1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Autor da Semana António de Alcântara Machado

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Cantona, 28 Jan 2013.

  1. Cantona

    Cantona Tudo é História

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    António de Alcântara Machado
    (25.05.1901 - 14.04.1935)

    António Castilho de Alcântara Machado d’Oliveira berrou no planalto de São Paulo em 25 de maio do ano de 1901. Nasceu quatrocentão, carregando os genes de duas tradicionais famílias paulistas. Pelo tronco paterno, teve por bisavô José João Machado d’Oliveira, que além de historiador e geógrafo, foi presidente de cinco províncias naqueles tempos de Brasil-Colônia. O cargo de avô ficou para Brasílio Augusto Machado d’Oliveira, jurista, tribuno, professor da Faculdade de Direito de São Paulo e pai de José de Alcântara Machado d’Oliveira, que na Taubaté de Monteiro Lobato, pouso dos nossos bravos Bandeirantes, se encantou pelo rebolado discreto da saudosa Maria Emília de Castilho Machado, firmou compromisso, casou e contribuiu para o censo demográfico paulistano com quatro filhos: além do já citado António, Brazílio, José e Yolanda.

    Imbuído do peso de tão tradicional família, sempre com representantes nos postos de destaque, da Colônia à República, o menino estava bem encaminhado: ainda que fosse incompetente em tudo que tentasse, certamente ocuparia um cargo público, pelo sobrenome, que lhe garantisse o patamar e as citações nos jornais e revistas da época. Com a cara de bom moço, somado à inaptidão que quase sempre, quando acompanhada de grande soma financeira, desperta o desejo de se cuidar, ganharia com sobras o concurso de “Melhor Partido” promovido pela extinta A Cigarra, a revista Caras daqueles tempos. Mas, não foi esse o caso. António de Alcântara Machado era phoda. Com méritos, deixou o primário para trás no Colégio Stafford. O secundário, em parceria com um tal de Sérgio Buarque de Holanda, concluiu no Ginásio São Bento para, em seguida, cursar Ciências Jurídicas e Sociais na Faculdade de Direito de São Paulo, logo ali, no Largo São Francisco. Diplomou-se em 1923 e durante a graduação foi eleito orador oficial do Centro Acadêmico XI de Agosto, comandando as vaias naquela que entrou para a História como a Semana de Arte Moderna de 1922.

    É isso. No palco do Teatro Municipal, Mario, Oswald e Cia. receberam as negativas do homem que viria a ser um dos maiores nomes do Modernismo. É explicável: como todo movimento que se pretende revolucionário, a turma de 22 fez uso de radicalismos e agressividade, buscando a ruptura brusca com tudo que a antecedeu. Assim, as críticas e soluções elaboradas por um punhado de intelectuais, esnobes letrados e políticos, durante aqueles dias, não encontrou coro em António.

    Mas o tempo passou, os ânimos se acalmaram e as diretrizes foram se assentando, em compasso, como não poderia ser diferente, com as permanências e rupturas no corpo social e político: o Brasil, de industrialização incipiente, produz a migração do campo para a cidade, onde os conflitos patrão-empregado são mais visíveis que o do fazendeiro-camponês. Há, no urbano, o elemento imigrante e as teorias anarquistas, o grande inimigo interno da Primeira República. A política do café com leite já não se sustentava, criando as brechas para que a Revolução de 30 eclodisse. Essa, segundo alguns historiadores, representou no campo político o que a Semana de 22 representou para o cultural: a política trabalhista de Vargas suplanta o liberalismo excludente da República Velha, a questão da nação brasileira mestiça ganha força, virando a página que culpava a indolência negra/índia pelo nosso atraso – o que levou ao flerte das elites com o eugenismo. Tal busca pela “brasilidade” foi também o motor dos Modernistas que pretendiam a emancipação do colonialismo cultural. Foi essa busca, essa libertação, já com diretrizes firmadas, que promoveu, juntamente com a aproximação de Oswald, a guinada de António de Alcântara Machado para o movimento. É importante ressaltar que a “brasilidade” não se almejou apenas por questões estéticas e de linguagem. Havia o propósito maior, bem lembrado por Gilberto Freyre:

    “Sem esses estudos e essas sondagens não nos podemos considerar aptos a um esforço de reconstrução social que seja mais do que uma aventura de sentimentalismo ou de idealismo ligado à revolta em bruto dos explorados.”

    Ainda nesse ponto, mas abordando menos a função social do movimento, e sim algo referente à técnica, vale citar um trecho de António de Alcântara Machado acerca dos floreios linguísticos, cujo maior expoente era Coelho Neto:

    “ O literato nunca chamava a coisa pelo nome. Nunca. Arranjava sempre um meio de se exprimir indiretamente. Com circunlóquios, imagens poéticas, figuras de retórica, metalepses, metáforas e outras bobagens complicadíssimas. Abusando. Ninguém morria: partia para os paramos ignotos. Mulher não era mulher. Qual o quê. Era flor, passarinho, anjo da guarda, doçura desta vida, bálsamo de bondade, fada, o diabo. Mulher é que não. Depois a mania do sinônimo difícil. A própria coisa não se reconhecia nele. Nem mesma a palavra. Palavra. Tudo fora da vida, do momento, do ambiente. A preocupação de esconder, de colorir. Nada de pão pão, queijo queijo. Não senhor. Escrever assim não é vantagem. Mas pão epílogo tostado dos trigais dourados, queijo acompanhamento vacum da goiaba dulcifica, sim. É bonito. Disfarça bem a vulgaridade das coisas.”

    Deu-se então que o garoto, diplomado, nunca advogou. Desde os tempos de graduação, sempre andou às voltas com o jornalismo. A princípio, assinando a coluna de cultura do finado Jornal do Commercio. Exerceu no mesmo periódico, durante a Revolução de 24 em São Paulo, quando o governo arrumou as malinhas e se mandou do Palácio nos Campos Elísios para que a cidade, sob controle dos rebeldes, fosse bombardeada, a função de Redator Chefe. Ainda pelo Jornal do Commercio, viajou à Europa, passando por Portugal, França, Inglaterra, Itália e Espanha, redigindo crônicas sobre o tour, depois compiladas e editadas em livro, seu primeiro, Pathé- Baby, em 1926, com prefácio de Oswald de Andrade. Temos, aí, sua linguagem já econômica, sem floreios, direta, em textos de cunho nacionalistas: António se propôs a retratar o comum europeu, invertendo o binóculo e os medindo como éramos medidos: pelas mazelas, deficiências, problemas. Com isso pretendia, não o ufanismo que cega, mas o nacionalismo que mitiga complexos e possibilita o confronto com uma realidade deficiente, sem melindres, sem fatalismos, mas com possibilidade de melhora.

    Depois de Pathé-Baby, apresentou-nos suas obras de maior relevância na curta vida que viveu: Brás, Bexiga e Barra Funda, em 1927, e Laranja da China, em 1928.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    É de Brás, Bexiga e Barra Funda talvez suas melhores narrativas: Gaetaninho, o garoto que tem a vida abreviada pelo bonde e Carmela, a costureirinha da Barão de Itapetininga que mistura a inocência e sedução no seu rico corpinho.

    Nas estórias que compõem o livro, o autor trabalhou a linguagem seca e carregou em recursos de corte, como num filme, dando a impressão que a cidade não para e que a inclusão do imigrante, no caso o italiano e seus descendentes, se faz da mesma forma, veloz, crua, em reflexo, sem espaços para maiores questionamentos.

    É um painel perfeito da cidade que grita de dia e silencia de noite, com seus bêbados madrugadores que cantam para a lua. Uma São Paulo de despertar com o leiteiro e o verdureiro, terna, amável, mas que, após o primeiro apito da fábrica, se faz voraz. São Paulo das ruas de carros de boi contrastando com os bondes da Light e os automóveis: símbolos de pujança, de um progresso desejado por António, porém sem abrir mão das reflexões acerca dessa convivência homem-máquina, cuja relação se faz e se concretiza, diversas vezes, em fatalidade para os primeiros.

    Passando por essa cidade, o italiano, o ítalo-brasileiro que transforma e é transformado: a música, as expressões, a postura sentimental e explosiva, a capacidade e dedicação extrema ao trabalho, a lembrança da terra natal que pouco a pouco se esfumaça na nova pátria.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Laranja da China, mas que um tipo de laranja, era, na época, uma paródia do Hino Nacional Brasileiro. Nos primeiros acordes, as pessoas cantavam: "Laranja da China, Laranja da China, Laranja da Chiiiiiiiina”. Batizando o livro dessa forma, António debocha dos ufanistas que se cegavam aos problemas reais do Brasil. Composto por doze contos, cujos títulos são os nomes e as características do personagem tratado, temos mais um painel da São Paulo dos anos 20 do século passado, com sua rotina, seus costumes. O Patriota Washington retrata bem o ufanista daqueles tempos. Mas nem só de patriotadas se faz o livro: há, nele, um apanhado dos tipos característicos, não só da cidade, mas do próprio homem ao longo das eras. Todos atuais. Prova de que, embora a cidade tenha mudada à velocidade do pensamento, o interior de quem a habita é feito de transformações mais lentas.

    Postumamente, em diversas edições por diversas editoras, vieram compilações, como Mana Maria, contendo a novela que nomeia o livro e os Contos Avulsos, em 1936; Cavaquinho e Saxofone, de 1940, uma coletânea de crônicas e artigos de sua carreira jornalística, entre 1926-1935.

    Mas vou me deter em Novelas Paulistanas, pela Editora Itatiaia em edição de 1988, quando a professora Cecília de Lara adicionou contos inéditos a toda ficção de António de Alcântara Machado já publicada. Fazem parte das Novelas Paulistanas: Brás, Bexiga e Barra Funda; Laranja da China; Mana Maria; Contos Avulsos (As cinco panelas de ouro, Miss Corisco, Guerra Civil, Apólogo brasileiro sem véu de alegoria); Inéditos em livro (O mistério da Rua General de Paiva, Três milagres de Anchieta, um sem título, O nortista, fragmentos de Capitão Bernini).

    Em Contos Avulsos, destaque para As cinco panelas de ouro e Apólogo brasileiro sem véu de alegoria.

    No conto As cinco panelas de ouro, temos a mistura das primeiras impressões do espiritismo em terras paulistas com as articulações políticas de grupos rivais, onde os interesses privados superam o público.

    Em Apólogo brasileiro sem véu de alegoria... pô, vale a pena ler:

    Pra finalizar, antes de falar da morte precoce, temos o romance inacabado Mana Maria. Aqui, fica o impasse: uma parte diz que é inacabado porque o Toninho continuaria a estória; a outra, que classifica Mana Maria como novela, incluindo Cecília Lara – que manja pra cacete - diz que o “inacabado” foi mal interpretado. O António revia e revia, reescrevia e reescrevia antes de publicar. Quando botou Mana Maria no papel, fechou os olhos antes de levar a cabo esse seu hábito. Discussões de Academia... Falando propriamente do enredo, a novela tem na mulher e na cidade seus personagens. Os novos tempos vão alterando os costumes e a cidade, conservadora, de casarões fechados, ganha com a modernidade e a imigração, vida, música. Mana Maria representa esse conservadorismo que aceita e refuta tais mudanças. Ao mesmo tempo, é a imagem da mulher que assume as rédeas da família, dos negócios, porém se masculinizando, rejeitando a submissão paterna e conjugal, mas também o amor, não só idealizado, romântico, mas sexual. Por essa abordagem, levanta-se reflexões acerca do papel da mulher nessa nova São Paulo que surge a cada dia.

    António de Alcântara Machado foi regionalista. Nos seus Contos Avulsos, buscou outras paragens, mas a maior parte de sua produção se concentrou em São Paulo. Nas suas linhas, buscou retratar os costumes de sua gente, as crenças, as superstições, a religião, a musicalidade, as paixões. “Regionalismo que está todo na obra admirável de um José Lins do Rêgo, notadamente no “Ciclo da Cana-de-Açucar”, panorama de toda uma região e de toda uma época, do banguê à usina, ou seja, o esplendor e a decadência dos senhores de engenho. No “gauchismo” de Érico Verissimo, de “O tempo e o Vento”, o primeiro grande romance histórico da nossa literatura. No “mineirismo” de João Guimarães Rosa e Mário Palmério. No “paulistanismo” de António de Alcântara Machado. Regionalismo que é, em suma, mais do que uma afirmação nacionalista, porque atinge o universal", segundo Francisco de Assis Barbosa.

    António morreu prestes a completar 34 anos, vítima de complicações duma cirurgia para a retirada do apêndice, no Rio de Janeiro, onde tomaria posse como deputado, após participar ativamente da Revolução Constitucionalista de 1932.

    Obras do Autor:

    Pathé-Baby - 1926
    Brás, Bexiga e Barra Funda - 1927
    Laranja da China - 1928
    Mana Maria e Contos Avulsos - 1936
    Cavaquinho e Saxofone - 1940
    Novelas Paulistanas - 1961 (José Olympio); 1982 (Itatiaia, com inéditos)
    O Nortista, 1985, incorporado em Novelas Paulistanas, pela Itatiaia, 1988 - edição definitiva.

    Referências Bibliográficas:

    Mana Maria: A volta à serenidade, Cecília Lara.
    Brás, Bexiga e Barra Funda: uma sinfonia paulista, Cecília Lara.
    Retratos atuais de ontem, nota introdutória de Laranja da China, por Djalma Cavalcante.
    Novas propostas, nota introdutória de Contos Avulsos, por Djalma Cavalcante.
    Novelas Paulistanas, nota biográfica, por Francisco de Assis Barbosa.
    Novelas Paulistanas, nota sobre António de Alcântara Machado, por Francisco de Assis Barbosa.
     
    Última edição: 5 Mar 2013
    • Ótimo Ótimo x 8
    • Gostei! Gostei! x 4
  2. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    É António ou Antônio?
     
  3. Excluído046

    Excluído046 Banned

    É só chamar de Tony que fica tudo entei.
     
    • LOL LOL x 4
  4. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Taí um autor que eu pensei que não fosse gostar, justamente por escrever crônicas - na época eu não gostava do gênero. Foi o Toninho quem me fez gostar disso. :lol:
     
  5. Excluído046

    Excluído046 Banned

    Cara, isso magoooua. Como assim não gostava de crônicas :grinlove: ?

    Tony, Toninho, Tom, [putz, não sei mais apelidos para Antônio].
     
    • LOL LOL x 1
  6. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Eu tinha 16, gimme a break. :lol:
     
    • LOL LOL x 1
  7. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Tonho :g:
     
    • LOL LOL x 4
  8. Spartaco

    Spartaco James West

    Gostaria de salientar que Antônio de Alcântara Machado era filho de José de Alcântara Machado de Oliveira (1875-1941), que foi também escritor, além de jurista, professor e político brasileiro e que a pedido do governo federal, redigiu o projeto de Código Penal de 1939. Este projeto se transformou por decreto-lei no Código Penal vigente.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    Última edição: 29 Jan 2013
    • Gostei! Gostei! x 3
  9. fcm

    fcm Visitante

    Coloquei Brás, Bexiga e Barra Funda na lista de próximas leituras... moro bem próximo ao Bexiga, já comprei tecido no Brás e já fui na rodoviária da barra funda, então me considero apto a conhecer um pouco da história desses bairros.
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  10. G.

    G. Ai, que preguiça!

    Ah! Eu li Gaetaninho no ensino mérdio e adorei, mas nem lembrava mais do nome do autor :timido:
    Valeu, Cantona :D
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  11. Cantona

    Cantona Tudo é História

    É António, com agudo. E só descobri agora, relendo as obras. Por toda vida botei o circunflexo.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  12. Lynoka

    Lynoka Like a lady, ya!

    Pra quem nunca leu nada do Tonho, alguma indicação? :mrgreen:
     
  13. Cantona

    Cantona Tudo é História

    Brás, Bexiga e Barra Funda e Laranja da China.

    Tem uma edição da Ática que traz os dois e mais os Contos Avulsos.
     
    • Gostei! Gostei! x 3
  14. Cantona

    Cantona Tudo é História

    O António se foi cedo. E deixou um texto, datado de 1930 (publicado pelo O Estado de São Paulo em 1946), que revelava sua visão da morte:

     
    Última edição: 28 Set 2013
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar