1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Amarras

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por imported_helen, 30 Jun 2011.

  1. imported_helen

    imported_helen Usuário

    [align=center]

    Amarras

    Sorrio porquê não posso partir,
    Posso, mas não me atrevo,
    me perco nas horas distantes de letícia,
    não penso, não durmo, senão do avesso.

    A vida não esperará por mim,
    E eu não sei o que esperar dela,
    êxitos vãos, vãs escolhes eu fiz,
    e meu Cristo em que me converti
    hoje me cobra um preço altíssimo!

    A cruz é pesada, enorme, do tamanho de meu mundo!
    sou fraco, sou triste, sou um destemido covarde!!
    Preciso de uma saída, não quero esse degredo!
    Quero meu rio de lágrimas, corro, grito em silêncio,
    mas não sei chorar, não mais!

    Permanecerei imóvel, inabalável em nome dos outros?
    Não me posso enganar, sou franco ao espelho!
    Sou triste, mas sou um retrato feliz na cabaceira de alguém!
    Quero a fuga derradeira, a libertação total!
    Quero o gozo eterno de minha utopia!
    E os outros não me terão jamais!

    O sonho com um mundo encantado,
    Desenhado e moldado a amor,
    Embala o meu tímido sorriso!
    Meu mundo, onde eu,
    por ser exceção em essência,
    seria amado, compreendido.


    Sinto-me desesperadamente fraco,
    Posso ruir a qualquer instante,
    Confesso, eu preciso das palavras doces
    ao pé do ouvido, do ombro cúmplice e amigo,
    ou simplesmente me reinventar,
    surgi Fênix, um ser auto-suficiente!

    Falácia!! Falácia!

    Estou Fraco, desesperadamente sinto-me ruir!
    Mas ninguém me pode ver assim,
    Eu sou a farsa das farsas,
    Mas não me escondo de mim,
    não mais![/align]
     
  2. G.

    G. Ai, que preguiça!

    "Confesso, eu preciso das palavras doces
    ao pé do ouvido, do ombro cúmplice e amigo,
    ou simplesmente me reinventar,
    surgi Fênix, um ser auto-suficiente!"

    Gostei demais dessa parte!!!
    Bonito poema, profundo!!
     
  3. imported_helen

    imported_helen Usuário

    Valeu Gabriel!


    Abraços!
     
  4. rodrigoleles

    rodrigoleles Usuário

    Posso dar uma sugestão amigo?

    Tente agora bolar algo com uma estrutura mais rígida, por exemplo, 4 versos por estrofe (Quadra). Com este espaço mais limitado, você terá mais trabalho para encontrar as palavras certas pra acertar aquele rima desejada.
    É um bom exercício, e vai dar uma guinada na desenvoltura que você já tem.

    Parabéns e abraços.
     
  5. Rodovalho

    Rodovalho Usuário

    O poeta é um fingidor. O resto você sabe.
     
  6. imported_helen

    imported_helen Usuário

    Grande Rodolfo!!

    Rodrigo, eu confesso que normalmente eu não me prendo nem a rima, métrica ou quaisquer estruturas. Por incrível que pareça, eu hoje postei um poema com um pouco compromissado com isso.


    Grande abraço!
     
  7. rodrigoleles

    rodrigoleles Usuário

    Claro meu vélho.

    O poeta é livre para usar os recursos que achar melhor. Mas é importante você passar por diferentes tipos de arranjo para, aí sim, definir um estilo.
     
  8. imported_helen

    imported_helen Usuário

    Valeu Rodrigo!

    Grande abraço!
     

Compartilhar