1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Adaptação de literatura para cinema é sempre ruim?

Tópico em 'Cinema' iniciado por Lu Eire, 24 Ago 2010.

  1. Lu Eire

    Lu Eire Usuário

    Bem, o tópico diz por si. A maioria dos leitores costuma achar que as adaptações de livros para filmes são ruins, ou porque a história sofre cortes, ou porque os atores são ruins, dentre outros motivos.

    Recentemente, eu li Coraline, do Neil Gaiman, pela primeira vez. Eu já tinha visto o filme e gostado muito, e como eu tenho um amor platônico muito bem cultivado com o Gaiman, criei uma expectativa gigantesca em cima do livro. Só que, encurtando a história, fiquei decepcionada com a versão escrita.

    E foi curioso, porque isso nunca tinha acontecido comigo. Sempre acho o livro melhor.

    Já aconteceu com vocês? Vocês conseguem citar outros exemplos?
     
  2. Indu

    Indu MANDALORIAN

    A lista é grande eim. Mas acho que adaptação livro-filme, ou vice-versa, dá-se muitas vezes pelo tamanho e detalhes que os livros impões, e muitas vezes nos filmes não dá tempo para coloca-los.
    Acho que O senhor dos Aneis é o maior exemplo disso, segue ai Harry Potter (que acho mediocre), e alguns HQs também caem um pouco no gosto do publico mais fiel, X-man é um deles.

    Eu vi Coraline do Burton, é esse? Achei o máximo o filme, só não achei o livro ainda
    :(
     
  3. Gostei da versão cinematográfica de Alice - dirigida pelo mesmo Tim Burton.
     
  4. Bruno Masei

    Bruno Masei Usuário

    A adaptação de Senhor dos Aneis é próxima da perfeição (os fantasmas que ajudam Aragorn ainda me dóem, mas é SÓ isso).

    Também gosto demais da de 1984 do Orwell. Não é uma regra, não.

    Silêncio dos Inocentes também é muito bem feito. Na realidade, o que acontece é que os livros MUITO famosos, acabam não caindo no gosto do público.

    Agora a grande maioria dos filmes lançados é sempre baseado em algum livro, e só depois ficamos sabendo.
     
  5. Liico

    Liico Usuário

    Acho que Senhor dos Anéis é uma adaptação a altura dos livros, principalmente por saber que peter jackson teve cuidados que talvez outro diretor não tivesse, só o fato de aragorn e arwen conversarem em élfico entre eles pra mim já vale de alguma coisa.

    já 1984, não gosto de forma alguma da adaptação, visualmente ele pode sim ter ficado parecido, mas não consegue passar as coisas da mesma forma que o livro, uma cena que sempre uso como citação é a cena em que eles vão transar na clareira e Julia retira seu cinturão, Orwell narra este momento como "atirar ao lado todos os impedimentos impostos pela sociedade" e vai além, criando uma metáfora muito bonita sobre o cinto vermelho de castidade e a mentalidade repressiva da sociedade, porém no filme o cinto é jogado de lado e só, talvez outro diretor tivesse feito isso de melhor forma.

    Mas acho difícil adaptações ficarem melhores que seus originais ou tão bons quanto, existem alguns que conseguem sim, como coração de tinta, que acho que ficou bem melhor que o livro, mas existem aqueles que destroem a obra, como bussola dourada, e sempre vão existir, é complicado transpor em uma cena ou em um gesto um sentimento que teve pelo menos dois parágrafos para ser descrito, mas aos poucos os diretores vão pegando o jeito e as adaptações vão ficando melhores.
     
  6. Tayana

    Tayana Usuário

    Geralmente deixa a desejar, mas não creio que seja sempre...
     
  7. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Gosto muito de dois que foram apontados aqui: Coraline e O Silêncio dos Inocentes. O Senhor dos Anéis considero fantástico (sem trocadilho), acho muito bom mesmo; mas o livro consegue ainda ser bem superior, embora, obviamente, se tratem de linguagens diferentes e portanto julgá-las conjuntamente merece reservas.
     
  8. Bruno Masei

    Bruno Masei Usuário

    É. A questão que o pessoal teima em não aceitar é a diferenciação de linguagens entre literatura e cinema.

    Claro que isso não justifica algumas escolhas horríveis que se fazem por aí 'em nome de uma linguagem diferente'.
     
  9. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]Obviamente, não quis relativizar aqui as escolhas não Bruno, o que estou dizendo é que sim, as linguagens diferentes condicionam leituras diferentes e a qualificação dessas se baseiam em critérios diferentes, isso, contudo, não faz com que todas as adaptações sejam boas.

    Isso é genérico pra caramba, mas parece que o "espírito" (essência) da obra literária tem que ficar visível no filme, mesmo que muitas adaptações tenham sido feitas. O Senhor dos Anéis, por exemplo, apesar das inúmeras adaptações feitas (e foram várias, de fato) conseguiu transmitir o espírito do livro, aquele clima que rondava cada cenário, aquela aura que emanava de cada personagem. Só que, na contraparte temos que, justamente pelo formato, a complexidade de nomes e situações foi suprimida ou resumida por que o formato cinematográfica segue outro ritmo e tem outro modus operandi. A própria transmutação visual das palavras sofre muitas mudanças.

    Às vezes penso que para adaptar uma obra para o cinema, o diretor, juntamente com sua equipe, deve conhecer profundamente a obra, para captar dela não só as situações isoladas, mas o todo, desde a caracterização dos personagens (tanto em aparência quanto em essência) até a "mensagem geral" da obra. Saber exatamente aonde aquela construção narrativa e visual quer chegar é um pré-requisito básico para construir uma adaptação boa.

    As Vinhas da Ira é um bom exemplo disso, pois a semelhança entre o livro e o filme é gigantesca, mesmo que o final tenha sido abrandado no filme. O espírito da obra permanece, mas o desfecho ameniza a crueza da última página do livro. De modo geral o filme se mantém fiel a obra, apesar das adaptações.

    Isso me leva a pensar: será que o filme tem que ser a reproduçao visual tal-e-qual do livro ou será que ele deve se manter fiel e complementar ainda (embora isso seja quase inconsciente)?[/align]
     
  10. Cesar Vinicius

    Cesar Vinicius Usuário

    Achei muito interessante e bem feitos os ultimos filmes qe fizeram de historias do Stephen King, no caso o Quarto 1408 e O Nevoeiro....
    Alguém viu esses??
     
  11. nanamft

    nanamft Usuário

    Não vejo como um filme possa ser a reprodução fiel de um livro. Quando lemos um livro criamos nosso próprio mundo, por isso, vou "enxergar" as cenas de maneira diferente das outras pessoas.

    Também acho que é quase impossível que um filme tenha todos os detalhes do livro, por isso muitos roteiristas optem por modificações na história para que elas fluem melhor no contexto do filme.

    Mas, concordo com o Lucas, essas adaptações devem se atentar à essência do livro.
     
  12. Pips

    Pips Old School.

    É melhor que não existam adaptações vendo pelo seu ponto de vista. Por mais que queiramos algo completamente fiel a obra original, pensamentos, estruturas, metáforas, tudo, se torna complicado de adaptar. A transferência de uma mídia para outra é um trabalho artístico muito complex. Em suma, o que se deve preservar acima de tudo em uma adaptação é conteúdo da obra e a voz do autor.

    A única obra que vi até hoje conseguir ser fiel realmente é Onde os Fracos Não Tem Vez. Outras que conseguiram um feito interessante é A Insustentavel Leveza do Ser.
     
  13. Liico

    Liico Usuário

    Não chega a ser isso Pips, adaptações boas existem, até citei algumas junto do meu comentário, mas cenas como a que eu citei perdem o propósito se mal adaptadas. Watchmen (falando de adaptações de quadrinhos) tinha tudo para dar certo, mas no momento que ele coloca pessoas com socos capazes de quebrar concreto, e pessoas com conhecimento de técnicas de luta, capazes de quebrar braços e dar golpes extremamente fortes, ele perdeu o propósito inicial, que era mostrar pessoas comuns, sem nenhum treinamento prévio, indo as ruas para combater o que julgavam errado. Não citar a metáfora ou não dirigir a cena de forma que faça o personagem a chegar nas mesmas sensações que o autor quis expressar faz com que a cena perca o propósito e fique perdida no ritmo.

    Adaptações são Adaptações, nunca serão Traduções literais de uma obra, mas descaracterizar cenas da obra, tornando o filme apenas "visualmente parecido" não é adaptar a obra, e se basear nela para criar outra coisa. Claro que filmes devem ser analisados de forma que se sustentem apenas como filme, independente de onde o roteiro tenha se baseado, porém, se você insere passagens da obra original no seu filme e simplesmente esquece de tentar projetar a sensação original, todo o propósito fica de lado,e lá ficamos nós, com uma cena basicamente sem sentido.

    1984 é uma péssima adaptação não só por essa cena, mas por diversas cenas que tentaram, sem sucesso, projetar no espectador a mesma sensação do livro, coisa que não conseguiram alcançar em vários momentos do filme, talvez em alguns poucos momentos, mas em apenas alguns, mas não é uma obra impossível de ser adaptada, só acho que não foram felizes em sua adaptação, mas nada que prove que todo livro é impossivel de ser adaptado, só existem alguns que precisam de um cuidado redobrado. como disseram aí em cima, para se adaptar um livro, precisa conhecer intimamente a obra, para conseguir transpor para a cena aquilo que o livro colocou em palavras, o que torna tudo duplamente mais complicado.
     
  14. Pips

    Pips Old School.

    O problema de adaptações de quadrinhos é sempre um problema. Primeiro querem amarrar história + origem e encher de efeitos especiais. Depois veio Sin City e acharam que a fidelidade plástica era essencial para uma adaptação (o que se provou errado em Spirit e Watchmen).

    Nesse caso o conteúdo da obra foi ignorado, ao meu ver, por mais que eles mostrem todos os cenários e o conteúdo político, soou bem falso com aquelas cenas de ação absurdas (que ignorem por completo o plot inicial), sem contar que eles mudaram uns fatos importantes para que a obra seja grandiosa.

    Quando vejo, por exemplo, Ensaio sobre a Cegueira, sei que a voz do autor foi mantida e que o essencial da obra (conteúdo) é preservado, ainda mais quando a cena chave (perto dos créditos finais) é mantida.

    Entretanto eu vejo o filme 1984 uma obra adaptada por causa do ano, uma homenagem a data, e também pelo período histórico que o mundo estava. Não podemos esquecer que ainda haviam dois polos no mundo. A URSS caminhava lentamente para o seu declínio, enquanto os EUA pregavam a liberdade. Dessa forma, eu não nego que a adaptação poderia ser melhor, mas acho ela muito fiel ao contexto do livro e ao contexto histórico do momento.

    Pego de exemplo V de Vingança, por mais que os puritanos de plantão torçam o nariz (e o final foi mudado drasticamente), ele foi feito numa época onde o terrorismo estava na boca da política internacional. É só lembrar de Jean Charles, atentados, guerra do afeganistão; tudo indicava que era por causa de terrorismo. E aí surge uma adaptação que fala exatamente sobre o terrorismo, por mais que o ato do filme seja em cima de um totalitarismo midiático (alô, USA?). E o final apenas mostra o quanto pessoas lutam pela sua liberdade e igualdade e morrem ou são ignoradas. A voz de V foi preservada, apesar de detonarem do meio para o fim o plot principal.
     
  15. Liico

    Liico Usuário

    concordo contigo, mas só complementando, não acho que as adaptações de quadrinho sejam mais difiícieis, acho que adaptar algo sempre será difícil, mas é isso, não é impossível.
     
  16. Lu Eire

    Lu Eire Usuário

    Literatura e cinema sempre serão diferentes, não tem como negar.

    Eu acho que não tem de ser feitas comparações na linha 'isso não era para ser assim'. Afinal, por que um filme não pode ser bom só porque ele não é completamente fiel ao livro?

    Mas o que vocês apresentaram de exemplos até agora foram adaptações de textos/quadrinhos bons. Nunca houve nenhum caso de vocês gostarem mais da adaptação cinematográfica do que a versão do papel?
     
  17. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]Como já tinha dito em um
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , gosto muito de Coraline, que acho cinematograficamente superior ao livro.

    Um fator que esquecemos de considerar aqui e que acho de fundamental importância é o fato de que muitas coisas "separam" o livro de seu filme além da estrutura da narrativa, do plot e da história (trama) em si:

    - os autores (escritor e diretor);
    - tempo decorrido entre um e outro;
    - contexto histórico em geral

    essas três coisas são fatores determinantes, sendo que ambos tem um papel preponderante no que diz respeito a influência na obra. O autor é quem delimita e escolhe quais elementos devem entrar e sair, quais devem ser enfatizados ou minimizados, as vinculações que esses produtos culturais estão submetidos etc.

    O contexto histórico sintetiza as mudanças em âmbito geral na época das duas produções, desde os patrocinadores, o público, as questões de seu tempo, o papel dessa ou daquela linguagem frente ao seu contexto enfim, há uma infinidade de diferenças que devem ser levadas em consideração.

    Mesmo que pareça cada vez mais dificultoso comparar as duas coisas, ainda assim esse exercício é possível.[/align]
     

Compartilhar