1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Aluno agride professora em colégio de Santos (SP)

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Elessar Hyarmen, 21 Set 2012.

  1. Elessar Hyarmen

    Elessar Hyarmen Senhor de Bri

    Devido a uma discordância por causa da nota de um trabalho, um aluno de 15 anos e uma professora de Inglês protagonizaram uma briga dentro da sala de aula, no Colégio Santa Cecília, em Santos (SP). O aluno agrediu a professora e um dos alunos gravou o incidente. As cenas foram parar na Internet.

    O aluno admite que errou ao pegar o diário de classe e apagar as notas dos trabalhos, mas alega ter sido agredido pela professora. Nas cenas, ele fica descontrolado e precisa ser contido pelos colegas. O advogado da família diz que "o aluno está abalado e que estão sendo estudadas possibilidades de entrar com processo judicial contra a professora e contra a escola". A professora não quis comentar o caso.

    Por meio de nota, o Colégio Santa Cecília respondeu que, "sempre comprometida em agir com justiça, a escola abriu procedimento disciplinar interno para apurar as responsabilidades, garantindo aos envolvidos o direito ao contraditório e da ampla defesa. Após apresentação das manifestações, a escola decidirá sobre as eventuais penalidades a serem aplicadas.

    Cautelarmente, os envolvidos estão afastados, aguardando o resultado da apuração. Conhecemos a trajetória e o comportamento da professora, que sempre mereceu nosso respeito, e o histórico do aluno, assim como as versões dos que estavam presentes". (dica do Edson Pedro)

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    __________________________________________________ __________

    E os pais querem processar a professora. Legal meu Brasil!!!
     
    Última edição por um moderador: 5 Out 2013
    • Gostei! Gostei! x 2
  2. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    E os pais ainda defendem o monstrinho. Que exemplo de homem eles estão criando. Aliás, está na hora dos pais começarem a dizer mais não do que sim.
     
    Última edição: 21 Set 2012
    • Gostei! Gostei! x 2
  3. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Alguém sabe qual a agressão que ele sofreu? No Brasil professor já não é mais tratado com respeito, por culpa dos pais e do governo (todos eles) que estão pouco se lixando para educação.
     
  4. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Não acho que seja motivo para processo, mas a professora perdeu a razão no momento que começou a se atracar no chão com o piá. Na hora que ele puxa o caderno de notas para apagá-las eu já estaria indo buscar diretora/coordenadora para ver o show do moleque. De qualquer forma, sempre triste ver como os jovens estão sendo criados hoje em dia. A falta de educação em sala de aula não é novidade, eu vi muita coisa enquanto era aluna (de aluno chegar pra professora e dizer "Eu to pagando isso aqui!" para justificar uma má ação, ou até um grupo combinar de fazer MUITA bagunça só para fazer a professora desistir da turma). Mas naquela época parece que ainda havia um limite, não lembro de ver tantas notícias de agressão em sala de aula. E lembrando que não é só adolescente, não. Tem poucos anos um rapaz de um curso de educação física deu um tiro (isso mesmo, um tiro) numa professora por discordar da nota que ela tinha dado para ele.
     
    • Gostei! Gostei! x 6
  5. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    E pensar que constantemente não canso de receber incentivo de amigos e parentes pra dar aulas em escolas, pois no meu trabalho já pratico isso de forma individual ou com grupos muito reduzidos até no máximo 5 pessoas.

    mas quando vejo casos assim se tornarem cada vez mais comuns nas escolas, menos eu tenho a mínima vontade de sequer pensar em fazer isso, quanto mais executar na prática.
     
  6. Amon_Gwareth

    Amon_Gwareth Paragon

    tem que ver se ela já não tinha procurado em uma situação anterior, e tem que ver se as consequências dessa busca não deixaram o aluno achar que realmente podia dar o piti que queria, que nada aconteceria.

    escolas particulares são famosas por seguirem a regra "o cliente tem sempre a razão". lamentável.
     
    • Gostei! Gostei! x 4
  7. Fernanda

    Fernanda Andarilho de Eriador e

    Para mim o garoto já tinha que ter sido colocado para fora de sala quando começou o espetáculo, muito antes de pegar os diários.

    A sala parece que tá naquela zona de final de ano (tem um aluno com camisa de formando de 2011) quando a professora só está entregando as notas, mas não justifica aceitar o piti do boyzinho.

    O problema todo é que justamente quando começa a pancadaria não dá para ver na filmagem. Ele está apagando o diário (acho que só isso já seria um caso de processar o garoto, porque o diário de classe, se bem me lembro é um documento e ele estaria adulterando um documento) dá um apagão e depois os dois rolando no chão. Quem teve de ser contido a força foi o garoto, que já estava clarmente descontrolado antes, tudo indica que ele é o agressor.

    O que eu IMAGINO que aconteceu é que a professora tentou tomar o diário do aluno ele deve ter empurrado e partido para a agressão e ela rolou no chão com ele se defendendo. Mas é claro que não é essa a história que ele contaria para papai e mamãe, que afinal foram quem criaram a pessoa que acha certo fazer o que fez, então eles com certeza vão acreditar, ou fazer de conta que acreditam, e processar a professora e não corrigir o santinho deles.

    Para mim o erro da professora foi deixar chegar no ponto que estava. No momento que ele pegou o diário, no nível de descontrole que ele estava, eu teria chamado um disciplinário para segurar. Muito antes disso, antes dele chegar nesse ponto ela teria de ter cotnrolado, se não conseguiu, aí era chamar por ajuda mesmo.
     
    • Gostei! Gostei! x 5
  8. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    bem por aí. que fiquei claro: não defendo de maneira alguma a atitude do garoto, e espero que de alguma forma ele se ferre de verde e amarelo nessa história toda para ver se aprende a respeitar seus professores. seria loucura eu defender esta atitude pq eu sou professora. mas a questão de a situação poder ter sido evitada é uma realidade. por outro lado, tem uma questão que o amon levantou que merece ser considerada: e se ela já havia tentado alertar diretoria e afins sobre o garoto e não tivesse recebido nenhuma resposta humm.. efetiva? porque isso não é nem mal de escola pública, tem muita escola particular com um pessoal que parece na realidade validar aquela teoria do "to pagando faço o que quero". e aí gerações e gerações de moleques que fazem dessas e depois vão correndo para casa "abalados" vão se formando.

    mas eu confesso que estou curiosa para saber a natureza do processo contra a professora. agressão de menor?
     
  9. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Tem momentos que o aluno que é menor de idade se aproveita de sua condição para agredir ou se vingar dos responsáveis. . Certa vez eu saí com uma psicóloga que trabalhava no que antigamente era a Febem e ela dizia que as vezes saía roxa das agressões da molecada que se comportava pior que um cavalo. . O comportamento cavalar de muitas famílias desestruturadas cria filhos para serem desumanos e darem respostas desumanas porque a meninada sai na rua e aprende a ser cruel sem pensar duas vezes, odiando a si mesma sem saber que se odeia e ninguém fala isso pra elas com medo da arrogância que manifestam. São famílias em que o povo só aparece para o bem bom e na hora de enfrentar um problema todo mundo some. . Quando o problema aparece na escola a crise estoura na mão do professor porque nele foi depositada a pesada tarefa de identificar todo tipo de pendência da sociedade. Alguns estudantes tem problema de audição, outros problemas mentais, alguns com dificuldades na fala, outros com comportamento brutal. Alunos que vão para a escola já traumatizados, abusados em diversos níveis psicológicos e de relacionamento... Alguns deles são criminosos, outros são inseridos na escola contra a vontade e nunca conversaram a sério com alguém na vida. Não é a toa que na lista de profissões estressantes a de PROFESSOR é uma das 3 mais estressantes de todas, imagine ter que dar um rumo para quem não sabe o que é civilização, o que é um pediatra, um dentista, um oftamologista ou um fonoaudiólogo. Para que se procurem psicólogos, assistentes sociais, etc, a sala de aula é o Escritório de Crise de muitas famílias e o professor acaba virando um pouco de cada um desses profissionais. Pedagogicamente a força bruta é considerada um tipo específico de inteligência ou talento possuído pela pessoa (na verdade é difícil encontrar algo no universo que não contenha inteligência) em que pode haver alunos fortes, inteligentes e maldosos e alunos fortes, inteligentes e bondosos (vai variar do uso da ferramenta). Em momentos de ataque de fúria a pessoa corta imediatamente o surprimento de sangue que irriga os olhos e a visão do agressor cessa e daí vem a expressão "ficar cego de ódio" (algunssimplesmente não enxergam mais nada na frente até que um crime se consuma). Para o professor o procedimento é que depois de corrigir as provas ele coloque as notas nos exames e repasse os resultados primeiro para a secretaria da escola (ou deixando o material seguro em casa) e só depois abrir aos alunos. . As vezes o revoltado sabe que o xilique dele é inútil e tenta ganhar no grito comentendo o que em empresas e para os adultos seria considerado como violação de correspondência ou de documentos. . As punições nesse caso devem ser altas e vai da diretoria decidir se o aluno colocou a segurança das pessoas em volta dela em risco (por causa disso ele pode até ser expulso e proibido de entrar na escola e se aproximar de outros alunos pelos outros pais ou associações). . Tinha um jogo japonês de luta entre alunos que eu brincava no fliperama antigamente que se chamava "Rival Schools". O lema era, "It's Our School! We must Protect It!" (É Nossa Escola! Nós Precisamos Protegê-la!). O aluno deve entrar sabendo que precisa proteger a escola e não destruí-la! Se ele entrar como um desgarrado, sem querer trabalhar em equipe então é melhor não entrar na escola, mas deve estar avisado que em qualquer emprego ou empresa ele vai precisar daquele trabalho em equipe que foi esnobado na época da escola.
     
    Última edição: 22 Set 2012
    • Ótimo Ótimo x 2
    • Gostei! Gostei! x 1
  10. Fernanda

    Fernanda Andarilho de Eriador e

    Tem uma matéria no uol sobre isso hoje.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Tem um segundo video, que é o que aparece em 1o lugar na matéria, que mostara bem claramente que aconteceu exatamente o que eu imaginei. A professora tentou tomar a força o diário da mão do moleque e eles se pegaram.

    O advogado do garoto diz que a professora arremessou o aluno no chão. De boa, eu vi e revi a cena e não consigo ver isso. O que eu vejo é o garoto fazendo pressão no corpo dela e os dois caindo no chão, ele por cima dela. Nunca antes eu tinha ouvido falar em arremessar os outros em cima do arremessador. Aliás, foi a professora que machucou o coxix por causa so jeito que eles cairam. Por ele ser menor, eu não sei o que vai sobrar para ela.

    Felizmente a escola nao parece ser conivente com esse tipo de aluno. Um dos que separam a briga é o inspetor de aluno e o garoto foi expulso.
     
    • Gostei! Gostei! x 4
  11. Elessar Hyarmen

    Elessar Hyarmen Senhor de Bri

    A escola e a professora também podem processar o aluno e os pais por alteração e destruição de documento e pelas agressões que a processora sofreu.
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar