1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

“Alcântara Cyclone Space”: Situação e Perspectivas

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por alana1, 13 Mai 2011.

  1. alana1

    alana1 Usuário

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    [FONT=Times New Roman, serif]Em 11 de Janeiro [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]de 2011 no sítio Web do jornal “O VALE” foi publicado um artigo que exprime a intenção do actual Ministro da Ciência e Tecnologia do Brasil, Aloísio Mercadante de rever a parceria entre o Brasil e Ucrânia na área de lançamento de mísseis “Cyclone-4” de Alcântara Center. A afirmação foi feita durante uma visita ao Instituto Nacional de Estudos Espaciais ([/FONT][FONT=Times New Roman, serif]І[/FONT][FONT=Times New Roman, serif]NPE) no primeiro encontro oficial do ex-senador Mercadante A. depois de tomar o posto de ministro da ciência e da tecnologia.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]O que é isso? Questionaram a necessidade de continuar a desenvolver o programa espacial do Brasil, a incerteza n[/FONT][FONT=Times New Roman, serif]os parceiros ucranianos ou falta de vontade de trabalhar com eles e busca de uma razão para fechar o programa [/FONT][FONT=Times New Roman, serif][/FONT][FONT=Times New Roman, serif]Cyclone-4”?[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]Recordemos brevemente as características da parceria entre o Brasil e[/FONT][FONT=Times New Roman, serif] a Ucrânia no domínio do espaço, que num futuro próximo pode ser a base do programa espacial do Brasil.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]Ucrânia, após o colapso da União Soviética tem centros a maior indústria aeroespacial [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]do mundo na criação e produção de lançadores e tecnologias espaciais competitivos. Com uma riqueza de capacidades espaciais, ela não tem a capacidade de construir no seu território um centro de lançamento de mísseis devido à sua localização geográfica. É por isso os especialistas ucranianos estavam procurando os opções de ponto de partida para o lançamento dos seus foguetes. A experiência de semelhante cooperação foi adquirida durante a participação no programa internacional “Sea Launch”.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]O Brasil também tem uma [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]experiência no desenvolvimento de tecnologia espacial, mas no desenvolvimento e fabricação de veículos lançadores passa por algumas dificuldades. No entanto, ela tem o melhor lugar (quase na linha do Equador) para a construção do centro de partida, tem o seu próprio centro de lançamento em Alcântara, que há muito tempo esta[/FONT] [FONT=Times New Roman, serif]inativo devido à prolongada por muitos anos [/FONT] [FONT=Times New Roman, serif]criação dum foguete nacional “VLS”.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]A fim de comercializar o Centro de Lançamento de Alcântara existentes, o Brasil começou a olhar para as transportadoras de outros países. [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]Portanto, a coincidência dos interesses e da emergência da cooperação entre o Brasil e da Ucrânia na esfera do espaço é natural. Esta cooperação é consagrada por um tratado internacional. Sob o acordo, o Brasil cria a infra-estrutura necessária em Alcântara, a Ucrânia está a desenvolver um míssil. Ambos os países participam na criação de instalações em terra em Alcântara para os lançamentos de mísseis. Com esse objetivo em 2007 era criada uma empresa conjunta “Alcântara Cyclone Space”.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]Porque a atenção dos especialistas brasileiros foi focada especificamente no foguete [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]“Cyclone-4”?[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]Mísseis “VLS” e “Cyclone-4” pertencem a diferentes classes. “VLS” movido a combustível sólido e tira a órbita de 600-700 km apenas 150 kg. “Cyclone-4” tem vindo a trabalhar sobre os combustíveis líquidos e tira 5.600 kg na mesma órbita.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]Eles não são concorrentes, podem ser operados simultaneamente, complementando-se mutuamente. Segundo este princípio adicionar agora [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]operam muitas estruturas cósmicas do mundo. Aexperiência de um foguete Cyclone-4 é baseada em anos de experiência de especialistas ucranianos na criação de tais mísseis.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]Com relação aos componentes utilizados [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]em combustível - amil-heptil um – “Cyclone-4” não é uma exceção no parque global de transportadores. O mesmo combustível é utilizado em foguetes russos “Proton”, “Rokot”, “Kosmos-ZM”, mísseis chineses “CZ-3”, “CZ-4B”, foguetes indianos “GSLV”, “PSLV” e antes de 2002 (antes desmantelamento) foi utilizado para o foguete “Ariane-4”. Além disso, heptila-amil utilizado em estágios superiores do “Ariane-5”, “Delta 2”, “Titan-2”, “Zenit-3SL”.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]No estágio atual de desenvolvimento de foguetes e tecnologia espacial das medidas aplicadas, como mostra a prática, [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]fornece uma total segurança ecológica em sua operação. Portanto, podemos dizer com certeza que o lançamento do míssil “Cyclone-4” de Alcântara não terá um impacto concreto sobre o ambiente adjacente ao porto espacial no Brasil. A análise anterior sobre a ecologia dos mísseis semelhantes tenham recebido uma conclusao positiva da ala de 45 do S. U. da Força Aérea para as condições da base espacial dos EUA, onde as “exigências ecológicas” são mais rigorosas do mundo.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]T[/FONT][FONT=Times New Roman, serif]endo em conta os conhecimentos existentes da casa e da tecnologia, o Brasil é capaz de criar um míssil desse tipo independentemente. No entanto, demorará décadas e necessidade de atrair recursos financeiros significativos. Numa economia de mercado e o lançamento oportuno para o mercado comercial de “serviços de espaço” isso não é justificado. Percebendo isso, muitos países estão desenvolvendo a tecnologia espacial em parceria com outros países.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]Um dos principais problemas de implementação de parcerias no sector espacial é a transferência de tecnologia. Todos os países que possuem essas tecnologias, exigem a assinatura de acordos sobre a [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]proteção de tecnologia. Por que é feito? [/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]O objetivo de tal acordo - impedir a propagação da tecnologia e da diminuição da concorrência no mercado de serviços espaciais. [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]Propriedade do desenvolvimento de tecnologia e lançamento de foguetes e satélites permite que um país tem informações estratégicas, como em fins civis e de defesa, a soberania da criação de novos postos de trabalho altamente qualificados e têm rentabilidade financeira substancial.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]A[/FONT][FONT=Times New Roman, serif] implementação conjunta do projeto brasileiro-ucraniano “Cyclone-4” é justamente o primeiro passo para a aquisição do Brasil de de alta tecnologia de mísseis. Na verdade, na criação de equipamentos tecnológicos, na construção de edifícios e estruturas de terra os especialistas brasileiros participam diretamente. Esto, inevitavelmente, implica a transferência de tecnologia, tal como o desenvolvimento conjunto de instalações em terra prevista no Contrato.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]A transferência de tecnologia de mísseis é protegido por ambos os governos [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]que assinaram um acordo sobre a proteção da tecnologia. Além disso, sabe-se que as agências espaciais do Brasil e da Ucrânia prepararam um documento sobre o desenvolvimento do projeto “Cyclone-4”, um documento que tenciona o desenvolvimento conjunto de um míssil modificado “Cyclone-5”. Assim, em perspectiva, o Brasil tem a chance de entrar no clube exclusivo de países lançando seus foguetes e naves espaciais. E não é assim que o prospeto distante.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]A exploração bem sucedida do foguete [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]“Cyclone-4” no Centro de Lançamento de Alcântara precisa de um marketing adequado dos serviços de lançamento no mercado. A ausência de um acordo ratificado à proteção da tecnologia entre o Brasil e os Estados Unidos limita severamente o mercado para o uso de foguetes para o “Cyclone-4” no Centro de Lançamento, como mais de 50% da nave espacial no mundo são fabricados nos EUA. [/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]Portanto, a ação[/FONT][FONT=Times New Roman, serif] natural da empresa binacional “Alcântara Cyclone Space” para encontrar maneiras de sair no mercado aos serviços de lançamento dos EUA. Como ficou conhecido, uma empresa dos EUA ATK Space Systems manifestou interesse para projeto. Esta empresa propõe a considerar a possibilidade de criação de um tal complexo em terreno da costa leste da Flórida.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]Naturalmente, a decisão sobre esta matéria deve ser tomada com o consentimento do governo dos EUA a nível dos governos do Brasil e da Ucrânia, que são parceiros est[/FONT][FONT=Times New Roman, serif]ratégicos no projeto bilateral “Cyclone-4” e os acordos pertinentes são legalmente consagrados no tratado. Dado que a empresa binacional, em conformidade com o referido contrato, tem direito exclusivo de prestar serviços de lançamento de usar mísseis para o “Cyclone-4” e suas possíveis modificações de Alcantara Centro de Lançamento, ou seja, Alcântara Cyclone Space será capaz de determinar a partir donde serão feitas lançamentos de foguetes para cada missão individual. Isso não contradiz o espírito de um tratado internacional entre o Brasil e a Ucrânia.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]Essa estratégia de buscar um parceiro nos EUA é racional, porque, em primeiro lugar, [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]pode resolver o problema subjacente ao lançamento de satélites dos EUA do Alcantara - a necessidade de assinar um acordo sobre a protecção de tecnologias entre Brasil e Estados Unidos, e, em segundo lugar, é possível entrar no mercado dos EUA e, terceiro, vai conduzir a um investimento adicional do programa espacial do Brasil.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]Atualmente a empresa binacional Alcântara Cyclone Space não tem os fundos necessários para continuar a trabalhar na criação de um complexo solo. Eu quero acreditar que um desequilíbrio das contribuições para a capital [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]da empresa binacional a Ucrânia irá eliminar no futuro próximo. Especialmente, como ficou conhecido, o governo ucraniano no ano passado decidiu prestar garantias do governo para atrair crédito no valor de 260 milhões de dólares para continuar o projeto “Cyclone-4”.[/FONT]


    [FONT=Times New Roman, serif]E sobre a cri[/FONT][FONT=Times New Roman, serif]ação de um míssil nacional “VLS”?[/FONT]


    [FONT=Times New Roman, serif]Durante m[/FONT][FONT=Times New Roman, serif]ais de 30 anos do projecto “VLS” foi feito apenas três protótipos e implementados três tentativas de lançamento de mísseis, e todos sem sucesso, infelizmente.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]A última tentativa de lançamento em agosto de 2003 terminou em uma terrível catástrofe, quando 21 pessoas dos assistentes foram mortos[/FONT][FONT=Times New Roman, serif]. Explosão de foguete na plataforma de lançamento, que destruiu toda a disponível no momento infra-estrutura lançador foi um choque para os políticos e cientistas brasileiros, para quem o incidente significou a perda de tudo o que tinha sido desenvolvido por anos. Este acidente levou ao congelamento do projeto nacional de foguetes e sua revisão.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]No artigo “[/FONT][FONT=Times New Roman, serif]Diamante na coroa” (a revista “Ishtue”, 2004.02.23) os autores apelaram para a necessidade de reforçar a parceria com a Ucrânia, Rússia e China, que podem ajudar na investigação das causas do acidente.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]E[/FONT][FONT=Times New Roman, serif]specialistas ucranianos, sendo no momento da explosão em uma visita a Agência Espacial Brasileira, ofereceram a sua ajuda na investigação do acidente. Mas a preferência foi dada aos especialistas russos, que se ofereceram para ajudar na reconstrução de infra-estruturas destruídas e ao desenvolvimento de novos mísseis brasileiros usando tecnologia russa.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]Modernização do míssil foi designado para o centro do foguete russo chamado Design Bureau VP Makeyev, que colocou os alguns componentes individuais, em particular, o plataforma inercial de sistema de gestão. No entanto, sete anos não foi suficiente para criar um novo míssil. Até hoje, a infra-estrutura destruída é restaurada e é impossível prever quando irá [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]criado um actualizado míssil nacional “VLS-l”. Além disso, mesmo no futuro distante, não é falando sobre qualquer transferência de tecnologia.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]Tal abordagem da Rússia, e não só ela é prática e com outros países. Por exemplo, os leitores podem lembrar a cooperação com a Coreia do Sul no desenvolvimento de uma das [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]mísseis coreanos “KSLV-1”, para que os especialistas russos já desenvolveram e fabricaram o primeiro passo. Segundo a imprensa sul-coreana, o foguete de 80% repete desenvolvido em transportadora Rússia foguete Angara e, portanto, serve para melhorar a tecnologia russa usada no Angara. O primeiro lançamento “KSLV-1” terminou em fracasso, foi realizado em Agosto de 2009, o segundo lançamento ocorreu em Junho de 2010 e terminou no acidente. De acordo com informações disponíveis, o acidente ocorreu na fase da primeira etapa do trabalho de estágio do foguete de origem russa. Sobre a transferência de tecnologia de mísseis, pois não é.[/FONT]
    [FONT=Times New Roman, serif]Apesar de todas as dificuldades que acompanham e execução do programa espacial do Brasil e sua colaboração com o projecto ucraniano [/FONT][FONT=Times New Roman, serif]“Cyclone-4” em Alcântara Centro de Lançamento, concordamos com o parecer do ex-ministro da ciência e da tecnologia, agora Director-Geral da[/FONT][FONT=Times New Roman, serif]Empresa “Alcântara Cyclone Space”, de Roberto Amaral, de que há luz no fim do túnel. Aprovada em 2010 decisão do Conselho de Segurança Nacional para incluir a construção de instalações em terra para o “Cyclone-4” no Centro de Lançamento de Alcântara na esfera de interesses de segurança nacional e dar a ele o status do projeto estratégico do Brasil permite permite olhar com optimismo para o nosso futuro cósmico.[/FONT]
     

Compartilhar