1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Alguem conhece o ENUMA ELISH?

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Arwen_Tinuviel, 11 Set 2006.

  1. Arwen_Tinuviel

    Arwen_Tinuviel Usuário

    Recentemente eu tenho estudado os mitos da geneses e do paraiso e esbarrei com esse poema babilonico, muito interessante e que só conhecia por referencia.
    Alguem mais conhece a Enuma Elish?

    Assim como a Epopeia de Gilgamensh, e mais tarde a Odisseia e a Iliada esses poemas eram recitdos em momentos oportunos e tinham função de reatualizar o mito(entendido aqui como mito vivo) da criação, despertado extase e terror.

    Este longo poema foi escrito ao redor do século XII Antes da Nossa Era, exaltando a grandeza da cidade da Babilônia. O mito (re) conta a criação do universo e os eventos que levaram à construção da Babilônia, chamada de "lar dos deuses". O mito evoluiu a partir de mitos sumérios, mas o texto que segue é baseado na versão assíria, sendo que os Assírios foram um império posterior ao dos sumérios.

    O poema (quase completo) está disposto em sete tábuas de argila, cada com cerca de 150 linhas de texto. O mito foi provavelmente escrito para ser entoado nos festivais em honra aos deuses e da Babilônia. No idioma original, o poema não foi escrito com rimas ou aliterações, mas possui alguma assonância, semelhante ao estilo dos Cantos Gregorianos, quando cantados por várias vozes.

    A tradução para a língua portuguesa é feita a partir do texto em inglês de N. K Sandars.

    1

    Quando não havia firmamento, nem terra, alturas, profundezas ou sequer nomes,
    Quando o Apsu estava sozinho,
    Ele, as águas doces, o iniciador da criação, e Tiamat, as águas salgadas, e útero do universo, quando não existiam os deuses....

    Quando as águas doces e as salgadas estavam juntas, misturadas,
    Os juncos não estavam trançados, ou galhos sujavam as águas,
    quando os deuses não tinham nome, natureza ou futuro, então a partir de Apsu e Tiamat, nas águas dele e dela, foram criados os deuses, e para dentro das águas precipitou-se a terra [lama],

    Lahmu and Lahumu,
    eles foram então chamados; nem bem velhos, nem bem crescidos [eles eram]
    quando Anshar e Kishar os dominou,
    e as linhas do céu e da terra se expandiram para onde os horizontes se encontram para separar o que era nuvem do que era terra.

    Dias seguiram outros dias, anos seguiram outros anos,
    Até Anu, o firmamento vazio, herdeiro e conquistador,
    primogênito de seu pai, à imagem de sua própria natureza,
    fez nascer Nudimud-Ea,
    intelecto, sabedoria, maiores do que o horizonte dos céus,
    o mais forte dentre seus pares.

    Discórdia rompeu entre os deuses, apesar de serem irmáos, e a brigar eles começaram na barriga de Tiamat, fazendo o céu tremer, e se mexer como numa dança frenética, de tal forma que Apsu não pode silenciar o clamor dos jovens deuses, fazer cessar tal mal comportamento, altaneiro e orgulhoso.

    Tiamat, ainda quieta se quedava, quando Apsu, o pai de todos os deuses, chamou por seu conselheiro:
    - Caro conselheiro, vem comigo até Tiamat.
    Eles assim o fizeram, e em frente de Tiamat eles se sentaram, falando sobre os jovens deuses, seus filhos primogênitos, sendo que disse Apsu:

    - Os modos deles me revoltam, dia e noite, sem cessar, sofremos. Minha vontade é destruí-los, todos eles, para que possamos Ter paz e dormir novamente.

    Quando Tiamat isto escutou, ela se sentiu atingida, e se retorceu, em solitária desolação, o coração cheio de paixão mantida em segredo. Disse Tiamat:

    - Por que devemos destruir os filhos que fizemos? Se os modos deles são o problema, esperemos um pouco mais.

    Então Mumu aconselhou Apsu, e ele falou com maldade:

    Pai, destrua-os todos numa rebelião de monta, e teremos paz durante o dia, e à noite, todos poderemos dormir.

    Quando Apsu ouviu que os dados haviam sido lançados contra seus filhos e filhas, sua face inflamou-se com o prazer do mal; mas a Mummu ele abraçou, pendurou-se ao seu pescoço, colocou-o nos seus joelhos e o beijou.

    Esta decisão chegou ao conhecimento dos deuses mais jovens, filhos e filhas de Tiamat e Apsu. Confusão instalou-se, e depois, um grande silêncio, pois eles ficaram extremamente perturbados.

    O deus que é a fonte da sabedoria, a inteligência brilhante que [tudo] percebe e planeja, Nudimmud-Ea, examinou a questão, fazendo levantando o tumulto do caos, e contra este o artífice do universo passou a elaborar um plano.

    Ele fez um encanto para as águas, e este encanto caiu sobre o Apsu, que caiu em sono profundo. As águas doces caíram em sono profundo, Mummu foi então derrotado, e Apsu, agora tomado por sono eterno, não mais se mexeu.

    Ea então rasgou o manto de glória flamejante e a coroa de Apsu, apossando-se da auréola do rei. Quando Ea prendeu Apsu, ele o matou, e Mummu, o conselheiro traiçoeiro, Ea pegou pelo nariz, aprisionando-o [para sempre].

    Ea derrotou seus inimigos, pisando por cima deles. Agora que seu triunfo estava completo, completamente em paz, ele descansou, em seu palácio sagrado, Ea adormeceu. Por sobre o abismo, à distância, ele construiu sua casa e templo, e ali, com toda magnificência, ele foi viver com sua esposa Damkina .

    Naquela sala, no ponto das decisões onde o que deve vir a ser é pré-determinado, ele foi concebido, o mais sagaz, aquele que veio do poder mais absoluto em ação.

    No abismo profundo ele foi concebido, MARDUK foi concebido no coração do apsu, MARDUK foi criado no coração do apsu sagrado. Ea é seu pai e Damkina a ele deu à luz, pai e mãe; ele foi amamentado pelas deusas, suas amas dotaram-no com grande poder.

    O corpo de Marduk era lindo; quando erguia seus olhos, luzes dele irradiavam, seu passo era majestoso, ele foi um líder desde seu primeiro momento.

    Quando Ea, seu pai, viu seu filho, ele se alegrou, ele ficou radiante e cheio de felicidade, pois como era perfeito o menino! O grande artífice multiplicou os dons divinos do menino, para ser o primeiro dentre os primeiros, dentre todos, o de maior estatura..

    Os membros de Marduk eram imaculados, mostrando um mistério amedrontador além da compreensão, com olhos de visão sem limite que valiam por quatro, com ouvidos de audição tão poderosa também equivalente a quatro, quando seus lábios se moviam, uma língua de fogo se projetava. Membros fortes, titânicos, de pé, ele ultrapassava em altura os outros deuses, tão forte ele era, pois vestia a glória de dez [deuses], sendo que raios se projetavam ao redor de Marduk.

    - Meu filho, meu filho, filho do sol, e do sol do firmamento!

    Então Anu criou os ventos, colocou-os nos quatro quadrantes, deixando-os sob o comando de Marduk, que com eles começou a brincar. Anu criou a poeira, criou o tornado, criando também o tufão e os ventos fortes para sacudir os mares.

    O que ocorreu foi que com a chegada dos ventos, os outros deuses não tinham mais paz para descansar, atormentados pelas tempestades. Eles começaram a conspirar no segredo de seus corações e levaram a Tiamat a razão de suas tramas. À mãe Tiamat, eles disseram:

    - Quando Apsu foi morto, tu não moveste um dedo sequer, tu não buscaste ajuda para ele, teu esposo. Agora Anu chamou estes ventos abomináveis dos quatro quadrantes para rugir nas tuas entranhas. Quanto a nós, não podemos descansar, tal é a dor. Lembra de Apsu no teu coração, teu esposo, lembra de Mummu, que foi derrotado, agora estás sozinha, desolada, e nós perdemos teu amor. Nossos olhos doem, e queremos dormir. Acorda, mãe, vai à forra e acaba com eles como o vento!

    Tiamat aprovou, dizendo:
    - Aprovo tal conselho: faremos monstros, e os monstros e os deuses irão marchar juntos na batalha.

    Ela soltou o míssil irresistível, ela gerou serpentes enormes com mandíbulas afiadas, cheios de veneno ao invés de sangue, dragões ruidosos que vestem sua glória como deuses. (Quem olhasse tais criaturas recebia o choque da morte).

    - Ela criou a Minhoca,
    o Dragão
    o Monstro Mulher
    o Grande Leão
    o Cachorro Louco
    o Homem (e Mulher) Escorpião
    a Tempestade Ruidosa
    Kulili
    Kusariqu

    Não hvia misercicórdia nas armas deles, eles não fogem da batalha, pois a lei de Tiamat os une, irrevogável.

    Onze destes monstros ela criou, entretanto, tomando dentre os deuses o trabalhador desastrado
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar