1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Alice em transe, um prólogo

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por imported_Wilson, 24 Set 2009.

  1. imported_Wilson

    imported_Wilson Please understand...

    ou, da importância do sexo e de um bom livro

    [align=justify]A caixa foi entregue no apartamento às seis horas da manhã de um sábado. Um horário estranho, pensou Itaki, mas o que não era, naqueles tempos, naquela época incerta em que viviam. Deixaram do lado de fora, não buzinaram na porta, não se identificaram no intercom, deixaram a caixa e foram embora. Sua mulher a encontrou, quando saía, por volta das seis e meia, mas não avisou ao marido, o amante a esperava, lá embaixo. Às dez horas, Itaki acordou, mas não abriu a porta, nem se levantou, nem chamou pela mulher, apenas se perguntou se ela ainda o traía (ela jurava que não), e se virou na cama, mas não dormía. Minha juventude, pensava. Estou perdendo minha juventude. Perdi minha juventude. Aqui, nessa cama. Dessa cama que não me levanto. Por volta do meio-dia, foi ao banheiro e mijou e voltou a deitar, nenhum recado no espelho, nenhuma mensagem no videofone, embrulhou-se nos cobertores. Decisões erradas foram tomadas ao longo de minha vida, a cara enfiada no travesseiro, por isso estou aqui. E continuou deitado. Pensou em ligar a televisão. Mas a televisão lhe deprimia. A mulher não voltava, não ligava. Talvez ela tenha ido embora. De vez. Para sempre. Bem feito para ela. Acha que outra pessoa vai ter a paciência de lhe sustentar. Ela ganhava mais do que ele. Merda. Tentou se levantar. Foda-se. Deitou. Acordou às três da tarde. Não havia comida na casa, decidiu sair. E encontrou a caixa. Horário de entrega: seis da manhã, dizia a etiqueta eletrônica. Estranho, pensou Itaki.

    A caixa era quase maior que ele. Rosa, com caracteres japoneses negros e afiados percorrendo a superfície leitosa do plástico. Kazumi Electronics, em vermelho. Curioso, Itaki esfregava a barba por fazer em volta do pescoço. Não havia nenhum número ou endereço para contato. Mas havia o seu nome na etiqueta: S. Itaki. Um presente de despedida, talvez. Uma última piada da megera. Acendeu um Marlboro e se sentou na poltrona de plástico Ikea. O pequeno apartamento de repente se tornara assustador. Apertada como era, quase metade da sala era ocupada pela caixa cor de rosa. Sentou-se com os joelhos espremidos nela. O apartamento vazio, o silêncio sem fim dos abafadores de som externo da Hitachi, a presença aterradora e incólume da caixa rosa e a tênue luz que conseguia entrar pela janela atravessando a barreira dos prédios e da fumaça lá fora. Com medo, Itaki ligou a televisão. Desenhos animados. A criança dentro dele se acalmou. Apagou o cigarro e abriu uma cerveja. Batia o pé agoniado no chão e não tirava os olhos da caixa. A caixa era quase maior que ele. Quase.

    Havia um chamativo botão de Open. Abriu. A frente rosa da caixa dissolveu-se em uma camada transparente que se desenrolou sozinha para cima, para baixo e para os lados, como a embalagem de um presente autônoma, revelando o interior revestido em espuma cristalizada cinza com diversos compartimentos e dizeres em neon e o corpo de uma garota. A pele branca como a lua, nua. Chamou-lhe a atenção primeiramente os seios, perfeitos, depois a vulva, exposta tímida entre as pernas, pêlos asseados e aparados (ao contrário da moda pré-puberdade em voga), olhos grandes e marrons, cabelos que caiam na nuca, pretos descoloridos. E um sorriso um tanto bizarro, lhe pareceu, aberto na cara.

    Mas o que...?

    Itaki hesitou a princípio, os dedos esticados, mas tocou o corpo da garota. Frio como se estivesse morta, mas real, impossivelmente real. Macia. Sentiu todo o corpo com a ponta dos dedos. Ousou beijá-la, na ponta dos pés. Um letreiro em vermelho forte surgiu sobre o estômago da garota/boneca/ciborgue: Alice em transe, em breve numa livraria perto de você.[/align]
     

Compartilhar