1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Após suicídio, Marrocos promete rigidez contra casamento pós-estupro

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 15 Mar 2012.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    [h=2]Garota de 16 anos se matou após seis meses casada com estuprador.
    Caso provocou indignação e iniciou debate sobre condição feminina no país.[/h]

    O governo do Marrocos anunciou nesta quinta-feira (15) que fará emendas à lei que permite que estupradores se casem com suas vítimas menores de idade, depois do suicídio de uma adolescente forçada a essa prática.

    Amina Filali, de 16 anos, se matou na semana passada em Larache, no norte do país, tomando veneno de rato, depois de passar seis meses casada com um homem que a violentara.

    O caso motivou um amplo debate sobre a condição feminina no país e sobre a lei em particular. Ativistas de direitos humanos dizem que ela viola os direitos da mulher e foi criada apenas para poupar a reputação da família da vítima.

    disse o porta-voz governamental Mustafa el Khalfi.
    afirmou ele a jornalistas.

    No Marrocos, vítimas de estupro enfrentam um estigma de vergonha e desonra. Juízes e policiais muitas vezes as tratam como suspeitas de terem consentido com o ato, e elas recebem pouca assistência social para reconstruírem suas vidas. O crime de estupro é punido com pena de cinco a dez anos de prisão, podendo dobrar se a vítima for menor.

    Em 2004, o mais ocidental dos países árabes aprovou uma lei que reconhecia direitos muito mais significativos para as mulheres do que em diversas outras nações islâmicas.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Kainof

    Kainof Sr. Raposo

    Credo, que notícia mal escrita, Morfindel, não entendi direito quase nada nessa confusão...

    Então, no mesmo site de notícias, mais sobre o caso e a prática:

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Não é olhar para outra cultura como bárbara, afinal, nós também temos nossos próprios problemas, bastante sérios, com respeito aos direitos humanos, mas isso é inaceitável, triste e revoltante.
     
    Última edição: 16 Mar 2012
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Não sabia que existia isso no Marrocos. Muito triste.
     
  4. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    A lei é a mais cínica possível, um jogo de compadrio para poupar a família disfarçado, no contexto cultural de lá, de "bênção" à mulher.

    E nem sei se o Marrocos é o mais ocidental dentre eles. Libano e Tunísia me passam uma impressão mais forte de ocidentalização.
     

Compartilhar