalmente infalibilidade papal e inferno eterno, como o balofo esquisito do Chesterton. Aí não desce.
 

Neoghoster Akira

Brandebuque
Bom que foi especificado, porque é forte e geral demais o termo lunático. No sentido amplo lunático seria aplicado a comportamento tolo, maníaco, irresponsável, estranho de alguém de pensamentos pouco lapidados, irracional e que não podia escolher (que sofre de um mal mental), não vejo como uma definição dessas se aplicaria a Tolkien com relação ao trabalho com o idioma (as obras estão dentro do trabalho), alguns diziam que ele era um "herege da linguagem" (herege no sentido de alguém que plenamente sabe o como e o porquê de manobrar as regras). Ele passava e repassava várias vezes uma página para aprová-la. Mas convenhamos que é área de fantasia, um escritor do estilo só se conteria se desejasse se conter porque afinal o gênero lhe dá carta branca (e é bom que seja assim). Se for no sentido excêntrico (incomum, mas produtivo) da loucura leve de um gênio poderia ser.

Sem entrar no mérito de ideias usadas em Nárnia ou no cristianismo, para ser justo que fique registrado que é preciso separar bem as habilidades do Lewis. A carta de onde o quote foi retirada a citação neste ensaio corresponde ao trabalho de Lewis falando em tom de crítico literário (referente a avaliação de textos de escritores tipo o Jung, afinal ele era professor de inglês na faculdade - Oxford e Cambridge) aonde ele era bem apreciado até fora do círculo de fãs ou daqueles que desgostavam dos contos dele, diferentemente da outra roupa que ele usava que era a de autor fantasia e que ele vestia quando ia escrever Nárnia:

", in addition to his panoramas of the history of literature and his contributions to scholarship, he was a superb practical critic. Virgil, Statius, Andreas Capellanus, Guillaume de Lorris, Guillaume de Digulleville, Chaucer, Lord Berners, Gavin Douglas, More andTyndale, Renaissance pamphleteers and theological polemicists, the Book of Common Prayer, Du Bartas, Sidney, Spenser, Marlowe, Chapman, Drayton, and Milton—this roll of honor names the writers on whom Lewis wrote superbly crafted literary appreciations."


No trabalho de crítica mesmo quem não curtia a fantasia apreciava o trabalho de crítica:

"AS Byatt – who hated the Narnia books even as a child, regarding them as "Christian armtwisting" – has the highest regard for Lewis's work as a critic, particularly The Allegory of Love. She recalls approaching him after a lecture and offering to continue its work. "He was quite keen. He said, 'You will of course have to learn Greek.' And I went to graduate school in America and I tried to learn Greek, but the central heating was so hot that I just leaned my face on the desk all the time and didn't hear the Greek."


Existiam outras roupas, a de poeta era a mais fraca, mas a análise do tipo que se lê aqui (conteúdo dos textos do Jung) era um ponto forte dele.
 
Última edição:

Paganus

Judeu macumbeiro
É, realmente voltamos ao problema da crítica literária, uma capa menos séria para que se possa viajar mais livremente na maionese, mas acho isso válido, de certa forma, desde que guardadas as devidas proporções. Pra mim o problema maior dessas caracterizações é que as diferenças de tom e narrativa acabem por ser relativizadas em função do gosto estético de cada um e se troque alhos por bugalhos.
 

Neoghoster Akira

Brandebuque
Tenho alguns livros do Maria Rilke em casa e ele é um bom escritor mas que depena críticas e críticos sem dó.

Eu até entendo aonde ele quer chegar mas é um esporte que tem que ter limites. A lógica natural da coisa (ou do negócio literário) demonstra que interpretar uma construção pronta tende a ser mais fácil do que criá-la do zero. O humorista mesmo vive desse tipo de processo, de pegar algo pronto e se divertir com ele.

É a ordem do universo. É uma escada ou gradação aonde é possível ter um técnico que seja muito bom em encontrar e ver o objeto mas que não é tão bom em fazer (mãos e olhos são domínios diferentes). Seria o papel chave da testemunha (no papel bíblico).

O que ocorre é que o grande significado da palavra interpretação é "tradução". Hoje em dia muitos críticos usam a palavra "interpretação" no sentido menor que é o de "opinião". Trabalhos científicos são críticas buscam interpretar a natureza no sentido de tradução.
 

Valinor 2021

Total arrecadado
R$250,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo