1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Aliens, O Resgate (Aliens, EUA/Reino Unido, 1986)

Tópico em 'Cinema' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 28 Fev 2015.

?

Sua nota para o filme:

  1. 10

    9,1%
  2. 9

    45,5%
  3. 8

    18,2%
  4. 7

    18,2%
  5. 6

    9,1%
  6. 5

    0 voto(s)
    0,0%
  7. 4

    0 voto(s)
    0,0%
  8. 3

    0 voto(s)
    0,0%
  9. 2

    0 voto(s)
    0,0%
  10. 1

    0 voto(s)
    0,0%
  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Sinopse: Depois de um sono de cinquenta e sete anos, Ellen Ripley (Sigourney Weaver), a única sobrevivente da tragédia espacial, descobre que o local onde tudo ocorreu com sua nave foi colonizado por humanos. Inicialmente relutante, ela aceita retornar para enfrentar seu pior pesadelo e tentar salvar as setenta famílias que lá habitam.

    Direção: James Cameron

    Elenco: Sigourney Weaver, Michael Biehn, Lance Henriksen

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Curiosidades:

    - Um dos sets utilizados em Aliens, O Resgate permaneceu intacto após o término das filmagens, tendo sido usado também no filme Batman (1989), onde aparece como um dos cenários da Axis Chemicals.

    - O personagem Dwayne Hicks seria originalmente interpretado por James Remar. Entretanto, divergências entre o ator e o diretor James Cameron fizeram com que fosse substituído por Michael Biehn.

    - A filha de Ripley foi interpretada por Elizabeth Inglis, mãe de Sigourney Weaver. Entretanto esta cena não consta no filme, sendo retirada em sua edição final.
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  2. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Depende. Você viu a versão de cinema ou a versão do diretor?
     
  3. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Peguei da internet essa informação. Não sei que versão assisti. Jack Sparrow não me disse. Mas se não me engano aparece a foto dela, mas acho que só a foto mesmo.
     
  4. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Mas é só a foto que devia aparecer mesmo.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  5. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    BTW, acabei de ler um artigo do Matt Zoller Seitz sobre assistir O Resgate com o filho de 11 anos e os amigos dele. A experiência foi boa.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Lembrei agora que vi O Resgate pela primeira vez quando tinha uns 7, 8 anos, num ataque de insônia. Era a época do Intercine ainda. :lol: A cena que me marcou mesmo foi a luta entre a Ripley e a Rainha. Aliás, recentemente, vendo de novo esse filme, mas na versão do diretor, fiquei arrepiado nessa cena. :D

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    Última edição: 2 Mar 2015
    • Gostei! Gostei! x 1
  6. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Na versão que assisti tinha essa cena da empilhadeira também. Então foi a do diretor mesmo.
     
  7. G.

    G. Ai, que preguiça!

    Lembro que não gostei tanto... Achei o inicio longo e sem atrativos (assim como o andamento todo não me cativou muito). E não curti os ataques aos aliens, toda vez que eles iam lá na cova deles era a mesma coisa, o mesmo bando de aliens aparecendo e eles atirando, sem variar... Fora que os cenários, principalmente o do final, não caíram bem aos meus olhos...
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  8. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    E depois eu que sou exigente... :lol:
     
    • LOL LOL x 1
  9. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Faço as palavras do @G. as minhas também!
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  10. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    As diferenças entre as versões de cinema e do diretor:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Considerando o espaço de tempo entre um filme e outro - sete anos, é isso? -, até faz sentido um ritmo mais lento e maiores explicações logo no início. Além do mais, é aquela coisa de "show, don't tell": é preciso mostrar como LV-(insiraalgumnúmeroaqui) se tornou habitada nos decênios de congelamento de Ripley. Para mim isso tornou o filme mais exciting, e até o Bill Paxton demonstrou isso - afinal, ele reflete as expectativas e emoções do público. Sobre os cenários... P****, apesar de terem expandido o tamanho deles desde o primeiro filme, que brincava com a claustrofobia do espectador médio, aquilo tudo parecia crível - tirando a hora em que a Rainha é jogada pra fora, podiam ter feito um trabalho melhor ali. Tirando esse último detalhe, não consigo tirar nem por nem roteiro. Nota 9 pra mim.
     
    Última edição: 4 Mar 2015
    • Ótimo Ótimo x 1
  11. Thor

    Thor ἀλήθεια

    Eu quero ver o dia que fizerem filme de Stacraft:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Starcraft é completamente inspirado (e eu acho que tem até boa dose de plágio) em cima desse Aliens 2. Todo aquele clima militar dos marines, é inteiramente importado para os Marines de SC. Aliens, como a raça que está no limite da evolução biológica, também foram importados na forma dos Zergs. Acho que seria foda uma série de filmes.
     
  12. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

  13. G.

    G. Ai, que preguiça!

    Não consigo achar a versão de cinema em HD. Queria ver de novo nesse edição (aparentemente) mais enxuta, lembro que achei mó saco o início - e o resto por ser desnecessariamente repetitivo... queria ver se achava diferente agora...
     
  14. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Nem vem, cara. A versão a ver é a do diretor - essa que é a versão final, essa que é a versão maravilhosa. :lol:

    Mas sério, por que que a turma acha o início parado? Até dá pra fazer paralelo no ritmo entre esse e O Oitavo Passageiro - aliás, Cameron tinha isso em mente quando escreveu o roteiro e fez o pitching pros produtores.
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  15. G.

    G. Ai, que preguiça!

    O início eu até relevei, as sequências de ação no modo repeteco ligado que me irritaram mais...

    Agora, eu ainda to me enchendo de coragem pra ver Alien³, hehe
     
  16. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Com'assim? Elas são uma das melhores coisas do filme!

    Esse é pra ficar niilista. :lol:
    --- Mensagem Dupla Unificada, 16 Set 2016, Data da Mensagem Original: 16 Set 2016 ---
    Mas o 4º só vale por essa cena, @G.:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • LOL LOL x 1
  17. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

  18. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    No one argues that Alien and Aliens are the best films in the Alien franchise. It’s an objective, undisputed fact. After that, though, nothing is certain—is Alien 3 a good movie? How bad is Resurrection? Do the Alien vs. Predator movies count? Did you like Prometheus? The debates go on and on.

    They’ll continue this week, too, with the release of Alien: Covenant. Reviews (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ) have been mostly positive but almost universal in their claims that the film goes a bit too far in explaining the wonderful mystery of the vicious alien who first scared the crap out of us in 1979.

    I believe that’s true, but I also believe we’d all be better off if things had never gotten this far. The Alien franchise should have stopped at Aliens. One original film, one sequel. Yes, Sigourney Weaver appeared in the next two; yes, Ridley Scott directed the last two. But those first two films represent the near-perfect marriage of original and sequel into a cohesive, amazing story. There was never a need to see what happened next. The only desire was to make more money.

    I don’t need to break down why Ridley Scott’s 1979 original Alien is so good. Just watch it. Scott’s first foray into science fiction not only has a scary, increasingly fast pace, it also holds its thrills for when it needs it, has relatable characters, and cool effects. Everything works.

    Gushing about James Cameron’s 1986 sequel Aliens is also kind of pointless. Again, just watch it. The humor, the scares, the action—it’s all there in beautiful harmony. What is worth talking about though is how, even though Aliens stands on its own incredibly well, it’s also the perfect sequel to Alien.

    At the end of Alien, you have a lot of questions. What’s going to happen to Ripley? How will the company react when they find out about the killings? Where did this alien come from and, most importantly, are there more of them? First and foremost, Aliens answers all those questions, and it does so in satisfying, but not too obvious ways.

    Once she’s rescued in Aliens, decades have passed for Ripley, adding a whole new dynamic to her character. The company doesn’t care about the deaths, they just want to know more about the creature. We never find out where the alien comes from but we do learn a more about them and that there are more, as Ripley and the Colonial Marines go to LV-426 to investigate.

    Answering those questions from the first film changes and informs the story. This isn’t just nonsense exposition. Then the new story takes our main character out of her element, adds her to a great group of fresh characters, and throws a bunch more aliens at them. It’s both an escalation and continuation of everything that came before. If Ripley’s crew couldn’t defeat one alien, how will these people defeat aliens, plural? Unfortunately for them, they don’t, really. It’s a bloodbath.

    And all throughout, the focus of Aliens is totally on the story of Ripley, the Marines, and their attempts to survive. References to the first movie are sporadic at best because Cameron isn’t interested in setting up other films or giving more answers than needed. He wants this movie to be great, if not better than the first one. Whether he achieved the second part is debatable, but there’s no doubt it’s a stellar sequel.

    Usually, the traditional criteria for a sequel is that it has to be bigger and Aliens is that in every way: there are more aliens, more action, a bigger climax, and bigger stakes. In Alien, the stakes are the survival of the characters, and it works. In Aliens though, it’s so much more than that. You realize if Ripley and the Marines somehow fail, Weyland-Yutani will just keep sending people until they can get their hands on the creature. And if that happens, everyone could die. Ripley isn’t only fighting for her life and the lives of everyone around her. She’s fighting for, potentially, the universe. Without us seeing the outside world, the outside world is up for grabs on this small planet.

    The sequel also gives more answers about the aliens themselves, but not enough to strip away their horror or their mystery. We learn they come from a queen, she’s there, and she’s pissed. But where did the queen come from? Are there more queens? That’s insignificant. In the end, a few of our heroes survive and Ripley has defeated the ultimate boss, the alien queen, pretty much wiping out this line of creatures.

    When Aliens ends, most questions we had about the first film have been answered and there aren’t many others left. We can assume Ripley, Newt, and Hicks survive, and hope they live the rest of their lives peacefully and without any more aliens. That’s the ending. Are there more aliens out there? Probably, but humans won’t see them. Ripley took care of that. The universe is safe. We don’t care where they come from because it doesn’t matter. They won’t be back.

    That’s where it should have ended. Right there. One perfect movie followed by a bigger second movie that lives up to the original, expands on it, and brings everything together. But, of course, the Alien franchise doesn’t end there and things immediately get very bad.
    It’s right there in the opening credits of Alien 3 when both Newt and Hicks are killed unceremoniously. Any happy thoughts you had about that last film? Gone. Ripley is impregnated with a queen alien and has to kill herself, only to be resurrected in another film. They there are the Predators, the Engineers of Prometheus, and, finally with Covenant, the answer to the question we never actually wanted to be answered: Where do the aliens come from? It’s an answer that could have been simple enough to ignore, but instead could never be satisfying enough to surprise.

    Say what you want about any of the Alien movies after 1986, but I think that’s where it ended. Maybe not in reality, but creatively. Alien and Aliens compliment each other as well as almost any two films you can imagine. They define what makes an Alien movie great. Too bad no other Alien film has managed the same.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  19. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    • LOL LOL x 1
  20. Tilion

    Tilion Administrador

    Como eu já disse em outro lugar, o Scott agora tem capacidade apenas para plagiar e satirizar o que fez antes.

    E os 5 minutos desse vídeo já foram mais do que eu estava disposto a ver desse filme.

    A franquia acabou mesmo com o segundo filme.
     
    • Ótimo Ótimo x 1

Compartilhar