1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Anticítera, computador anterior a Cristo

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por Haran Alkarin, 6 Dez 2006.

  1. Haran Alkarin

    Haran Alkarin Usuário

    Anticítera, um computador de 2 mil anos

    Cientistas acabam de concluir que um instrumento utilizado para cálculos astronômicos, construído por volta do século 2 a.C., era tão complexo que pode ser considerado precursor dos atuais computadores.

    Segundo o estudo, o Mecanismo de Anticítera, resultado da engenhosidade dos gregos antigos, era mais sofisticado tecnologicamente do que qualquer outro mecanismo inventado por qualquer outra civilização pelo menos nos mil anos seguintes. Os resultados da pesquisa estão na edição de 30 de novembro da revista Nature e serão comentados em uma conferência em Atenas, nos dias 30 de novembro e 1º de dezembro.

    O grupo, liderado por Mike Edmunds e Tony Freeth, da Universidade de Cardiff, no País de Gales, empregou tecnologias de imagem e de tomografia em raio X em alta resolução para estudar os fragmentos remanescentes do mecanismo.

    O dispositivo era capaz de calcular movimentos astronômicos com precisão notável, maior do que se supunha até agora. O computador mecânico permitia acompanhar os movimentos da Lua – inclusive recriando sua órbita irregular – , do Sol, de alguns planetas e até prever eclipses.

    O Mecanismo de Anticítera foi descoberto em 1901 por um grupo de mergulhadores que apanhavam esponjas próximo à ilha de Anticítera. As peças foram retiradas de um naufrágio a 42 metros de profundidade. A data estimada do naufrágio é 65 a.C.

    De acordo com o novo estudo, o achado consistia em um engenhoso arranjo com pelo menos 30 engrenagens de alta precisão, todas feitas de bronze. As peças ficavam dentro de uma caixa coberta com inscrições.

    Como o equipamento estava todo fragmentado – em 82 pedaços, o maior com 18 centímetro e alguns com menos de 1 centímetro –, havia muita controvérsia sobre suas funções específicas. O inglês Derek de Solla Price (1922/1983) foi quem mais se dedicou ao estudo do aparato, a partir do fim da década de 1950. Resultados de suas análises estão no livro Gears from the Greeks, de 1974.

    Mais valioso que a Mona Lisa

    No novo estudo, os pesquisadores foram capazes de reconstruir as funções das engrenagens e dobraram o número de inscrições decifradas nas peças – tais como “ponto estacionário”, “eclipse lunar” e “eclipse solar”. O número de engrenagens foi estimado em 37, contra as 29 propostas por Price. Reconstruções tridimensionais feitas em computador sugerem como o dispositivo pode ter funcionado.

    “Trata-se de um dispositivo extraordinário, o único do tipo. Além da precisão para fazer cálculos astronômicos, tinha um lindo desenho. A maneira como as partes mecânicas foi projetada é de cair o queixo. Quem quer que o tenha construído, o fez extremamente bem”, disse Edmunds, em comunicado da Universidade de Cardiff.

    Números representavam os movimentos dos planetas e engrenagens atuavam como representação mecânica das idéias aceitas no século 2 a.C., como a que considerava que as irregularidades dos movimentos da Lua no céu sobre a Terra se deviam a uma possível órbita elíptica do satélite.
    Os pesquisadores pretendem construir um modelo em computador com todos os movimentos do Mecanismo de Anticitera e, em seguida, uma réplica funcional.

    "O mecanismo levanta a questão de o que mais estava sendo feito naquele período [na Grécia Antiga]. Em termos de valor histórico, trata-se de algo mais valioso do que, por exemplo, a Mona Lisa.”

    O artigo Decoding the ancient Greek astronomical calculator known as the Antikythera Mechanism, de T.Freeth, M.G.Edmunds e colegas, pode ser lido por assinantes da Nature em
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .
    (Fonte: Agência Fapesp)

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Para saber mais vejam a matéria
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .
     
  2. Thor_theOld

    Thor_theOld Banned

    Será que foram os gregos, ou alguma civilização mais antiga que o construíu?
     
  3. Istui Gil-Eredh

    Istui Gil-Eredh Elder Elda

    Se os gregos não fossem dominados po Roma, Império Turco-Otomano e tantos outros, eles chegariam a lua antes de descobrirem a América.
     
  4. Elminster

    Elminster Usuário

    Mais que isso Istimo, os fenícios já conheciam a américa (Brasil).
     
  5. Istui Gil-Eredh

    Istui Gil-Eredh Elder Elda

    Enfim, gregos são demais. Olha quem fala :hihihi: :roll:
     
  6. Thor_theOld

    Thor_theOld Banned

    Eu sei que os gregos éram ou são demais, mas não haveria a possibilidade de a máquina ser de uma civilização ainda mais antiga?...
     
  7. Kainof

    Kainof Sr. Raposo

    Constatando que data de 2 mil a.C., acredito que seja grego sim. Ou alguém ali de passagem derrubou. :D
    Bom, mas fica em aberto ainda, já não existem registros de tal tecnologia entre nenhum povo do passado.

    :lol:
    Tinha que ser o Istimo...

    Suposições apenas. :roll: E das ruins...:tsc:
     

Compartilhar