1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Autor da Semana Albert Camus

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Kainof, 17 Out 2011.

  1. Kainof

    Kainof Sr. Raposo

    Anica passou a manha da pronúncia do nome do cidadão por aqui:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .


    “Para corrigir uma indiferença natural, fui colocado a meio caminho entre a miséria e o sol”

    Nascido no dia 7 de dezembro de 1913 em Mondovi, Argélia, na época colônia francesa. Filho de agricultor e dona-de-casa, Albert perdeu o pai no ano seguinte, quando ele foi convocado e morto no início da Primeira Guerra. Cresceu na periferia pobre da cidade num casebre com o irmão mais velho, a mãe quase surda costureira e lavadeira e o tio, ainda mais surdo e tanoeiro.

    Albert Camus teria seguido a mesma profissão do tio não fosse o professor dele de infância, Louis Germain, quem conseguiu para ele uma bolsa de estudos. Camus, mais tarde, dedicaria a ele o seu Prêmio Nobel de Literatura. Crescendo em meio à miséria, onde no entanto abundavam a natureza, as praias e o mar, o sol e as pessoas, Camus jamais queixou-se em seus escritos e anotações autobiográficos das condições de vida na infância na Argélia. Ao contrário, sempre louvou a beleza natural, a inclemência confortadora do sol e a camaradagem da necessidade.

    Camus cursou a faculdade na capital, jogou como goleiro no time universitário. Após a formatura, a tuberculose o impediu de seguir carreira como professor. Camus se dedicou então ao teatro e ao jornalismo. O ambiente do futebol e do teatro contribuiriam sobremaneira para suas concepções sobre moral e humanismo, como ele mesmo anotaria em seus cadernos posteriormente. No jornalismo, foi responsável, com um amigo, pela editoração de um jornal de forte cunho político contrário ao governo e defensor da etnia árabe. Filia-se ao partido comunista em 1935 e deixa o partido 2 anos depois por não concordar com a direção ideológica do partido. Ainda na Argélia publica seus dois primeiros livros “O Avesso e o Direito” e “O Estrangeiro”. Funda uma companhia de teatro, mas deixa o país após o Alger Republicaine, jornal para o qual escrevia, ser fechado.

    Chega a Paris em meio a certo exotismo de intelectual da periferia colonial, mas já razoavelmente reconhecido no meio por seus livros e por sua atividade jornalística. Após 3 anos de idas e vindas, se fixa definitivamente na França, ocupada pelos alemães em 1943, e toma parte na Resistência. Sua principal contribuição nesse período é a publicação de artigos sobre a liberdade, a defesa da dignidade humana e a incitação do povo francês a resistir a seu opressor. Arriscando a vida publicando e distribuindo o jornal clandestino Combat, do qual era editor-chefe, se tornou uma das maiores vozes da Resistência e da liberdade no mundo. Após 1945, Albert Camus era dos intelectuais mais aclamados da França e seus livros repercutiam imensamente em todo o mundo. Continua liderando o Combat, ao mesmo tempo que trabalha como revisor para seu amigo Gaston Gallimard, dono da hoje mundialmente prestigiada Editora Gallimard.

    Durante o período que passou em Paris, Camus conheceu e se tornou amigo de Jean-Paul Sartre, famoso e influente filósofo francês. Suas obras eram muito próximas, suas ideias também, seus objetivos na Resistência idem. Surgiu uma amizade prolífica e de mútua catapultagem. No pós-guerra, Sarte e Camus emergiram como os heróis da nova intelectualidade francesa. Durante dez anos tiveram suas obras publicadas e comentadas e teorizadas juntamente. Camus buscava sempre, no entanto, se afastar de uma afiliação de Sartre: não era discípulo deste, mas contemporâneo, não queria e nem poderia ter sua obra baseada no absurdo categorizada como fazendo parte do existencialismo, corrente filosófica liderada por Sartre.

    A gota d’água do desentendimento veio com a publicação de “O Homem Revoltado” de Camus em 1951, onde este ataca o autoritarismo das revoluções e a fácil via do socialismo em cair no assassinato político. Veio a enxurrada liderada por Sartre contra o seu livro, acusado de defender a liberdade de maneira simplista e limitada. Ambos trocaram ataques e protagonizaram terríveis desentendimentos, culminando num polêmico fim da amizade.

    A partir de então, Camus se afastaria abalado do centro da intelectualidade francesa, dedicando-se a seminários internacionais e seu trabalho na editora. Publica “A Queda”, uma melancólica novela sobre a culpa e o julgamento. Recebe o Prêmio Nobel de Literatura em 1957 “por sua importante produção literária, que, com clareza lúcida ilumina os problemas da consciência humana no nosso tempo”. Em 1960 tem uma morte trágica e precoce num acidente de automóvel. Na mala de viagem o romance auto-biográfico “O Primeiro Homem”, para sempre inacabado.

    A obra: absurdo e revolta

    “O absurdo nasce desse confronto entre o apelo humano e o silêncio despropositado do mundo”
    “A revolta nasce do espetáculo da desrazão diante de uma condição injusta e incompreensível"


    Toda a sua obra está baseada em uma obsessão: o absurdo. E polarizada entre o diagnóstico do absurdo e a necessidade da revolta. Enquanto o absurdo é a impossibilidade humana de saber e de ser o que espera, a revolta é o que lhe restaura a dignidade em um mundo privado de sentido, ao mesmo tempo que lhe fornece a consciência e inconformidade de aceitar a opressão e o salto em todas as formas. “Eu me revolto, logo existimos”. Absurdo é o silêncio, o abismo e a ligação entre a esperança humana com o mundo vazio. Revoltar é bater o pé e sem o aguardo e sem esperança viver e tentar, criar para, em profundidade, não durar, fazer “como se”, um movimento sem utopia, como Sísifo, que toda a vez que leva a pedra até o topo, tem de busca-la novamente embaixo, pois ela rola eternamente. “No topo é possível imaginar Sísifo feliz” pois ele, apesar da inutilidade de sua tarefa a realizou da melhor forma que pode. Sísifo não se entrega e sempre recomeça.

    Camus dividiu a sua obra principal em duas linhas temáticas em três frentes diferentes:
    A do absurdo - Romance: O Estrangeiro; peça: Calígula; ensaio: O Mito de Sísifo.
    E a da revolta – Romance: A Peste; peça: O Estado de Sítio; ensaio: O Homem Revoltado.

    O Mito de Sísifo
    O Homem Revoltado

    Numa análise profunda da história das revoluções e da trajetória do niilismo, passando por filósofos, escritores, políticos, rebeldes, etc, Camus traça um perfil da revolta como fator histórico-filosófico primoroso. Prevê o risco do assassinato como justificativa política: “a filosofia pode servir para tudo, até mesmo para transformar assassinos em juízes”. Camus havia negado o suicídio em O Mito de Sísifo como saída para o absurdo, propondo a revolta como fundamento de afirmação da vida. Aqui Camus renega o homicídio como legitimação da revolta.

    “Sim! Compreendi bem o sistema. Vocês lhes dão a dor da fome e das separações para distraí-los da revolta. Os esgotam, lhes devoram tempo e forças a fim de que não tenham nem ócio nem impulso para o furor!
    (...) Os homens arrastam os pés, vocês podem ficar contentes! Estão sós apesar da massa, como também eu estou só. Cada um de nós está só graças à covardia dos demais.”
    - O Estado de Sítio, Albert Camus.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Albert Camus

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Camus, a esposa Francine e filho

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Camus com os filhos

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    A redação do Combat
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Manchete da morte de Camus no jornal Combat


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     

    Arquivos Anexados:

    Última edição por um moderador: 6 Out 2013
    • Ótimo Ótimo x 6
  2. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Eu gosto do pensamento de Camus, essa abordagem do suicídio, a ideia do absurdo. Só acho ele muito pessimista (o que não espanta). Interessante esse vídeo sobre a adaptação da obra de Dostoievski, porque põe lado a lado os dois autores e faz uma espécie de comparação entre eles. Camus é pessimista quanto à limitação humana perante o absurdo, sua resignação enquanto Dostô põe toda a esperança da superação das contradições no Cristo. Bem, paradigmático.

    Ainda assim, o pensamento de Camus me é muito mais 'suave', límpido e claro que certos niilismos sufocantes, que certas visões derrotistas demais da existência.
     
    Última edição: 18 Out 2011
  3. Excluído046

    Excluído046 Banned

    Rômulo, agora, faça o favor de postar alguma merda gigantesca em algum tópico aí só pra eu te dar um - karma e você voltar para 42. Pô, fiquei até tristinha de clicar no Ótimo post, porque eu queria manter a mística do 42, mas o tópico ficou muito bom, então... :tsc:
     
    • Gostei! Gostei! x 1
    • LOL LOL x 1
  4. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Agora terão que ser 2 karmas negativos. O que é uma merda grande? "Melian é uma boa amiga"?

    Eu ainda não li nada dele, mas pretendo.
     
  5. Excluído046

    Excluído046 Banned

    ( ) Cocô de dinossauro.
    ( ) A Melian e o Morfindel floodando no tópico.
    ( ) Todas as alternativas anteriores.
     
    • LOL LOL x 3
    • Gostei! Gostei! x 1
  6. Excluído045

    Excluído045 Banned

    fixed
     
  7. Beren

    Beren Wannabe Rider

    Bah, deu muita vontade de ler O Mito de Sísifo, espero que o Kainof me empreste :P
     
  8. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    A Hedra lançou os Cadernos do Camus:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    (vol. I),
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    (vol. II) e
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    (vol. III). Tirando o primeiro, os títulos são bem legais!
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  9. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Li "O Estrangeiro", "A Queda" e "A Peste". É curioso como com "A Peste", ao abordar o Absurdo, ele desmente a ideia de niilista que alguns tentavam imputar a ele com esse primeiro romance. Agora, "A Queda" é pra quem tem estômago. Causa um efeito semelhante ao de "Notas do Subsolo" ou "O Lobo da Estepe". BTW, "Estado de Sítio", peça trágica inspirada em parte por "A Peste", é impressionante. O cara consegue usar tudo quanto é recurso trágico ático e fazer isso funcionar na dinâmica do teatro contemporâneo.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  10. Clara

    Clara Que bosta... Usuário Premium

    Boa notícia, a
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    vai publicar os nove cadernos que o autor escreveu, contendo anotações sobre a guerra, viagens e outras observações ao longo de sua vida.

    Já estão disponíveis:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    e
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Cada exemplar sai por R$ 32,00.
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  11. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Se lançarem uma caixa com promoção, eu compro. :lol:
     
  12. Spartaco

    Spartaco James West

    A Record está lançando em nova edição alguns dos principais títulos de Albert Camus:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    Última edição: 13 Set 2017
    • Gostei! Gostei! x 1
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  13. Spartaco

    Spartaco James West

    Estão sendo lançados no próximo mês outros 4 livros de Albert Camus em nova edição, a saber:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  14. Fabricio Souza

    Fabricio Souza kallisti

    Que bom que a Record está republicando a obra do Camus, aquelas edições de bolso são bem ruinzinhas. Só falta tomar vergonha na cara e relançar Hermann Hesse.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
    • LOL LOL x 1
  15. Spartaco

    Spartaco James West

    • Ótimo Ótimo x 1
  16. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    É ótimo esse. É até interessante como ele se assemelha ao romance A Peste em termos de ambientação mas mantém o pé na ideia de tragédia.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  17. Spartaco

    Spartaco James West

    • Ótimo Ótimo x 2

Compartilhar